Guerra Civil do Afeganistão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo. Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Guerra Civil do Afeganistão
Kabul during civial war of fundamentalists 1993.jpg
Uma rua de Cabul completamente destruida pela guerra.
Período 1978 - presente
Local  Afeganistão
Resultado Em andamento
Mortos ou feridos
1,845,600[1] [2]

A guerra civil do Afeganistão é um extenso e complexo conflito que assola este país da Ásia Central desde 1979 até o presente, e possui muitos diferentes grupos que combatem de acordo com os distintos estágios.[3]

Fases[editar | editar código-fonte]

Revolução de Saur[editar | editar código-fonte]

Em 27 de abril de 1978, os militares desfecharam um golpe de Estado, chefiado pelos partidos comunistas unificados Khalq e Parcham, após a morte de um dos principais membros do Parcham. O Presidente Mohammed Daoud Khan foi morto juntamente com familiares quando os golpistas tomaram o palácio presidencial. O termo pachto saur significa "abril".

Envolvimento soviético[editar | editar código-fonte]

O novo governo comunista do Afeganistão encontrou resistência aos seus programas. A seu pedido, a União Soviética interveio com suas forças armadas. Mesmo com o apoio soviético, o governo não logrou controlar efetivamente o país e impedir a rebelião, que recebia apoio do Paquistão, dos EUA e da Arábia Saudita. A União Soviética retirou suas tropas em 1989

Colapso do governo[editar | editar código-fonte]

Após a retirada soviética, a República Democrática do Afeganistão continuou a lidar com ataques dos mujahidin. O governo continuou a receber apoio financeiro e em armas da União Soviética por muitos anos e conseguiu melhorar seu desempenho, mas sofreu um golpe duro quando Abdul Rashid Dostum, um de seus principais generais, passou para o lado dos mujahidin.

Desentendimentos entre os mujahidin[editar | editar código-fonte]

Após tomar o poder, a união dos mujahidin desfez-se e começou um período de lutas entre si. Gulbuddin Hekmatyar foi apontado como o responsável por um devastador ataque de foguetes contra Cabul, e Dostum começou a atacá-lo. Este último juntou suas forças às de Hekmatyar e os combates destruíram grande parte de Cabul, enquanto que o país foi dividido conforme as suas etnias. Em 1994, formou-se o movimento dos talibãs no sul do país, com apoio paquistanês, o qual rapidamente obteve vitórias contra Dostum e o comandante tadjique Ahmad Shah Massoud; em 1996, os talibãs tomaram a capital.

O regime dos talibãs[editar | editar código-fonte]

Após a queda de Cabul, Dostum e Massoud uniram-se para formar a Frente Unida Islâmica para a Salvação do Afeganistão (ou Aliança do Norte). Naquele período, os talibãs continuaram a avançar contra a Aliança até controlar 95% do território afegão. Dostum viu-se forçado a abandonar o Afeganistão, e Massoud foi assassinado em 9 de setembro de 2001.

Envolvimento da OTAN e novo governo afegão[editar | editar código-fonte]

Após os ataques de 11 de setembro de 2001, a Aliança do Norte, com apoio dos OTAN, liderada pelos Estados Unidos, derrubou os talibãs e estabeleceu uma nova república, sob o comando do Presidente Hamid Karzai. Os talibãs constituíram então um movimento de resistência na porção meridional do país e com frequência usam o território paquistanês como refúgio.[carece de fontes?] Foram treze anos de guerra, viu um novo governo afegão ascender ao poder. Gradualmente as tropas dos aliados ocidentais começaram a se retirar da missão principal de combater os rebeldes islamitas e assumir uma posição de apoio as autoridades afegãs a lutar contra os jihadistas. Em dezembro de 2014, os americanos encerraram sua participação como um dos principais protagonistas da guerra, dando ao governo local a responsabilidade de seguir com a guerra. Enquanto isso, a violência se intensificava por todo o país.[4]

Referências

  1. Twentieth "Century Atlas - Death Tolls"
  2. "Twenty-first Century Death Tolls"
  3. Afghanistan Conflict Monitor
  4. Sune Engel Rasmussen. "Nato ends combat operations in Afghanistan", The Guardian, 28 de dezembro de 2014. Página visitada em 31 de janeiro de 2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]