Organização Internacional do Trabalho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Small Flag of the United Nations ZP.svg Organização Internacional do Trabalho
Bandeira
Tipo Agência das Nações Unidas
Acrônimo OIT
Comando Chile Juan Somavía
Status ativa
Fundação 1919
Sede Genebra, Suíça
Website www.ilo.org
Commons Commons:Category:United Nations United Nations

A Organização Internacional do Trabalho (OIT ou ILO, do inglês International Labour Organization) é uma agência multilateral da Organização das Nações Unidas, especializada nas questões do trabalho, especialmente as normas internacionais do trabalho (convenções e recomendações)[1] e o trabalho decente.[2] É composta por 185 estados-membros,[3] em representação tripartida de governos, organizações de empregadores e organizações de trabalhadores.[4] Tem sede em Genebra, Suíça, além de cerca de 40 escritórios pelo mundo.[5]

Em 1969, em seu 50º aniversário, a OIT recebeu o Prêmio Nobel da Paz por sua atuação entre as classes, pela promoção da justiça para trabalhadores e pela assistência técnica a nações em desenvolvimentos.[6]

História[editar | editar código-fonte]

A OIT foi instituída como uma agência da Liga das Nações após a assinatura do Tratado de Versalhes (1919), que deu fim à Primeira Guerra Mundial. A sua Constituição corresponde à Parte XIII do Tratado de Versalhes.[7]

A ideia de uma legislação trabalhista internacional surgiu como resultado das reflexões éticas e econômicas sobre o custo humano da revolução industrial. As raízes da OIT estão no início do século XIX, quando os líderes industriais Robert Owen e Daniel Legrand apoiaram o desenvolvimento e harmonização de legislação trabalhista e melhorias nas relações de trabalho.

A criação de uma organização internacional para as questões do trabalho baseou-se em argumentos:

  • humanitários: condições injustas, difíceis e degradantes de muitos trabalhadores,
  • políticos: risco de conflitos sociais ameaçando a paz, e
  • econômicos: países que não adotassem condições humanas de trabalho seriam um obstáculo para a obtenção de melhores condições em outros países.

Em 1944, à luz dos efeitos da Grande Depressão a da Segunda Guerra Mundial, a OIT adotou a Declaração da Filadélfia como anexo da sua Constituição. A Declaração antecipou e serviu de modelo para a Carta das Nações Unidas e para a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Em 1969, em seu 50º aniversário, a Organização foi agraciada com o Nobel da Paz.[8] Em seu discurso, o líder do Comitê do Prêmio Nobel afirmou que a OIT era "uma das raras criações institucionais das quais a raça humana podia orgulhar-se".

Em 1998, durante a 86ª Conferência Internacional do Trabalho, foi adotada a Declaração sobre os Princípios e Direitos Fundamentais no Trabalho e seu Seguimento. O documento é uma reafirmação universal da obrigação de respeitar, promover e tornar realidade os princípios refletidos nas Convenções fundamentais da OIT, ainda que não tenham sido ratificados pelos Estados Membros.

Desde 1999, a OIT trabalha pela manutenção de seus valores e objetivos em prol de uma agenda social que viabilize a continuidade do processo de globalização através de um equilíbrio entre objetivos de eficiência econômica e de equidade social.

Fundamentos[editar | editar código-fonte]

A OIT funda-se no princípio de que a paz universal e permanente só pode basear-se na justiça social. Fonte de importantes conquistas sociais que caracterizam a sociedade industrial, a OIT é a estrutura internacional que torna possível abordar estas questões e buscar soluções que permitam a melhoria das condições de trabalho no mundo.Fundada no ano de 1919,e faz parte da ONU(Organização das Naçoes Unidas)

Referências

  1. História | OIT - Organização Internacional do Trabalho - Escritório no Brasil. Acessado em 17 de junho de 2013.
  2. Apresentação | OIT - Organização Internacional do Trabalho - Escritório no Brasil. Acessado em 17 de junho de 2013.
  3. Lista alfabética dos países membros da OIT | Ilo.org. Acessado em 17 de junho de 2013.
  4. Tripartite constituents | Ilo.org. Acessado em 17 de junho de 2013.
  5. International Labour Office | Ilo.org. Acessado em 17 de junho de 2013.
  6. The Nobel Peace Prize 1969 Nobelprize.org. Visitado em 5 July 2006.
  7. International Labour Office. Official Bulletin. Volume I, abril de 1919 - agosto de 1920. Geneva, 1923.
  8. Perfil no sítio oficial do Nobel da Paz 1969 (em inglês)

ela tem poder sobre o governo

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
René Cassin
Nobel da Paz
1969
Sucedido por
Norman Ernest Borlaug