Yasser Arafat

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Emblem-scales.svg
A neutralidade desse artigo (ou seção) foi questionada, conforme razões apontadas na página de discussão. (desde julho de 2012)
Justifique o uso dessa marca na página de discussão e tente torná-lo mais imparcial.
Yasser Arafat Medalha Nobel
Arafat no Fórum Econômico Mundial, em 2001
Presidente da Autoridade Nacional Palestina Estado da Palestina
Mandato 5 de julho de 1994
até 11 de novembro de 2004
Primeiro-ministro Mahmoud Abbas
Ahmed Qurei
Sucessor(a) Rawhi Fattuh
Líder da Organização para a Libertação da Palestina Estado da Palestina
Mandato 4 de fevereiro de 1969
até 29 de outubro de 2004
Antecessor(a) Yahya Hammuda
Sucessor(a) Mahmoud Abbas
Vida
Nome completo Mohammed Abdel Rahman Abdel Raouf Arafat al-Qudwa al-Husseini (em árabe محمد عبد الرحمن عبد الرؤوف عرفات القدوة الحسيني)
Nascimento 24 de Agosto de 1929
Cairo, Província do Cairo
Egito
Morte 11 de Novembro de 2004 (75 anos)
Clamart, França
Nacionalidade Estado da Palestina Palestiniano/Palestino
Dados pessoais
Nobel prize medal.svg Nobel da Paz (1994)
Cônjuge Suha Arafat (1990-2004)
Partido Fatah
Religião Sunita
Profissão Engenheiro
Assinatura Assinatura de Yasser Arafat

Yasser Arafat (em árabe: ياسر عرفات; Cairo, 24 de Agosto de 1929Clamart, 11 de Novembro de 2004) foi o líder da Autoridade Palestiniana, presidente (desde 1969) da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), líder da Fatah, a maior das facções da OLP, e co-detentor do Nobel da Paz.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido Mohammed Abdel Rahman Abdel Raouf Arafat al-Qudwa al-Husseini (em árabe محمد عبد الرحمن عبد الرؤوف عرفات القدوة الحسيني), também conhecido como Abu Ammar, Arafat foi um dos sete filhos de um comerciante. O estabelecimendo da data e local de nascimento de Arafat são controversos. O seu registro de nascimento indica que ele nasceu no Cairo, Egipto, a 24 de Agosto de 1929. No entanto, alguns ainda tomam por verdadeira a afirmação de Arafat de que nasceu em Jerusalém a 4 de Agosto de 1929.

A descoberta do seu certificado de nascimento e outros documentos pela Universidade de Cairo puseram fim ao debate sobre o local de nascimento de Arafat (mesmo o seu biógrafo autorizado, Alan Hart, admite agora que ele nasceu no Cairo).

Nascido Mohammed Abdel Rahman Abdel Raouf Arafat Al Qudwa Al Husseini, "Mohammed Abdel Rahman" era o seu nome próprio; "Abdel Raouf" era o nome do seu pai; Arafat era o nome do seu avô; Al Qudua o nome da família e Al Husseini o nome do clã a que todos os Al Quduas pertenciam, conforme explica seu biógrafo palestiniano árabe, Said K. Aburish.[1] Foi afirmado que ele era um parente do clã Husseini, de Jerusalém, por parte da sua mãe (uma Abul Saoud), o que parece ser falso, uma vez que a pertença ao clã Husseini parece vir do lado do seu pai. Aburish explica que Arafat "não tinha parentesco com os verdadeiros Husseini, os notáveis de Jerusalém" (Ibid, p. 9) e explica que "o jovem Arafat pretendeu estabelecer as suas credenciais palestinianas e promover a sua ambição à liderança... e não se podia permitir admitir quaisquer factos que pudessem reduzir a sua identidade palestiniana. ...Arafat perpetuou insistentemente a lenda de que ele nascera em Jerusalém e que era um parente do importante clã Husseini daquela cidade." (Ibid, p. 8)

Arafat viveu a maior parte da sua infância no Cairo, com a exceção de quatro anos (após a morte de sua mãe, entre os seus 5 e 9 anos) em que ele viveu com o seu tio em Jerusalém.

Ele frequentou a Universidade do Cairo, onde se formou como engenheiro civil. Nos seus tempos de estudante, aderiu à Irmandade Muçulmana e à associação de estudantes, da qual foi presidente entre1952 e 1956.

Ainda durante a sua estadia no Cairo, Arafat desenvolveu uma relação próxima com Haj Amin Al-Husseini, também conhecido como o Mufti de Jerusalém.

Em 1956 ele serviu ao exército egípcio durante a Crise do Suez. No Congresso Nacional Palestiniano, no Cairo, em 3 de Fevereiro de 1969, Arafat foi nomeado líder da Organização para a Libertação da Palestina (OLP).

Arafat casou-se já nos seus anos mais tardios com uma palestiniana cristã. Sua esposa, Suha Arafat, deu à luz uma criança do sexo feminino (Zahwa). A sua esposa e filha vivem actualmente em Paris. Suha Arafat tornou-se recentemente cidadã francesa.

Arafat era muito requisitado pela mídia internacional para entrevistas. Numa delas (para a veterana jornalista da CNN Christiane Amanpour[2] ), ele perdeu o controle e deixou a cena, nitidamente irado com as perguntas da jornalista. Esse fato rendeu manchetes no mundo todo.

A criação da Fatah[editar | editar código-fonte]

Após a Crise de Suez, em 1956, o presidente egípcio Gamal Abdel Nasser, líder do Movimento de Oficiais Livres, concordou em permitir que a Força de Emergência das Nações Unidas de estabelecer-se na Península do Sinai e na Faixa de Gaza, causando a expulsão de todas as forças da guerrilha ("fedayeen") incluindo Arafat. Ele originalmente tentou obter um visto para o Canadá e, posteriormente, para Arábia Saudita, mas não teve sucesso em ambas as tentativas.[3] [4]

Em 1957, ele pediu um visto para o Kuwait (na época um protetorado britânico) e foi aprovado com base em seu trabalho em engenharia civil. Lá ele encontrou dois amigos palestinos: Salah Khalaf ("Abu Iyad") e Khalil al-Wazir ("Abu Jihad"), ambos membros oficiais da Irmandade Muçulmana egípcia.Arafat tinha encontrado Abu Iyad, enquanto freqüentava a Universidade de Cairo e Abu Jihad em Gaza. Ambos se tornaram principais assessores de Arafat na política futura. Abu Iyad viajou com Arafat para o Kuwait, no final de 1960; Abu Jihad, atuando também como professor, já tinha vivido lá desde 1959.[5]

Após se acomodar no Kuwait, Abu Iyad ajudou Arafat a obter um emprego temporário como professor.[6]

A bandeira adotada pela Organização para a Libertação da Palestina em 1964.

Arafat e os outros gradualmente fundaram o grupo que ficou conhecido como o Fatah. A data exata para o estabelecimento é desconhecida. No entanto, em 1959, a existência do grupo foi atestada nas páginas de uma revista nacionalista palestina, Filastununa Nida al-Hayat (Nossa Palestina, The Call of Life), que era escrita e editada por Abu Jihad.

Fatah dedicou-se à libertação da Palestina por uma luta armada realizada pelos próprios palestinos. Isso a diferenciava de outras organizações políticas e de guerrilha palestinos, a maioria dos quais acreditavam firmemente em uma resposta unida dos países Árabes.[6] [7] A organização de Arafat nunca abraçou as ideologias dos principais governos árabes da época, em contraste com outras facções palestinas, que muitas vezes se tornaram satélites de países como Egito, Iraque, Arábia Saudita, Síria e outros.[8]

Jordânia[editar | editar código-fonte]

Depois da guerra dos seis dias (1967), Arafat e a Fatah passam a actuar a partir da Jordânia, lançando ataques contra Israel a partir do outro lado da fronteira e regressando à Jordânia antes que os israelenses pudessem reagir.

Em 1968 a Fatah foi um alvo de um ataque israelense à vila jordana de Karameh, no qual 150 guerrilheiros palestinianos e 29 soldados israelenses foram mortos, sobretudo por forças armadas jordanianas. Apesar do falhanço no terreno, a batalha foi considerada pelos árabes como uma montra para a acção da Fatah porque os israelenses se retiraram e o perfil de Arafat e da Fatah cresceram. Nos finais da década de 1960 a Fatah passou a dominar a OLP e em 1969 Arafat foi nomeado presidente da OLP, substituindo Ahmed Shukairy, originalmente nomeado pela Liga Árabe.

Arafat tornou-se chefe do Estado Maior das Forças Revolucionárias Palestinianas dois anos mais tarde e em 1973 o líder político da OLP.

No seguimento da ambição da OLP em transformar a Jordânia num estado palestiniano (com o patrocínio da União Soviética), crescem neste tempo as tensões entre Palestinianos e o Governo da Jordânia, o que culminaria com o sequestro (e subsequente destruição) de quatro aviões pela OLP e na Guerra Civil Jordana de 1970-1971 (em particular com os eventos do Setembro Negro).

Neste conflicto, a monarquia jordana, com a ajuda de Israel, derrotou a OLP e a Síria, que se preparava para invadir a Jordânia em apoio da OLP.

Líbano[editar | editar código-fonte]

Depois desta derrota, Arafat transferiu-se juntamente com a OLP da Jordânia para o Líbano. Dada a fraqueza do governo central libanês, a OLP conseguia operar virtualmente como um estado independente (chamado "Fatahland" pelos israelenses).

A OLP começou então a usar este novo território para lançar ataques de artilharia e atentados contra civis israelenses, a exemplo do Massacre do liceu de Maalot de 1974.

Em Setembro de 1972 o grupo Setembro Negro, que é geralmente descrito como uma fachada operacional usada pelo grupo Fatah de Arafat, raptou 11 atletas de Israel durante os Jogos Olímpicos. O grupo executou dois atletas, e na tentativa de mover os restantes, um tiroteio com a polícia resultou na morte de todos os atletas, um agente policial alemão e cinco membros do grupo Setembro Negro, no que ficou conhecido como o Massacre de Munique. A condenação internacional do ataque fez com que Arafat se distanciasse publicamente de actos similares no futuro; em 1974 Arafat ordenou que a OLP se abstivesse de actos de violência fora de Israel, da Cisjordânia e da Faixa de Gaza. No mesmo ano, Arafat tornou-se o primeiro representante de uma organização não governamental a discursar numa sessão plenária de uma Assembleia Geral das Naçőes Unidas.

Em 1974, líderes de estados árabes declararam a OLP como o único representante legítimo de todos os palestinianos. A OLP foi admitida como membro de plenos direitos na Liga Árabe em 1976.

As operações da OLP no Líbano não receberam uma grande cobertura na imprensa. No entanto é certo que a OLP desempenhou um papel importante na tragédia da Guerra Civil Libanesa, e como cristãos libaneses alegam, Arafat e a OLP foram responsáveis pelas mortes de dezenas de milhares do seu povo.

Esta situação levou a que Israel se tenha aliado com os cristãos libaneses e conduzido duas grandes operações militares no Líbano, a primeira sendo a Operação Litani (1978), na qual uma estreita faixa terrestre (a zona de segurança) foi capturada e dominada conjuntamente pelas Forças de Defesa de Israel e o exército sul-libanês. A segunda foi a Operação Paz para a Galileia (1982), na qual Israel ocupou a maior parte do sul do Líbano, tendo recuado de volta à zona de segurança em 1985. Foi durante a segunda destas operações que os guerrilheiros da OLP foram pressionados a abandonar o Líbano. Ao mesmo tempo, entre 800 e 3500 palestinianos, na sua maioria civis, foram mortos pelas milícias cristãs libanesas no Massacre de Sabra e Shatila num campo de refugiados, uma medida de retaliação pelo assassinato do líder cristão-libanês Bachir Gemayel.[9]

A fraca cobertura internacional da guerra civil libanesa, uma guerra que teve início pouco depois da chegada de Arafat ao Líbano e que fez mais de 40 mil mortos,[10] [11] , é contrastada pela grande publicidade do Massacre de Sabra e Chatila. Ariel Sharon, o líder militar das forças israelenses no terreno sofreu também internamente a contestação pelo massacre em que ele esteve indirectamente implicado e passou para o segundo plano político por alguns anos.

Tunísia[editar | editar código-fonte]

Em Setembro de 1982, durante a invasão israelenses e sob a influência americana, foi negociado um cessar-fogo o qual permitia a Arafat e à OLP a fuga do Líbano. Arafat e os seus guerrilheiros partiram de barco desde o Líbano para a Tunísia, que permaneceu o centro das operações de Arafat até 1993.

Durante a década de 1980, Arafat recebeu o apoio de Saddam Hussein, o ditador do Iraque, que lhe permitiu reanimar uma OLP seriamente abalada pela derrota militar. Este apoio veio em bom tempo, e coincidiu com o início da Primeira Intifada, que teve lugar em Dezembro de 1987. Dentro de poucas semanas, Arafat estava em controlo dos motins (em contrário das suas afirmações de que o seu início tinha sido espontâneo), e foi sobretudo devido à acção das forças da Fatah na Cisjordânia que os distúrbios continuaram por tanto tempo.

A 15 de Novembro de 1988, a OLP proclamou o "Estado da Palestina," um governo-no-exílio para os Palestinianos, nos termos da Resolução 181 da Assembleia Geral das Nações Unidas (a "oferta de partição de 1947"). Numa comunicação de 13 de Dezembro de 1988, Arafat declarou aceitar a Resolução 242 do Conselho de Segurança das Nações Unidas, prometeu o futuro reconhecimento de Israel e renunciar ao terrorismo. A 2 de Abril de 1989, Arafat foi eleito pelo Conselho Central do Conselho Nacional Palestino (o corpo governante da OLP) como presidente deste hipotético estado palestiniano.

O comunicado de 13 de Dezembro foi ditado pela administração dos Estados Unidos, ansiosa por iniciar negociações políticas (os Acordo de Paz de Camp David definem o reconhecimento de Israel como um necessário ponto de partida); de qualquer forma, ele indica uma viragem do objectivo tradicional da OLP - a destruição de Israel (tal como na Declaração Nacional Palestiniana) - para o estabelecimento de duas entidades separadas, uma israelense dentro das fronteiras de 1967 e uma Palestiniana na Cisjordânia e na Faixa de Gaza.

Este desenvolvimento permitiu o início de um novo desenvolvimento político. Na conferência de Madrid de 1991, Israel conduziu negociações abertas com a OLP pela primeira vez.

No entanto, o relacionamento com o Iraque tornou-se um problema para Arafat durante a Guerra do Golfo de 1991. Ele foi o único líder árabe a tomar partido pelo Iraque antes da guerra; consequentemente, os Estados Unidos boicotaram-no, o que constituiu um impedimento nas negociações israelo-palestinianas, então em andamento.

Autoridade Palestiniana[editar | editar código-fonte]

No entanto, a crispação americana em breve se atenuou, levando aos Acordo de Paz de Oslo de 1993, que estipulavam a implementação da auto-administração Palestiniana na Cisjordânia e na Faixa de Gaza num período de cinco anos. No ano seguinte, numa decisão controversa, Arafat recebeu o Nobel da Paz, juntamente com Shimon Peres e Yitzhak Rabin. Em 1994, Arafat deslocou-se para a Autoridade Palestiniana (AP) - a entidade provisional criada pelos acordos de Oslo.

A 20 de Janeiro de 1996, Arafat foi eleito presidente da AP, com uma maioria esmagadora de 87% (o único outro candidato sendo Samiha Khalil). Observadores independentes internacionais reportaram que as eleições decorreram de forma livre e justa. No entanto, alguns críticos[carece de fontes?] alegam que porque a maioria dos movimentos de oposição não participaram nas eleições e outras irregularidades, as eleições não foram verdadeiramente democráticas.

Novas eleições estavam inicialmente anunciadas para Janeiro de 2002, mas foram depois adiadas, alegadamente por causa da impossibilidade de fazer campanha devido a incursões militares israelenses e restrições da liberdade de movimento nos territórios ocupados.

Desde 1996, o título usado por Arafat como líder da Autoridade Palestiniana é a palavra árabe ra'is (cabeça) cuja tradução para o português é matéria de disputa. Documentos israelenses traduzem normalmente a palavra como "chairman", (presidente de conselho) enquanto documentos palestinianos traduzem-no como "presidente". Os Estados Unidos normalmente seguem a prática israelense, enquanto que as Nações Unidas normalmente seguem a prática palestiniana, que também é usada em Portugal.

Em meados de 1996, após a eleição de Benjamin Netanyahu como primeiro-ministro de Israel, as relações israelo-palestinianas tornaram-se mais hostis. Benjamin Netanyahu tentou obstruir a transição para o estado palestiniano delineada no acordo OLP-Israel. Em 1998, o presidente dos Estados Unidos Bill Clinton interveio, arranjando um encontro com os dois líderes. O resultante Memorandum de Wye River de 23 de Outubro de 1998 detalhava os passos a tomar pelo governo israelense e pela OLP para completar o processo de paz.

Arafat continuou as negociações com o sucessor de Netanyahu, Ehud Barak. Em parte devido à sua própria política (Barak pertence ao partido trabalhista, enquanto que Netanyahu ao partido conservador Likud) e parcialmente devido à grande pressão colocada pelo Presidente Americano Bill Clinton, Barak ofereceu a Arafat um Estado palestiniano na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, com Jerusalém Leste como capital, um regresso de um número limitado de refugiados e uma compensação para os restantes, mas não estipulando sobre outros assuntos, vistos como vitais no processo. Numa manobra amplamente criticada, Arafat rejeitou a oferta de Barak, e não fez qualquer contra-oferta. Seguindo a uma visita altamente controversa de Ariel Sharon à área delimitada da Mesquita Al-Aqsa e a violência que se seguiu, a chamada Segunda Intifada Palestiniana (ou Intifada Al-Aqsa Intifada) (2000 até hoje) começou.

Morte suspeita[editar | editar código-fonte]

Tumba de Arafat em Ramallah.

Arafat, morreu dia 11 de Novembro de 2004, aos 75 anos, após treze dias internado no hospital militar Percy, em Clamart, a sudoeste de Paris.

De acordo com Christian Estripeau, porta-voz do hospital, Arafat morreu por falência múltipla dos órgãos. No entanto, seu biógrafo, Amnon Kapeliouk, levantou a possibilidade de sua morte ter sido decorrente de anos de contínuo envenenamento, realizado pelos serviços secretos israelenses.[12] [13]

Em 3 de julho de 2012, foi divulgado pelo Instituto de Radiofísica do Hospital Universitário da Universidade de Lausanne, na Suíça, o resultado de um trabalho de nove meses de análises do material biológico encontrado em objetos de uso pessoal de Arafat (roupas, escova de dentes e keffiyeh). O relatório apontou a presença de altos níveis de polônio 210 no material coletado. [14] Segundo a rede de televisão Al Jazeera, o resultado do estudo reforça a possibilidade de que Arafat tenha sido envenenado com material radioativo.[15] [16] [17] [18] Em 9 de julho, o presidente palestino Mahmoud Abbas aprovou pedido de exumação do corpo de Arafat, apresentado por Suha Arafat, para teste do nível de plutônio.[19] O governo de Israel negou qualquer envolvimento com as recentes descobertas.[20] [21] A Justiça francesa, através do tribunal de Nanterre, decidiu iniciar uma investigação sobre a morte do líder palestino, depois que a viúva apresentou queixa de assassinato de seu marido, no final de julho.[22]

Arafat, considerado como o mais importante líder palestino e tido, pelos israelenses, como um líder de intenções dúbias, não preparou um sucessor. Os testes realizados após a exumação de seu corpo mostraram um nível 20 vezes maior que o permitido para um ser humano normal da substância polônio 210, reforçando a tese que o líder foi envenenado.

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Isolamento na Muqata'a[editar | editar código-fonte]

Os atentados de 11 de setembro de 2001 precipitam os Estados Unidos na "guerra ao terror", a partir de dezembro de 2001, no mesmo momento em que Yasser Arafat concluía uma trégua com o Hamas e a Jihad islâmica palestina.

Boicotado pelo governo dos Estados Unidos e considerado pelo governo israelense como responsável pela irupção da Segunda Intifada e por atentados suicidas, Yasser Arafat passará os últimos anos de sua vida fechado na Muqata’a (complexo de edifícios de uma antiga prisão, remanescente da época do Mandato Britânico da Palestina e posteriormente convertido na sede da Autoridade Nacional Palestina), em Ramallah, cercado por forças israelenses. Proibido de viajar, tanto dentro da Palestina como para o exterior, ainda assim Arafat conseguirá manter o controle da Autoridade Palestina e da OLP.

A 6 de Maio de 2002 o governo israelense divulga um relatório, em parte basedo em documentos alegadamente capturados durante a ocupação da Muqataa pelas forças militares israelenses. Entre esses documentos haveria cópias de papéis que parecem ter sido assinados pelo próprio Arafat, autorizando o financiamento de atentados perpetrados pelas Brigadas dos Mártires de Al-Aqsa.[23]

O número e intensidade de ataques suicidas aumentou em flecha nos primeiros meses de 2002. Em Março desse ano, a Liga Árabe fez a proposta de reconhecer Israel em troca da retirada israelense de todos os territórios capturados na Guerra dos Seis Dias, e o reconhecimento da soberania da Autoridade Palestiniana de Arafat. Apoiantes desta declaração vêem nela o histórico reconhecimento de Israel pelos Estados Árabes, enquanto que críticos da proposta afirmam que ela constituiria um perigo para a segurança de Israel, não assegurando sequer a cessação dos atentados suicidas.

A proposta da Liga Árabe coincidiu com uma nova onda de ataques palestinianos contra Israel (algum do qual veio dos próprios militantes da Fatah de Arafat), que trouxe a morte de mais de 135 israelenses. [carece de fontes?] Ariel Sharon tinha previamente pressionado Arafat a condenar fortemente os ataques suicidas em face da sua própria população em língua árabe. Após estes ataques, Sharon declarou que Arafat prestava assistência a terroristas e, deste modo, tornava-se um inimigo de Israel - o que o desqualificaria para quaisquer negociações imediatas de paz. A declaração foi seguida pela invasão israelense de cidades da Cisjordânia, numa acção que ficou conhecida como "Operação Escudo Defensivo".

Tentativas do governo israelense de identificar outro líder palestiniano com quem negociar falharam e Arafat gozava do apoio de grupos que pela sua história desconfiavam dele e evitavam lidar com ele.

Arafat recebeu finalmente a autorização para deixar o seu complexo em 3 de maio de 2002, após intensas negociações que culminaram num acordo. Seis ativistas procurados por Israel, que se tinham entrincheirado juntamente com Arafat no seu complexo, não seriam entregues a Israel, mas também não permaneceriam ao encargo da Autoridade Palestiniana. Uma combinação de polícias britânicos e norte americanos assegurariam que eles permanecessem emprisionados em Jericó. Com esta medida, e a promessa de que ele iria emitir um comunicado em árabe aos Palestinianos a favor de uma pausa nos ataques contra Israel, Arafat foi libertado. Ele emitiu este comunicado a 8 de Maio de 2002, mas, como em casos anteriores, o seu pedido foi ignorado.[carece de fontes?]

A 18 de Julho de 2002, o presidente dos Estados Unidos, George W Bush, afirmou, referindo-se a Yasser Arafat: "O verdadeiro problema é que não há uma liderança que seja capaz de dizer 'ajudem-nos a estabelecer um Estado e nós iremos combater o terror e responder às necessidades dos Palestinianos".

Riqueza pessoal[editar | editar código-fonte]

Arafat aparece na lista anual da revista de negócios Forbes dos mais ricos "Reis, Rainhas e Déspotas". Eles estimam a sua fortuna em "pelo menos 300 milhões de dólares", o que lhe confere o sexto lugar na lista de 2003.[24] [25]

Em Agosto de 2002, o chefe dos serviços secretos israelense Aharon Ze'evi estimava a riqueza pessoal de Arafat em 1,3 bilhão de dólares.

Irregularidades financeiras[editar | editar código-fonte]

O Fundo Monetário Internacional conduziu uma auditoria à Autoridade Palestiniana que verificou que Arafat desviou 900 milhões de dólares de fundos públicos para uma conta bancária especial controlada por ele. Outras estimativas variam até 1 bilhão de dólares. Estima-se que a mulher de Arafat, Suha, receba um salário de 100.000 dólares por mês. De acordo com a Forbes, o novo Ministro das Finanças da AP, Salam Fayyad nomeado em junho de 2002, recebeu a tarefa de ordenar as finanças da AP, cortando grande parte do fluxo financeiro para Arafat.[26] [27]

Em Outubro de 2003 promotores públicos do governo francês fizeram uma investigação a Suha Arafat por suspeita de lavagem de dinheiro após a Tracfin os ter alertado para a realização de transferências de quase 1,27 milhão de dólares cada, com alguma regularidade, desde a Suíça para as contas bancárias da Sra. Arafat em Paris. A investigação foi tornada pública em 11 de Fevereiro de 2004.

Citações[editar | editar código-fonte]

  • "Encontrem a força necessária que tiverem para aterrorizar o vosso inimigo" (15 de Maio de 2004)[28]
  • "Deixem desmoronar, será a culpa de Israel e dos americanos" (29 de Fevereiro de 2004, dirigindo-se a Edward G. Abington, um antigo membro do departamento de Estado Americano, agora consultor de Washington para a Autoridade Palestiniana, referindo-se ao futuro da Autoridade Palestiniana)[carece de fontes?]
  • "Esta criança, que sustenta uma pedra perante um tanque, não é a maior mensagem ao mundo quando esse herói se torna um shahid? Estamos orgulhosos deles" (shahid refere-se ao morto mártir de uma causa) (15 de Janeiro de 2002, à Televisão da Autoridade Palestiniana)
  • Mais uma vez, peço uma paragem completa de todas as operações, especialmente as operações suicidas, que nós sempre condenamos. Iremos punir todos aqueles que levam a cabo ou planeiem tais operações" (16 de Dezembro de 2001, em árabe, à Televisão da AP).[29]
  • "A Paz não pode ser atingida excepto após o cessar da escalação militar e o bloqueio económico e financeiro, o fim da ocupação, a remoção das colónias..." (30 de junho de 2001, dirigindo-se à conferência do conselho da Internacional Socialista)[carece de fontes?]

Referências

  1. Arafat: From Defender to Dictator, Bloomsbury Publishing, 1998, p. 7
  2. Arafat: Palestinians are 'facing this challenge'. CNN.com. cnn.com (29 de Março de 2002). Página visitada em 24-8-2009.
  3. Aburish, Said K.. From Defender to Dictator. New York: Bloomsbury Publishing, 1998. 31–32 p. ISBN 978-1-58234-049-4
  4. Hart, Alan. Arafat. [S.l.]: Sidgwick and Jackson, 1994. p. 99. ISBN 978-0-283-06220-9
  5. Mattar, Phillip (12 November 2000). Biography of Khalil al-Wazir (Abu Jihad). Encyclopedia of the Palestinians. Facts on File; 1st edition. Página visitada em 17 July 2007.
  6. a b Aburish, Said K.. From Defender to Dictator. New York: Bloomsbury Publishing, 1998. 33–67 p. ISBN 978-1-58234-049-4
  7. Cooley, John K.. Green March, Black September. [S.l.]: Frank Crass & Co., 1973. p. 100. ISBN 978-0-7146-2987-2
  8. Abu Sharif, Bassam; Uzi Mahmaini. Tried by Fire. [S.l.]: Time Warner Paperbacks, 1996. p. 33. ISBN 978-0-7515-1636-4
  9. Lebanese Forces Official Website Bachir Biography. www.lebanese-forces.org. Página visitada em 24-8-2009.
  10. Lebanese Civil War 1975-1976. www.onwar.com. Página visitada em 24-8-2009.
  11. Lebanon's History: Civil War. www.ghazi.de. Página visitada em 24-8-2009.
  12. Arafat assassinado?. Le Monde diplomatique Brasil. diplo.uol.com.br. Página visitada em 24-8-2009.
  13. Israel admite su participación en la muerte de Arafat. Hispan TV. Hispan TV. Página visitada em 11/01/2013.
  14. http://www.telegraph.co.uk/news/worldnews/middleeast/palestinianauthority/9374010/Yasser-Arafat-poisoned-with-Polonium.html
  15. "Yasser Arafat: Palestinians call for poison inquiry", 4 July 2012. Página visitada em 4 July 2012.
  16. Bart, Katharina. "Swiss institute finds polonium in Arafat's effects", Reuters, 2012-07-03.
  17. "Arafat poisoned by polonium: report", 2012-07-02. Página visitada em 2012-07-02.
  18. Yasser Arafat pode ter sido envenenado com polônio, diz TV. G1, 3 de julho de 2012.
  19. Khadder, Kareem. "Palestinian leader signs off on Arafat exhumation, PLO official says", CNN, 9 de julho de 2012.
  20. "Israeli officials deny Arafat poisoning rumors", 5 de julho de 2012.
  21. Israel Didn't Kill Arafat, por Yossi Melman. The Daily Beast, 10 de julho de 2012.
  22. Justiça francesa decide investigar morte de Yasser Arafat. Carta Maior, 28 de agosto de 2012.
  23. The Involvement of Arafat, PA Senior Officials and Apparatuses in Terrorism against Israel- Corruption and Crime - May 2002. www.mfa.gov.il. Página visitada em 24-8-2009.
  24. Kings, Queens & Despots.
  25. Kings, Queens & Despots. Forbes. www.forbes.com. Página visitada em 24-8-2009.
  26. ei: IMF audit reveals Arafat diverted $900 million to account under his personal control. electronicintifada.net. Página visitada em 24-8-2009.
  27. Arafat's Billions. 60 Minutes CBS News. Acesso em 24-8-2009.
  28. Israeli Army Kills 3 Palestinians on Tense Day in Gaza. The New York Times. www.nytimes.com. Página visitada em 24-8-2009.
  29. ei: Debunking 6 common Israeli myths. electronicintifada.net. Página visitada em 24-8-2009.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Yasser Arafat
Commons
O Commons possui multimídias sobre Yasser Arafat
Precedido por
Nelson Mandela e Frederik Willem de Klerk
Nobel da Paz
1994
com Shimon Peres e Yitzhak Rabin
Sucedido por
Joseph Rotblat e Conferências Pugwash sobre Ciência e Negócios Mundiais