Carbúnculo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Carbúnculo
Bacillus anthracis
Classificação e recursos externos
CID-10 A22
CID-9 022
DiseasesDB 1203
MedlinePlus 001325
eMedicine med/148
MeSH D000881
Star of life caution.svg Aviso médico

Carbúnculo ou antraz[1] - é uma doença infecciosa aguda provocada pela bactéria Bacillus anthracis e a sua forma mais virulenta é altamente letal. É uma zoonose, pois o carbúnculo é uma doença comum dos animais herbívoros selvagens e domésticos, que pode afetar os seres humanos que sejam expostos a animais, carne, lã ou couro infectados.[2]

Causa[editar | editar código-fonte]

O Bacillus anthracis é um bacilo grande Gram-positivo, com cerca de 8 micrómetros por 3, dispostos aos pares ou individualmente. O B. anthracis, como todos os do seu género, produz endósporos quando encontra situações de adversidade. Os esporos do B.anthracis são centrais, aparecendo a meio do bacilo como uma zona mais clara na técnica Gram.

Tem cápsula antifagocítica e produz dois tipos de toxina principais. A toxina causadora de edema é composta de uma porção que reconhece receptor especifico na célula alvo, sendo internalizada por endocitose, e outra com actividade de adenilato ciclase, promovendo a secreção de liquidos. A toxina letal é citotóxica.

Transmissão[editar | editar código-fonte]

Os casos humanos de carbúnculo devem-se normalmente à contato direto com animais infectados ou com couro, ou carne infectados. As vítimas geralmente têm profissões relacionadas com a manipulação de animais ou de produtos derivados.[3]

Virulência[editar | editar código-fonte]

Bacillus anthracis ao microscópio electrónico

Os esporos de carbúnculo têm cerca de 66 a 999 micrómetros, o que significa que podem ser retidos por um LBFV ou um filtro P100. O contágio mediato com carbúnculo disperso no ar pode ser evitado com uma máscara contra gases. As infecções através da pele podem ser evitadas por lavagem com água e sabão, desde que a pele não possua feridas.

A dose letal de carbúnculo é de 8000-10000 esporos. A bactéria do carbúnculo mata através de uma toxina. A virulência de uma variedade de carbúnculo depende da cápsula que a envolve e da toxina. Ambos não são afetados por fatores genéticos. "Os esporos podem sobreviver no solo durante anos, mas dependendo da quantidade de anos."

Rotas de infecção[editar | editar código-fonte]

Antraz pulmonar com alargamento do Mediastino

O carbúnculo pode entrar no corpo humano por três vias[3] :

  • Cutânea, por feridas na pele (quase 95% dos casos);
  • Gastrointestinal, ao consumir carne ou leite contaminados (5% dos casos);
  • Pulmonar, por inalação dos esporos (Menos de 1% dos casos);

O carbúnculo não é contagioso, é pouco provável que se espalhe de pessoa para pessoa. A infecção dá-se quase sempre por exposição a esporos, e não à forma ativa.

Sinais e Sintomas[editar | editar código-fonte]

Infecção de pele por antraz

O período de incubação varia entre 1 a 6 dias, embora períodos superiores (inclusive, 60 dias) têm sido descritos. Pessoas com diabetes, imunidade baixa e pele lesionada são mais vulneráveis.[4]

Infecção cutânea

Também conhecida como doença de Hide-Porters. É caracterizada por formar uma bolha indolor, que se torna uma úlcera negra uma semana ou duas após a exposição. Apenas quando afeta os gânglios linfáticos causa dor. A infecção cutânea é a menos mortal de todas, mas se não for tratada, a infecção pode entrar na corrente sanguínea e causar morte em 20% dos casos.[5]

Infecção pulmonar

A infecção pulmonar por carbúnculo provoca, nos primeiros dias, sintomas semelhantes aos da gripe, seguidos de problemas respiratórios graves, por vezes fatais. Se não for tratada, a infecção por inalação é a mais mortal, com uma taxa de mortalidade de aproximadamente 100%. A infecção pulmonar também é conhecida por Doença de Woolsorter.

Infecção gastrointestinal

A ingestão dos esporos do carbúnculo provoca sérias dificuldades gastrointestinais, vômitos sanguíneos e diarreia. Se não for tratada leva à morte em cerca de 25% a 60% dos casos.

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

Atualmente infecções de carbúnculo são incomuns. Estima-se que em todo o mundo ocorram entre 2.000 e 20.000 casos por ano humanos, sendo 95% cutâneos. As áreas mais comuns são o Oriente Médio, pares tropicais da Ásia, toda a África, região andina, América Central e partes da Europa como Espanha, Irlanda, Suécia e Grécia. Geralmente infectam pessoas que cuidam e consomem produtos de herbívoros domésticos ou selvagens como vacas, cabras, ovelhas, camelos e antílopes. [6]

É mais comum em países em desenvolvimento ou em países sem uma política pública de saúde que ataque o problema, já que as vacinações são a regra nos países desenvolvidos.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Star of life caution.svg
Advertência: A Wikipédia não é consultório médico nem farmácia.
Se necessita de ajuda, consulte um profissional de saúde.
As informações aqui contidas não têm caráter de aconselhamento.

O tratamento para as infecções de carbúnculo cutâneo e gastrointestinal inclui doses elevadas de antibióticos como penicilina, tetraciclinas, eritromicina ou cloranfenicol. Nos casos de infecção pulmonar, o tratamento recomendado é com ciprofloxacina ou doxiciclina, sendo mais eficaz logo após a exposição. Além disso, a profilaxia com antibióticos é crucial nos casos de antraz pulmonar, para salvar vidas.[7]

Prevenção[editar | editar código-fonte]

A vacina utilizada nos Estados Unidos não contém células de B. anthracis e não provoca Anthrax. Vacina contra o antraz foi licenciada em 1970 e foi revalidada em 2008. Protege contra a forma cutânea e pulmonar. É recomendada a todos que trabalhem com herbívoros em países onde o Antraz é mais comum. Essas pessoas devem receber cinco doses da vacina (no músculo): a primeira dose, quando o risco de exposição potencial é identificado e as doses restantes em 4 semanas e aos 6, 12 e 18 meses após a primeira dose. [3]

Ataques biológicos[editar | editar código-fonte]

Os esporos da bactéria podem ser usados em ataques bélicos. Os membros do exército dos Estados Unidos são vacinados rotineiramente antes de partirem em serviço para zonas do mundo onde um ataque biológico é considerado uma ameaça. A vacina do carbúnculo, produzida pela BioPort Corporation, não contém a bactéria viva e consegue prevenir a doença em 93% dos casos.

O carbúnculo pode ser facilmente obtido a partir de animais que morreram da doença.O antraz é raro nos países desenvolvidos, mas comum nos subdesenvolvidos. A cultura de esporos de carbúnculo é extremamente fácil. Um estudante de microbiologia pode fazê-lo com equipamentos muito simples. Mas a produção de carbúnculo sob a forma de aerossol, a forma mais apropriada para a guerra biológica, necessitaria de equipamentos sofisticados e pessoal altamente qualificado.

História[editar | editar código-fonte]

Pasteur, em 1881, realiza a vacinação de ovelhas.

O Bacillus anthracis foi descoberto por Louis Pasteur em 1879. Em 1881, Pasteur e seu auxiliar Charles Chamberland criaram e experimentaram uma vacina publicamente contra o carbúnculo. Pasteur vacinou 25 ovelhas e deixou outras 25 não vacinadas, e depois injectou todas com B.a nthracis. Todas as ovelhas vacinadas sobreviveram, e todas as não vacinadas morreram, constituindo um dos primeiros sucessos da vacinação.

Robert Koch, médico e cientista alemão, foi, em 1877, o primeiro a identificar a bactéria que causa a doença.[8]

Já houve diversos acidentes com o desenvolvimento do carbúnculo como arma biológica, pois requerem mínimos equipamentos e são fáceis de conseguir. Dezenas de pessoas nos EUA e Rússia já foram vítimas de ataques com antraz.[9] .

Ataques nos EUA[editar | editar código-fonte]

Carta enviada contendo esporos de carbúnculo.

Em 2001 e 2002 esporos de antraz de alta virulência foram introduzidos sob a forma de pó em envelopes enviados a várias figuras públicas nos EUA. Houve vários casos de doença, e o governo americano viu-se obrigado, por prevenção, a encomendar grandes doses de ciprofloxacina. Os terroristas ainda são desconhecidos.

Referências

  1. Wikipedia lexikon2.jpg   Nota linguística: A palavra em português grafa-se antraz (derivado da palavra em grego: ánthrax, akos, pelo termo em latim: anthrace)). A grafia antrax, usada sobretudo em inglês é errada em nosso idioma.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]