Conflito israelo-palestino

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Conflito israelo-palestino
Conflito árabe-israelense
West Bank & Gaza Map 2007 (Settlements).png
Central de Israel ao lado da Cisjordânia e da Faixa de Gaza, 2007
Data Início do século XX - presente
Local territórios palestinos
Desfecho  ?
Combatentes

Flag of Palestine.svg
Palestinos
Flag of Israel.svg
Israelitas
Processo de Paz
Primário/Preocupações/Negociações

O conflito israel-palestino (português brasileiro) ou conflito israelo-palestiniano (português europeu) é a designação dada à luta armada entre israelenses e palestinos, sendo parte de um contexto maior, o conflito árabe-israelense. As raízes remotas do conflito remontam aos fins do século XIX quando colonos judeus começaram a migrar para a região e se juntar a outros judeus remanecentes das invasões históricas. Sendo os judeus um dos povos do mundo que não tinham um Estado próprio, tendo sempre sofrido por isso várias perseguições, foram movidos pelo projeto do sionismo - cujo objetivo era refundar na Palestina um estado judeu. Entretanto, a Palestina que já era habitada há milenios por judeus, nos ultimos séculos foi habitada por uma maioria árabe muitos oriundos da Síria e outros locais vizinhos dentro também do império Turco-otomano em busca de pastoreio e outros trabalhos.

História[editar | editar código-fonte]

Fim do Século XIX - 1920: Origens[editar | editar código-fonte]

As tensões entre judeus e árabes começaram a emergir a partir da década de 1890, após a fundação do movimento sionista, e principalmente quando judeus provenientes da Europa começaram a emigrar, formando e aumentando comunidades judaicas na Palestina, quer por compra de terras dos otomanos, quer por compra direta a árabes proprietários de terrenos. No século XIX, quando propagava a ideia da migração em massa para o Oriente Médio, o movimento sionista cunhou um slogan famoso: "a Palestina é uma terra sem povo para um povo sem terra". A ideia não era de que o local estava vazio, mas sim de que os quase 500 mil habitantes do local no meio do sec XIX, sendo cerca de 350 mil árabes 80 mil judeus e ainda outros grupos nunca haviam formado um estado soberano naquele território tendo sempre sido terras colonias de grandes impérios. Mas o que deixou os árabes residentes na região da palestina furiosos, foi o fato de que fosse fundado um estado onde a religião não fosse a islâmica.[1] Estabeleceram-se assim comunidades agrícolas nas terras históricas da Judeia e de Israel, que eram então parte do Império Otomano.[2]

Zonas de influência francesa e britânica estabelecidas pelo Acordo Sykes-Picot

Em 2 de novembro de 1917, durante a Primeira Guerra Mundial, o Ministro Britânico de Relações Exteriores, Arthur Balfour, emitiu o que ficou conhecido como a Declaração de Balfour, que diz: "O governo de Sua Majestade encara favoravelmente o estabelecimento na Palestina de um lar nacional para o Povo Judeu…". A pedido de Edwin Samuel Montagu e de Lord Curzon, uma linha foi inserida na declaração afirmando "que seja claramente entendido que nada será feito que possa prejudicar os direitos civis e religiosos das comunidades não-judaicas na Palestina, ou os direitos e estatuto político usufruídos pelos judeus em qualquer outro país".[3] A Legião Judaica, um grupo de batalhões compostos sobretudo de voluntários sionistas, havia assistido os britânicos na reconquista da Palestina.[4] A utilização do termo ambíguo "lar nacional" alarmou os árabes e, de forma a aplacá-los, em 7 de novembro de 1918 o Reino Unido assinou com a França a Declaração Anglo-Francesa,[5] declarando como objetivo comum a ambos os países "a libertação final e completa dos povos que há muito vêm sendo oprimidos pelos turcos, e o estabelecimento de governos nacionais e administrações (na Síria, Iraque e Palestina) cuja autoridade deriva do livre exercício da iniciativa e escolha por parte das populações indígenas".[6] No entanto, em 1919, num memorando governamental interno, Balfour declarou que não tinha intenção de consultar os habitantes da Palestina sobre as suas aspirações, contrariando assim a Declaração de 1918 e a Declaração de Balfour na sua promessa de não prejudicar os direitos civis e religiosos das comunidades não-judaicas da Palestina.[5] A oposição árabe a este plano levou aos motins de 1920 na Palestina e à formação da organização judaica conhecida como Haganah ("a Defesa", em hebraico), da qual mais tarde se separaram os grupos Irgun e Lehi.[7]

Assinado em janeiro de 1919, o Acordo Faysal-Weizmann promovia a cooperação árabe e judaica para o desenvolvimento de uma Terra de Israel na Palestina e uma nação árabe numa larga parte do Oriente Médio.

1920 - 1948: Mandato Britânico da Palestina[editar | editar código-fonte]

Em 1920, a Conferência de San Remo, suportada em grande medida pelo Acordo Sykes-Picot (acordo anglo-francês de 1916), alocava ao Reino Unido a área que presentemente constitui a Jordânia, a área entre o rio Jordão e o mar Mediterrâneo e o Iraque. A França recebeu a Síria e o Líbano.

Em 1922, a Liga das Nações concedeu ao Reino Unido um mandato na Palestina em condições semelhantes à Declaração Balfour.[8] A população da área neste momento era predominantemente muçulmana, enquanto na maior área urbana da região, Jerusalém, era majoritariamente judaica.[9]

O líder religioso muçulmano Mohammad Amin al-Husayni opôs-se à ideia da independência de parte da região da Palestina no Estado de Israel, objetando a qualquer forma de Terra de Israel. Durante a década de 1920 do Século XX, as tensões aumentaram dando lugar a episódios de violência tais como as revoltas de Nebi Musa (1920) e as revoltas de Jaffa (1921). Para satisfazer os árabes e devido à inabilidade britânica para controlar a violência instalada no Mandato, foi criado, em todos os territórios a leste do rio Jordão, o semi-autônomo Emirado Árabe da Transjordânia (correspondente a cerca de 80% do território do Mandato). Apesar disso, a violência continuou a aumentar durante as décadas de 30 e 40, resultando em perdas de vidas em ambos os lados. Alguns dos fatos mais marcantes nesse período foram o Massacre de Hebron de 1929, as atividades da organização islâmica Mão Preta, a grande revolta árabe (1936-1939), os ataques realizados pelo grupo militante Irgun, os massacres como o de Ein al Zeitun e o atentado do Hotel Rei Davi em 1946.

A recém-criada Organização das Nações Unidas recomendou a aplicação do Plano de partição da Palestina, aprovado pela Assembleia Geral das Nações Unidas através da Resolução 181, de 29 de novembro de 1947, propondo a divisão do país em dois Estados, um árabe e um judeu, baseando-se nas populações até então estabelecidas na região. Assim, os judeus receberam 55% da área, sendo que, deste percentual, 60% era constituída pelo deserto do Neguev. Segundo esta proposta, a cidade de Jerusalém, fundada pelos judeus, teria um estatuto de cidade internacional - um corpus separatum - administrada pelas Nações Unidas para evitar um possível conflito sobre o seu estatuto.[10] A Agência Judaica aceitou o plano nos termos acordados. Em 30 de novembro de 1947, a Alta Comissão Árabe rejeitou o plano, na esperança de que o assunto fosse revisto e uma proposta alternativa apresentada. Nesta altura, a Liga Árabe não considerava ainda uma intervenção armada na Palestina, à qual se opunha a Alta Comissão Árabe.[11]


Em 14 de maio de 1948, um dia antes do fim do Mandato Britânico, a Agência Judaica proclamou a independência, nomeando o país de Israel nos territórios acordados e votados na partilha.

1948 - 1967[editar | editar código-fonte]

Tropas da Transjordânia, Egipto, Síria, Líbano e Iraque atacaram o recém-criado Estado de Israel. Os estados árabes declararam o propósito de proclamar um "Estado Unido da Palestina" em todo o território [12] em detrimento de um estado árabe e de um estado judaico. Eles consideravam que o plano das Nações Unidas era ilegal porque vinha em oposição à vontade da população árabe da Palestina.

As lutas terminaram com a assinatura do Armistício de Rodes, que formalizou o controle israelita das áreas alocadas ao estado de Israel juntamente com mais de metade da área alocada ao estado árabe. A Faixa de Gaza foi ocupada pelo Egipto e a Cisjordânia foi ocupada pela Transjordânia (que passou a se chamar simplesmente de Jordânia), até junho de 1967, altura em que Israel voltou a conquistar esses territórios durante a Guerra dos Seis Dias.

Cerca de dois terços dos árabes da Palestina fugiram ou foram expulsos dos territórios que ficaram sob controle judaico (68% destes estimulados pelos próprios governos dos países árabes para que os seus exércitos pudessem "arrasar mais facilmente" o novo Estado que surgia) criando uma grande onda de refugiados que se abrigaram para campos nos países vizinhos tais como o Líbano, a Jordânia, a Síria, a Cisjordânia e para a área que mais tarde se tornaria conhecida como a Faixa de Gaza. Aos palestinos que abandonaram ou foram expulsos das áreas ocupadas pelos israelitas não foi permitido o regresso às suas casas. As Nações Unidas estimam que cerca de 711.000 [13] árabes tornaram-se refugiados como consequência do conflito. O destino dos refugiados palestinos de hoje é um grande ponto de discórdia no conflito israelo-palestino.[14] [15] Com a não absorção dos árabes palestinos pelos países árabes e a não criação do Estado Palestino, os árabes palestinos se auto-constituíram povo e passaram a exigir o seu retorno a suas antigas casas, apesar de a grande maioria já não ter nascido nas regiões reivindicadas.

Durante as décadas seguintes ao fim da guerra de 1948, entre 700 mil e 900 mil judeus foram igualmente expulsos dos países árabes onde viviam. Em muitos casos isto foi devido a um sentimento anti-judeu, ou devido a expulsão (no caso do Egipto) ou ainda devido a opressões legais (no Iraque). Deste número, cerca de dois terços acabaram por se deslocar para campos de refugiados em Israel, enquanto que os restantes migraram para França, Estados Unidos e para outros países ocidentais (incluindo a América Latina).

Durante a década de 1950, Israel foi atacado constantemente por militantes, principalmente a partir da Faixa de Gaza, que estava sob controle egípcio.[16] Em 1956, Israel criou uma aliança secreta com o Reino Unido e a França destinada a recapturar o canal do Suez, que os egípcios tinham nacionalizado (ver Guerra do Suez). Apesar da captura da Península do Sinai, Israel foi forçado a recuar devido à pressão dos Estados Unidos e da União Soviética, em troca de garantias de direitos marítimos de Israel no Mar Vermelho e no Canal.[17]

Em 1964 os estados árabes estabeleceram a OLP. O artigo 24º da carta (ou pacto) de fundação da OLP, de 1964 [18] estabelecia: "Esta Organização não exerce qualquer soberania territorial sobre a Cisjordânia, sobre a Faixa de Gaza e sobre a Área de Himmah."

Em 1967 o Egito bloqueia o canal de Suez aos navios israelenses e inicia manobras militares na península do Sinai, ao mesmo tempo que a Jordânia e Síria mobilizavam seus exércitos, na fronteira com Israel. Prevendo um ataque iminente, Israel inicia a guerra preventiva (Guerra dos Seis Dias).

1967 - 1993[editar | editar código-fonte]

Em consequência da guerra, Israel expandiu-se territorialmente, ocupando a Cisjordânia (conquistada da Jordânia), a Faixa de Gaza e a Península do Sinai (conquistadas do Egito) e as Colinas de Golã (conquistados da Síria). A parte da Cidade Antiga de Jerusalém (também chamada Jerusalém Oriental), tomada a 7 de junho por Israel da Jordânia, seria reunificada por Israel com a Cidade Nova, formando um único município sob jurisdição israelita.

O fracasso dos Estados Árabes na guerra de 1967 levou ao surgimento de organizações não-estatais árabes no conflito, sendo a mais importante a Organização de Libertação da Palestina (OLP), que foi concebida sob o lema "a luta armada como única forma de libertar a pátria.".[19] [20] No final da década de 1960 e início da década de 1970, grupos palestinos lançaram uma onda de ataques[21] contra alvos israelenses ao redor do mundo,[22] incluindo um massacre de atletas israelitas nos Jogos Olímpicos de Verão de 1972, em Munique, na Alemanha. Israel reagiu com a Operação Cólera de Deus, no qual os responsáveis pelo massacre de Munique foram encontrados e executados.[23]

Em 1973 começa a Guerra do Yom Kippur. Entre 1977 e 1979, Israel e Egito fazem um acordo de paz: Israel retirou-se da Península do Sinai e concordou em iniciar negociações sobre uma possível autonomia para palestinos em toda a Linha Verde, um plano que nunca foi executado. O governo israelense começou a encorajar assentamentos judeus no território da Cisjordânia, criando atritos com os palestinos que viviam nessas áreas.[24]

Em 1978, Israel invade o sul do Líbano (Operação Litani) e chegaram até o rio Litani, com o objetivo de liquidar as bases da Organização de Libertação da Palestina no país, já que a guerrilha palestina costumava contra-atacar o norte de Israel. A invasão foi um sucesso militar, já que as forças da OLP foram empurrados para norte do rio. No entanto, o clamor internacional levou à criação das forças de paz FINUL e de uma retratação parcial israelita.

Em 1982, Israel invade o Líbano, em uma tentativa de remover os militantes do Fatah, liderados por Yasser Arafat do sul do Líbano, onde tinham estabelecido, durante a guerra civil do país, um enclave semi-independente utilizado para lançar ataques terroristas a civis israelenses. A invasão, que levou à morte de 20 mil libaneses, foi amplamente criticada tanto dentro como fora de Israel, especialmente após o ataque da milícia cristã aos palestinos da região, no episódio que ficou conhecido como massacre de Sabra e Shatila. O ataque obteve sucesso em exilar Arafat na Tunísia.

Em 1985, Israel se retirou do território libanês, exceto por uma estreita faixa de terra designado por Israel como a Zona de Segurança Israelense. A partir de 16 de junho de 2000, Israel tinha retirado completamente as suas tropas do Líbano.

A Primeira Intifada, um levante palestino contra Israel,[25] eclodiu em 1987, com ondas de violência nos territórios ocupados. Ao longo dos seis anos seguintes, mais de mil pessoas foram mortas, muitas das quais por atos internos de violência dos palestinos.[26] Durante a Guerra do Golfo em 1991, a OLP e os palestinos apoiaram os ataques de mísseis lançados contra Israel pelo líder iraquiano Saddam Hussein, na tentativa de provocar a entrada de Israel para a guerra.[27] [28]

1993 - 2000: processo de paz de Oslo[editar | editar código-fonte]

Yitzhak Rabin e Yasser Arafat dão as mãos, acompanhados por Bill Clinton, quando ocorreu a assinatura dos Acordos de Oslo, em 13 de setembro de 1993.

Em 1993, com o Acordo de Paz de Oslo, é criada a Autoridade Palestina, sob o comando de Yasser Arafat, mas os termos do acordo jamais foram cumpridos por ambas as partes. A intenção era o reconhecimento do direito do estado de Israel existir e uma forma de dar fim ao terrorismo.

O apoio público dos árabes aos Acordos foi danificado pelo Massacre da Gruta dos Patriarcas, pela continuação dos assentamentos judeus e pela deterioração das condições econômicas. O apoio da opinião pública israelense aos Acordos diminuiu quando Israel foi atingido por ataques suicidas palestinos.[29]

Em novembro de 1995 o assassinato de Yitzhak Rabin por um militante de extrema-direita judeu, chocou o país.[30]

Cartaz de um movimento pacifista: bandeiras de Israel e da Palestina e a palavra paz em Hebraica e Árabe.

No final da década de 1990, Israel, sob a liderança de Benjamin Netanyahu, desistiu de Hebron,[31] assinando o Memorando de Wye River, dando maior controle da região para a Autoridade Nacional Palestina.[32]

Ehud Barak, eleito primeiro-ministro em 1999, começou por retirar forças israelenses do sul do Líbano, realizando negociações com a Autoridade Palestina de Yasser Arafat e o Presidente dos Estados Unidos Bill Clinton durante a Cúpula de Camp David de 2000. Durante esta cimeira, Ehud Barak ofereceu um plano para o estabelecimento de um Estado palestino na Faixa de Gaza e 91% da Cisjordânia, retendo porém o controlo sobre todas as fronteiras e principais cursos de água, e anexando definitivamente 12% do Vale do Jordão, a região mais fértil da Cisjordânia, a favor de Israel, reservando-se ainda o direito de permanecer entre 12 a 30 anos em outros 10% dessa região.[33] Yasser Arafat rejeitou o acordo, exigindo, como pré-condição para as negociações, a retirada de Israel para as fronteiras de Junho de 1967.[34] Após o colapso das negociações, começou a Segunda Intifada.[35]

2000-2009[editar | editar código-fonte]

O percurso da barreira israelense da Cisjordânia aprovada em maio de 2005

A Intifada de Al-Aqsa começou no fim de setembro de 2000, na época em que o líder da oposição israelense Ariel Sharon e um grande contingente de guardas armados visitaram o complexo Monte do Templo em Jerusalém. Amplos motins e ataques eclodiram em Jerusalém e em muitas das grandes cidades israelenses, e se espalharam por toda a Cisjordânia e a Faixa de Gaza. Um grupo israelense de direitos humanos, B'Tselem, estimou o número de mortos em 3.396 palestinos e 994 israelenses,[36] embora esse número seja criticado por não mostrar toda a imagem, e não distinguir entre combatentes e civis (terroristas suicidas, por exemplo, são contados entre os mortos).[37] [38]

Ariel Sharon foi escolhido como novo primeiro-ministro em 2001 durante uma eleição especial. Durante seu mandato, Sharon realizou seu plano de retirada unilateral da Faixa de Gaza e também liderou a construção da barreira israelense da Cisjordânia, para dificultar os atentados terroristas de homens-bombas palestinos. Com a eleição de Ariel Sharon, o Estado israelense passou a negar qualquer negociação com os palestinos sem antes cessar os frequentes ataques terroristas aos civis israelenses.

Em 2004, morre Yasser Arafat. A Autoridade Palestina passa ao eleito Mahmud Abbas.

Em 2005, Israel evacuou e destruiu de forma unilateral os assentamentos judeus e os postos militares avançados israelenses da Faixa de Gaza e do norte da Cisjordânia (Plano de retirada unilateral de Israel). Entretanto, apesar de ter conquistado a soberania sobre Gaza (mas não sobre a Cisjordânia), os palestinos entraram em um conflito interno que ocasionou a tomada de poder pelo Hamas da Faixa de Gaza e o recrudescimento dos ataques com mísseis caseiros contra Israel a partir desta região, paralisando novamente as conversações de paz.

Em 2006 o Hamas, grupo terrorista fundamentalista que não reconhece a existência de Israel, é eleito democraticamente através de voto popular e obtém a maioria das cadeiras no Parlamento Palestino.

No final de Dezembro de 2008, o cessar-fogo entre o Hamas e Israel acabou após foguetes serem disparados a partir da Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas. Israel respondeu com uma série de intensos ataques aéreos.[39] Em 3 de Janeiro de 2009, tropas israelitas entraram em Gaza marcando o início de uma ofensiva terrestre.[40]

2010-presente[editar | editar código-fonte]

Um míssil sendo disparado do sistema de defesa anti-aéreo Cúpula de Ferro durante a Operação Margem Protetora, de 2014.

Em 2 de setembro de 2010, sob a mediação do presidente norte-americano, Barack Obama, e em meio a muito ceticismo, o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu e o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, concordaram em retomar negociações de paz diretas, após uma interrupção de 20 meses.[41] Contudo, a irredutibilidade do governo Netanyahu e a proteção diplomática americana impedindo na ONU punições a Israel pela transgressão das normativas internacionais têm reduzindo as margens de manobra dos negociadores, colocando mais uma vez um impasse numa solução final.[42]

Os últimos anos tem sido marcados por acentuados confrontos entre o Hamas e Israel, enquanto as negociações com a ANP estagnavam. Em 2012, um conflito de uma semana na Faixa de Gaza terminou com a morte de mais de 200 pessoas (a maioria palestinos). Em 2014, o governo israelense lançou uma nova ofensiva contra Gaza que deixou centenas de mortos. Os recentes conflitos são caracterizados por bombardeios aéreos maciços por parte de Israel, que terminam fazendo várias vítimas inocentes, e pelo lançamento indiscriminado de foguetes pelos militantes palestinos, que acabam atingindo primordialmente a população civil israelense.[43] [44]

As questões atuais em disputa[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg
Por favor, melhore este artigo ou secção, expandindo-o(a). Mais informações podem ser encontradas na página de discussão. Considere também a possibilidade de traduzir o texto das interwikis.

Questões centrais[editar | editar código-fonte]

  • Status de Jerusalém - Devido ao seu valor histórico e religioso, Israel reivindica toda a cidade para si, o que não é reconhecido pela comunidade internacional. A parte Oriental de Jerusalém, território palestino ocupado por Israel desde 1967, é reivindicada pelos palestinos para ali estabelecer sua capital.
  • Refugiados palestinos da guerra de 1948
  • Os assentamentos israelenses na Cisjordânia
  • Preocupações com a segurança de Israel
  • Recursos Hídricos
  • Reconhecimento da Palestina como Estado Constituído Politicamente, com representação completa nas Nações Unidas e não apenas observador não-membro
  • Recuo do território israelense para as fronteiras anteriores à Guerra dos Seis Dias (desejo Palestino)

Outras questões[editar | editar código-fonte]

  • Ocupação militar israelense da Cisjordânia
  • O reconhecimento mútuo
  • Bloqueio de Gaza
  • Espaço aéreo palestino
  • Exército palestino
  • Muro erguido por Israel, a partir de 2008, ao sul da Palestina para evitar a entrada de egípcios

Histórico Demográfico[editar | editar código-fonte]

Século XIX - 1948[editar | editar código-fonte]

Demografia na Palestina[45] [46]
Ano Judeus Árabes Total
1800 6,700 268,000 274,700
1880 24,000 525,000 549,000
1915 87,500 590,000 677,500
1931 174,000 837,000 1,011,000
1936 > 400,000 < 800,000 1,200,000
1947 630,000 1,310,000 1,940,000

1949 - 1967[editar | editar código-fonte]


Demografia em Israel[47]
Ano Israel Total
Judeus Árabes
1949 1,013,900 159,100 1,173,000
1961  ?  ?  ?
Demografia em Egito ocupou Gaza e Jordânia ocupou Cisjordânia[48]
Ano Ocupados por Egito na Gaza Ocupados por Jordânia na Cisjordânia Total
Judeus Árabes Judeus Árabes
1950  ? 240,000  ? 765,000  ?
1960  ? 302,000  ? 799,000  ?

1967 - até hoje[editar | editar código-fonte]


Demografia em Israel[47]
Ano Israel Total
Judeus Árabes
1967 2,383,600 392,700 2,776,300
1973 2,845,000 493,200 3,338,200
1983 3,412,500 706,100 4,118,600
1990 3,946,700 875,000 4,821,700
1995 4,522,300 1,004,900 5,527,200
2000 4,955,400 1,188,700 6,144,100
2006 5,137,800 1,439,700 6,652,896
Demografia ocupados por Israel na Faixa de Gaza e na Cisjordânia ocupada, de Israel[49]
Ano Ocupados por Israel em Gaza Ocupados por Israel na Cisjordânia Total
Judeus Árabes Judeus Árabes
1970  ? 368,000  ? 677,000  ?
1980  ? 497,000  ? 964,000  ?
1985  ? 532,288  ? 1,044,000  ?
1990  ? 642,814  ? 1,254,506  ?
1995  ? 875,231  ? 1,626,689  ?
2000  ? 1,132,063  ? 2,020,298  ?
2006 0 1,428,757 255,600 2,460,492 4,144,849

Notas e referências

  1. http://historia.abril.com.br/guerra/criacao-israel-duas-visoes-conflitantes-435008.shtml
  2. STEIN, Kenneth W. (Abril 1984). The Jewish National Fund: Land Purchase Methods and Priorities, 1924 - 1939 (Volume 20 Número 2) (em inglês) Middle Eastern Studies 190-205 pp..
  3. Macintyre, Donald. "The birth of modern Israel: A scrap of paper that changed history", The Independent, 2005-05-26. Página visitada em 2009-01-07.
  4. http://us.geocities.com/fusaoracial/jabotinsky_zeev.htm
  5. a b Thomas, 1999, p.13
  6. Declaração Anglo-Francesa na Wikisource.
  7. Scharfstein 1996, p. 269. "During the First and Second Aliyot, there were many Arab attacks against Jewish settlements… In 1920, Hashomer was disbanded and Haganah ("The Defense") was established."
  8. League of Nations: The Mandate for Palestine, July 24, 1922 Modern History Sourcebook Fordham University (1922-07-24). Visitado em 2007-08-27.
  9. J. V. W. Shaw , "A Survey of Palestine, Vol 1: Prepared in December 1945 and January 1946 for the Information of the Anglo-American Committee of Inquiry", Reprinted 1991 by The Institute for Palestine Studies, Washington, D.C., p.148
  10. Best 2003, pp. 118–9
  11. Quigley, 1990, p.38
  12. Telegrama do Secretário-Geral da Liga Árabe ao Secretário-Geral da Nações Unidas 15 de Maio de 1948 - Wikisource anglófono. Acessado a 13 de Agosto de 2006. (em inglês)
  13. General Progress Report and Supplementary Report of the United Nations Conciliation Commission for Palestine, Covering the Period from 11 December 1949 to 23 October 1950 (em inglês) U.N. General Assembly Official Records, 5th Session, Supplement No. 18, Document A/1367/Rev. 1 United Nations Concilation Commission (22 de outubro de 1950).
  14. Van Evera, Stephen. Nature of the Flashpoint (PDF) Center for International Studies Massachusetts Institute of Technology. Visitado em 2007-09-11.
  15. Reveron & Murer 2006
  16. Gilbert 2005, p. 58
  17. The Suez Crisis University of San Diego (2005-12-05). Visitado em 2007-07-15.
  18. Carta de fundação da OLP (em inglês).
  19. NYTimes - The Interregnum
  20. Israel Ministry of Foreign Affairs - The Palestinian National Covenant- July 1968
  21. Ma'alot, Kiryat Shmona, and Other Terrorist Targets in the 1970s
  22. Andrews, Edmund L. and John Kifner."George Habash, Palestinian Terrorism Tactician, Dies at 82." The New York Times. January 27, 2008. May 12, 2008.
  23. Crowdy 2006, p. 333
  24. http://www.pedalnaestrada.com.br/pages.php?recid=456
  25. "Intifada". Encarta. (2007). Microsoft. Consultado em 2007-09-16. 
  26. Stone & Zenner 1994, p. 246. "Toward the end of 1991,… were the result of internal Palestinian terror."
  27. Haberman, Clyde. "After 4 Years, Intifada Still Smolders", The New York Times, 1991-12-09. Página visitada em 2008-03-28.
  28. Mowlana, Gerbner & Schiller 1992, p. 111
  29. http://brasilia.mfa.gov.il/mfm/web/main/document.asp?SubjectID=5802&MissionID=8&LanguageID=211&StatusID=0&DocumentID=-1
  30. http://blog.estadao.com.br/blog/chacra/?title=radicalismo_judaico_bate_de_frente_com_e&more=1&c=1&tb=1&pb=1
  31. Bregman 2002, p. 257
  32. The Wye River Memorandum U.S. Department of State (1998-10-23). Visitado em 2007-07-16.
  33. Enderlin, 2003, p. 211
  34. Enderlin, 2003, p. 195
  35. http://www.libanoshow.com/home/oriente_medio/perguntas_respostas.htm
  36. Estimativa do número de mortos na Intifada de Al-Aqsa (em inglês) BBC.
  37. Críticas à estimativa do número de mortos na Intifada de Al-Aqsa (em inglês).
  38. Críticas à estimativa do número de mortos na Intifada de Al-Aqsa (em inglês).
  39. Associated Free Press. "Israeli jets pound Hamas", The Sydney Morning Herald, 2008-12-29. Página visitada em 2008-12-29. (em English) “Israeli tanks massed at the Gaza border as warplanes again pounded Hamas targets in the densely populated enclave where raids have killed nearly 300 people in less than two days.
  40. Koutsoukis, Jason. "Battleground Gaza: Israeli ground forces invade the strip", smh.com.au, 5/1/9. Página visitada em 5/1/9. (em English) “Late on Saturday thousands of Israeli troops and tanks invaded the Hamas-ruled Gaza Strip after eight days of punishing air strikes failed to halt the group's rocket fire into Israel.
  41. Israel e palestinos concordam em avançar nas negociações de paz. O Globo, 2 de setembro de 2010.
  42. Yuri Haasz; Hussein Ali Kalout (28 de abril de 2014). Análise: o colapso do processo de paz israelense-palestino (em português) O Público. Visitado em 29 de abril de 2014.
  43. Israel-Gaza violence BBC. Visitado em 15 de julho de 2014.
  44. Faixa de Gaza: entenda o conflito entre israelenses e palestinos BBC. Visitado em 25 de julho de 2014.
  45. "Arab-Israel Conflict." The Continuum Political Encyclopedia of the Middle East. Ed. Avraham Sela. New York: Continuum, 2002. pp. 58-121.
  46. Y. Gorny, 1987, 'Zionism and the Arabs, 1882-1948', p. 5 (italics from original)
  47. a b Israeli Central Bureau of Statistics "Statistical Abstract of Israel, No. 55, 2004", and "Statistical Abstract of Israel 2007: Population by district, sub-district and religion" ICBS website
  48. Justin McCarthy "Palestine's Population During the Ottoman and the British Mandate Periods"
  49. U.S. Census Bureau "International Data Base (IDB), Country Summary: West Bank and Gaza Strip"

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]