Guerra do Iraque

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde janeiro de 2014).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Guerra do Iraque
Iraq header 2.jpg
No sentido horário, começando pelo canto superior esquerdo: uma patrulha conjunta em Samarra, a queda da estátua de Saddam Hussein na praça Firdos; um soldado do Exército iraquiano com seu fuzil durante um assalto, um IED explode no sul de Bagdad.
Data 20 de março de 2003 – 15 de dezembro de 2011[1]
(8 anos, 8 meses, 3 semanas e 4 dias)
Local  Iraque
Desfecho Operações militares da Coalizão encerradas e pequenos níveis de confrontos internos[2] [3]
  • Ocupação do território por forças da Coalizão ocidental, deposição do governo do partido Baath e execução do ditador Saddam Hussein.
  • Surgimento de uma insurgência armada e rebentamento de uma guerra civil no Iraque.
  • Grande número de vítimas civis e grandes danos infraestruturais.
  • Privatização de numerosos serviços públicos iraquianos.
  • Eleição de um novo governo democrático e enfraquecimento da insurgência.
  • Retirada das tropas americanas do Iraque.
Combatentes
Força de invasão:
Estados Unidos Estados Unidos
Reino Unido Reino Unido
 Dinamarca
 Austrália
 Polônia
Flag of Kurdistan.svg Peshmerga

Pós-invasão:
 Iraque

Coalizão Internacional:

Ao menos 30 outros países
Flag of Iraq (1991-2004).svg Iraque Baathista
Flag of the Ba'ath Party.png Lealistas do Partido Baath
Flag of Promised Day Brigades.svg Exército Mahdi
Flag of al-Qaeda in Iraq.svg Al-Qaeda
Flag of Islamic State of Iraq.svg Estado Islâmico do Iraque
Flag of Jihad.svg Exército Islâmico do Iraque
Outros grupos terroristas e de resistência
Principais líderes
Estados Unidos George W. Bush
Estados Unidos Barack Obama
Estados Unidos Tommy Franks
Estados Unidos Ricardo Sanchez
Estados Unidos George Casey
Estados Unidos David Petraeus
Estados Unidos Raymond T. Odierno
Estados Unidos Lloyd Austin
Reino Unido Tony Blair
Reino Unido Gordon Brown
Reino Unido David Cameron
Reino Unido Brian Burridge
Espanha José María Aznar
Itália Silvio Berlusconi
Polónia Lech Kaczyński
Iraque Nouri al-Maliki
Flag of Iraq (1991-2004).svg Saddam Hussein[4]
Flag of Iraq (1991-2004).svg Izzat Ibrahim ad-Douri
Flag of al-Qaeda in Iraq.svg Abu Musab al-Zarqawi
Flag of al-Qaeda in Iraq.svg Abu Ayyub al-Masri
Flag of Islamic State of Iraq.svg Omar al-Baghdadi
Flag of Islamic State of Iraq.svg Abu Suleiman al-Naser
Flag of Islamic State of Iraq.svg Abu Bakr al-Baghdadi
Flag of Promised Day Brigades.svg Moqtada al-Sadr
Shiism arabic blue.svg Abu Deraa
Forças
Força de invasão (2003–2004)
~300 000

Forças da Coalizão (2004–2009)
176 000 (auge)
Forças paramilitares
6 000–7 000 (estimativa)[5]
Forças de Segurança Iraquianas
805 269 (militares e paramilitares: 578 269,[6] polícia: 227 000)
Curdistão Iraquiano
~400 000[7]

Exército Iraquiano:
375 000 (dispersado em 2003)

Insurgentes sunitas
~70 000 (2007)[8]
Exército Mahdi
~60 000 (2007)[9]
Al-Qaeda
~1 300 (2006)[10]
Estado Islâmico do Iraque
~1 000 (2008)

Vítimas
Forças de Segurança Iraquiana (pós-Saddam)

Mortos: 16 623[11]
Feridos: 40 000+[12]

Forças da Coalizão
Mortos: 4 805[13] [14] (4 487 americanos mortos,[15] 179 britânicos mortos,[16] 139 mortos de outros países)
Desaparecidos/capturados (EUA): 8 (todos recapturados)[17] [18]
Feridos: 32 753+ (32 226 americanos,[19] 315 britânicos, 212 de outros países[20] )[21] [22] [23] [24] Feridos/doentes/outros: 51 139 (47 541 americanos,[25] 3 598 britânicos)[21] [23] [24]
Empresas militares privadas
Mortos: 1 554[26] [27]
Feridos: 43 880[26] [27]

Total de mortos: 24 219
Total de feridos: 117 961

Combatentes iraquianos mortos (período da invasão): 7 600–11 000[28] [29]

Insurgentes (pós-Saddam)
Mortos: 21 221–26 405 (2003-2011)[30]

Total: 28 821–37 405 mortos

Inspetores de armas da ONU no Iraque, 2002.

A Guerra do Iraque também referida como Ocupação do Iraque[31] ou Segunda Guerra do Golfo,[32] ou Terceira Guerra do Golfo ou ainda como Operação Liberdade do Iraque (em inglês: Operation Iraqi Freedom),[33] foi um conflito que começou a 20 de Março de 2003 com a invasão do Iraque, por uma coalizão militar multinacional liderada pelos Estados Unidos. Formalmente, foi encerrado a 15 de dezembro de 2011.[34]

O principal motivo para a guerra oferecido pelo ex-presidente norte-americano George W. Bush, pelo ex-primeiro-ministro britânico Tony Blair, e os seus apoiantes foi de que o Iraque estava desenvolvendo armas de destruição maciça.[35] [36] Estas armas, argumentava-se, ameaçavam a segurança mundial.[37] No discurso do estado da União de 2003, Bush defendeu que os Estados Unidos não poderiam esperar até que a ameaça do líder iraquiano Saddam Hussein se tornasse iminente.[38] [39] Para justificar a guerra, alguns responsáveis norte-americanos referiram também que havia indicações de que existia uma ligação entre Saddam Hussein e a Al-Qaeda. Apesar disso não foram encontradas provas de nenhuma ligação substâncial à Al-Qaeda, ou armas de destruição em massa.[40]

A guerra começou a 20 de Março de 2003, quando forças majoritariamente americanas e britânicas, apoiadas por pequenos contingentes da Austrália, da Dinamarca e da Polônia invadiram o Iraque. A invasão levou pouco tempo até à derrota e à fuga de Saddam Hussein. A coligação liderada pelos americanos ocupou o Iraque e tentou estabelecer um governo democrático; no entanto falhou na tentativa de restaurar a ordem no páis. A instabilidade levou a um conflito assimétrico sectário com a insurgência iraquiana, levando a uma violenta guerra civil entre muitos iraquianos sunitas e xiitas e as operações da Al-Qaeda no Iraque. Como resultado do seu fracasso em restaurar a ordem, um número crescente de países retiraram as suas tropas do Iraque. As causas e consequências da guerra mantêm-se controversas.

No dia 15 de dezembro de 2011, os Estados Unidos anunciaram formalmente através de uma cerimônia de passagem de comando de tropas em Bagdá o fim da guerra no Iraque.[41] [42] [43] [44] [45] [46] Um novo governo iraquiano emergiu e uma certa estabilidade política e economica tomou conta da nação, porém a violência por parte de grupos extremistas continuou mesmo após a saída das forças da coalizão internacional.[47]

A estimativa do total de pessoas mortas na guerra diverge de fonte para fonte, com os números variando de 100 000 a até 500 000 fatalidades.[48]

Índice

1991-2003: Os inspetores da ONU e as zonas de voo interditadas[editar | editar código-fonte]

Após a Guerra do Golfo de 1991, a resolução nº 687 do Conselho de Segurança das Nações Unidas ordenou que os programas químicos, biológicos, nucleares e de mísseis de longo alcance do Iraque fossem encerrados e que todas estas armas fossem destruídas sob supervisão de uma Comissão Especial das Nações Unidas. Inspectores das Nações Unidas no Iraque deveriam verificar a destruição de grandes quantidades de armas de destruição maciça, mas, em razão da falta de cooperação do governo iraquiano, estes abandonaram o Iraque em 1998, e muitos problemas ficaram por resolver.

Além das inspeções, os Estados Unidos e o Reino Unido (juntamente com a França até 1998) envolveram-se num conflito "frio" com o Iraque para obrigá-lo a respeitar as zonas de voo interdito norte e sul. Estas zonas foram criadas após a Guerra Irão-Iraque para proteger o Curdistão iraquiano, no norte, e as zonas xiitas meridionais. A interdição foi vista pelo governo iraquiano como uma violação da soberania iraquiana. Baterias antiaéreas iraquianas e patrulhas aéreas americanas e britânicas trocavam fogo regularmente durante este período.

Aproximadamente nove meses depois dos ataques de 11 de Setembro de 2001, os Estados Unidos iniciaram a chamada Operação Foco a Sul, alterando a sua resposta estratégica, aumentando o número de missões e seleccionando os alvos através das zonas de voo proibidas, com o objetivo de destruir a estrutura de comando do Iraque. O peso das bombas largadas aumentou de 0 em Março de 2002 e de 0,3 toneladas em Abril do mesmo ano para 8 a 14 toneladas por mês de Maio a Agosto, atingindo um pico de 54,6 toneladas em Setembro.

2001-2003: Crise do desarmamento iraquiano e acções dos serviços secretos antes da guerra[editar | editar código-fonte]

A justificação original para a guerra do Iraque era o programa de desenvolvimento de armas de destruição maciça pelo Iraque e a alegada colaboração de Saddam Hussein com a Al-Qaeda. No entanto, as informações em que se basearam estas duas justificações foram criticadas e largamente desacreditadas após a invasão, sendo que a administração Bush foi acusada de falsear informações dos serviços secretos.

A questão do desarmamento iraquiano chegou a um ponto de crise quando o presidente norte-americano, George W. Bush, exigiu o fim da produção de armas de destruição em massa por parte do Iraque e o respeito total das resoluções da ONU, que requeriam o acesso sem limites dos inspectores de armamento da ONU a instalações suspeitas de produzirem essas armas. Desde a Guerra do Golfo, a ONU tinha proibido o Iraque de desenvolver e possuir tais armas e exigira que o cumprimento dessa resolução fosse confirmado através de inspecções. Ao longo de 2002, Bush apoiou as exigências de inspecção ilimitada e de desarmamento com a ameaça de uso da força. Após a resolução 1441 do Conselho de Segurança da ONU,[49] que dava ao Iraque uma oportunidade final para cumprir suas obrigações de desarmamento, o Iraque concordou em cooperar com novas inspecções.[50] Durante as inspecções, nenhuma arma de destruição maciça foi encontrada. No entanto, o governo norte-americano continuou a manifestar cepticismo relativamente às declarações iraquianas acerca do programa.

Nos estágios iniciais da Guerra ao Terrorismo, a CIA, sob a direcção de George Tenet, estava a tornar-se a principal agência na guerra no Afeganistão. Mas quando Tenet insistiu, em reuniões pessoais com o presidente Bush, que não havia nenhuma ligação entre a Al-Qaeda e o Iraque, o vice-presidente Dick Cheney e o secretário da defesa Donald Rumsfeld iniciaram um programa secreto para reavaliar as informações existentes e marginalizar Tenet e a CIA . As informações questionáveis adquiridas por este programa secreto foi enviada ao vice-presidente e apresentada ao público.

No caso, o departamento de Cheney deixava "escapar" informações para os jornalistas, a qual seria apoiada por meios de comunicação como o The New York Times. Cheney aparecia então em programas televisivos de fim de semana para discutir essas informações, referenciando o "The New York Times" como fonte para dar credibilidade a essa informação.[51]

As alegadas armas de destruição maciça[editar | editar código-fonte]

No fim de Fevereiro de 2003, a CIA enviou o ex-embaixador Joseph C. Wilson para investigar alegações duvidosas de que o Iraque tinha tentado comprar concentrados de urânio ao Níger. Wilson voltou e informou a CIA de que as vendas desses concentrados ao Iraque eram "inequivocamente errados". No entanto, a administração Bush continuou a mencionar as compras de concentrados como justificação para a acção militar, especialmente no discurso do Estado da União de Janeiro de 2003, em que o presidente Bush repetiu a alegação, citando fontes dos serviços secretos britânicos.[52]

Como resposta, Wilson escreveu uma coluna crítica no New York Times em Junho de 2003 explicando que a CIA tinha investigado essas alegações e tinha concluído que eram falsas. Pouco depois da coluna de Wilson ter sido editada, a identidade da sua esposa, Valerie Palmer, analista secreta da CIA, foi revelada numa coluna de Robert Novak. Dado que é ilegal revelar a identidade de um agente da CIA, a coluna de Novak deu origem a uma investigação do departamento de justiça acerca da fonte da fuga de informação. Lewis 'Scooter' Libby, o chefe de gabinete de Dick Cheney, foi condenado por perjúrio no Caso Plame. Descobriu-se que a fonte da fuga fora Richard Armitage. Este nunca foi acusado judicialmente.

O Secretário de Estado americano, Colin Powell com uma amostra de antrax durante uma reunião do Conselho de Segurança das Nações Unidas. O governo Bush alegava que o Iraque de Saddam tinha vários estoques deste componente químico, além de outros.

Um memorando do governo britânico foi publicado no The Sunday Times a 1 de Maio de 2005. Conhecido como o "Memorando de Downing Street" contém um resumo de uma reunião secreta entre o governo trabalhista do Reino Unido, figuras da defesa e dos serviços secretos discutindo os passos que levariam à guerra do Iraque-incluindo referências directas a procedimentos confidenciais americanos da altura. O memorando referia que "Bush queria remover Saddam através de uma acção armada, justificada pela conjunção de terrorismo e armas de destruição maciça. Mas as informações dos serviços secretos e os factos estavam a ser construídos à volta desta directiva", e não o contrário.[53]

De acordo com o jornalista Sidney Blumenthal, a 18 de Setembro de 2002, George Tenet informou George Bush que Saddam Hussein não tinha armas de destruição massiva. Blumenthal diz que Bush desvalorizou esta informação secreta do círculo próximo de Saddam, a qual fora aprovada por dois responsáveis superiores da CIA, e que se acabou por revelar totalmente verdadeira. Esta informação nunca foi partilhada com o Congresso nem mesmo com agentes da CIA que examinavam se Saddam tinha ou não estas armas.[54]

Em Setembro de 2002, a administração Bush disse que as tentativas do Iraque de adquirir milhares de tubos de alumínio de elevada força apontavam para um programa clandestino para enriquecer urânio para fazer bombas nucleares. Esta opinião foi apoiada pela CIA e DIA mas foi contestada pelo Departamento de Energia (DOE) e pelo INR, o que era significativo uma vez que o DOE era o único departamento estatal americano com conhecimentos em centrifugadoras de gás e programas de armas atómicas.

Autorização do uso da força[editar | editar código-fonte]

Em Outubro de 2002, poucos dias antes da votação no senado norte-americano sobre a Resolução Conjunta para autorizar o uso das Forças Armadas Norte-americanas contra o Iraque, foi dito a cerca de 75 senadores que Saddam Hussein tinha os meios de atacar a costa oriental dos EUA com armas biológicas ou químicas através de aviões não pilotados.[55] Colin Powell sugeriu ainda na sua apresentação de informações ao Conselho de Segurança que estes estavam prontos a ser lançados contra os EUA. Nessa altura havia uma disputa vigorosa entre os serviços secretos sobre se as conclusões da CIA sobre os aviões não pilotados eram corretas. A Força Aérea dos Estados Unidos, a agência mais familiarizada com estes aparelhos, o Núcleo de Informações e Investigação do Departamento de Estado e a Agência de Informações de Defesa negaram que o Iraque possuísse alguma capacidade ofensiva deste tipo, dizendo que os poucos aviões não tripulados que o Iraque possuía estavam desenhados e destinavam-se apenas a vigilância.[56]

Manifestantes anti-guerra marchando em Londres, 2002.

A maioria do Comité dos Serviços de Informações concordou neste último ponto. De facto, a frota iraquiana de aviões não tripulados nunca entrou em combate e consistia num punhado de equipamentos de treino de origem checa, dotados câmaras, mas sem capacidade ofensiva.[57] Apesar desta controvérsia, o senado votou a aprovar a Resolução Conjunta a 11 de Outubro de 2002, concedendo à administração Bush as bases legais para a invasão.

No princípio de 2003, os Estados Unidos, o Reino Unido e a Espanha propuseram a chamada "Resolução 18" para dar ao Iraque um prazo para cumprir as resoluções anteriores e que seria aplicada pela ameaça de acção militar. Esta resolução foi subsequentemente retirada por falta de apoio no Conselho de Segurança das Nações Unidas. Em particular a França e a Alemanha, membros da NATO, e a Rússia, opunham-se a uma intervenção militar no Iraque devido ao elevado risco para a segurança da comunidade internacional e defendiam o desarmamento através da diplomacia. A 20 de Janeiro de 2003 o ministro dos negócios estrangeiros francês Dominique de Villepin declarou "…acreditamos que a intervenção militar seria a pior solução".[58]

Na primeira semana de Março de 2003, o inspector de armas da ONU Hans Blix declarou que, relativamente ao Iraque, "Nenhuma evidência das actividades referidas se encontraram até agora", dizendo que tinham sido feitos progressos nas inspecções e que estas continuariam.[59] Contudo, o governo norte-americano anunciou que a diplomacia tinha falhado e que iria intervir com uma coligação de países aliados para eliminar as armas de destruição massiva do Iraque.[60] O governo norte-americano aconselhou abruptamente os inspectores de armamento da ONU a saírem imediatamente do Iraque.[61]

No dia 19 de março de 2003, teve início a invasão norte-americana do Iraque, com o ataque aéreo a Bagdad.[62]

Oposição ao conflito[editar | editar código-fonte]

Entretanto, grupos antiguerra por todo o mundo organizaram protestos públicos. De acordo com o académico francês Dominique Reynié, entre 3 de Janeiro e 12 de Abril de 2003, 36 milhões de pessoas em todo o mundo tomaram parte em quase 3000 protestos contra a guerra do Iraque, sendo as manifestações de 15 de Fevereiro as maiores e mais activas.[63]

Houve também sérias questões legais que rodearam a condução da guerra no Iraque, e a doutrina Bush da "guerra preventiva". A 16 de Setembro de 2004, Kofi Annan, Secretário Geral da ONU, disse sobre a invasão: "Indiquei que não foi em conformidade com a Carta das Nações Unidas. Do nosso ponto de vista, do ponto de vista da Carta, [a invasão do Iraque] foi ilegal".[64]

Guerra[editar | editar código-fonte]

2003: a invasão[editar | editar código-fonte]

Guerra do Iraque (situação em 2007).
LEGENDA: * Principais eixos de penetração (seta roxa) * Apoio aos eixos de penetração (seta lilás) * Linhas de comunicação (seta branca) * Principais batalhas (espadas cruzadas) * Operação do SOCOM USSOCOM.png * Ofensiva da coalizão (batalhas) Estados Unidos e Reino Unido * Ataque de insurgentes (rifle) * Triângulo Sunita (rosa) * Curdistão iraquiano (verde) * Território reivindicado pelo Curdistão (amarelo)
Blindados americanos em Bagdá, 2003.

A invasão do Iraque em 2003, comandada pelo general Tommy Franks, começou a 20 de Março, com o nome de código "Operation Iraqi Freedom" (Operação liberdade do Iraque) para a ofensiva norte-americana. O nome de código da ofensiva britânica foi Operação Telic. As forças da coligação cooperaram com as forças curdas peshmerga no norte. Aproximadamente outras 40 nações, designadas "a coligação dos interessados" ("coalition of the willing"), participaram fornecendo equipamento, serviços e segurança, tal como forças especiais. As forças militares iniciais da coligação eram de cerca de 180,000, dos quais 98% eram norte-americanos ou britânicos.[65]

O exército de Saddam foi rapidamente ultrapassado, apesar de a sua tropa de paramilitares, os Fedayin de Saddam, terem colocado uma resistência desafiadora. A 9 de Abril Bagdad caiu para as forças dos E.U.A.. A infantaria norte-americana cercou os ministérios abandonados do partido Baath e derrubaram uma enorme estátua de ferro de Saddam Hussein, terminado o seu domínio de 24 anos no Iraque. No entanto generalizaram-se pilhagens de instituições governamentais e uma grande desordem pouco tempo depois de as forças de Saddam Hussein, incluindo os Fedayin, se desmembraram em grandes proporções na cidade.[66]

Em 13 de Abril, Tikrit, a cidade natal de Saddam e a última cidade a ser tomada pela coligação, foi ocupada pelos fuzileiros da Task Force Tripoli. Talvez para a surpresa de muitos, a resistência foi pequena. A 15 de Abril os membros da coligação declararam que a guerra estava efectivamente terminada.

Estima-se que aproximadamente 9.200 combatentes iraquianos foram mortos nesta fase inicial da guerra. Além destes, o Projecto de contagem de vítimas do Iraque (Iraq Body Count Project) incorporando relatórios subsequentes, declarou que no fim da fase de maiores combates, até 30 de Abril, foram mortos 7.299 civis, fundamentalmente pelas forças aéreas e terrestres norte-americanas.[67]

De acordo com a CNN, o governo norte-americano reportou que tinham morrido 139 militares americanos em combate até 1 de Maio.[68] No mesmo período morreram 33 britânicos.[69]

A Autoridade Provisória da Coligação e o Grupo de Pesquisa do Iraque[editar | editar código-fonte]

Pouco depois da invasão, a coligação multinacional criou a Autoridade Provisória da Coligação, سلطة الائتلاف الموحدة, baseada na Zona Verde, como governo de transição do Iraque até ao estabelecimento de um governo democrático. Citando a resolução nº 1483 (de 22 de Maio de 2003) do Conselho de Segurança da ONU e as leis da guerra, a APC revestiu-se de autoridade legislativa, executiva e judicial desde 21 de Abril de 2003 até à sua dissolução a 28 de Junho de 2004.

A APC foi originalmente liderada por Jay Garner, antigo oficial norte-americano, mas a sua indicação durou apenas um breve período. Depois de Garner se demitir, o presidente Bush indicou Paul Bremer como chefe da APC e este serviu no cargo até à dissolução da Autoridade em Julho de 2004. Outro grupo criado na primavera de 2003 foi Grupo de Pesquisa do Iraque. Este foi uma missão de descoberta de factos enviada após a invasão pelas forças multinacionais para encontrar programas de armas de destruição massiva desenvolvidos pelo Iraque. Consistia numa equipe internacional de 1400 membros organizado pelo Pentágono e pela CIA para procurar armazéns suspeitos de armazenarem armas de destruição massiva, tal como agentes biológicos e químicos, e qualquer programa de investigação de apoio ou infraestruturas que pudessem ser usadas para desenvolver armas de destruição massiva. Em 2004, o relatório Duelfer do Grupo de Pesquisa do Iraque concluiu que o Iraque não tinha nenhum programa de armas de destruição massiva viável.

Declaração do fim das operações principais[editar | editar código-fonte]

O USS Abraham Lincoln voltando ao porto com a sua bandeira de Missão Cumprida.

Em 1 de setembro, o presidente Bush fez uma visita dramática ao porta-aviões USS Abraham Lincoln em serviço a algumas milhas a oeste de San Diego, Califórnia no regresso de uma longa missão que incluíra serviço no Golfo Pérsico. A visita teve o seu clímax ao pôr do sol com o discurso bem conhecido de Bush da "Missão Cumprida". Neste discurso transmitido para todos os Estados Unidos e feito perante pilotos e marinheiros no convés do porta-aviões, Bush declarou efectivamente vitória devido à derrota das forças convencionais iraquianas. No entanto, Saddam Hussein continuava em paradeiro incerto e mantinham-se bolsas de resistência.

Depois do discurso do presidente, as forças da coligação notaram um número gradualmente crescente de ataques às suas tropas em várias regiões, especialmente no "triângulo sunita".[70] No caos inicial após a queda do governo iraquiano, houve pilhagens maciças de edifícios do governo, residências oficiais, museus, bancos e instalações militares. De acordo com o pentágono, 250 000 toneladas de material foram pilhadas, fornecendo uma fonte significativa de armamento à insurgência iraquiana. Os insurgentes foram ainda ajudados por centenas de esconderijos de armas criados antes da invasão pelo exército convencional do Iraque e pela Guarda Republicana.

18 de Maio de 2004. O sargento Kevin Jessen verifica duas minas antitanque encontradas numa aldeia perto de Ad-Dujayl,[71] no triângulo sunita.

Inicialmente, a insurgência iraquiana (conhecida pela coligação como Forças Anti-Iraquianas) tinha como origem os Fedayin e os leais ao partido Baath, mas em breve os religiosos radicais e iraquianos contrários à ocupação contribuíram para a resistência à coligação. As três províncias com o número mais elevado de ataques eram Bagdade, Al anbar e Salah Ad Din. Estas províncias incluíam cerca de 35% da população; mas eram responsáveis por 73% das mortes de militares norte-americanos (até 5 de Dezembro de 2006; em datas mais recentes o número aumentaria ainda mais para cerca de 80%).[72] Os insurgentes usam tácticas de guerrilha incluindo morteiros, mísseis, ataques suicídas, atiradores furtivos, dispositivos explosivos improvisados, carros bomba, armas de fogo ligeiras e lança granadas, tal como sabotagem contra infraestruturas de água, petróleo e electricidade.

Os esforços da coligação do Iraque pós-invasão começaram após a queda do regime de Saddam Hussein. As nações da coligação, juntamente com as Nações Unidas, começaram a trabalhar para estabelecer um estado democrático e estável capaz de se defender a ele próprio,[73] manter-se coeso[74] bem como ultrapassar ataques de insurgentes e divisões internas.

Entretanto, as forças da coligação lançaram várias operações à volta da península do rio Tigre e no triângulo sunita. Até ao fim de 2003, a intensidade e frequência dos ataques dos insurgentes começou a aumentar. Um aumento significativo dos ataques de guerrilha levou a um esforço da insurgência nomeada a Ofensiva do Ramadão, uma vez que coincidiu com o início do mês santo dos muçulmanos. Para combater esta ofensiva, as forças da coligação começaram a utilizar forças aéreas e artilharia de novo pela primeira vez após o fim da invasão, atacando locais de emboscada suspeitos e posições de lançamento de morteiros. A vigilância das principais rotas, patrulhas e raides contra suspeitos de serem insurgentes foram aumentados. Além disso, duas aldeias, incluindo o local de nascimento de Saddam Hussein, al-Auja e a pequena cidade de Abu Hishma foram envolvidas por arame farpado e cuidadosamente monitorizadas.

No entanto, o fracasso na restauração dos serviços básicos para níveis de antes da guerra, no qual mais de uma década de sanções, bombardeamentos, corrupção e degradação das infraestruturas tinha já deixado as cidades a quase não funcionar, contribuiu para um rancor local contra o governo da IPA encabeçado por um conselho executivo.

A 2 de Julho de 2003 o presidente Bush declarou que as tropas americanas ficariam no Iraque apesar dos ataques, e desafiou os insurgentes dizendo: "A minha resposta é: que venham eles", uma frase bastante criticada, que o presidente lamentou mais tarde.[75] No verão de 2003, as forças multinacionais focaram-se também em capturar os líderes do regime anterior. A 22 de Julho, um raide da 101ª divisão aerotransportada e soldados da Task Force 20 mataram os filhos de Saddam Hussein (Uday and Qusay) juntamente com os seus netos. Ao todo, mais de 300 líderes de topo do regime anterior foram mortos ou capturados, tal como numerosos funcionários inferiores e pessoal militar.

A captura de Saddam Hussein[editar | editar código-fonte]

Saddam Hussein pouco depois da sua captura.

No contexto das informações dos serviços secretos que levaram aos raids contra os membros do partido Baath ligados à insurgência, Saddam Hussein foi ele próprio capturado a 13 de dezembro de 2003 numa quinta perto de Tikrit na operação Red Down. A operação foi conduzida pela 4 ª divisão de infantaria do exército norte-americano e por membros da Task Force 121.

Com a captura de Saddam e uma queda do número de ataques dos insurgentes, alguns concluíram que as forças multinacionais estavam a ter sucesso na luta contra a insurgência. O governo provisório começou a treinar novas forças de segurança iraquianas para defenderem o país, e os Estados Unidos prometeram 20 mil milhões de dólares de crédito na forma de futuros ganhos petrolíferos para a reconstrução. Mais valias resultantes do petróleo foram também usadas para reconstruir escolas e infraestruturas eléctricas e de refinação de petróleo.

Pouco depois da captura de Saddam Hussein, elementos deixados de fora da Autoridade da Coligação Provisória começaram a agitar-se pelas eleições e pela formação de um governo iraquiano interino. O mais proeminente entre estes foi o clérigo xiita Grande Aiatolá Ali al-Sistani. Autoridade da Coligação Provisória opôs-se à autorização de eleições democráticas neste momento, preferindo em vez disso uma entrega de poder para um governo interino iraquiano.[76] Devido a uma luta interna pelo poder no interior do novo governo Iraquiano, mais insurgentes aumentaram as suas actividades. Os dois centros mais turbulentos eram a área em redor de Fallujah e as secções xiitas pobres de Bagdade (Sadr City) até Bassorá.

O crescimento da insurgência[editar | editar código-fonte]

O início de 2004 foi marcado por certa calma na violência. As forças insurgentes reorganizaram-se neste período, estudando as tácticas das forças multinacionais e planejando ofensivas renovadas. No entanto a violência aumentou durante a primavera com combatentes estrangeiros vindos da região do médio-oriente, bem como da Al-Qaeda (um grupo ligado à Al-Qaeda) liderada por Abu Musab al-Zarqawi ajudando a comandar a insurgência.

À medida que a insurgência crescia notou-se uma mudança distinta nos alvos, que passaram das forças da coligação para as novas forças de segurança iraquianas, sendo mortos centenas de policiais e civis iraquianos nos meses seguintes numa série massiva de bombas. Uma insurgência sunita organizada, com raízes profundas e motivações tanto nacionalistas como islamistas, tornava-se mais poderosa pelo Iraque. O xiita Exército Mahdi também começou a desencadear ataques contra forças da coligação como tentativa de controlar as forças de segurança iraquianas. As zonas centrais e meridionais começavam a entrar em erupção com guerrilhas urbanas à medida que as forças da coligação tentavam manter o controle e preparar uma contra-ofensiva.

Os combates mais sérios da guerra até ao momento começaram a 31 de março de 2004 quando insurgentes iraquianos em Fallujah emboscaram uma caravana da Blackwater USA liderada por milícias privadas que davam segurança a transportadores de alimentos da Eurest Support Services.[77] Os quatro milicianos, Scott Helvenston, Jerko Zovko; Wesley Batalona e Michael Teague, foram mortos com granadas e armas de fogo leves. Subsequentemente os seus corpos foram arrastados para fora dos seus veículos, espancados e incendiados, e os cadáveres queimados foram pendurados numa ponte sobre o rio Eufrates.[78] Foram divulgadas fotografias do acontecimento a agências de notícias de todo o mundo causando uma grande indignação nos Estados Unidos e levando a uma mal-sucedida pacificação da cidade: a primeira batalha de Falluja, em Abril de 2004.

Insurgentes iraquianos.

A ofensiva foi retomada em Novembro, na mais sangrenta batalha da guerra até então, a segunda batalha de Falluja, descrita pelo exército norte-americano como "os combates urbanos mais duros desde a batalha da cidade de Hue, no Vietname".[79] Durante o assalto, as tropas norte-americanas usaram fósforo branco como arma incendiária, causando controvérsia. Um ano depois, um documentário de vinte minutos, Fallujah: The hidden massacre, veiculado em 7 de novembro de 2005 pela RAI, a TV estatal italiana, comprovou o uso do fósforo contra civis.[80] [81] A batalha de dez dias resultou na vitória da coligação, com 54 americanos e aproximadamente 1000 iraquianos mortos. Fallujah ficou totalmente devastada durante os combates.[82]

Outro importante acontecimento deste ano foi a revelação dos abusos de prisioneiros em Abu Ghraib, que receberam a atenção dos meios de comunicação mundiais em Abril de 2004. Os primeiros relatos dos abusos, bem como as primeiras imagens de soldados americanos sujeitando prisioneiros a abusos foram divulgados num relatório de notícias do programa "60 minutes II", a 28 de Abril, e num artigo de Seymour M. Hersh no The New Yorker, divulgado on-line a 30 de Abril.[83] De acordo com o premiado jornalista Thomas E. Ricks, em seus livros Fiasco - The American Military Adventure in Iraq ("Fiasco - A aventura militar americana no Iraque") e The Gamble - General David Petraeus and the American Military Adventure in Iraq, 2006-2008 ("A Aposta - General David Petraeus e a Aventura Militar Americana no Iraque, 2006 - 2008")[84] [85] [86] estas revelações causaram grande abalo nas justificativas morais da guerra aos olhos dos americanos e da comunidade internacional e foram um divisor de águas na guerra.

2005: As eleições e a transferência da soberania[editar | editar código-fonte]

A 31 de Janeiro de 2005, os iraquianos elegeram, nas primeiras eleições legislativas, o governo transitório do Iraque, com o objectivo de criar uma constituição permanente. Apesar de alguma violência e de um grande boicote sunita terem marcado o evento pela negativa, a maioria da população elegível curda e xiita participou. A 4 de Fevereiro, Paul Wolfowitz anunciou que seriam evacuadas do Iraque no mês seguinte 15.000 tropas que tinham visto o seu dever prolongado para proporcionar segurança durante as eleições.[87] Entre Fevereiro e Abril houve um período relativamente pacífico comparado com as carnificinas de Novembro e Janeiro, com uma média de 30 ataques por dia em comparação com 70 no período anterior.

Esperanças de um fim rápido da insurgência e de uma retirada das forças norte americanas foram desfeitas me Maio; o mês mais sangrento no Iraque desde a invasão. Bombistas suicidas, crendo-se que na maioria árabes sunitas iraquianos, sírios e sauditas, fizeram-se explodir no Iraque. Os seus alvos eram na sua maioria encontros de xiitas e concentrações xiitas de civis. Como resultado, mais de 700 civis iraquianos morreram nesse mês, tal como 79 soldados norte-americanos.

No Verão de 2005 assistiu-se a combates ao redor de Bagdade e em Tall Afar no noroeste do Iraque à medida que as forças norte-americanas tentavam selar a fronteira com a Síria. Isto levou a combates no Outono nas pequenas cidades do vale do Eufrates entre a capital e a fronteira.[88]

Um referendo constitucional foi realizado em Outubro e a Assembleia Nacional foi eleita em Dezembro.[88]

Os ataques dos insurgentes aumentaram nesse ano com 34.131 incidentes registados, comparados com um total de 26.496 no ano anterior.[89]

2006: O governo iraquiano permanente e a guerra civil[editar | editar código-fonte]

Fuzileiros navais americanos vasculhando um prédio no Iraque em 2006.

O início de 2006 foi marcado pelas conversações para a constituição do governo iraquiano, pelo aumento da violência sectária e pela continuação dos ataques às forças da coligação. A violência sectária expandiu-se para um novo nível de intensidade após o ataque bombista à mesquita de al-Askari na cidade de Samarra, a 22 de Fevereiro. Pensa-se que a explosão na mesquita, um dos locais mais santos do Islão xiita, foi causada por uma bomba colocada pela Al-Qaeda iraquiana. Apesar de não terem resultado vítimas do ataque, a mesquita ficou severamente danificada e o ataque resultou em violência nos dias seguintes. Mais de 100 corpos baleados foram encontrados a 23 de Fevereiro, e pelo menos 165 terão morrido. Em consequência do ataque, o exército norte-americano estima que a taxa de homicídios em Bagdade triplicou de 11 para 33 mortes por dia. As Nações Unidas descreveram desde então o ambiente no Iraque como uma situação semelhante à guerra civil".[90] Ums estudos de 2006 da Escola de Saúde Pública Johns Hopkins Bloomberg estimou que mais de 601.000 iraquianos morreram em actos de violência desde a invasão norte-americana e que menos de um terço dessas mortes resultaram de acções da coligação.[91] O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados e o governo iraquiano estimam que mais de 365.000 iraquianos foram deslocados desde o ataque à mesquita de al-Askari, elevando o número total de refugiados iraquianos a 1,6 milhões.[92] O actual governo do Iraque entrou em funções a 20 de maio de 2006, após aprovação pelos membros da Assembleia Nacional Iraquiana. O governo sucedeu ao governo de transição iraquiano que continuou em funções de gestão até haver acordo relativamente ao novo governo.

O aumento da violência sectária[editar | editar código-fonte]

Em Setembro de 2006, o "The Washington Post" deu a conhecer que o comandante dos fuzileiros no Iraque emitiu um relatório secreto não usual" concluindo que as perspectivas de segurança na província de Anbar eram muito más e que não havia quase nada que as forças norte-americanas pudessem fazer para melhorar a situação política e social lá.[93]

O Iraque foi listado em quarto lugar no Índice de Estados Falhados de 2006 compilado pela Revista Americana de Política Externa e pelo grupo de trabalho do Fundo para a Paz. A lista era encabeçada pelo Sudão.[94] [95]

A 20 de Outubro, o exército norte-americano anunciou que a "Operação juntos para a frente" falhou no objectivo de reduzir a violência em Bagdade, e militantes xiitas liderados por al-Sadr tinham tomado conta de várias cidades do sul do Iraque.[96]

As eleições para o congresso dos Estados Unidos e a expansão da violência[editar | editar código-fonte]

O Presidente Bush e sua equipe em reunião sobre o Iraque.

A 7 de Novembro de 2006, as eleições intercalares norte-americanas tiraram ao partido republicano o controlo de ambas as câmaras do congresso. Os fracassos na guerra do Iraque foram citadas como uma das causas principais para este resultado, apesar de a administração Bush ter tentado distancia-se da sua rectórica anterior de "manter o rumo".[97]

A 23 de Novembro, ocorreu o ataque mais mortífero desde o início da guerra do Iraque. Militantes árabes sunitas suspeitos usaram cinco carros bomba suicidas e dois morteiros no bairro de Sadr City na capital matando pelo menos 215 pessoas e ferindo 257. Os morteiros xiitas cedo retaliaram, disparando 10 projécteis ao local mais importante do Islão sunita na cidade, danificando seriamente a mesquita de Abu Hanifa e matando uma pessoa. Mais oito projécteis rebentaram perto dos escritórios da Associação de Teólogos Muçulmanos, a mais importante organização sunita no Iraque, incendiando casas próximas. Outras barragens de morteiros em bairros sunitas no oeste de Bagdade mataram nove pessoas e feriram 21, segundo a polícia.[98] A 28 de Novembro, outro relatório dos serviços secretos dos fuzileiros foi emitido, confirmando o relatório anterior sobre a província de Anbar dizendo que: "As tropas norte-americanas e iraquianas já não são capazes de derrotar militarmente a insurgência em al-Anbar" e 'quase todas as instituições governamentais desde o nível local a provincial se desintegraram ou se corromperam grandemente e foram infiltradas pela Al-Qaeda iraquiana".[99]

Grupo de Estudos do Iraque e a execução de Saddam Hussein[editar | editar código-fonte]

O relatório do Grupo de Estudos do Iraque foi apresentado a 6 de Dezembro de 2006. O grupo, liderado pelo antigo secretário de estado James Baker e pelo antigo congressista democrata Lee Hamilton, conclui que "a situação no Iraque é grave e está a deteriorar-se" e que "as forças norte-americanas parecem estar numa missão sem fim à vista". As 79 recomendações do relatório incluem o aumento dos contactos diplomáticos com o Irão e com a Síria e o intensificar do treino das tropas iraquianas. A 18 de Dezembro, um relatório do Pentágono refere que os ataques a norte-americanos e iraquianos se repetem numa média de aproximadamente 960 por semana - a mais alta desde que os relatórios começaram a ser feitos, em 2005.[100]

As forças da coligação transferiram o controlo de uma província para o governo iraquiano, a primeira desde o início da guerra. Advogados militares acusaram 8 fuzileiros pela morte de 24 civis iraquianos em Haditha, em Novembro de 2005, dez dos quais mulheres e crianças. Quatro outros oficiais foram também acusados de incumprimento do dever em relação ao mesmo caso.[101]

Depois de um julgamento que durou um ano, Saddam Hussein foi enforcado a 30 de Dezembro de 2006, tendo sido considerado culpado de crimes contra a humanidade por um tribunal iraquiano.[102]

2007: O reforço das tropas dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

Soldados americanos em patrulha na periferia de Bagdá, em fevereiro de 2007.

Num anúncio televisivo de 10 de Janeiro de 2007 ao público americano, Bush propôs mais 21.500 tropas para o Iraque, um programa de trabalho para os iraquianos, mais propostas de reconstrução, e 1.200 milhões de dólares para estes programas.[103] Questionado sobre porque pensava que o seu plano iria funcionar desta vez, Bush disse: "Porque tem de funcionar".[104] A 23 de Janeiro de 2007, no Discurso do Estado da União de 2007, Bush anunciou "o destacamento de reforços de mais de 20.000 soldados e fuzileiros adicionais no Iraque". A 10 de Fevereiro, David Petraeus foi nomeado comandante das forças multinacionais no Iraque, um posto de 4 estrelas que coordena todas as forças norte-americanas no país, substituindo o General George Casey. Nesta nova posição, Petraeus coordena todas as forças da coligação no Iraque e empregou-as na "estratégia de reforço" definida pela administração Bush.[105] [106] Em 2007 assistiu-se também a um aumento significativo nos ataques bombistas dos insurgentes com gás de cloro.

Exigências às tropas norte-americanas[editar | editar código-fonte]

Manter elevados níveis de tropas em face de elevadas baixas requereu duas mudanças no exército. Foi aumentado o tempo das comissões e foram relaxadas as normas relativas a voluntários com historial de actos criminosos. Era esperados que ambas as medidas levassem a um aumento da probabilidade de violência contra iraquianos não combatentes. Um relatório patrocinado pelo departamento de defesa[107] descreveu o aumento das comissões como levando ao aumento do stress com o aumento das manifestações de raiva e desrespeito pelos civis.

John Hutson, decano e presidente do Franklin Pierce Law Center em Nova Hampshire e antigo juiz general da marinha disse que as forças armadas têm de ponderar cuidadosamente ao decidir que criminosos aceitar. Há uma razão para que a aceitação de pessoas com passado de crime nas forças armadas seja desde há muito a excepção e não a regra. "Se se está a recrutar alguém que demonstrou algum tipo de comportamento anti-social e se está a pôr uma arma nas suas mãos, tem que se estar a ser excepcionalmente cuidadoso com o que se está a fazer. Não se está a pôr um martelo nas suas mãos, nem se lhe está pedindo para vender carros, Está-se potencialmente a dizer-lhe para matar pessoas".[108]

Em Abril, o Secretário de Defesa Robert Gates anunciou que todos os soldados do exército no activo no Iraque e no Afeganistão iriam servir por dezasseis meses, em vez dos doze meses que esperavam. "Sem esta acção teríamos que recolocar cinco brigadas de soldados no activo mais cedo do que o objectivo de doze meses em casa", disse Gates.[109] Estatísticas dadas a conhecer em Abril davam a conhecer que cada vez mais soldados desertavam do seu dever, um rápido aumento relativamente aos anos anteriores.[110]

Land Rovers wolf britânicos em patrulha perto de Basra.

A pressão sobre as tropas norte-americanas são agravadas pela contínua retirada das forças britânicas da província de Bassorá. No início de 2007, o primeiro-ministro britânico Tony Blair anunciou que após a operação Sinbad as tropas britânicas iriam começar a retirar da Bassorá, entregando a segurança aos iraquianos.[111] No Outono de 2007, o primeiro-ministro Gordon Brown, sucessor de Blair, de novo delineou um plano de retirada para as restantes forças britânicas com uma data de retiradas completa para finais de 2008.[112] Em Julho, o primeiro-ministro dinamarquês Anders Fogh Rasmussen também anunciou a retirada de 441 tropas do Iraque, deixando apenas uma unidade de 9 soldados pilotando 4 helicópteros de observação.[113]

A taxa de mortes americanas em Bagdade nas primeiras sete semanas do "reforço" de tropas quase que duplicou relativamente ao período anterior.[114] De acordo com o Monitor de baixas da coligação no Iraque, as mortes de soldados americanos desde o início do reforço são de cerca de 3,14 por dia, o que é o mais alto desde o fim dos principais combates".[115]

Efeitos do reforço na Segurança[editar | editar código-fonte]

Soldados norte-americanos abrigam-se durante uma troca de tiro com insurgentes na secção de Al Doura de Bagdade, 7 de março de 2007.

Em meados de Março de 2007, segundo fontes norte-americanas perto dos militares, a violência em Bagdade tinha sido cortada em cerca de 80%;[116] no entanto, relatórios independentes[117] [118] levantaram questões sobre estas afirmações. Um porta voz militar iraquiano refere que que as mortes civis desde o início do reforço das tropas eram de 265 em Bagdade, uma grande diminuição relativamente aos 1440 nas quatro semanas anteriores. O New York Times concluiu que mais de 450 civis iraquianos tinham morrido durante o mesmo período de 28 dias, baseando-se nos relatórios diários iniciais do Ministério do Interior e de responsáveis hospitalares. Historicamente, as contagens de mortes apresentadas pelo The New York Times subestimaram o total das mortes em cerca de 50% ou mais comparando com os estudos das Nações Unidas, que se baseiam nos dados do Ministério da Saúde iraquiano e em dados das morgues.[119]

No fim de Março de 2007, o congresso norte-americano aprovou leis de autorização de financiamento suplementar de 122 biliões de dólares para operações de emergência no Afeganistão e no Iraque, incluindo requerimentos de que os Estados Unidos retirassem as suas tropas do Iraque em Agosto de 2008. O presidente Bush ameaçou vetar qualquer lei que incluísse um plano de retirada.[120] O Senado dos Estados Unidos aprovou a 30 de Março de 2007 o objectivo de retirar todos os soldados até 31 de Março de 2008. O calendário curto do Senado é um objectivo, não um requerimento a Bush e é designado para ganhar o apoio dos Democratas centristas.[121]

Uma mulher iraquiana olha para soldados norte-americanos fazendo uma busca no pátio da sua casa durante uma investigação em Ameriya. Buscas a casas são ocorrências comuns na guerra do Iraque.

Apesar de um aumento substancial do número das forças de segurança em Bagdade associado ao reforço das tropas, o total das mortes no Iraque aumentou 15% em Março. 1869 civis foram mortos e 2719 foram feridos, comparados com 1646 mortos e 2701 feridos em Fevereiro. Em Março foram mortos 165 polícias iraquianos, contra 131 no mês anterior, enquanto que 44 soldados iraquianos morreram, em comparação com 29 em Fevereiro. As mortes militares americanas em Março foram quase o dobro das iraquianas, apesar de os norte-americanos afirmarem que foram as forças iraquianas que representaram o maior esforço do reforço em Bagdade. O total das mortes entre os insurgentes diminuiu para 481 em Março, comparado com 586 mortos em Fevereiro.[122] [123]

Três meses após o início do reforço, as tropas controlavam menos de um terço da capital, muito menos que o objectivo inicial, de acordo com um relatório militar interno completado em Maio de 2007. A violência era especialmente crónica nos bairros mistos xiitas e sunitas de Bagdade ocidental. As melhorias ainda não tinham sido substanciais no espaço e no tempo em Bagdade.[124]

A 14 de Agosto de 2007 ocorreu o ataque mais mortífero desde o início da guerra. Mais de 500 civis foram mortos numa série de ataques bombistas suicidas coordenados no norte do Iraque em Qahtaniya. Mais de 100 casas e lojas foram destruídas nas explosões. Os responsáveis norte-americanos culparam a Al-Qaeda no Iraque. Os aldeãos que foram alvo do ataque pertencem à minoria étnica não muçulmana dos Yazidi. O ataque parece representar o último acontecimento até antão de um conflito que começou no princípio do ano quando membros da comunidade Yazidi apedrejaram até à morte uma rapariga adolescente chamada Du’a Khalil Aswad acusada de namorar um árabe sunita e de se converter ao Islão. A morte da menina foi gravada em telemóveis e o vídeo foi colocado na internet.[125] [126] [127] [128]

Desenvolvimentos Políticos[editar | editar código-fonte]

Mais de metade dos membros do parlamento iraquiano rejeitaram pela primeira vez a continuação da ocupação do seu país. 144 dos 275 deputados assinaram uma petição legislativa que requereria ao governo iraquiano ter a aprovação do parlamento antes de requisitar uma extensão do mandato das Nações Unidas para que estivessem forças estrangeiras no Iraque, o qual acaba no fim de 2007. Também pede um calendário para a retirada de tropas e uma estabilização do número de forças estrangeiras. O mandato do Conselho de Segurança das Nações Unidas paras as forças lideradas pelos Estados Unidos no Iraque irão terminar se tal fôr pedido pelo governo iraquiano.."[129] Segundo a lei iraquiana, o porta voz tem de apresentar uma resolução pedida pela maioria dos deputados.[130] 59% dos sondados nos Estados Unidos apoiam um calendário para a retirada.[131]

A meio de 2007 a coligação começou um programa controverso para treinar iraquianos sunitas para a formação de milícias de "guardiões". Estas milícias têm o objectivo de apoiar e garantir a segurança de vários bairros sunitas incapazes de garantir a sua própria segurança.[132]

A 22 de Agosto de 2007, o Presidente Bush fez um discurso na Convenção Nacional de Veteranos de Guerras no Estrangeiro comparando a guerra do Iraque com a guerra do Vietname, especificamente na questão da retirada, dizendo que: "Nessa altura como agora, as pessoas argumentavam que o verdadeiro problema era a presença americana e que se retirássemos, as mortes acabariam". Bush alegou então que a retirada americana do Vietname levou à tomada de poder pelos Khmer Vermelhos no Camboja e dos Viet Cong no Vietname, com represálias contra os aliados dos E.U.A. nesses países. Bush argumentou ainda que Osama bin Laden tinha feiro uma comparação semelhante numa entrevista a um jornal paquistanês depois do 11 de Setembro, dizendo "…o povo americano levantou-se contra a guerra do seu governo no Vietname. E devem fazer o mesmo agora".[carece de fontes?] O número dois de Bin Laden, Zawahiri também se referiu a o Vietname. Numa carta ao chefe de operações no Iraque, também se referiu a "…os tempos posteriores ao colapso do poder americano no Vietname e como fugiram e deixaram os seus agentes".

Bush falando na televisão sobre sua nova estratégia para o Iraque, em 2007.

Bush reconheceu que após a guerra do Vietname nem os Viet Cong nem os Khmers Vermelhos foram até ao Estados Unidos para continuar a guerra, mas alegou que desta vez seria diferente. "Ao contrário do que aconteceu no Vietname, se retirássemos antes de o trabalho estar feito, o inimigo seguir-nos-ia até casa . E isso é porquê, para a segurança dos Estados Unidos da América, temos de derrotá-los lá fora, para que não os tenhamos de enfrentar nos Estados Unidos da América".[133]

Tensões com o Irão e a Turquia[editar | editar código-fonte]

Durante 2007 as tensões aumentaram grandemente entre o Irão e o Curdistão iraquiano devido ao facto de o seu santuário ter sido dado ao militante Partido para uma Vida Livre no Curdistão (PEJAK). De acordo com informações, o Irão tem bombardeado posições do PEJAK no Curdistão iraquiano desde 16 de Agosto. Estas tensões aumentaram ainda mais com uma alegada incursão para além da fronteira de tropas iranianas a 23 de Agosto, em que estas atacaram várias aldeias curdas matando um número indeterminado de civis e militantes.[134]

As forças da coligação começaram a ter como alvo alegados operacionais da Força Quds iraniana no Iraque, prendendo ou matando membros suspeitos. A administração Bush e os líderes da coligação começaram a declarar publicamente que o Irão estava a fornecer armas, particularmente EFPs, aos insurgentes iraquianos e às milícias.

Além do conflito com o Irão, o Curdistão iraquiano também começou a ter problemas com a Turquia. Incursões para lá da fronteira de militantes do PKK continuaram a atacar forças turcas, causando vitimas de ambos os lados. Armas originalmente dadas a forças de segurança iraquianas pelos norte-americanos estão a ser recuperadas por autoridades na Turquia depois de serem utilizadas em crimes violentos nesse país.[135] No Outono de 2007, as forças armadas turcas afirmaram o seu direito de atravessar a fronteira do Curdistão iraquiano em perseguição a militantes do PKK e começaram a bombardear aldeias curdas e a atacar bases do PKK com aviões.[136] [137] O parlamento turco aprovou uma resolução permitindo às forças armadas perseguir o PKK no Curdistão iraquiano e começaram planos para uma grande operação com helicópteros, blindados e infantaria que se deslocaria até talvez 20 quilómetros para lá da fronteira com o Iraque para desalojar o PKK das suas bases nas montanhas.[138]

Redução planeada de tropas[editar | editar código-fonte]

Num discurso feito ao Congresso a 10 de Setembro, o General David Petraeus "previa a retirada de cerca de 30.000 tropas norte-americanas até ao próximo verão, começando com um contingente de fuzileiros em Setembro".[139] A 14 de Setembro o Presidente Bush disse que 5.700 sodados estariam em casa pelo Natal de 2007, e esperava que mais alguns milhares voltariam em Julho de 2008. O plano traria o número de tropas para o nível de antes do reforço no início de 2007. Alguma controvérsia surgiu devido ao facto de o antigo Secretário de Estado Colin Powell ter anunciando antes do reforço que teria de haver uma redução de tropas em meados de 2007.[140]

A 13 de Setembro, Abdul Sattar Abu Risha foi morto num ataque bombista na cidade de Ramadi.[141] Este era um importante aliado dos E.U.A. uma vez que tinha liderado o "Acordar de Anbar", uma aliança de tribus sunitas árabes que se insurgiram contra a Al-Qaeda iraquiana. Esta organização declarou a sua responsabilidade pelo ataque.[142] Uma declaração colocada na internet pela organização Estado Islâmico do Iraque chamou a Abu Risha "um dos cães de Bush" e descreveu o assassinato de quinta-feira como "uma operação heroica que levou mais de um mês a preparar".[142]

Controvérsia de uma firma de segurança privada[editar | editar código-fonte]

A 17 de Setembro de 2007, o governo iraquiano anunciou que iria revogar a licença da firma de segurança norte-americana Blackwater USA devido ao envolvimento da firma nas mortes de 8 civis, incluindo uma mulher e uma criança,[143] numa troca de tiros que se seguiu à explosão de um carro bomba perto das instalações do Departamento de Estado. Investigações adicionais de alegado tráfico de armas envolvendo a empresa estava também em curso. A Blackwater é de momento uma das firmas mais importantes a operar no Iraque com cerca de 1000 empregados e uma frota de helicópteros no país. Se o grupo ainda pode ser legalmente acusado é uma questão de debate.[144] Em Outubro de 2007, as Nações Unidas lançaram um estudo de dois anos dizendo que, apesar de serem contratadas como "guardas de segurança", as firmas privadas estavam a cumprir deveres militares. O relatório descobriu que o uso de empresas como a Blackwater era uma "nova forma de actividade mercenária" e ilegal segundo a lei internacional, apesar de os Estados Unidos não serem signatários do tratado.[145]

2008: Guerra civil continua[editar | editar código-fonte]

Militares iraquianos em seção de treinamento.

Em 2008, oficiais americanos e independentes começaram a ver melhorias na situação de segurança no Iraque. De acordo com o Departamento de Defesa americano, em dezembro de 2008, a "situação geral de violência" no país havia caido 80% desde que reforços (cerca de 20 mil soldados americanos) haviam chegado em janeiro de 2007, e o número de assassinatos havia caído para níveis anteriores a guerra. Também foi apontado que o número de baixas sofridas pela Coalizão havia caído de 904 em 2007 para 314 em 2008.[146] As perdas civis também haviam declinado consideravelmente, de 3 500 em janeiro ode 2007 para 490 em novembro de 2008. Além disso, ataques contra as forças aliadas viram uma queda ainda maior, sendo 1 600 em 2007 para 200 ou 300 em 2008. As perdas entre as tropas iraquianas também tinham caído consideravelmente.[147]

Enquanto isso, a proficiência dos militares iraquianos melhorou eles aproveitaram para lançar uma nova ofensiva contra áreas controladas por milicianos xiitas. Começou em março com uma operação contra o Exército Mehdi em Basra, o que reacendeu a violência sectária em algumas regiões do país, especialmente na cidade de Sadr, no distrito de Bagdá. Em outubro, o oficial britânico responsável por Basra disse que desde o começo da operação a cidade estaria mais "segunrça" e os índices de homicídios cairam consideravelmente.[148] Segundo os ameicanos, em 2008, o número de explosões por terroristas no país caíram drasticamente também.[149]

O progresso do conflito contra as facções sunitas também avançou. Movimentos pró governo ficaram mais forte e os americanos começaram a transferir mais regiões para o comando dos iraquianos.[150] Em maio, o exército iraquiano – apoiado pela Coalizão – lançou uma ofensiva em Mosul, um dos últimos bolsões de resistência da al-Qaeda no país. Apesar de prender centenas de pessoas, a operação falhou em baixar os índices de violência em Mosul. Ao fim do ano, a segurança da cidade permanecia fraca.[151] Também foram reportados avanços (militares e políticos) do governo contra grupos extremistas curdos no norte do país.[152]

Os militares americanos encararam esses sucessos com otimismo, já que, de acordo com planos previamente acertados, em 2008 a Coalizão iria começar a entregar a responsabilidade de segurança do país para as forças nacionais de defesa.[146] O comandante das tropas ocidentais, o general americano Raymond T. Odierno, afirmou que "em termos militares, transições são períodos perigosos".[146]

Ofensivas na primavera[editar | editar código-fonte]

Um soldado iraquiano na cidade de Sadr, próximo de Bagdá, 17 de abril de 2008.

Ao fim de março de 2008, o exército iraquiano, com apoio aéreo e logístico da Coalizão, lançou uma nova ofensiva, chamada "Ataque dos Cavaleiros", em Basra para tomar a cidade do controle dos milicianos islamitas. Esta foi a primeira grande operação militar lançada pelo governo iraquiano que não contou com ajuda terrestre de tropas da Coalizão ocidental. A região onde a operação seria lançada era controlada especialmente por milícias xiitas, como o Exército Mahdi.[153] [154] Outras áreas do país também viram uma reintensificação dos combates: incluindo nas cidades de Sadr, Al Kut, Al Hillah e outros. A luta foi intensa em Basra e a ofensiva do governo foi perdendo força. Com os combates se desenrolando mal para os islamitas, alguns grupos, como a brigada Qods abriram negociações. Em 31 de março de 2008, al‑Sadr ordenou que seus seguidores parassem de lutar.[155]

Em 12 de maio de 2008, os residentes de Basra viram uma "consistente melhoria na qualidade de vida", de acordo com uma reportagem do New York Times. As tropas do governo haviam tomado o quartel-general dos militantes islâmicos locais e reinstauraram a ordem na cidade.[154] Em abril, bombas nas estradas (que haviam consumido muitas vidas durante a guerra) continuaram, porém em menor intensidade. Em novembro, as forças armadas americanas realizam incursões na fronteira do Iraque com a Síria para combater os insurgentes.[156]

Audiências no Congresso americano[editar | editar código-fonte]

O general David Petraeus dando um testemunho no congresso americano, em 8 de abril de 2008.

No começo de 2008, com a situação de segurança no Iraque melhorando, o Congresso dos Estados Unidos começou a chamar proeminentes figuras ligadas a ocupação do país para audiências. Em 8 de abril, o general David Petraeus pediu para que o governo americano reconsidera-se a sua posição de retirar as tropas do Iraque, dizendo que "Eu notei que nós não fizemos tantos progressos definitivos assim e nós não estamos vendo nenhuma luz no fim do túnel," em referência aos comentários do presidente Bush e do ex-general William Westmoreland, veterano da guerra do Vietnã.[157] Quando perguntado pelo Senado se pessoas sensatas poderiam discordar do caminho que seria adotado, Petraeus disse "nós lutados para que as pessoas tenham o direito de terem opiniões".[158]

Ao líder do comitê do senado à época, Joe Biden, o embaixador Crocker admitiu que a Al-Qaeda no Iraque era menos importante que a organização central da Al-Qaeda na fronteira do Afeganistão com o Paquistão, onde o líder da organização, Osama bin Laden, estava escondido.[159] Legisladores de ambos os partidos estavam reclamando que o contribuinte americano estava pagando o preço da guerra enquanto o Iraque voltava a faturar bilhões com a venda de petróleo.

Fortalecimento do exército iraquiano[editar | editar código-fonte]

Militares iraquianos em ação em Bagdá em 2007.

O Iraque passou a ser um dos principais importadores de armamentos e equipamentos militares americanos a partir de 2007. Os tradicionais fuzis AK-47 começaram a ser substituídos pelos rifles M‑16 e M‑4.[160] Apenas em 2008, o Iraque comprou dos Estados Unidos US$12,5 bilhões de dólares em equipamentos (quase um-terço dos US$34 bilhões que os Estados Unidos lucrou com vendas de armas a países estrangeiros naquele ano).[161]

Os iraquianos ainda se comprometeram a comprar 36 caças F‑16, o equipamento mais avançado que eles compraram dos americanos à época. O Pentágono notificou o congresso que eles também aprovaram a venda de 24 helicópteros de ataque americanos ao Iraque, avaliando a transação em US$2,4 bilhões de dólares. Além disso, o governo iraquiano anunciou planos de comprar mais US$10 bilhões de dólares em tanques, veículos blindados, aviões de transporte e outros equipamentos e serviços. No verão seguinte, o Departamento de Defesa americano confirmou que os iraquianos haviam encomendado mais de 400 veículos militares e outros armamentos no valor de US$3 bilhões de dólares, além de seis aviões de transporte C-130J, no valor de US$1,5 bilhões.[162] [163] De 2005 a 2008, os Estados Unidos oficialmente exportaram US$20 bilhões de dólares em equipamentos militares ao Iraque.[164]

Acordo entre os governos americano e iraquiano[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 2008, os governo do Iraque e dos Estados Unidos assinaram o chamado U.S.-Iraq Status of Forces Agreement.[165] O acordo estabelecia o início da retirada das unidades de combate americanas das cidades iraquianas a partir de 30 de junho de 2009 e se completaria com a evacuação completa das forças militares estrangeiras do país em 31 de dezembro de 2011.[166] [167] O pacto também restringia o poder das forças americanas, dizendo que elas não podiam prender alguém por mais de 24 horas sem uma acusação formal, além de exigir mandatos de busca caso os americanos quisessem inspecionar casas de civis iraquianos.[168] Funcionários independentes americanos contratados pelo governo do Iraque poderiam ser processados criminalmente caso fossem pegos em uma ação ilegal (essa ação não se estendia aos militares dos Estados Unidos).[169] [170] [171] [172] O então secretário de defesa americano, Robert Gates, afirmou que algumas tropas americanas poderiam permanecer no país depois de 2011 para ajudar no treinamento das forças iraquianas.[173]

Muitos grupos políticos iraquianos protestaram contra o acordo afirmando que ele apenas prolongava e legitimava a ocupação americana do país.[174] Na praça central de Bagdá, imagens do então presidente americano George W. Bush foram queimadas e uma esfinge em do seu rosto destruída em um gesto de ironia pois, cinco anos antes, uma estátua de Saddam Hussein fora destruída por populares nos primórdios da invasão americana.[175] Alguns iraquianos, contudo, demonstraram otimismo já que agora havia uma data definida para a retirada dos Estados Unidos do seu país.[176] Em 4 de dezembro de 2008, o conselho presidencial iraquiano aprovou o acordo.[165] A população iraquiana se dividiu na questão, com extremistas se reunindo para as tradicionais orações de sexta feira dos muçulmanos para gritar slogans anti Estados Unidos e anti Israel.[177]

2009: Redistribuição da Coalizão[editar | editar código-fonte]

Transferência do controle da Zona Verde[editar | editar código-fonte]

Visão aérea da "Zona Verde", local onde se concentram as representações de diversos países, o comando das tropas da coalizão e o aeroporto internacional de Bagdá.

Em 1 de janeiro de 2009, os Estados Unidos entregou o controle da Zona Verde e do Palácio presidencial de Saddam Hussein (que era usado como quartel-general da Coalizão) ao governo iraquiano em uma cerimônia que foi descrita pelo primeiro-ministro do Iraque como a 'restauração da soberania do país'.[178]

A liderança militar dos Estados Unidos atribuiu o declínio da violência no Iraque e a redução do número de civis mortos a uma série de medidas, entre elas o aumento de tropas enviadas ao país em 2007, os sunitas passando para o lado do governo e o pedido do clérigo xiita Muqtada al-Sadr para que sua milícia aceitasse o cessar-fogo.[179]

Eleições provinciais[editar | editar código-fonte]

Em 31 de janeiro, o Iraque teve uma grande eleição nas províncias.[180] Violência e alegações de fraude foram reportados durante o pleito.[181] [182] [183] [184] As expectativas de comparecimento nas urnas foi frustrada e poucos eleitores compareceram, mas o embaixador americano, Ryan Crocker, afirmou que a eleição foi um 'sucesso'.[185]

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, dá um discurso na Base Lejeune, em 27 de fevereiro de 2009.

Anúncio formal da retirada[editar | editar código-fonte]

Em meados de janeiro de 2009, Barack Obama sucedeu George Bush como presidente dos Estados Unidos com uma plataforma que visava reverter boa parte das políticas do predecessor. Em 27 de fevereiro, em um discurso na base dos fuzileiros navais em Lejeune, na Carolina do Norte, anunciou que as tropas americanas encerrariam suas operações militares no Iraque em 31 de agosto de 2010. A guerra havia, a muito tempo, se tornado tremendamente impopular nos Estados Unidos. Uma "força de transição" de 50 000 soldados ficaria para atrás para ajudar no treinamento dos Forças de Segurança Iraquianas, para conduzir operações de contraterrorismo e para oferecer apoio, caso necessário. A retirada completa de todo o pessoal se completaria em dezembro de 2011, segundo o presidente.[186] O primeiro ministro iraquiano, Nuri al‑Maliki, disse em uma conferência de imprensa que o seu governo não tinha preocupações sobre a retirada e que as forças armadas do país e a polícia podiam manter a ordem no país sem ajuda externa.[187]

Em 9 de abril, no aniversário de seis anos da conquista da capital Bagdá pelas forças da Coalizão, grandes protestos anti-americanos aconteceram por todo o país.[188]

Retirada da Coalizão[editar | editar código-fonte]

Em 30 de abril de 2009, o Reino Unido encerrou suas operações de combate no Iraque. O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, afirmou que a participação do seu país no conflito foi uma "história de sucesso" e elogiou a atuação de suas tropas. Os ingleses entregaram o controle de Basra para as forças armadas dos Estados Unidos, que por sua vez, entregariam a cidade mais tarde para o governo iraquiano.[189]

Em junho, os Estados Unidos iniciou a retirada de suas forças do país, com as 38 bases sendo devolvidas ao governo iraquiano. Em 29 de junho de 2009, as primeiras unidades militares americanas deixaram a capital Bagdá. Em 30 de novembro, o Ministério do Interior do Iraque afirmou que o número de mortes civis tinha caído para os menores níveis desde novembro de 2003.[190]

Em 28 de julho, a Austrália retirou suas tropas do Iraque.[191]

Contratos petrolíferos iraquianos[editar | editar código-fonte]

Militares da marinha americana e da Guarda Costeira no terminal petrolífero de Al Basrah, julho de 2009.

Entre junho e setembro de 2009, o ministério do petróleo do Iraque, assinou diversos contratos com empresas petrolíferas. O processo de exploração seria em conjunto com o governo, com impostos sendo colhidos por barril.[192] Com a tênue paz retornando ao país, a economia começou a florescer.[193]

2010: Inicio da retirada americana e Operação Novo Amanhecer[editar | editar código-fonte]

Em 17 de fevereiro de 2010, o secretário de defesa americano, Robert Gates, anunciou que em 1 de setembro, a "Operação Libertade do Iraque" ("Operation Iraqi Freedom") seria substituida pela "Operação Novo Amanhecer" ("Operation New Dawn").[194]

Em 18 de abril, forças americanas e iraquianas, em uma operação militar conjunta, mataram Abu Ayyub al-Masri, o líder da al-Qaeda no Iraque.[195] O alvo estava escondido em uma casa em Tikrit e depois de um longo tiroteio, militares iraquianos invadiram a casa encontraram duas mulheres ainda com vida e quatro homens mortos, incluindo al-Masri, Abu Abdullah al-Rashid al-Baghdadi, um assitente de Masri e o filho de al-Baghdadi.[196] O então vice presidente americano, Joe Biden, afirmou que a morte destas duas cabeças da al-Qaeda no Iraque seria um "golpe devastador" contra a rede terrorista que operava no país e que também era prova de que as forças de segurança iraquianas estavam prontas.[197]

Em 20 de junho, uma bomba atingiu o prédio do Banco Central iraquiano e acabou matando 15 pessoas e forçou a paralisação do centro da capital do país. O ataque teria sido orquestrado pelo grupo Estado Islâmico do Iraque. Outro atentado a bomba aconteceu em frente ao prédio do Banco do Comércio e terminou com a morte de 26 pessoas e deixou outras 52 feridas.[198]

Ao fim de agosto de 2010, insurgentes iraquianos realizou um grande ataque com 12 carros bombas sendo explodidos simultaneamente em Mosul e Basra, matando mais de 50 pessoas. Esse ataque coincidiu com o recuo de tropas americanos do Iraque.[199]

Oficiais militares iraquianos em treinamento com soldados da 82ª Divisão Aerotransportada americana, em dezembro de 2010.

Os Estados Unidos estavam, ao fim de 2010, começando a desmantelar sua presença militar permanente no Iraque, removendo todas as tropas da região. Em 19 de agosto, as primeiras brigadas de combate começaram a partir. Os comboios de equipamentos e homens iam primeiro para o Kuwait antes de voltar para o continente americano. Enquanto boa parte das forças de combate americanas deixavam o país, uma tropa de 50 000 militares permaneceram por um tempo para dar apoio as forças armadas iraquianas.[200] [201] O objetivo desse pequeno grupo deixado para atrás era para auxiliar no treinamento dos iraquianos e também para, acima de tudo, ajudar em operações de contra-terrorismo, mas sem participar dos combates diretamente. Um relatório divulgado pela Associated Press afirmou que "os combates no Iraque ainda não haviam terminado".[202] Um porta-voz do Departamento de Estado americano, P. J. Crowley disse que "...não estamos terminando o trabalho no Iraque. Nós temos um compromisso naquele país."[203] Em 31 de agosto, Obama anunciou formalmente o fim da "operação Iraque Livre". No pronunciamento, ele afirmou que esta guerra teria um profundo legado na economia do país e na história.[204] No mesmo dia, no Iraque, uma cerimônia aconteceu em uma antiga residência de Saddam Hussein, o palácio Al Faw, em Bagdá, onde dignatários americanos também falaram sobre o fim do conflito. O vice presidente Joe Biden afirmou que estava preocupado com a falta de progresso no desenvolvimento do governo iraquiano, afirmando que o povo do país esperava que "o governo refletisse o resultado das urnas". O general Ray Odierno, comandante da coalizão, afirmou que uma "nova era" começou no país.[205]

Soldados americanos e iraquianos em Basra, em 2010.

Em 8 de setembro, o exército americano afirmou a chegada ao Iraque da primeira unidade específica para auxilio do treinamento dos Iraquianos, a 3ª Brigada de Cavalaria. Essas tropas exerceriam suas funções nas províncias do sul do Iraque.[206]

Durante a retirada, atos de violência voltaram a emergir. Em novembro de 2010, cerca de 58 pessoas foram mortas e outras 40 ficaram feridos em um atentado contra uma igreja católica em Sayidat al‑Nejat, Bagdá. A al-Qaeda assumiu a autoria do atentado.[207] Ataques contra xiitas também recomeçaram. Um deles, em Bagdá, em 2 de novembro, matando aproximadamente 113 pessoas e deixando outras 250 feridas.[208]

Forças de segurança do Iraque assumem o controle[editar | editar código-fonte]

O Ministério da Defesa iraquiano começou em 2010 a reformar suas forças armadas em um ritmo mais acelerado e para alcançar tal objetivo, passou a importar enormes quantidades de armamentos dos Estados Unidos. Somente neste ano, foram mais de US$13 bilhões de dólares em transações entre os dois países. Parte do plano incluía a compra de 140 tanques M1 Abrams. O treinamento das tripulações destes veículos fora feito pelos americanos. Além dessas compras bilionárias, o governo iraquiano também encomendou uma remeça inicial de 18 caças F‑16 como parte de um programa de US$4,2 bilhões para modernização da frota aérea, com a aquisição também de aeronaves de treinamento e peças de manutenção, além de mísseis AIM-9 Sidewinder, bombas guiadas por laser e equipamento de reconhecimento.[209] Os pilotos dos aviões seriam treinados pelos americanos.[210]

A marinha do Iraque também comprou vários pequenos navios de patrulha americanos. As vendas de pequenos navios ao governo iraquiano somou mais de US$20 milhões de dólares. O principal objetivo dessas embarcações seria patrulhar os rios e ajudar a proteger as rotas de escoamento de petróleo em al‑Basra e Khor al-Amiya. Mais dois navios, avaliados em US$70 milhões cada, foram entregues em 2011.[209]

O departamento de defesa americano também informou sobre uma proposta de novas vendas de armas, avaliadas em US$100 milhões de dólares. A empresa General Dynamics encabeçaria as vendas, com um acordo de US$36 milhões para fornecer ao Iraque munição para os tanques Abrams MA1. A Raytheon também acertou um contrato de US$68 milhões para venda de sistemas de comando, controle, comunicação, computadores e equipamentos de inteligência.[211]

ONU remove restrições contra o Iraque[editar | editar código-fonte]

Em uma ação para legitimar o novo governo iraquiano, as Nações Unidas oficialmente retiraram, em dezembro de 2013, as sanções aplicadas ao país desde a era de Saddam Hussein. Entre os benefícios desta manobra estava a possibilidade do Iraque começar legalmente um programa nuclear civil, permissão para assinar acordos internacionais de armas químicas e nucleares, além de restabelecer o controle total de toda a renda proveniente da exploração dos recursos naturais do país também oficialmente encerrou o programa petróleo por comida.[212]

2011: As forças americanas se retiram[editar | editar código-fonte]

Soldados americanos e kuwaitianos fechando um portão de fronteira entre o Kuwait e o Iraque, em 18 de dezembro de 2011.

Em 2011, Muqtada al-Sadr (outra importante líder da insurgência, mas que estava no exílio desde 2007) retornou ao Iraque se estabeleceu na cidade sagrada de Najaf para liderar o movimento sadrista.[213]

Entre janeiro e julho de 2011, vários soldados americanos foram mortos em atentados. Alguns líderes da oposição nos Estados Unidos pediram para que o presidente Barack Obama atrasasse o plano de retirada das tropas do Iraque, porém ele negou. A evacuação das forças americanas da região tinha sido uma das suas bandeiras durante a campanha a presidência.[214]

Em setembro, o governo iraquiano formalizou a compra de 18 caças F-16 americanos. Com a renda do petróleo aumentando, Bagdá começou a comprar cada vez mais armamentos dos Estados Unidos, enquanto a tensão sectária no país voltava a tona. Muitos insurgentes islâmicos aproveitavam a retirada dos americanos para tentar iniciar um novo levante contra o governo central.[215] Obama confirmou que todos os soldados e o pessoal de auxílio e apoio sairia do país na data determinada. Em 14 de novembro de 2011, a última morte de um soldado americano no Iraque foi confirmada, quando o seu veículo foi atingido por uma bomba numa rua de Bagdá.[216]

Em novembro de 2011, o Senado dos Estados Unidos votou formalmente uma resolução para formalmente encerrar a guerra.[217]

Em 18 de dezembro, as últimas tropas americanas deixaram o Iraque depois de oito anos de conflito.[218]

Eventos posteriores[editar | editar código-fonte]

Apesar do sucesso em eliminar Saddam e destruir seu governo, a invasão e a subsequente ocupação anglo-americana do Iraque levou a nação a uma onda de violência sectária de enormes proporções. A organização Crescente Vermelho iraquiano afirmou que o número de pessoas desalojadas no Iraque chegou a 2,3 milhões em 2008 e outros 2 milhões haviam deixado o país. Devido a pobreza extrema que se espalhou pelo país, mulheres tiveram de virar prostitutas para prover para suas famílias, além do aumento de assaltos e sequestros. Após a invasão, uma nova constituição foi escrita, apoiando os princípios democráticos, desde que estes não ferissem as tradições islâmicas. O país virou uma república parlamentarista, após as eleições de 2005. A região do Curdistão permaneceu autônoma e a estabilidade trouxe certa prosperidade econômica na região. A região curda sempre fora uma região mais democrática e mais estável, o que atraiu muitos dos refugiados do país.[219]

Um soldado iraquiano em Bagdá. Em dezembro as Forças Armadas do Iraque assumiram todas as responsabilidades de segurança do país.

A insurgência iraquiana ganhou força e voltou a sair da clandestinidade após a evacuação das forças americanas. Novos atentados a bomba e violência sectária, instigada principalmente por extremistas sunitas, atingiram o país.[carece de fontes?]

Na primeira metade de 2013 centenas de pessoas foram mortos com o renascimento da violência sectária. Em 20 de maio, ao menos 95 pessoas foram mortos em uma série de atentados a bomba. Atentados em áreas sunitas e xiitas voltaram a virar rotina. Muitos temiam que a situação retornasse a guerra civil de 2006-2007.[220] [221]

Em 2014, facções de fundamentalistas, encabeçadas pela al-Qaeda, voltaram a iniciar uma campanha de violência contra o governo pró-ocidente. Dezenas de pessoas foram mortas em atentados e combates recomeçaram. Os americanos, que havia se retirado dois antes, afirmaram que não iriam intervir e o governo iraquiano iniciou ofensivas na parte oeste e central do país para combater a nova ameaça dos insurgentes.[222]

Colocação de tropas da coligação[editar | editar código-fonte]

Nações Unidas[editar | editar código-fonte]

As Nações Unidas também colocaram um pequeno contingente no Iraque para proteger o pessoal da ONU e as suas instalações.

United Nations Assistance Mission in Iraq (UNAMI)

Grupos armados iraquianos[editar | editar código-fonte]

A insurgência iraquiana é a resistência armada de diversos grupos, incluindo milícias privadas, dentro do Iraque que se opõem à ocupação norte-americana e ao governo iraquiano apoiado pelos E.U.A.. Os combates têm claramente uma natureza sectária e significativas implicações internacionais. Estas organizações têm sido chamadas "resistência iraquiana" pelos seus apoiantes e por alguns opositores à intervenção norte-americana no Iraque e "forças anti-iraquianas"[223] pelas forças da coligação.

Insurgentes[editar | editar código-fonte]

No Outono de 2003, estes grupos insurgentes começaram a usar tácticas de guerrilha típicas: emboscadas, atentados bombistas, raptos, e o uso de explosivos improvisados. Outras acções incluíam morteiros e ataques suicidas, explosivos penetrantes, armas de fogo ligeiras, armas antiaéreas (SA-7, SA-14, SA-16) e lança-foguetes. Os insurgentes também levaram a cabo actos de sabotagem contra infraestruturas de circulação e/ou produção de petróleo, água e electricidade do Iraque. Estatísticas das forças multinacionais (ver gráfico detalhado da BBC [42]) mostram que os insurgentes têm como alvo principalmente as forças da coligação, as forças de segurança iraquianas e infraestruturas, e por fim civis e responsáveis governamentais. Estas forças irregulares preferem atacar veículos não blindados ou os ligeiramente blindados HMMWV, os principais veículos de transporte das forças armadas norte-americanas, principalmente pelo uso de engenhos explosivos improvisados perto das estradas.[224] [225] Em Novembro de 2003, algumas dessas forças atacaram com sucesso helicópteros norte-americanos com mísseis SA-7 comprados no mercado negro global.[carece de fontes?] Grupos de insurgentes como a Rede al-Abud também tentaram constituir os seus próprios programas de armas químicas, tentando transformar em armas morteiros tradicionais com Ricina e Gás Mostarda.[226] Há evidências de que alguns grupos de guerrilha estão organizados, talvez pelos Fedayin e outros grupos leais a Saddam Hussein ou do partido Baath, religiosos radicais, iraquianos contrários à ocupação e combatentes estrangeiros.[227]

Além das lutas internas, o Irão pode estar a ter um papel na insurgência. O Brigadeiro General Michael Barbero afirmou que "O Irão é claramente uma força desestabilizadora no Iraque… Acho que é irrefutável que o Irão é responsável pelo treino, financiamento e equipamento de alguns grupos xiitas extremistas".[228]

Milícias[editar | editar código-fonte]

Duas das milícias actuais mais poderosas são o Exército Mahdi e a Organização Badr, com ambas as milícias a terem substancial apoio político no actual governo iraquiano. Inicialmente ambas as organizações estavam envolvidas na insurgência iraquiana, mais claramente o exército Mahdo na Batalha de Najaf. No entanto, recentemente, ouve uma separação entre os dois grupos.

Esta violenta separação entre o Exército Mahdi de Muqtada al-Sadr e a rival Organização Badr de Abdul Aziz al-Hakim, foi visto nos combates na cidade de Amarah a 20 de Outubro de 2006, e iría complicar severamente os esforços dos responsáveis iraquianos e americanos para debelar a violência crescente.[229]

Mais recentemente, no fim de 2005 e em 2006, devido ao aumento da violência sectária baseada em distinções étnicas/tribais ou simplesmente devida ao aumento da violência criminosa, várias milícias se formaram, com bairros inteiros e cidades por vezes sendo protegidas ou atacadas por milícias étnicas ou de bairro.[carece de fontes?] Um desses grupos, conhecido como o "Acordar de Anbar", foi formado em Setembro de 2006 para lutar contra a Al-Qaeda e outros grupos islamitas radicais na particularmente violenta província de Anbar. Liderado pelo Xeque Abdul Sattar Buzaigh al-Rishawi, que lidera o Conselho Sunita de Salvação de Anbar, o Acordar de Anbar tem mais de 6000 tropas e é visto pelos responsáveis norte-americanos como Condoleeza Rice como um potêncial aliado das forças de ocupação.[230]

Custos da guerra[editar | editar código-fonte]

Estimativas de baixas[editar | editar código-fonte]

Um fuzileiro norte-americano morto em Abril de 2003 é levado após receber os últimos ritos.

O jeito como a administração do presidente Bush foi duramente criticada, dentro e fora dos Estados Unidos. Muitos especialistas americanos traçaram paralelos entre este conflito e a Guerra do Vietnã, que acontecera nas décadas de 60 e 70 e também foi uma guerra tremendamente custosa e impopular.[231] [232] Um grupo chamado Center for Public Integrity ("Centro para Integridade Pública") afirmou que o governo bush fez um total de 935 afirmações falsas sobre o Iraque para o povo americano entre 2001 e 2003.[233]

Em Dezembro de 2005 o presidente Bush disse que haveria 30 000 iraquianos mortos. O porta-voz da Casa Branca Scott McClellan disse posteriormente que esta "não era uma estimativa oficial do governo", e que era baseada em relatórios dos meios de comunicação social.[234]

Tem havido várias tentativas dos meios de comunicação, dos governos da coligação e de outros de estimar as baixas iraquianas:

  • O Ministro da Saúde do Iraque Ali al-Shemari disse, em Novembro de 2006, que, desde a invasão de 2003, entre 100.000 e 150.000 civis Iraquianos foram mortos. Al-Shemari disse na Quinta-feira, 9 de novembro, que baseou os seus números numa estimativa de 100 corpos chegados por dia às morgues e hospitais.[235] [236] [237]
  • As Nações Unidas descobriram que foram relatadas 34.452 mortes civis violentas por morgues, hospitais e autoridades municipais iraquianas em 2006.[238] [239]
  • Os ministérios da Saúde, da Defesa e do Interior do Iraque informaram que 14.298 civis, 1348 policiais e 627 soldados foram mortos em 2006.[240] O governo iraquiano não conta mortes consideradas como de criminosas, nem as resultantes de raptos, nem as pessoas feridas que morrem mais tarde em resultado dos ataques. No entanto "um número de 3700 mortes civis, em Outubro de 2006 , os últimos dados das Nações Unidas, baseados em dados do Ministério da Saúde e da morgue de Bagdade, foram considerados exagerados pelo governo iraquiano".[241]
  • O Iraq Body Count Project (IBC) documentou 73.264 a 79.869 mortes de civis não combatentes desde o princípio da guerra até 20 de Setembro de 2007.[242] No entanto o IBC tem sido criticado por considerar apenas as mortes referidas em meios de comunicação "respeitáveis".[243] [244] O director do IBC John Sloboda admite: "Nós sempre dissemos que o nosso trabalho é uma contagem por baixo. Não se pode esperar que uma análise com base nos meios de comunicação apanhe todas as mortes".[245]
  • Uma pesquisa da Opinion Research Business (ORB), conduzida entre 12 e 19 de Agosto de 2007, estimou 1.220.580 mortes violentas devidas à guerra no Iraque (entre 733.158 e 1.446.063). De uma amostra nacional de 1499 iraquianos adultos, 22% tinham um ou mais membros da sua família mortos devido à guerra (margem de erro de aproximadamente +/-2,4%).[246] A ORB afirmou que 48% tinham morrido devido a ferimento provocado por um disparo de uma arma de fogo, 20% por carros bomba, 6% em resultado de um acidente e 6% devido a outro tipo de explosão ou atentado. É a estimativa mais elevada dada até agora para o número de vítimas civis no Iraque e é consistente com as pesquisas de baixas do Estudo da revista The Lancet.[247] [248]
  • O Estudo da Lancet sobre as baixas da Guerra do Iraque estimou 654,965 mortes de iraquianos (entre 392.979 e 942.636), entre Março de 2003 e o fim de Junho de 2006.[249] [250] Esse número total de mortes de iraquianos inclui todas as mortes em excesso devidas à insegurança, degradação da infraestrutura, piores cuidados de saúde, etc. e inclui civis, militares e insurgentes. 601.027 foram mortes violentas (31% atribuídas à coligação, 24% a outros e 46% por causas desconhecidas). Para uma grande parte dos mortos, havia atestado de óbito (o documento foi solicitado a 92% das famílias).[249] [251] As causas das mortes violentas foram tiros (56%), carros bomba (13%), outras explosões/atentados (14%), ataque aéreos (13%), acidente (2%), desconhecido (2%). Os resultados do estudo foram criticados como "ridículos" e "altamente improváveis" por muitos críticos como o governo iraquiano e o Iraq Body Count project.[248] [252] [253] As estimativas Lancet apenas foram publicadas até agora numa publicação revista pelos pares.

Em 2013, estimava-se que entre 170 000 e 500 000 iraquianos morreram no conflito.[48] Também foi reportado que 4 804 combatentes da Coalizão ocidental foram mortos, incluindo 4 486 americanos, 179 britânicos e 139 militares de pelo menos vinte e dois outros países.[254]

Custos financeiros[editar | editar código-fonte]

O custo financeiro do conflito para os países da Coalizão foi tremendamente alto. Estima-se que o Reino Unido gastou pelo menos £4,55 bilhões de libras (ou US$9 bilhões de dolares).[255] O governo americano reportou ter gasto US$845 bilhões no esforço de guerra.[256]

Em março de 2013, um estudo feito pela Universidade de Brown afirmou que a guerra custou US$1,7 trilhões de dólares.[257] Muitos críticos afirmam que o custo total a economia dos Estados Unidos pode variar de US$3 trilhões [258] a até US$6 trilhões de dólares até 2053, contando com os juros.[259]

Crise humanitária[editar | editar código-fonte]

A deterioração da situação humanitária[editar | editar código-fonte]

Uma pesquisa a mais de 2000 iraquianos comissionada pela BBC e outras três organizações noticiosas descobriu que 51% da população considera os ataques á coligação aceitáveis, uma subida relativamente aos 17% de 2004 e 35% em 2006. Além disso:

  • 64% descreveram a situação económica da sua família como sendo má, uma subida relativamente aos 30% em 2005.
  • 88% descreveram a disponibilidade de electricidade como sendo má, uma subida em relação a 65% em 2004.
  • 69 % descreveram a disponibilidade de água potável como sendo má, uma subida relativamente aos 48% de 2004.
  • 88% descreveram a disponibilidade de combustível para cozinhar e conduzir como sendo má.
  • 58% descreveram os esforços de reconstrução na área em que vivem como sendo ineficazes e 9% consideraram-nos totalmente inexistentes.[260]
Um enfermeiro norte-americano trata de algumas feridas menores depois da explosão de dois carros bomba a 18 de Novembro de 2005 perto de uma área residencial de Bagdade.

Num relatório com o título "Civis sem protecção: a crise humanitária sempre pior no Iraque", produzido bastante depois do reforço de tropas norte-americanas em Bagdade a 14 de Fevereiro, a Cruz Vermelha e o Crescente Vermelho disseram que milhões de iraquianos estão numa situação desastrosa que está a piorar, com profissionais médicos a fugirem do país depois de os seus colegas terem sido mortos ou raptados. As mães pedem a alguém que apanhe os corpos das ruas para que as suas crianças sejam poupadas ao horror de os ver quando vão para a escola. O director de operações da Cruz Vermelha Pierre Kraehenbuehl disse que os hospitais e outros serviços chave têm uma falta desesperada de pessoal, com mais de metade dos médicos dizendo que já saíram do país.[261]

20 de Março de 2007. Um soldado leva uma criança iraquiana ferida para o centro médico Charlie em Camp Ramadi.

De acordo com um responsável governamental anónimo, 1944 e pelo menos 174 soldados e polícias foram mortos em Maio de 2007, um aumento de 29% de mortes civis relativamente a Abril. A estimativa do governo iraquiano do número de civis mortos tem sido sempre muito mais baixo do que os relatórios de pesquisadores independentes, como a Lancet. Os ataques de morteiros na capital têm se tornado mais mortíferos.[262]

Entre 18 de Junho e 18 de Julho, cerca de 592 corpos não identificados foram encontrados em Bagdade. A maioria dos cerca de 20 por dia encontrados pela polícia foram encontrados amarrados, com os olhos vendados e mortos como tendo sido executados. A polícia atribui essas mortes a brigadas de morte xiitas e sunitas. De acordo com fontes médicas de Bagdade, muitos mostram também sinais de tortura e mutilação. Apesar de declarações oficiais iraquianas e norte-americanas em contrário, os relatórios indicam que o número de corpos não identificados na capital subiu para o nível de antes do reforço em Julho. Relatórios dos meios de comunicação indicam que as forças armadas norte-americanas se focam em áreas onde são atacadas e não tanto em zonas onde se realizam esse tipo de mortes sectárias por represália.[263]

Deterioração dos cuidados de saúde[editar | editar código-fonte]

Os cuidados de saúde no Iraque deterioraram-se para um nível não visto desde os anos 1950, disse Joseph Chamie, antigo director da Divisão da População da ONU e um especialista sobre o Iraque. "Eles estavam na crista da onda" disse, referindo-se aos cuidados de saúde de antes da Guerra do Golfo de 1991. "Agora parecem mais um país da África sub-saariana".[264] As taxas de má nutrição subiram de 19% antes da invasão para uma média nacional de 28% quatro anos depois.[265] Cerca de 60% a 70% das crianças iraquianas sofrem de problemas psicológicos.[266] 86% dos iraquianos não têm acesso a água potável. Um surto de cólera no norte do Iraque pensa-se ser o resultado da má qualidade da água.[267] Cerca de metade dos médicos iraquianos abandonaram o país desde 2003.[268]

Refugiados iraquianos[editar | editar código-fonte]

Há mais de 3,9 milhões de refugiados iraquianos, quase 16% da população. Dois milhões abandonaram o Iraque enquanto que 1,9 milhões estão deslocados internamente].[269] O Alto Comissário das Nações Unidas para os refugiados estimou a 21 de Junho de 2007 que 2,2 milhões de iraquianos tinham fugido para países vizinhos e 2 milhões estavam deslocados internamente, com cerca de 100.000 iraquianos a fugirem para a Síria e a Jordânia todos os meses.[270] [271]

Pensa-se que 40% da classe média iraquiana fugiu, disseram as Nações Unidas. A maioria foge de perseguições sistemáticas e não deseja regressar. Todo o tipo de pessoas, desde professores universitários a padeiros foram tomados como alvos pelas milícias, insurgentes e criminosos. Estima-se que 331 professores terão sido mortos nos primeiros quatro meses de 2006 de acordo com o Human Rights Watch, e pelo menos 2000 médicos iraquianos foram assassinados e 250 raptados desde a invasão de 2003.[272] Os refugiados iraquianos na Síria e na Jordânia vivem em comunidades empobrecidas com pouca atenção internacional aos seus problemas e reduzida protecção legal.[273] [274]

Muitas das mulheres iraquianas fugidas do Iraque estão a recorrer à prostituição. Somente na Síria estima-se que 50.000 mulheres e raparigas iraquianas, muitas dela viúvas, são forçadas à prostituição para sobreviver. Prostitutas iraquianas baratas ajudaram a fazer da Síria um destino popular para turistas sexuais . Os clientes vêm de países mais ricos do Médio Oriente - muitos são homens sauditas.[275]

Um artigo de 25 de Maio de 2007 nota que nos últimos sete meses apenas 69 pessoas no Iraque receberam estatuto de refugiados nos Estados Unidos.[276] No ano fiscal de 2006, apenas 102 refugiados iraquianos foram autorizados a mudar-se para os Estados Unidos.[277] [278] Como resultado do aumento da pressão internacional, a 1 de Junho de 2007, a administração Bush disse estava pronta a admitir 7.000 refugiados que tinham ajudado a coligação desde a invasão. Em 2006, 1,27 milhões de imigrantes conseguiram residência permanente legal no Estados Unidos, incluindo 70.000 refugiados.[279] De acordo com a Refugees International sedeada em Washington, os Estados Unidos admitiram menos 800 refugiados iraquianos desde a invasão; a Suécia aceitou 18.000 e a Austrália quase 6000.[280] Cerca de 110.000 iraquianos podem ser tomados como alvo como colaboradores devido ao seu trabalho com as forças da coligação.[281]

O governo sírio decidiu implementar um regime estrito de vistos para limitar o número de iraquianos que entram no país a um ritmo de até 5000 por dia, cortando a única rota de fuga para milhares de refugiados que fogem da guerra civil no Iraque. Um decreto governamental que entra em efeito a 10 de Setembro de 2007 impede os os possuidores de passaportes iraquianos de entrarem na Síria, excepto homens de negócios e académicos. Até lá, a Síria era o único país a resistir às regulações de entrada estritas para iraquianos.[282] [283]

Apesar de os cristãos representarem menos de 5% da população iraquiana, são 40% dos refugiados que agora vivem em países vizinhos, de acordo com o alto Comissário das Nações Unidas para os refugiados.[284] [285] O Alto Comissariado das Nações Unidas para os refugiados estima que que os cristãos representam 24% dos iraquianos que actualmente procuram asilo na Síria.[286] [287] No século XVI, metade da população do Iraque eram cristãos.[288] Em 1987, o último censo iraquiano contou 1,4 milhões de cristãos.[289] Mas uma vez que a invasão de 2003 radicalizou as sensibilidades islâmicas, o número de cristãos iraquianos caiu para cerca de 500.000, vivendo cerca de metade em Bagdade.[290] Mais de metade dos cristãos iraquianos já deixaram o país.[291] [292] Só entre Outubro de 2003 e Março de 2005, 36% de todos o iraquianos que fugiram para a Síria eram assírios e outros cristãos, julgando a partir de uma amostra dos que se registaram para asilo em termos políticos e religiosos.[293] Além disso, as pequenas comunidades de Mandeanos e Yazidis, estão em risco de extinção devido à limpeza étnica de militantes islâmicos.[294] [295]

Abusos dos direitos humanos[editar | editar código-fonte]

Soldado norte-americana Lynndie England segurando uma trela presa a um prisioneiro iraquiano desmaiado no chão da prisão de Abu Ghraib.

Durante a guerra do Iraque houve numerosos abusos dos direitos humanos por ambos lados do conflito.

Forças da coligação e contratados privados[editar | editar código-fonte]

  • A tortura e abuso de prisioneiros na prisão de Abu Ghraib
  • Uso de fósforo branco no Iraque
  • Os assassinatos de Haditha, de 24 civis em Haditha, incluindo mulheres e crianças (sob investigação)
  • O incidente de Ishaqi (assassinato de 24 civis em Ishaqi, incluindo 5 crianças) (sob investigação)
  • O incidente de Hamadiya (rapto de assassinato de um iraquiano chamado Hasshim Ibrahim Awad) (sob investigação)
  • O incidente de Mahmudiya (a violação e assassinato de uma menina de de quatorze anos e o assassinato da sua família, em Mahmudiya) (condenado a prisão perpétua) [43]
  • O massacre da boda (bombardeamento e alvejar de 42 civis em Mukaradib)[296] (sob investigação)
  • Controvérsia sobre se foi usada força desproporcionada durante os assaltos da coligação e das forças governamentais (maioritariamente xiitas e curdas) no bastião da insurgência sunita de Fallujah, em 2004. As mortes (tanto de combatentes como de civis) foram estimadas às centenas, e grande parte da cidade ficou destruída.
  • Classificação falsa de iraquianos capturados ou mortos como combatentes inimigos ou insurgentes;
Vários entrevistados disseram, nessa ocasião, que esses assassinatos eram justificados pela classificação de inocentes como terroristas, tipicamente em seguimento de disparos das forças norte-americanas sobre multidões de iraquianos desarmados. As tropas detinham os sobreviventes, acusavam-nos de ser insurgentes e colocavam AK-47 junto dos corpos dos mortos para fazer parecer que os civis mortos eram combatentes. "Eram sempre AK-47 porque havia sempre muitas dessas armas por todo o lado", disse o especialista Aoun. O soldado de cavalaria Joe Hatcher, de 26 anos, de S. Diego, disse que eram ainda usadas pistolas de 9 milímetros e aé pás para dar a impressão de que os não combatentes estavam a cavar um buraco para colocar explosivos.

"Todo o bom polícia tem mais do que uma arma" disse Hatcher, que serviu com o quarto regimento de cavalaria, primeiro esquadrão, em Ad Dawar, a meio caminho entre Tikrit e Samarra, de Fevereiro de 2004 a Março de 2005. "Se se mata alguém que esteja desarmado, só tem de se deixar uma das armas perto dele". Os que sobreviveram a esses tiroteios foram presos e acusados de serem insurgentes.[297]

Houve ainda relatos de abusos dos direitos humanos por parte dos milhares de militares contratados a trabalhar no Iraque. O caso mais notório foi o da prisão de Abu Ghraib.

Uma mulher pede a um soldado iraquiano da 2ª Companhia, 5ª Brigada; 2ª Divisão do Exército para autorizar a libertação dum suspeito de ser insurgente durante um raid perto de Tafaria, Iraque.

Insurgentes e grupos terroristas[editar | editar código-fonte]

  • Assassinato de mais de 12.000 iraquianos desde Janeiro de 2005 a Junho de 2006, de acordo com o ministro do interior iraquiano Bayan Jabr, dando a primeira contagem oficial das víctimas de ataques bombistas, emboscadas e outros ataques mortíferos.[298] Os insurgentes realizaram também numerosos ataques suicídas contra a população iraquiana, tendo como alvo maioritariamente a maioritária comunidade xiita.[299] [300]

Um relatório de Outubro de 2005 da Human Rights Watch examina a extensão do ataques a civis e a sua justificação.[301]

  • Ataques a diplomatas e edifícios diplomáticos incluindo; o ataque bombista da sede das Nações Unidas em Bagdade em Agosto de 2003 matando os principais representantes das Nações Unidas e outros 21 membros do pessoal;[302] decapitação de vários diplomatas: dois diplomatas argelinos Ali Belaruoussi e Azzedine Belkadi,[303] diplomata egípcio al-Sherif,[304] e quatro diplomatas russos.[305]
  • O ataque à bomba de Fevereiro de 2006 da mesquita de al-Askari, destruindo o santuário xiita mais santo, matando mais de 165 fiéis e iniciando um conflito sectário e assassinatos por represália.[306]
  • A morte publicitada de numeroso pessoal não militar incluindo; Eugene Armstrong, Jack Hensley, o tradutor Kim Sun-il, Kenneth Bigley, os motoristas de camião búlgaros Ivaylo Kepov e Georgi Lazov,[307] Shosei Koda, o italiano Fabrizio Quattrocchi, a trabalhadora de caridade Margaret Hassan, engenheiro de reconstrução Nick Berg, o fotógrafo italiano de 52 anos Salvatore Santoro[308] e o trabalhador de logística Seif Adnan Kanaan.
  • Tortura e assassinato de membros do Novo Exército Iraquiano,[309] e assassinato de civis associados à Autoridade provisória da coligação, tal como Fern Holland, ou ao Conselho Governamental Iraquiano, tal como Aqila al-Hashimi e Ezzedine Salim, ou de outros civis estrangeiros, tal como alguns Quenianos.[310]
  • Quatro contratados privados, Scott Helvenston, Jerko Zovko, Wesley Batalona and Michael Teague, foram mortos com granadas e armas de fogo ligeiras, e os seus corpos arrastados dos seus carros, espancados e incendiados. Os seus cadáveres queimados foram arrastados pelas ruas antes de serem pendurados duma ponte sobre o Eufrates.[311]

Governo iraquiano[editar | editar código-fonte]

  • O uso de tortura pelas forças de segurança iraquianas.[312]
  • Esquadrões de morte xiitas comandados pelo ministério do interior são acusados de numerosos massacres contra árabes sunitas[313] e a infiltração da polícia pelas milícias aumentaram o problema.

Referências

  1. The Mouth of the Potomac. "War is over: Last U.S. combat troops leave Iraq; 50,000 remain as advisers", Nydailynews.com. Página visitada em 15 de dezembro de 2011.
  2. New York Times, 24 de janeiro de 2010
  3. Microsoft Word - FINAL 23 1000 Jul SecDef singed.doc (PDF). Página visitada em 15 de janeiro de 2011.
  4. "Pentagono: Saddam é prisioneiro de Guerra", CNN, Janeiro de 2004.
  5. Deputy Assistant Secretary for International Programs Charlene Lamb's Remarks on Private Contractors in Iraq. State.gov. Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  6. The Military Balance 2010. London: Routledge, 3 de fevereiro de 2010. ISBN 1-85743-557-5
  7. The Kurdish peshmerga forces will not be integrated into the Iraqi army: Mahmoud Sangawi — Interview. Ekurd.net. Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  8. The Brookings Institution Iraq Index: Tracking Variables of Reconstruction & Security in Post-Saddam Iraq 1 de outubro de 2007
  9. Ricks, Thomas E., Ann Scott Tyson. "Intensified Combat on Streets Likely", Washington Post, 11 de janeiro de 2007, p. A01.
  10. Pincus, Walter. "Violence in Iraq Called Increasingly Complex". Washington Post, 17 de novembro de 2006.
  11. 260 mortos em 2003,[1] 15 196 mortos entre 2004 e 2009, [2] 67 mortos em março de 2009,[3] e 1 100 mortos em 2010, [4]; com um total de mortos de 16 623 pessoas
  12. Iraq War. Página visitada em 18 de novembro de 2012.
  13. Operation Iraqi Freedom. iCasualties. Página visitada em 24 de agosto de 2010.
  14. "Home and Away: Iraq and Afghanistan War Casualties", CNN. Página visitada em 30 de março de 2010.
  15. http://www.defenselink.mil/news/casualty.pdf
  16. Ministry of Defence | Fact Sheets | Operations Factsheets | Operations in Iraq: British Fatalities. Mod.uk. Página visitada em 17 October 2009.
  17. "Forces: U.S. & Coalition/POW/MIA", CNN. Página visitada em 22 February 2011.
  18. Healy, Jack, "With Withdrawal Looming, Trails Grow Cold For Americans Missing In Iraq", New York Times, 22 de maio de 2011, p. 6.
  19. Casualty. Página visitada em 18 de novembro de 2012.
  20. 33 ucranianos [5], 31+ italianos [6] [7], 30 búlgaros [8] [9], 20 salvadorenhos [10], 19 georgianos [11], 18 estonianos [12], 16+ poloneses [13] [14] [15] [16] [17], 15 espanhóis [18] [19] [20] [21], 10 romenos [22], 6 Australians [23], 5 albaneses, 4 cazaques [24], 3 Filipinos [25] e 2 tailandeses [26] [27] com um total de 212 ou mais
  21. a b "Military Casualty Information". See latest totals for injury, disease/other medical
  22. "Casualties in Iraq".
  23. a b iCasualties.org (was lunaville.org). Benicia, California. Patricia Kneisler, et al., "Iraq Coalition Casualties"
  24. a b "Defence Internet Fact Sheets Operations in Iraq: British Casualties". UK Ministry of Defense. Latest combined casualty and fatality tables.
  25. http://siadapp.dmdc.osd.mil/personnel/CASUALTY/oif-total.pdf
  26. a b U.S. Department of Labor — Office of Workers' Compensation Programs (OWCP) - Defense Base Act Case Summary by Nation. Dol.gov. Página visitada em 15 de dezembro de 2011.
  27. a b T. Christian Miller (23 de setembro de 2009). U.S. Government Private Contract Worker Deaths and Injuries. Projects.propublica.org. Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  28. Press release (28 de outubro de 2003). "New Study Finds: 11,000 to 15,000 Killed in Iraq War; 30 Percent are Non-Combatants; Death Toll Hurts Postwar Stability Efforts, Damages US Image Abroad". Project on Defense Alternatives (via Common Dreams NewsCenter). Página acessada em 2 de setembro de 2010.
  29. Conetta, Carl (23 de outubro de 2003). "The Wages of War: Iraqi Combatant and Noncombatant Fatalities in the 2003 Conflict — Project on Defense Alternative Research Monograph #8". Project on Defense Alternatives (via Commonwealth Institute). Página acessada em 2 de setembro de 2010.
  30. 597 mortos em 2003,[28], 23 984 mortos de 2004 a 2009, [29] 652 mortos em maio de 2004,[30] 45 killed in March 2009,[31] 676 mortos em 2010, [32] 451 mortos em 2011, [33] [34] [35] [36] [37] [38] [39] [40] [41] com um total de 26 405 mortos
  31. "O rei saudita condena a ocupação do Iraque", New York Times, Março de 2007.
  32. "Operações de resgate na segunda guerra do golfo", Air & Space Power Journal, Primavera de 2005.
  33. Operation Iraqi Freedom. Página visitada em 2007-08-02.
  34. War is over: Last U.S. combat troops leave Iraq; 50,000 remain as advisers, por Leo Standora. New York Daily News, 19 de agosto de 2010.
  35. O presidente Bush define a ameaça iraquiana.
  36. Compôr a história das armas que não existiam.
  37. www.americanprogress.org/issues/kfiles/b24970.html.
  38. FOREIGN AFFAIRS: Fruit of Appeasement, The New York Times 4 de Agosto de 1990.
  39. 2003 State of the Union Address.
  40. O presidente Bush define a ameaça iraquiana.
  41. EUA encerram guerra do Iraque sem citar 'vitória'. Gazata Online.
  42. Post Store. "Obama's speech on August 31 declares combat in Iraq over", Washingtonpost.com. Página visitada em 15 de dezembro de 2011.
  43. Post Store. "As Obama declares Iraq war over, Iraqis brace for uncertainty", Washingtonpost.com. Página visitada em 15 de dezembro de 2011.
  44. "Obama delivers Oval Office address on Iraq | In Obama's Words | The Washington Post", Projects.washingtonpost.com. Página visitada em 15 de dezembro de 2011.
  45. Dershowitz, Alan. Obama marks formal end of Iraq combat. Jpost.com. Página visitada em 15 de dezembro de 2011.
  46. Brush, Silla. Obama: 'The war is ending,' fulfilling campaign pledge. TheHill.com. Página visitada em 15 de dezembro de 2011.
  47. Secretário de Defesa americano chega ao Iraque para oficializar fim da guerra. Yahoo.com. Página visitada em 15 de dezembro de 2011.
  48. a b "Iraq Death Toll Reaches 500,000 Since Start Of U.S.-Led Invasion, New Study Says ". Página acessada em 18 de janeiro de 2014.
  49. Resolução 1441 do Conselho de Segurança, adotada em 8 de novembro de 2002.
  50. Iraque promete ajudar ONU na busca por armas proibidas. UOL, 20 de janeiro de 2003.
  51. Linha da Frente:O lado negro" PBS, transmitido a 20 de Junho de 2006.
  52. Uma questão de confiança" Time, 13 de Julho de 2003.
  53. O memorando secreto de Downing Street," The Sunday Times, 1 de Maio de 2005.
  54. Blumenthal, S. (September 6, 2007) "Bush sabia que Saddam não tinha armas de destruição massiva" Salon.com
  55. Senador Bill Nelson (28 de janeiro de 2004) "Novas informações acerca da posse de armas de destruição massiva pelo Iraque"Dados do Congresso
  56. Lowe, C. (16 de Dezembro de 2003) "Senador: A Casa Branca foi avisada de uma ataque de aviões não tripulados," Defense Tech
  57. Associated Press (24 de Agosto de 2003) CBS News
  58. Conferência de imprensa do ministro dos negócios estrangeiros Dominique de Villepin (excertos) (2003-01-20).
  59. Blix, H. (7 de Março de 2003) Transcrição do relatório de Blix nas Nações Unidas. CNN.com
  60. EUA afirmam que invasão do Iraque é inevitável. BBC, 19 de março de 2003.
  61. Blix lamenta que não haja mais tempo para inspeções no Iraque. Folha Online, 19 de março de 2003.
  62. Ministério das Relações Exteriores. Departamento de Oriente Médio e Ásia Central. Iraque - Quadro geral de informações.
  63. Alex Callinicos (19 de Março de 2005). Anti-war protests do make a difference ("Os protestos anti-guerra fazem de facto diferença") (em inglês). Socialist Worker. Página visitada em 7 de agosto de 2010.
  64. A guerra do Iraque foi ilegal, diz Annan. BBC News (2004-09-16). Página visitada em 2007-02-17.
  65. geocities.com/jdejoannis/Coalition/.
  66. sfgate.com/cgi-bin/article.cgi?f=/c/a/2003/04/09/MN249161.DTL.
  67. The Wages of War: Iraqi Combatant and Noncombatant Fatalities in the 2003 Conflict. PDA Research Monograph 8, 20 October 2003. Carl Conetta. Página visitada em 28 de Outubro de 2009.
  68. Reuters. "Voltar a pôr de pé os amputados".Washington Post. 25 de Outubro de 2005.
  69. Título não preenchido, favor adicionar.
  70. "Mapas da Operação Liberdade no Iraque", GlobalSecurity.Org.
  71. Maps, Weather, and Airports for Ad Dujayl, Iraq. Página visitada em 28 de Outubro de 2009.
  72. icasualties.org/oif/Province.aspx.
  73. "Poll: Os iraquianos estão a perder a paciência", USA Today, 2004-04-30.
  74. Reuters. "As espectativas dos líderes iraquianos tornam-se negras à medida que a guerra civil se anuncia".
  75. "O presidente lamenta o "venham eles"", NewsMax.com Wires, 2005-01-14.
  76. (The Guardian, 19 de Janeiro de 2004, free archived version, visitado pela última vez a 21 de Novembro de 2006)
  77. PBS.org.
  78. Residentes penduram corpos de norte-americanos numa ponte - CNN.com.
  79. O ScanEagle prova o seu valor na batalha de Fallujah, DefenseLINK News.
  80. Vídeo: Fallujah - The Hidden Massacre: How the United States used chemical warfare indiscriminately in Iraq.
  81. Presidente Bush, conta outra, por Cláudio Versiani. Congresso em foco, 20 de novembro de 2005.
  82. Thomas Ricks (2006) Fiasco: 398-405
  83. Seymour M. Hersh. Torture at Abu Ghraib: American soldiers brutalized Iraqis. How far up does the responsibility go? (em inglês). The New Yorker.
  84. From Planning to Warfare to Occupation, How Iraq Went Wrong , por MichikoKakutani. The New York Times, 25 de Julho de 2006.
  85. FIASCO - The American Military Adventure in Iraq. Penguin, 2006; The Gamble - General David Petraeus and the American Military Adventure in Iraq, 2006-2008. Penguin, 2009.
  86. The Generals' Insurgency - The Story Behind the U.S. Troop Surge in Iraq. The Washington Post. Série de textos adaptada do livro de Thomas E. Ricks, The Gamble: General David Petraeus and the American Military Adventure in Iraq, 2006-2008.
  87. "Os Estados Unidos deverão retirar 15.000 do Iraque", BBC News, 2005-02-04.
  88. a b Thomas Ricks (2006) Fiasco: 413
  89. Thomas Ricks (2006) Fiasco: 414
  90. "A violência no Iraque; enviado das nações unidas pede diálogo nacional e apoio internacional", UN News Centre, 2006-11-25.
  91. Um estudo actualizado sobre o Iraque confirma anteriores estimativas de mortalidade. Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health (2006-10-11).
  92. Alto comissariado das Nações Unidas para os refugiados preocupado com o efeito da situação de segurança no Iraque nos deslocados iraquianos. Alto Comissariado das Nações Unidas para os refugiados (2006-10-13). Página visitada em 2006-12-25.
  93. Ricks, Thomas E.. "A situação é considerada dramática no oeste do Iraque", Washington Post, 2006-09-11.
  94. "O Sudão encabeça o Índice de Estados Falhados", BBC News, 2006-05-02.
  95. The Failed States Index Rankings. Foreign Policy (julho/agosto 2005).
  96. "Milícia xiita toma durante algum tempo cidade iraquiana", MSNBC, 2006-10-20.
  97. Peter Baker (2006-10-24). A nova linha de Bush elimina o "manter o rumo". The Washington Post.
  98. "Bombas e morteiros num bairro de lata xiita matam pelo menos 161 pessoas", MSNBC, 2006-11-23.
  99. "A situação em Anbar fica mais clara, e mais difícil", Washington Post, 2006-11-28.
  100. "Os ataques no Iraque estão num máximo histórico, diz o Pentágono", PBS, 2006-12-19.
  101. "8 Fuzileiros acusados de 24 assassínios", FOX, 2006-12-22.
  102. "Saddam Hussein executado no Iraque", BBC, 2006-12-30.
  103. Discurso do presidente à nação. The White House.
  104. David E. Sanger. "The Struggle for Iraq; Bush Adding 20,000 U.S. Troops; Sets Goal of Securing Baghdad", New York Times, January 11, 2007. "Pôs o caso muito mais claro quando o«s líderes do congresso visitaram a Casa Branca na Quarta-Feira. "Disse a Maliki que isto tem de funcionar ou então acabou-se", disse o presidente aos líderes do congresso, de acordo com dois responsáveis que estavam na sala. Pressionado sobre porque é que pensava que esta estratégia iria funcionar onde os esforços anteriores tinham fracassado, Bush disparou: "Porque tem de funcionar"
  105. Holusha, John. "Petraeus considera a situação no Iraque difícil", The New York Times, 23 de Janeiro de 2007.
  106. Gordon, Michael. "Bush deve nomear novo general para comandar no Iraque", The New York Times, January 5 2007.
  107. www.armymedicine.army.mil/news/releases/20070504mhat.cfm.
  108. Army Giving More Waivers in Recruiting, New York Times 14 de Fevereiro de 2007.
  109. Internet Broadcasting Systems, Inc. e The Associated Press 11 de Abril de 2007) Gates aumenta as comissões no Iraque e no Afeganistão"
  110. www.foxnews.com/story/0,2933,265137,00.html.
  111. BBC NEWS 21 de fevereiro de 2007,Blair anuncia um corte nas tropas no Iraque
  112. Mark Deen, Robert Hutton. "Major diz que Brown está a fazer política com o Iraque e as eleições", Bloomberg.com, 2 de Outubro de 2007. Página visitada em 2007-10-14.
  113. Al-Jazeera ENGLISH, 21 de Fevereiro de 2007, Blair anuncia retirada do Iraque
  114. nytimes.com.
  115. icasualties.org.
  116. strategypage.com/militaryforums/35-45583.aspx.
  117. O reforço norte-americano falhou- Sondagem iraquiana BBC 10 de Setembro de 2007.
  118. Poucos vêm ganhos na segurança ABC 10 de setembro de 2007.
  119. Dados da diminuição das vítimas em Bagdade". Por Damien Cave - New York Times. 15 de Março de 2007. Worcester Telegram & Gazette News..
  120. O Senado aprova lei de retirada de tropas do Iraque, Associated Press 29 de Maço de 2007.
  121. O Senado aprova objectivo de 2008 para trazer as tropas para casa, Reuters, 30 de Março de 2007.
  122. Faraj, S. (1 de Abril de 2007 ) Total de mortes iraquianas sobe 15% apesar do reforço, Bagdade, Agência France-Presse
  123. Agencia France-Presse (1 de Abril de 2007 ) Total de mortes iraquianas salta 15% em Março
  124. Cloud, D.S. e Cave, D. (3 de Junho de 2007) "Os comandantes dizem quem o reforço em Bagdade está a ter resultados abaixo dos objectivos" New York Times acedido a 4 de Junho de 2007
  125. As pesquisas prosseguem enquanto que a contagem dos mortos chega aos 250" Guardian 15 de Agosto.
  126. Contagem dos mortos poderá chegar aos 500".
  127. Não vão parar até que acabem conosco todos" Guardian (18 de Agosto de 2007).
  128. Contagem de mortos de ataque bombista no Iraque eleva-se a mais de 500".
  129. Abdul-Zahra, Q. 10 de Maio de 2007) "Discutida lei iraquiana sobre a retirada de tropas" Washington Post acedido a 10 de Maio de 2007
  130. Jarrar, R. e Holland, J. (9 de Maio de 2007) "A maioria dos deputados iraquianos rejeita agora a ocupação" AlterNet.org acedido a 10 de Maio de 2007
  131. Saad, L. (9 de Maio de 2007) "Os americanos são a favor de um calendário para a retirada do Iraque, não esperam um aumento do terrorismo" USA Today/Gallup poll Acedido a 10 de Maio de 2007
  132. Título não preenchido, favor adicionar.
  133. transcrição do discurso de Bush de 22 de Agosto.
  134. Iranians attack Kurdish rebels in Iraq. Página visitada em 28 de Outubro de 2009.
  135. Título não preenchido, favor adicionar.
  136. Título não preenchido, favor adicionar.
  137. Attacks cross Iraq-Turkey border - CNN.com. Página visitada em 28 de Outubro de 2009.
  138. Turkey May Attack Kurds Using Air Strikes, Troops (Update2) - Bloomberg.com. Página visitada em 28 de Outubro de 2009.
  139. Breaking News on Comcast.net. Página visitada em 28 de Outubro de 2009.
  140. DeYoung, Karen. "Powell diz que os E.U.A. estão a perder no Iraque, recomenda uma retirada parcial em meados de 2007", The Washington Post, 2006-12-18. Página visitada em 2007-03-02.
  141. "Insurgentes iraquianos matam um aliado chave dos E.U.A.", BBC News, 2007-09-13. Página visitada em 2007-09-14.
  142. a b Título não preenchido, favor adicionar.
  143. Tiroteio da Blackwater foi caótico(NYT).
  144. A licença da Blackwater está a ser revogada no Iraque.
  145. Os Estados Unidos rejeitam relatório da ONU que se refere a mercenários Associated Press (17 de outubro de 2007).
  146. "Iraq Index: Tracking Variables of Reconstruction and Security in Post-Saddam Iraq", Brookings Institution. Página acessada em 17 de janeiro de 2014.
  147. "DoD News Briefing with Maj. Gen. Salmon from Iraq", U.S. Department of Defense news transcript.
  148. Tran, Mark. "U.S. credits Iran for drop in Iraq roadside bombs", The Guardian, 12 de dezembro de 2008. Página visitada em 5 de maio de 2010.
  149. Sykes, Hugh. "Awakening fears for Iraq's future", BBC, 1 de outubro de 2008.
  150. Steele, Jonathan. "Iraq: Al-Qaida intensifies its stranglehold in the world's most dangerous city", The Guardian, 15 September 2008. Página visitada em 5 de maio de 2010.
  151. "Operation Mother of Two Springs", Institute for the Study of War commentary.
  152. Dagher, Sam. "Across Iraq, battles erupt with Mahdi Army", The Christian Science Monitor, 26 March 2008, p. 2.
  153. a b Stephen Farrell and Ahmar Karim. "Drive in Basra by Iraqi Army Makes Gains", The New York Times. Página visitada em 12 de maio de 2008.
  154. Fadel, Leila. "After Iranian mediation, firebrand Iraqi cleric orders halt to attacks", McClatchy Newspapers.
  155. "Secret Order Lets U.S. Raid Al Qaeda". Página visitada em 1 de fevereiro de 2014.
  156. Zremski, J. "Petraeus urges withdrawal delay" Buffalo News
  157. Smith, S.A. (9 de abril de 2008) "Senators grill Petraeus," Indiana Journal-Gazette
  158. Ambinder, M. (9 April 2002) "Biden's Audition?" The Atlantic
  159. Michaels, Jim. "Iraqi forces load up on U.S. arms", USA Today, 22 de maio de 2008. Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  160. Business as usual for U.S. arms sales. Asia Times. Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  161. Iraq Seeks F-16 Fighters (Wall St. Journal)
  162. Re-Arming Iraq (Center for American Progress)
  163. Center for Arms Control and Non-Proliferation: U.S. Surges $11 Billion in Arms Sales to Iraq. Armscontrolcenter.org (6 de agosto de 2008). Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  164. a b Iraq presidential council endorses U.S. security pact. Zawya.com. Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  165. BBC News (27 novembro de 2008) "Iraqi parliament backs U.S. pullout"
  166. White House: Iraq Status of Forces Agreement
  167. Status of Forces Agreement. Mcclatchydc.com. Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  168. Arms Control Center: How Comfortable is the U.S.-Iraq SOFA?
  169. Los Angeles Times: In Iraq, transfer-of-power committees have yet to take shape
  170. Status of Forces Agreement (Unofficial Translation). Mcclatchydc.com. Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  171. Rubin, A. (27 de novembro de 2008) "Iraqi Parliament approves security pact" International Herald Tribune
  172. Bumiller, Elisabeth. "New York Times: Trying to Redefine Role of U.S. Military in Iraq", The New York Times, 22 de dezembro de 2008. Página visitada em 15 de janeiro de 2011.
  173. Iraqi refugees in Syria protest against military pact with U.S. Dailystar.com.lb. Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  174. Iraqi people will judge on U.S. pact. Al Jazeera. Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  175. Robertson, Campbell (28 de outubro de 2008). Feelings are mixed as Iraqis ponder U.S. security agreement. International Herald Tribune. Página visitada em 26 de dezembro de 2011.
  176. Iraqis hold anti‑U.S. rally in Baghdad. Al Jazeera. Página visitada em 17 de janeiro de 2014.
  177. "At Midnight, U.S. Leaves Republican Palace, Green Zone to Iraqis". Página acessada em 17 de janeiro de 2014.
  178. "Iraqi civilian deaths down in January", CNN, 31 de janeiro de 2009. Página visitada em 17 de janeiro de 2014.
  179. Steven Lee Myers America's Scorecard in Iraq 7 de fevereiro de 2009, The New York Times
  180. Dagher, Sam. "The New York Times: A Top Sunni Survives an Attack in Iraq", The New York Times, 21 de janeiro de 2009. Página visitada em 26 de dezembro de 2011.
  181. Gunmen kill Iraqi soldier south of Baghdad. News.trend.az. Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  182. Sarhan, Saad. "Province Candidate Killed In Iraq", The Washington Post, 17 de janeiro de 2009. Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  183. Nabil Al-jurani. "Iraq: Sunni tribal leader says he can prove fraud", MSNBC, 4 de fevereiro de 2009. Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  184. Morin, Monte. "Iraq vote turnout fails to meet expectations", Los Angeles Times, 2 de fevereiro de 2009. Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  185. "Obama's Speech at Camp Lejeune, N.C.", The New York Times, 27 de fevereiro de 2009.
  186. Bel Aiba, Ines. "Iraq not fazed by pending U.S. pullout: Maliki", 26 de fevereiro de 2009.
  187. Six years on, huge protest marks Baghdad's fall. The Star. Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  188. "BBC: UK combat operations end in Iraq", BBC News, 30 April 2009. Página visitada em 23 October 2010.
  189. Christie, Michael. "Iraqi civilian deaths drop to lowest level of war", 30 November 2009. Página visitada em 30 de novembro de 2009.
  190. "Australia withdraws troops from Iraq". Página acessada em 17 de janeiro de 2014.
  191. Oil firms awarded Iraq contracts. English.aljazeera.net (11 de dezembro de 2009). Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  192. BP group wins Iraq oil contract. English.aljazeera.net (30 de junho de 2009). Página visitada em 23 de dezembro de 2010.
  193. Exclusive: War in Iraq to Be Given New Name War in Iraq to Be Given New Name
  194. "2 Most Wanted Al Qaeda Leaders in Iraq Killed by U.S., Iraqi Forces", FoxNews, 19 de abril de 2010
  195. "US : Al-Qaida in Iraq warlord slain" MSNBC, 20 April 2010
  196. "Iraqi al-Qaeda leaders 'killed'", BBC News, 19 de abril de 2010.
  197. "Car Bombs Hit Crowds Outside Bank in Baghdad", The New York Times, 20 de junho de 2010.
  198. Shadid, Anthony. "Insurgents Assert Their Strength With Wave of Bombings Across Iraq", The New York Times, 25 de agosto de 2010.
  199. "U.S. ending combat operations in Iraq", MSNBC. Página visitada em 18 de agosto de 2010.
  200. "U.S. ends combat operations in Iraq", Al Jazeera English, 18 de agosto de 2010. Página visitada em 18 de janeiro de 2014.
  201. Linkins, Jason. "AP Issues Standards Memo: 'Combat In Iraq Is Not Over'", Huffington Post, 3 de setembro de 2010. Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  202. "Last U.S. combat brigade exits Iraq", BBC News, 19 de agosto de 2010. Página visitada em 19 de dezembro de 2011.
  203. "President Obama's Address on Iraq", The New York Times, 31 de agosto de 2010.
  204. Gordon, Michael. "U.S. Formally Begins a New Era in Iraq", The New York Times, 1 de setembro de 2010.
  205. First U.S. Advise and Assist Brigade arrives under New Dawn | Article | The United States Army. Army.mil. Página visitada em 22 de setembro de 2012.
  206. Martin Chulov in Baghdad. "Baghdad church siege survivors speak of taunts, killings and explosions | World news", The Guardian, 1 de novembro de 2010. Página visitada em 15 de janeiro de 2011.
  207. "Iraq bombings: 113 killed in bombings in Baghdad", Los Angeles Times. Página visitada em 15 de janeiro de 2011.
  208. a b U.S. plans $4.2 billion arms sale to Iraq. UPI.com (1 de outubro de 2010). Página visitada em 15 de janeiro de 2011.
  209. Michaels, Jim. "Iraq to spend $13B on U.S. arms, equipment", USA Today, 1 de setembro de 2010.
  210. "Over $100m New Arms Sales to Iraq", Iraq Business News, 30 de novembro de 2010.
  211. VOA | UN Security Council Lifts Some Restrictions On Iraq | News | English. Voanews.com (15 de dezembro de 2010). Página visitada em 15 de janeiro de 2011.
  212. "Moktada al-Sadr Returns to Iraq", The New York Times, 5 de janeiro de 2011.
  213. "June bloodiest month for U.S. in Iraq in 2 years", Cbsnews.com. Página visitada em 26 de dezembro de 2011.
  214. Iraq to buy US warplanes worth around $3 billion. MSN. MSNBC. Página visitada em 18 de janeiro de 2014.
  215. Johnson, Craig. "N.C. soldier reportedly last to die in Iraq war". Página visitada em 16 de dezembro de 2011.
  216. Antle, W. James. Senate Tackles Iraq War Powers, Indefinite Detention. The American Spectator. Página visitada em 30 de novembro de 2011.
  217. Jaffe, Greg. "Last U.S. troops cross Iraqi border into Kuwait", The Washington Post, 18 de dezembro de 2011. Página visitada em 19 de dezembro de 2011.
  218. DeFronzo, James. "Impacts of the Iraq War." The Contemporary Middle East, terceira edição. Boulder, Colorado: Westview Press, 2013.
  219. Keith Wagstaff (27 de maio de 2013). Is Iraq heading toward civil war?. The Week. THE WEEK PUBLICATIONS, INC. Página visitada em 28 May 2013.
  220. SINAN SALAHEDDIN. "ATTACKS KILL 95 IN IRAQ, HINT OF SYRIAN SPILLOVER", 20 de maio de 2013. Página visitada em 28 de maio de 2013.
  221. "O Iraque ressurge no radar dos Estados Unidos pela queda de Faluja". Página acessada em 18 de janeiro de 2014.
  222. Emboscada da insurgência mata 24 polícias iraquianos (27 de Outubro de 2006).
  223. Washburn, Mark. "Mais americanos morrem por bombas nas estradas", Commondreams.org, 2005-06-10.
  224. Arun, Neil. "Bombas especializadas tornam mais graves os ataques no Iraque", BBC News, 2005-10-10.
  225. . "Relatório Geral do Conselheiro Especial à DCI sobre as armas de destruição massiva no Iraque" (PDF). Central Intelligence Agency.
  226. "Ataques iraquianos podem assinalar uma revolta vasta", The Seattle Times, 2003-06-30.
  227. www.npr.org/templates/story/story.php?storyId=5703572.
  228. Semple, Kirk. "Attack on Iraqi City Shows Militia’s Power", New York Times, 2006-10-20.
  229. No coração da área sunita do Iraque sem lei, um chefe tribal opõe-se aos jihadistas,e reza.
  230. Vietnam war-eyewitness booksW.; Iraq and Vietnam: Differences, Similarities and Insights, (2004: Strategic Studies Institute)
  231. "Revealed: The Secret Cabal Which Spun for Blair," Sunday Herald, Neil Mackay, 8 de junho de 2003
  232. Group: 'Orchestrated Deception' by Bush on Iraq. NPR. Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  233. Bush: A democracia iraquiana está a fazer progressos. CNN (12 de dezembro de 2005).
  234. "Official: 150,000 Iraqis Killed Since 2003". CBS News. 9 de Novembro de 2006.
  235. "Iraqi Official: 150,000 Civilians Dead". Washington Post. Steven R. Hurst. Nov. 10, 2006.
  236. Iraqi death toll estimates go as high as 150,000. AFP/ AP, 11 de Novembro de 2006.
  237. Mortes totais iraquianas excederam os 34.000 em 2006, diz a ONU". Por Sabrina Tavernise. New York Times. (17 Jan. 2007).
  238. Muitas organizações seguem orasto das baixas iraquianas - mas nenhuma sabe o número exacto com certeza". Associated Press. International Herald Tribune [ligação inativa] (16 de janeiro de 2007).
  239. Moídos e mortos: os mortos iraquianos ultrapassam os 16.000 em 2006. Pela Associated Press 2 de Janeiro de2007. The Indian Express. 3 de Janeiro de 2007.
  240. Mortos civis iraquianos atingem um novo record. Por Alastair Macdonald. The Australian. (2 de Janeiro de 2007).
  241. Iraq Body Count project.
  242. Os meios de comunicação ignoram sondagem credível que dá conta de 1,2 milhões de mortes violentas no Iraque". 18 de Setembro de 2007. MediaLens..
  243. Iraq Body Count - A Media Lens responde". BBC. 28 de Abril de 2006.
  244. Fuller, David. (28 de Abril de 2006) "Uma guerra virtual segue o conflito no Iraque". BBC Newsnight
  245. Mais de um milhão de iraquianos assassinados". Setembro de 2007. Opinion Research Business. relatório em PDF: [http://www.opinion.co.uk/Documents/TABLES.pdf].
  246. Sondagem: Total de mortes civis no Iraque pode chegar a 1 milhão". Por Tina Susman. 14 de Setembro de 2007. Los Angeles Times. ([http://www.commondreams.org/archive/2007/09/14/3839/ Convenience link at Commondreams.org)].
  247. a b Greenspan admite que a guerra do Iraque foi devida ao petróleo, quando as mortes são estimadas em 1,2 milhões". Por Peter Beaumont e Joanna Walters. 16 de Setembro de 2007. The Observer (UK)..
  248. a b "Mortality after the 2003 invasion of Iraq: a cross-sectional cluster sample survey"PDF (242 KB). By Gilbert Burnham, Riyadh Lafta, Shannon Doocy, and Les Roberts. The Lancet, October 11, 2006
  249. The Human Cost of the War in Iraq: A Mortality Study, 2002-2006PDF (603 KB). By Gilbert Burnham, Shannon Doocy, Elizabeth Dzeng, Riyadh Lafta, and Les Roberts. A supplement to the second Lancet study.
  250. O estudo sobre as mortes no Iraque é válido e correcto". The Age. 21 de outubro de 2006.
  251. Poderão 650.000 iraquianos ter morrido emconsequência da invasão?". Por Anjana Ahuja. The Times. 5 de Março de 2007.
  252. Verificações da realidade: algumas respostas às recentes estimativas da Lancet Iraq Body Count. 16 de Outubro de 2006.
  253. "Iraq Coalition Casualty Count". icasualties. Página acessada em 18 de janeiro de 2014.
  254. "UK. Spending on War in Iraq, Afghanistan Rises to $16 Bln (December 2006)", Bloomberg, 6 de dezembro de 2006. Página visitada em 18 de janeiro de 2014.
  255. Crawford, Neta and Catherine Lutz. Economic and Budgetary Costs of the Wars in Afghanistan, Iraq and Pakistan to the United States: A Summary. Costs of War. Brown University. Página visitada em 20 de julho de 2011.
  256. Wall Street Journal, sexta-feira, 15 de março de 2013.
  257. Trotta, Daniel. "Iraq war hits U.S. economy: Nobel winner". Página visitada em 23 de outubro de 2010.
  258. Trotta, Daniel. "Iraq war costs U.S. more than $2 trillion: study", 14 de março de 2013.
  259. Iraq Poll conduzida pela D3 Systems para a BBC, ABC News, ARD German TV e USA Today. Mais de 2000 pessoas foram questionadas em mais de 450 bairros e aldeias em todas as 18 províncias do Iraque entre 25 de Fevereiro e 5 de Março de 2007. A margem de erro é de +/- 2,5%.
  260. Higgins, A.G. (April 11, 2007) "Cruz Vernmelha: a situação no Iraque está a piorar" Associated Press
  261. Reuters (June 2, 2007) "Total de mortes civis no Iraque sobe em Maio" accessed 3 June 2007
  262. Kasem, Z. (July 24, 2007) "Tendências da violência sectária no Iraque" IraqSlogger (Praedict) accessed July 24, 2007
  263. de saúde decrépitos agravam a situação no Iraque. Louise Roug, Los Angeles Times, 11 de Novembro de 2006.
  264. Fome e doença alastram no Iraque.
  265. Crianças iraquianas traumatizadas sofrem danos psicológicos.
  266. A cólera alastra no Iraque com o colapso dos serviços de saúde.
  267. Médicos imploram por ajuda enquanto os iraquianos morrem sem necessidade.
  268. Anthony Arnove: contabilizando o desastre iraquiano, Asia Times 20 de Março de 2007
  269. Refugiados iraquianos fugidos de casa esforçam-se por se integrarem.
  270. U.N.: 100.000 refugiados iraquianos fogem mensalmente. Alexander G. Higgins, Boston Globe, 3 de Novembro de 2006.
  271. Pensa-se que 40% da classe média terá fugido de um país em colapso.
  272. A classe média iraquiana escapa, mas para encontrar a pobreza na Jordânia.
  273. Os refugiados iraquianos na Síria enfrentam aramadilha de pobreza.
  274. Refugiados iraquianos voltam-se para a prostituição, muitas mulheres na Síria são forçadas a vender o corpo para sustentar as suas famílias.
  275. Ann McFeatters: Os refugiados iraquianos não encontram refúgio nos Estados Unidos. Seattle Post-Intelligencer 25 de Maio de 2007
  276. Os Estados Unidos enfrentam uma crise de refugiados gigantesca.
  277. Os Estados Unidos não recebem bem os refugiados iraquianos.
  278. Entrada de pessoas nascidas no estrangeiro por país de origem, por ano.
  279. Os E.U.A. ficam no Iraque mais {{subst:Número2palavra2|50}} anos, The Australian, 2 de Junho de 2007.
  280. Embaixador quer mais vistos para iraquianos leais.
  281. A Síria vai reduzir o influxo de refugiados iraquianos.
  282. Novas regras para vistos diminuem fluxo de refugiados iraquianos para a Síria- UN official.
  283. Os cristãos, tomados como alvo e sofrendo, fogem do Iraque.
  284. As minorias em perigo do Iraque.
  285. Iraque: ataque com morteiros contra palestinianos de Bagdade.
  286. Informação de fundo sobre a situação de minorias não islâmicas no Iraque.
  287. UNHCR.
  288. Os cristãos vivem com medo dos esquadrões da morte.
  289. 'Ficámos e vamos resistir'.
  290. Fora do Iraque, a fuga dos caldeus.
  291. Minorias religiosas do Iraque apanhadas nas 'malhas da culpa'.
  292. Os assírios enfrentam abusos crescentes no "Novo Iraque" Inter-Press Service) (3 de maio de 2006).
  293. Mandeanos iraquianos 'enfrentam a extinção'.
  294. responsáveis iraquianos: ataque bombista em caminhão faz pelo menos 500 mortos.
  295. Neil Mackay. "Iraq: O massacre da festa de casamento", Sunday Herald, 2004-03-14.
  296. The Other War: Iraq Vets Bear Witness. Página visitada em 28 de Outubro de 2009.
  297. Ellen Knickmeyer. "Os iraquianos põem o número de mortos civis nos 12.000", The Washington Post, 2005-06-03.
  298. Paul McGeough. "Rapaz deficiente transformado numa bomba", The Sydney Morning Herald, 2005-02-02.
  299. Número de mortes de ataques bombistas sobe. The Age 2 de Julho de 2006.
  300. A face e o nome. As vítimas dos insurgentes no Iraque. Human Rights Watch Outubro de 2005.
  301. "Quem são os insurgentes iraquianos?", NewsHour with Jim Lehrer, 2006-06-12.
  302. "Kidnappers Kill Algerian Diplomats", Free Internet Press, 2005-07-27.
  303. "Captors kill Egypt envoy to Iraq", BBC News, 2005-07-08.
  304. "confirmadas as mortes de diplomatas russos", BBC News, 2006-06-26.
  305. Alex Rodriguez, Apanhado presumível culpado dos ataques bombistas de a-Askari (paid archive), The Chicago Tribune 29 de Junho de 2006.
  306. "Insurgentes matam um refém búlgaro: Al-Jazeera", CBC News, 2004-07-14.
  307. "reféns estrangeiros no Iraque", CBC News, 2006-06-22.
  308. Sabrina Tavernise. "Iraquianos encontrados em casa de tortura mostram a brutalidade dos insurgentes", The New York Times, 2005-06-19.
  309. "Raptos no Iraque surpreendem a a imprensa queniana", BBC News, 2004-07-23.
  310. 4 Contratados privados assassinados pela Al-Qaeda.
  311. "Iraq: A tortura continua às mãos do novo governo iraquiano", Human Rights News, 2005-01-25.
  312. Dexter Filkins. "Sunitas acusam o exército iraquiano de raptos e mortes", The New York Times, 2005-11-29.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]