Estado vilão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Estados vilões" como definido pelos Estados Unidos.
  • Estados atualmente considerados "Estados vilões" pelos EUA:
  1. Cuba Cuba[1]
  2. Irão Irã[1]
  3. Sudão Sudão[1]
  4. Síria Síria[1]
  5. Coreia do Norte Coreia do Norte[2]
  • Estados anteriormente considerados "Estados vilões" pelos EUA:
  1. Afeganistão Afeganistão [3]
  2. Iraque Iraque[3]
  3. Flag of Libya (1977-2011).svg Líbia[3]
  4. Flag of FR Yugoslavia.svg Iugoslávia [4] [3]

Estado vilão (em inglês: Rogue state) é um termo controverso usado por alguns teóricos internacionais para denominar os Estados que consideram como uma ameaça a paz mundial. Isto significa que satisfaçam determinados critérios, como ser governado por regimes autoritários que restringem severamente os direitos humanos, patrocinam o terrorismo e buscam a criação e proliferação de armas de destruição em massa. [5] Esse termo é usado na maioria das vezes pelos Estados Unidos, embora tenha sido aplicado por outros países.[6]

Um Estado vilão também pode ser diferenciado dos "Estados párias", como a Birmânia (Myanmar) e o Zimbabwe que abusam dos direitos humanos de suas populações sem serem considerados uma ameaça concreta para além das suas próprias fronteiras, embora os termos sejam por vezes usados ​​como sinônimos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d State Sponsors of Terrorism
  2. Clinton Announces New North Korea Sanctions : NPR
  3. a b c d Analysis: The new bogeymen BBC News (12 de dezembro de 2001).
  4. Politics: Who are today's rogue nations?, Inter Press Service, May 20, 2001
  5. Rogue States?, Arms Control and Dr. A. Q. Khan.
  6. Minnerop, Petra. (2002). "Rogue States – State Sponsors of Terrorism?". German Law Journal, 9.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações Externas[editar | editar código-fonte]