Adolfo Pérez Esquivel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde outubro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Adolfo Pérez Esquivel Medalha Nobel
Adolfo-Pérez-Esquivel-wsf-2003.jpg
Nacionalidade Argentina Argentino
Nascimento 26 de novembro de 1931 (83 anos)
Local Buenos Aires
Prêmio(s) Nobel prize medal.svg Nobel da Paz (1980)
Assinatura
Firma Pérez Esquivel.PNG

Adolfo Pérez Esquivel (Buenos Aires, 26 de novembro de 1931) é um arquiteto, escultor e ativista de direitos humanos argentino, agraciado com o Nobel da Paz de 1980.

Em 1974 na cidade de Medellin, na Colômbia, Adolfo Pérez Esquivel coordenou a fundação do Servicio Paz y Justicia en América Latina (SERPAJ-AL), junto com vário bispos, teólogos, militantes, líderes comunitários e sindicalistas.

O SERPAJ-AL se dedicou a defender os Direitos Humanos no continente e a difundir a Não-Violência Ativa como instrumento de transformação da realidade e de enfrentamento dos crimes de tortura e desaparecimento forçado de militantes políticos e agentes comunitários e pastorais, praticados pelas Ditaduras Militares que haviam se instalado por toda a América Latina, com o apoio dos Estados Unidos que viviam então o auge da Guerra Fria com a União Soviética.

Por essa atividade Adolfo Pérez Esquivel recebeu o Nobel da Paz de 1980. Escultor, estudou arquitectura na Escola Nacional de Belas Artes da Universidade Nacional de La Plata. A partir de 1968, dedicou sua vida a propagar a não violência e defender os direitos humanos: fundou o Jornal Paz e Justiça em 1973, e a partir de 1974 se tornou seu secretário. A publicação se tornou a voz do movimento pacifista na América Latina.

Entre 1977 e 1979, foi preso por questões políticas. Durante esta reclusão recebeu o Prêmio Memorial de Paz Juan XXIII, entregue pela Organização Pax Christi Internacional.

É membro do Comité da patrocínio da Coordenação internacional para o Decênio da cultura da não-violência e da paz. Esquivel é também o Presidente da Academia de Ciências Ambientais de Veneza na Itália, por iniciativa desta academia, juntamente com outros Prêmios Nobeis da Paz, entre eles: o Dalai Lama, Desmond Tutu,Shirin Ebadi, Rigoberta Menchu Tum, Married Corrigan, Beth Wiliams e outros está liderando uma campanha mundial pela criação de uma corte internacional para julgar os crimes ambientais de grande monta. A campanha foi lançada na cidade de Roma em junho de 2009, oficializada em setembro em Veneza para o contimente euopeu, e no dia 19/11/2009 no Memorial da América Latina em São Paulo - Brasil para o continente latinoamericano.

Como um grande amigo da organização "Fundação Vida Para Todos - ABAI" em Mandirituba - PR (sul do Brasil), e a sua fundadora, a Suíça Marianne Spiller, Adolfo Pérez Esquivel, em 2010, participou no evento do 30 º aniversário da obra.[1] Ele offereceu-lhe um quadro pintado por ele mesmo, que mostra a Mãe Terra - simbolizando e sugerindo a dimensão eco-espiritual, que é um aspeto fundamental do trabalho da "Fundação Vida Para Todos – ABAI”. Esta aproveita do apoio ideológico e financeiro da Associação Suíça de "ABAI Freunde - Vida Para Todos".

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Madre Teresa de Calcutá
Nobel da Paz
1980
Sucedido por
Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados


Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikiquote Citações no Wikiquote
Commons Imagens e media no Commons
  1. "Gazeta do Povo", edição online, 21/11/2010]