Guerra Filipino-Americana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guerra Filipino-Americana
Manila646 1899.jpg
Soldados americanos da Companhia B perto de Manila em 1899.
Data 1899 a 1913
Local Filipinas Sudeste da Ásia
Desfecho Vitória dos Estados Unidos e dissolução da Primeira República filipina
Combatentes
Flag of the Philippines.svg Filipinas
Sultanato de Sulu
Guerrilheiros
 Estados Unidos
Flag of the United States.svg Constabulario Filipino
Flag of the United States.svg Escoteiros Filipinos
Flag of the United States.svg Apoiantes Filipinos
Principais líderes
Flag of the Philippines.svg Emilio Aguinaldo
Flag of the Philippines.svg Miguel Malvar
Philippine revolution flag kkk1.svg Paciano Rizal
Philippine revolution flag kkk1.svg Macario León Sácay
Flag of the Philippines.svg Dionisio Seguela
Sultão de Sulu
Flag of the United States.svg William McKinley
Flag of the United States.svg Theodore Roosevelt
Flag of the United States.svg Elwell Otis
Flag of the United States.svg Arthur MacArthur
Flag of the United States.svg John Pershing
Flag of the United States.svg General Jacob Smith
Forças
80.000 126.000
Vítimas
12.000 a 20.000 (militares) 200.000 a 1.500.000 (civis) 4.196

A Guerra Filipino-Americana, também conhecida como a Guerra de Independência das Filipinas ou o Insurreição Filipina (1899-1902),[1] foi um conflito armado entre um grupo de revolucionários filipinos e os Estados Unidos, que surgiu da luta da Primeira República Filipina para obter independência, após a anexação pelos Estados Unidos. [2] [3] A guerra foi parte de uma série de conflitos na luta pela independência das Filipinas, precedida pela Revolução Filipina e da Guerra Hispano-Americana.

Causas do conflito[editar | editar código-fonte]

As causas básicas da Guerra Filipino-americana podem ser encontradas cotejando-se a busca do governo dos EUA para um império ultramarino e o desejo do povo filipino para a liberdade. Em outras palavras, esta guerra foi um confronto entre as forças do imperialismo e do nacionalismo.

Depois de séculos como colônia espanhola, uma revolução liderada em parte por Emilio Aguinaldo estourou em 1896 nas ilhas Filipinas. Depois de lutar uma guerra de guerrilha selvagem por dois anos e meio, os filipinos de repente se viram numa posição aparentemente vantajosa, como aliados dos Estados Unidos. Em 1898, Espanha travou uma guerra perdida com os Estados Unidos em que suas colônias de Cuba, Porto Rico e Guam foram invadidos com relativa facilidade pelo Exército dos EUA e sua Frota do Atlântico desembarcou em Santiago de Cuba. Da mesma forma, a Frota do Pacífico espanhola foi eliminada na batalha da baía de Manila, e as tropas americanas desembarcaram na periferia desta capital.

Após a rendição do governo colonial espanhol nas Filipinas para forças militares americanas em agosto de 1898, as tensões entre EUA e Filipinas surgiram, quando o governo americano decidiu manter as Filipinas como uma colônia, negando assim a independência para o povo filipino. Aguinaldo e seu exército de cerca de 80.000 soldados veteranos perceberam que seus "aliados" na guerra espanhola logo se tornariam os inimigos.

Descrição do conflito[editar | editar código-fonte]

Enquanto as forças americanas dominavam Manila, o exército de Aguinaldo ocupava uma trincheira de linha ao redor da cidade. Na noite de 4 de fevereiro de 1899, o soldado William Grayson atirou em um grupo de filipinos que se aproximavam de sua posição, provocando uma resposta armada. Os confrontos logo se espalharam ao longo de 15 quilômetros das linhas americano-filipinas, causando centenas de vítimas. Após o início das hostilidades, as tropas dos EUA, apoiados por bombardeios da frota do almirante Dewey, rapidamente dominaram as posições filipinas, infligindo milhares de vítimas. Em poucos dias, as forças americanas expandiram-se a partir de Manila, usando o poder de fogo superior, artilharia móvel e comando do mar para efeito completo.

Em 2 de junho de 1899, a Primeira República das Filipinas declarou oficialmente guerra contra os Estados Unidos.[4]

Em novembro de 1899, Aguinaldo e suas forças haviam sido empurrados mais e mais para o centro de Luzon (a ilha principal das Filipinas) e ele percebeu que não podia lutar contra os americanos com unidades militares convencionais. Neste ponto, ele ordenou seus seguidores a vez de táticas de guerrilha para combater o exército americano. Deste ponto em diante, a guerra tornou-se um conflito de guerrilha composta por emboscadas, massacres e retribuição, com ambos os lados envolvidos na violência desenfreada. Aldeias foram destruídas, civis assassinados, torturados e mutilados, juntamente com uma série de outras atrocidades. Muitos oficiais americanos haviam servido nas guerras indígenas, e, assim, aplicou a velha crença de que "o único índio bom era índio morto" para as suas relações com os filipinos. Esta atitude, obviamente, foi retribuída pelas forças nativas.

Emilio Aguinaldo foi capturado em março de 1902, e oposição organizada de seus seguidores logo desapareceram. Apesar do fim oficial das hostilidades proclamada em 4 de julho de 1902. [5] , as tribos individuais em Luzon e os muçulmanos das ilhas do sul lançou novas rebeliões por mais uma década, até sua derrota na batalha de Bud Bagsak em 15 de junho de 1913. [6]

Consequências do conflito[editar | editar código-fonte]

  • A guerra e a ocupação pelos Estados Unidos mudaria a paisagem cultural das ilhas, o número estimado de vítimas entre 34000 a 1000.000 pessoas, o desestabelecimento da Igreja Católica como religião de Estado, e a introdução do idioma inglês como o idioma principal do governo e algumas empresas. Os estadunidenses adotaram uma política de destruição de cidades e aldeias e aprisionamento da população em campos de concentração, para isolá-la dos guerrilheiros. O resultado, conhecido como Genocídio Filipino foi o assassinato de mais de 10% da população do arquipélago, que caiu de 9 para 8 milhões.[7] [8]
  • Em 1916, os Estados Unidos concederam a autonomia às Filipinas e prometeu eventual auto-governo, que entrou em vigor em 1934. Em 1946, após a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos reconheceram a independência das Filipinas através do Tratado de Manila.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • A Guerra Filipino-Americana pode ser considerada o primeiro conflito imperialista envolvendo os Estados Unidos.

Referências

  1. Wolters, W.G. (2004), "Philippine War of Independence", in Keat Gin Ooi, Southeast Asia: A historical encyclopedia from Angkor Wat to East Timor, II, Santa Barbara, CA: ABC-CLIO, ISBN 1576077705, http://books.google.com/books?id=QKgraWbb7yoC&pg=PA1075 
  2. Treaty of Peace Between the United States and Spain; December 10, 1898, Yale University, http://avalon.law.yale.edu/19th_century/sp1898.asp 
  3. Carman Fitz Randolph (2009), "Chapter I, The Annexation of the Philippines", The Law and Policy of Annexation, BiblioBazaar, LLC, ISBN 9781103324811, http://books.google.com/books?id=g07Vz_oKDMcC&pg=PA1 
  4. Kalaw 1927, pp. 199–200.
  5. Worcester 1914, p. 180.
  6. Constantino 1975
  7. Tipografía del Colegio de Santo Tomás de Manila, titulado Geografía General de Las Islas Filipinas, Padre Fray Manuel Arellano Remondo, p.15
  8. "The Philippines: Land of Broken Promises", James B. Goodno, New York, 1998. p.31