Mohammed Mossadegh

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Mohammed Mossadeq
محمد مصدق
Nome completo Mohammed Mossadegh
Nascimento 19 de maio de 1880
Teerã,  Irã
Morte 5 de janeiro de 1967 (86 anos)
Ahmad Abad
Nacionalidade Irã iraniano
Ocupação político
Influências
Assinatura
Mohammad mossadegh Signature.svg

Mohammed Mosaddeq (Irã ), em persa: محمد مصدق, AFI: mohæmˈmæd(-e) mosædˈdeɣ; Teerão, 1880Ahmad Abad, 5 de Março de 1967) foi primeiro-ministro do Irão entre 1951 e 1953.

Mosaddeq nasceu na capital iraniana e era filho do ministro das Finanças e de uma princesa membro da dinastia Qadjar.

Fez os seus estudos em Paris, na École libre des sciences politiques e na Suíça, onde em 1913 doutorou-se em direito pela Universidade de Lausana. No ano seguinte regressou ao seu país, tendo sido nomeado governador da província de Fars.

Em 1921 foi nomeado ministro das Finanças. Desempenhou ainda a função ministro dos Negócios Estrangeiros entre 1923 e 1925. Neste ano opôs-se ao golpe de Reza Khan, que tinha deposto o último membro da dinastia Qadjar, declarando-se . Em consequência do seu posicionamento, Mosaddeq foi forçado a se retirar da vida política, tendo estado preso durante dois anos.

Mossadegh.

Mosaddeq regressaria à política em 1943, ano em que foi eleito deputado, liderando uma força política nacionalista. Dois anos antes Reza Khan tinha abdicado a favor do seu filho, Mohammad Reza Pahlavi. Mosaddeq não era comunista, mas um nacionalista que defendia o controlo por parte do Irão das suas riquezas petrolíferas. Neste sentido, opôs-se com sucesso à atribuição à União Soviética de uma concessão de petróleo na região norte do país. Era também favorável à nacionalização da Anglo-Iranian Oil Company.

Por causa da sua enorme popularidade, o xá do Irão teve que aceitar a sua eleição como primeiro-ministro do país em 1951. A 1 de Maio do mesmo ano o parlamento aprovou a nacionalização do petróleo, tendo sido extinta a Anglo-Iranian. Nesse ano a revista "Time" nomeou-o "Homem do ano" e Mosaddeq era visto com o símbolo na luta antiimperialista. Em retaliação os britânicos orquestraram nos mercados internacionais um embargo ao petróleo iraniano com o objectivo de sufocar economicamente o país. Os Estados Unidos da América opuseram-se ao boicote por entenderem que ele poderia favorecer uma aproximação à União Soviética.

Esta situação, aliada ao desejo de Mosaddeq em possuir mais poderes como primeiro-ministro, instalou uma crise entre Mosaddeq e o xá. Foi então que os britânicos pensaram num plano para afastar Mosaddeq do poder, no qual envolveram os Estados Unidos, agitando junto desta nação o fantasma de um suposto desejo por parte da União Soviética em controlar o Irão.

Em 15 de agosto de 1953, instigado pela CIA, o xá demitiu Mosaddeq, o que provocou tumultos populares a favor do primeiro-ministro; o xá foi obrigado a abandonar o Irão, refugiando-se em Roma. Mosaddeq permaneceu no seu cargo até 19 de Agosto, quando um golpe de estado instalou o general Fazlollah Zahedi como novo primeiro-ministro.

Mosaddeq foi detido e condenado a três anos de prisão. Após a sua libertação viveu o resto dos seus dias sob prisão domiciliária, tendo falecido com cancro.

Galeria de imagens[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]