Violência sectária no Paquistão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Violência sectária no Paquistão se refere aos ataques contra pessoas e lugares no Paquistão motivados pelo antagonismo em direção a sua seita, geralmente um grupo religioso, que no Paquistão podem incluir a maioria sunita, o xiita,[1] o Ahmadi e grupos religiosos cristãos. De acordo com o grupo de direitos humanos Human Rights Watch, em 2011 e 2012, as minorias paquistanesas xiitas, Ahmadi, e cristã sofreram "perseguições sem precedentes no país".[2] [3] Os ataques contra santuários sunitas por "militantes" sufistas também têm sido relatados.[4] [5]

Os principais culpados pela violência sectária no país são principalmente grupos militantes sunitas como o Sipah-e-Sahaba, Tehrik-i-Taliban e membros de grupos militantes xiitas como Sipah-e-Muhammad.[6] No entanto, predominante grupos militantes sunitas são frequentemente responsabilizadas por ataques contra os minoritários xiitas, resultando em ataques de represália por eles.[7] [8]

Minorias religiosas[editar | editar código-fonte]

De acordo com a Biblioteca do Congresso, Pew Research Center a Universidade de Oxford, o CIA Factbook e outros especialistas, os islamitas xiita no Paquistão compõem de 15 a 25% [1] [9] [10] [11] [12] [13] [14] enquanto os restantes 70 a 80% da população segue o islamismo sunita.[1] [9] [10] . Embora os xiitas são a segunda maior seita no país, o Paquistão tem a segunda maior comunidade xiita após o Irã em termos de números. O total da população xiita no Paquistão é, dependendo da fonte, entre 15 milhões[9] a 26 milhões. Apesar algumas fontes independentes afirmarem que os xiitas no Paquistão são aproximadamente 50 milhões.[15] Globalmente, o Islam xiita é representado por 10-20%[9] [10] [14] [16] [17] do total de muçulmanos , enquanto os restantes 80% -90% prática o islamismo sunita.[18]

Estima-se que 2,3% da população são Ahmadis,[19] que são oficialmente considerados não-muçulmanos em virtude de uma emenda constitucional de 1974.[20]

Religiões não-muçulmanas incluem o hinduísmo e cristianismo, cada uma com 2,8 milhões (1,6%) seguidores, dados de 2005.[21] A Fé bahá'í tem 30 mil seguidores, em seguida, sikhismo, budismo e parsis, cada qual reivindicando 20 mil adeptos,[13] e uma pequena comunidade de jainistas.

História[editar | editar código-fonte]

Zia ul-Haq[editar | editar código-fonte]

Nos primeiros anos de conflito sectário, os extremistas sunitas entraram em confronto com os Ahmadis, até que estes, em 1974, através de uma alteração na Constituição pela Assembleia Nacional do Paquistão, foram declarados não-muçulmanos. Sob o domínio contínuo de Muhammad Zia-ul-Haq, o sectarismo no Paquistão, especialmente em Karachi e no sul do Punjab, tornou-se mais violento devido o processo de islamização que começou no sistema judiciário paquistanês.

Leis sociais, que tinham sido tolerante com a venda livre de álcool, misturando entre os sexos e outras, foram severamente restringida por leis implementadas por Zia, embora extremistas em ambos as seitas foram em grande parte em favor de suas restrições.

Possível financiamento externo[editar | editar código-fonte]

Alguns especialistas e editores sugerem que a exacerbar as tensões são:

  • Os estados árabes, especialmente a Arábia Saudita e os Estados Árabes do Golfo, que financiam extremistas radicais sunitas;[22]
  • E o financiamento estatal iraniano de xiitas extremistas no Paquistão, resultando em confrontos e ataques de uns sobre os outros.[22]

É amplamente aceito que a violência sectária no Paquistão é um fenômeno recente e que durante a maior parte da história do país, as pessoas de diferentes seitas coexistiram pacificamente. O desenvolvimento do sectarismo é amplamente atribuída a um acréscimo de captação de recursos das organizações fundamentalistas, totalizando milhões de dólares distribuídos no interior do Paquistão por parte dos Estados árabes e de outras potências externas[23] [24]

2000-2010[editar | editar código-fonte]

Desde o ano de 2000, mais de 2.000 membros da comunidade xiita, incluindo muitas mulheres e crianças foram mortas ou feridas em ataques perpetrados por muçulmanos sunitas afiliados a Al-Qaeda e ao Taleban. Muitas centenas de muçulmanos xiitas foram mortos em áreas do norte do Paquistão, como Gilgit, Baltistan, Parachinar e Chelas. Em 2003, a principal mesquitaxiita foi atacada em uma sexta-feira em Quetta, matando 53 fiéis. Em 2 de março de 2004, pelo menos 42 pessoas foram mortas e mais de 100 ficaram feridas quando uma procissão de muçulmanos xiitas foi atacada por rivais extremistas sunitas no principal mercado em Quetta.[25] Separadamente, em 7 de outubro de 2004, um carro-bomba matou 40 membros de uma organização extremista sunita em Multan.[26]

Atentado em 2013[editar | editar código-fonte]

Atentado no mercado de Quetta[editar | editar código-fonte]

A população xiita no Paquistão tem sido vítima de vários atentados suicidas e de assassinatos de muitos médicos, engenheiros, funcionários públicos de alto escalão e professores. No sábado, 16/02/2013 pelo menos 90 pessoas foram mortas e 180 feridas depois que uma bomba explodiu em um mercado em Quetta. O número de mortos subiu posteriormente para 113.[27] O grupo terrorista Lashkae-e-Jhangvi assumiu a responsabilidade pelo ataque. A bomba de controle remoto estava escondida em um tanque de água no principal bazar da cidade. No momento da explosão na tarde de sábado dezenas de pessoas, principalmente mulheres, estavam fazendo compras e as crianças estavam saindo das aulas. O chefe de polícia de Quetta Mir Zubia Mehmood disse que o explosivo pesava 1.000 quilogramas, que era maior do que os explosivos usados no ataque janeiro.[28] [29] [30] [31]

Atentado de Karachi[editar | editar código-fonte]

Em 03/03/2013 uma poderosa explosão de uma bomba na cidade de Karachi matando 45 pessoas e ferindo outras 150. A bomba explodiu do lado de fora de uma mesquita xiita quando as pessoas estavam deixando o local. "Foi como o dia do juízo final para mim. Eu estava assistindo televisão quando ouvi uma explosão ", citou Mariam Bibi relatando ao Reuters. "Eu vi pessoas queimando até a morte e chorando de dor. Eu vi crianças deitadas em poças de seu próprio sangue e mulheres correndo gritando por seus entes queridos". Pelo menos 200 muçulmanos xiitas foram mortos desde o início de 2013 e 400 morreram em ataques em 2012.[32] [33] [34] [35]

Atentado no Mercado de Parachinar[editar | editar código-fonte]

Na sexta-feira 26 de junho de 2013 uma dupla explosão ocorreu em Parachinar, a principal cidade da área tribal do Kurram. A explosão matou 60 pessoas e feriu entre 187. [36] A primeira bomba explodiu no mercado de Parachinar quando as pessoas estavam ocupados na compra de alimentos. A segunda bomba explodiu ao lado da estrada. A organização terrorista chamada mujahideenhas Ansarul reivindicou a responsabilidade.[37] .

Sufismo[editar | editar código-fonte]

Desde março de 2005, 209 pessoas foram mortas e 560 feridos em 29 diferentes ataques terroristas dirigidos a santuários dedicados a santos sufis no Paquistão, de acordo com dados compilados pelo Centro de Colaboração de Pesquisa islâmico e Aprendizagem. Os ataques são geralmente atribuídos a organizações militantes banidas.[4]

O Sufismo, como tradição islâmica mística, tem uma longa história e um grande apoio popular no Paquistão. A cultura Sufi está centrada na quinta-feira quando encontros noturnos são realizados em santuários que apresentam música e dança Sufi. Os fundamentalistas islâmicos contemporâneos criticam seu caráter popular, que, na sua opinião, não reflete com precisão os ensinamentos e práticas do Profeta e seus companheiros.[5] [38]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c Country Profile: Pakistan 75.6 % ate=February 2005 'Library of Congress Country Studies on Pakistan'. Library of Congress. Página visitada em 1 de setembro de 2010. "Religião: A grande maioria da população (96.3 porcento) é Islâmica, da qual aproximadamente 25 porcento é islamitas xiita."
  2. "Timeline: Persecution of religious minorities", 4 novembro 2012.
  3. World Report 2012: Pakistan Human Rights Watch. Página visitada em 6 de março 2013.
  4. a b Sunni Ittehad Council: Sunni Barelvi activism against Deobandi-Wahhabi terrorism in Pakistan – by Aarish U. Khan| criticalppp.com| Let Us Build Pakistan
  5. a b Produced by Charlotte Buchen. "Sufism Under Attack in Pakistan" (video). Página visitada em 21 de maio de 2012.
  6. Pakistan's militant Islamic groups BBC News. (13 de janeiro de 2002). Página visitada em 28 de agosto de 2010.
  7. Pakistan's militant Islamic groups BBC News (13 de janeiro de 2002).
  8. Attacks on Shias in Pakistan, a message to Iran too: International Terrorism Monitor--Paper NO. 674 South Asian Analysis (4 setembro 2010).
  9. a b c d Mapping the Global Muslim Population: A Report on the Size and Distribution of the World's Muslim Population Pew Research Center. (7 de outubro de 2009). Página visitada em 24 de agosto de 2010.
  10. a b c In: Tracy Miller. Mapping the Global Muslim Population: A Report on the Size and Distribution of the World's Muslim Population. [S.l.]: Pew Research Center, 2009. Página visitada em 25 de agosto de 2010.
  11. Pakistan, Islam in Oxford Centre for Islamic Studies. Oxford University Press. Página visitada em 29 agosto 2010. "Aproximadamente 97 porcento dos paquistaneses são islâmicos, e a maioria segue a escola Hanafi da lei Islâmica. Entre 10 a 15 porcento são xiitas, principalmente duodecimâmicos."
  12. Religions: Muslim 95% (Sunni 70%, Shia 25%), other (includes Christian and Hindu) 5% Central Intelligence Agency. The World Factbook on Pakistan (2010). Página visitada em 24 de agosto de 2010.
  13. a b Pakistan - International Religious Freedom Report 2008 United States Department of State.. Página visitada em 28 agosto 2010.
  14. a b Pilgrimage to Karbala - Sunni and Shia: The Worlds of Islam PBS (26 de marco de 2007). Página visitada em 1 de setembro de 2010.
  15. http://tribune.com.pk/story/512400/an-unholy-alliance/
  16. Shīʿite Encyclopædia Britannica. Encyclopædia Britannica Online (2010). Página visitada em 25 de agosto de 2010.
  17. Religions CIA. The World Factbook (2010). Página visitada em 2010-08-29.
  18. Sunnite Encyclopædia Britannica. Encyclopædia Britannica Online (2010). Página visitada em 24 de agosto de 2010.
  19. "Ahmadis of Pakistan", faqs.org. Página visitada em 24 de julho 2010.
  20. International Religious Freedom Report 2008: Pakistan US State Department. Página visitada em 24 jubho 2010.
  21. Country Profile: Pakistan (PDF) 2, 3, 6, 8 pp. Library of Congress (2005). Página visitada em 28 dezembro 2011.
  22. a b Hussain, Zahid. In: Zahid. Frontline Pakistan: The Struggle With Militant Islam. [S.l.]: Columbia University Press, 2008. p. 93. ISBN 0-231-14225-0, 9780231142250 Página visitada em 18 de setembro de 2010.
  23. "Wikileaks: Saudi Arabia, UAE funded extremist networks in Pakistan", Express Tribune, 22 maio 2011. Página visitada em 20 de maio de 2012.
  24. "Battling the monster of sectarianism", Express Tribune, 20 May 2012. Página visitada em 20 May 2012.
  25. Carnage in Pakistan Shia attack BBC News (2 de março de 2004). Página visitada em 24 de agosto de 2010.
  26. Shiite-Sunni conflict rises in Pakistan David Montero. (2 de fevereiro de 2007). Página visitada em 24 de agosto de 2010.
  27. Hazaras bury 113 victims. Página visitada em 23 fevereiro 2013.
  28. Pakistani mourners bury Quetta bombing victims amid tensions.
  29. Pakistan Shi'ites demand better protection from militants.
  30. Families of Quetta blast victims search for answers.
  31. LJ leader Malik Ishaq detained in Rahim Yar Khan.
  32. Pakistan bomb: Karachi standstill after Shias attacked. Página visitada em 4 março 2013.
  33. Deadly bombing hits Shia district in Karachi. Página visitada em 4 março 2013.
  34. Bomb at Shi'ite mosque kills 45 in Pakistan. Página visitada em 4 março 2013.
  35. Pakistan bomb explosion in Shia neighborhood kills 45. Página visitada em 4 de março de 2013.
  36. http://www.bloomberg.com/news/2013-07-26/pakistan-bombing-kills-40-wounds-60-official-says.html
  37. http://www.thenews.com.pk/Todays-News-2-192855-Parachinar-blasts-death-toll-reaches-60
  38. Huma Imtiaz. "The Islam That Hard-Liners Hate" (blog), 6 de janeiro de 2011. Página visitada em 21 de maio de 2012.