Helicobacter pylori

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaHelicobacter pylori
EMpylori.jpg

Classificação científica
Reino: Monera
Filo: Proteobacteria
Ordem: Campylobacterales
Família: Helicobacteraceae
Género: Helicobacter
Espécie: H. pylori
Nome binomial
Helicobacter pylori
(Goodwin et al., 1989)
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Helicobacter pylori

Helicobacter pylori é uma espécie de bactéria que infecta a mucosa do estômago humano. Muitas úlceras pépticas, alguns tipos de gastrite e de cancro do estômago são causados pela infeção por H. pylori, apesar de a maioria dos humanos infetados nunca chegar a manifestar qualquer tipo de sintomatologia e/ou complicação relacionada com a bactéria.

Estas bactérias vivem quase exclusivamente no estômago humano e duodeno, sendo o único organismo conhecido capaz de colonizar esse ambiente muito ácido, em parte pela sua capacidade de secretar urease, que transforma a ureia presente no ácido gástrico em amônia, elevando o pH ao redor da bactéria possibilitando sua colonização. As bactérias têm formato de hélice (daí o nome helicobacter) e a forma espiralada permite-lhes "atravessar" com mais facilidade a camada de muco que protege o epitélio gástrico.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Em 1875, cientistas alemães encontraram bactérias espirais na mucosa gástrica - essas bactérias não cresceram em culturas in vitro e os achados foram esquecidos.[2] Em 1892 o investigador italiano Giulio Bizzozero descreveu bactérias espiraladas colonizando o ambiente ácido do estômago de cães. Os primeiros relatos da presença de microrganismos em forma de “espiroquetas” na mucosa gástrica de animais tiveram inicio no final do século XIX em estudos realizados por Giulio Bizzozero em 1893. Em suas observações anatômicas da mucosa gástrica de cães, Bizzozero relatou a presença de “espiroquetas” habitando glândulas gástricas e ilustrou com as próprias mãos, organismos gram-negativos no interior dessas células. [3] O Trabalho de Bizzozero foi estendido por Salomon, que foi capaz de propagar esses organismos em estômagos de ratos após a ingestão forçada de mucosa gástrica infectada de gatos e cães. [4]

A primeira observação de microrganismos no estômago de humanos foi realizada por Krienitz em pacientes com carcinoma gástrico no inicio do século XX [5] , que mais tarde foi confirmada por Luger e Neuberger que ainda relatou a raridade desses microrganismos na mucosa gástrica e suco gástrico de indivíduos com mucosa gástrica saudável [6] . O professor Walery Jaworski da Universidade Jaguelônica, em Cracóvia, investigando sedimentos de lavagem gástrica obtidos de um humano em 1899, também observou a presença de um micro-organismo de forma espiral, que chamou de Vibrio rugula. Ele foi o primeiro a sugerir o possível papel deste organismo na patogênese de doenças gástricas. Este trabalho foi incluído no "Handbook of Gastric Diseases", mas não teve muito impacto por ter sido escrito em polonês.[7]

Desde então foram reportadas várias observações desses microrganismos na mucosa gástrica de indivíduos com úlceras pépticas e carcinomas gástricos [8] . Em 1940, utilizando técnicas de coloração de prata, Freedberg e Baron encontraram “espiroquetas” em aproximadamente 40% das biopsias analisadas de pacientes submetidos à cirurgia gástrica e que, após tratamento com alguns tipos de metais pesados como mercúrio e bismuto, em alguns casos ocorria a remissão da úlcera péptica. Foram os pioneiros ao suspeitar que esses microrganismos pudessem ser agentes etiológicos de úlceras, porém seu trabalho foi ignorado por especialistas, que na época e por durante décadas adiante, atribuíram a ocorrência de úlceras ao estresse [9] . [10]

Até que em 1979, Robin Warren, um patologista australiano, começou a notar bactérias curvas frequentemente presentes em biopsias gástricas submetidas a exames histológicos. Estes organismos não estavam presentes no interior da mucosa gástrica e sim no muco que cobre o tecido (WARREN, MARSHALL, 1983). Warren encontrou que organismos similares, encontrados na mucosa gástrica tinham sido descritos no final do século XIX por patologistas europeus, mas naquela época não foi possível o isolamento de tais organismos que permaneceram esquecidos por gerações de médicos e patologistas (DUNN et al., 1997).

Interessados nessas observações, Barry Marshall e Robin Warren, procuraram isolar os organismos a partir de amostras de biopsias gástricas. Baseados na aparência curva, gram-negativa do organismo, os pesquisadores utilizaram a metodologia para isolamento de espécie de Campylobacter, que envolvia a inoculação da amostra de biópsia em meio seletivo e a incubação das culturas em condições microaeróbicas. Em 1982 Warren e Marshall isolaram, pela primeira vez, a bactéria Helicobacter pylori, e iniciaram uma nova era na microbiologia gástrica (WARREN, MARSHALL, 1983; JONES et al., 1984).

No entanto, a comunidade médica na época demorou a reconhecer o papel deste micro-organismo nas úlceras gástricas e gastrites, por acreditar que nenhuma bactéria pudesse sobreviver muito tempo no ambiente ácido do estômago que até então acreditava-se que o estômago era um ambiente estéril. Determinado a provar que o novo microrganismo estaria relacionado com as alterações gástricas, Marshall ingeriu uma solução de cultura contendo H. pylori, e após alguns dias Marshall realizou o exame de endoscopia onde foi possível observar alterações gástricas na biópsia coletada comparada com biópsias coletadas anteriormente a ingestão da cultura. As bactérias causadoras da gastrite foram recuperadas a partir de biópsias do seu estômago, satisfazendo assim três dos quatro postulados de Koch. O quarto foi satisfeito pós uma segunda endoscopia feita dez dias depois da inoculação revelando sinais de gastrite e a presença da H. pylori. Marshall curou-se após o uso de antibióticos por 10 dias, demonstrando que os antibióticos eram efetivos no tratamento de gastrites.

Em 1994, o National Institutes of Health (EUA) publicou uma nota declarando que muitas úlceras gástricas recorrentes são causadas por H. pylori, e recomendou que os antibióticos sejam incluídos no tratamento.[11] Acumularam-se evidencias sugerindo que as úlceras duodenais também estão associadas à infeção por H. pylori [12] [13]

Em 2005, Warren and Marshall foram premiados com o Premio Nobel em Medicina pelos seus trabalhos com H. pylori.[14]

Antes do reconhecimento do papel da bactéria, as úlceras gástricas eram tipicamente tratadas por neutralização ou diminuição da produção do ácido gástrico. Quando esse tratamento era interrompido, as úlceras frequentemente reapareciam. Um tradicional medicamento utilizados no tratamento de gastrites era o subsalicilato de bismuto, o medicamento era muito efetivo, mas caiu em desuso porque seu mecanismo de ação era um mistério além de ser extremamente toxico ao paciente, sendo responsável por lesões gástricas. Atualmente, muitas úlceras gástricas são tratadas com antibióticos efetivos contra H. pylori.

A bactéria foi inicialmente nomeada Campylobacter pyloridis, posteriormente C. pylori (depois de uma correção para a gramática Latina) e em 1989, após o sequenciamento da fração 16S do rDNA e outros dados demonstraram que a bactéria não pertencia ao gênero Campylobacter, então foi colocada em seu próprio gênero, Helicobacter. Esta confusão na sua classificação acabou por atrasar as pesquisas, uma vez que Marshall não conseguia reproduzir as bactérias em laboratório pois, acreditando ser uma Campylobacter, esperava que as culturas estivessem prontas em 48 horas. Até que o acaso deu uma ajuda: num feriado prolongado, as culturas ficaram cinco dias intactas no laboratório e puderam se desenvolver, para surpresa do pesquisador..[15]

Enquanto H. pylori permanece como a bactéria mais importante que coloniza o estômago humano, muitas outras espécies do género Helicobacter foram identificadas noutros mamíferos e em algumas aves, e algumas destas podem infectar humanos. Algumas espécies de Helicobacter foram também encontradas no fígado de certos mamíferos, estando associadas ao desenvolvimento de doenças hepáticas.

Gênero Helicobacter[editar | editar código-fonte]

Durante três anos, Marshall e Warren observaram a presença de pequenos bacilos curvos em forma de “S” em cortes histológicos de biópsias gástricas, e verificaram que sua presença estava relacionada com a inflamação da mucosa gástrica. A observação morfológica desses bacilos ao microscópico óptico demonstrou semelhanças dos bacilos com bactérias do gênero Campylobacter [16] . Devido a sua semelhança morfológica, as condições técnicas para o isolamento do Campylobacter por cultura foram utilizadas em amostras de biópsias gástricas (MARSHALL et al., 1984). A bactéria foi inicialmente denominada Campylobacter pyloridis e foi isolada de todos os pacientes com úlcera duodenal e da maioria dos pacientes com úlcera gástrica, sendo considerado um fator importante no desenvolvimento de úlceras pépticas [17] . Alguns anos mais tarde, de acordo com a International Code of Nomenclature of Bacterial, sua nomenclatura foi revisada para Campylobacter pylori [18] .

Contudo, diversos estudos comparativos indicavam que o C. pylori não pertencia ao gênero Campylobacter. Em 1985, Goodwin e colaboradores, relatou que ácidos graxos e as principais características ultraestruturais do C. pylori eram muito diferentes das outras bactérias do mesmo gênero[19] . Relatou ainda que lipídeos de membrana, como a menaquinone 6 (MK-6), uma das formas de vitamina K2, característica do gênero Campylobacter.eram ausentes em C. pylori; e mais, a suscetibilidade a antibióticos também era diferente entre as espécies [20] . Análises comparativas nas sequencias do RNA ribossômico 5S e 16S determinou a posição filogenética da C. pylori e indicou claramente que esta não deveria ser incluída no gênero Campylobacter, apresentando uma maior relação com Wolinella succinogenes. Entretanto, foram encontradas diferenças entre essas espécies que caracterizam gêneros diferentes [21] [22] [23] [24] . Com base em varias diferenças fenotípicas e análises dos genes que codificam as subunidades de rRNA, a C. pylori deveria ser incluída em um novo gênero [25] . Assim, a bactéria isolada por Marshall e Warren a partir de biópsias gástricas passou a ser incluída no gênero Helicobacter e o nome da espécie passou a ser Helicobacter pylori Outras bactérias do mesmo gênero foram isoladas de diversos animais.

Atualmente, ao menos 24 espécies de Helicobacter foram identificadas e formalmente nomeadas e outras mais ainda esperam para serem formamente nomeadas [26] . Espécies como Helicobacter canis, Helicobacter pullorum, Helicobacter cinaedi, Helicobacter fennelliae, Helicobacter canadansis entre outras colonizam as criptas intestinais e são frequentemente associadas a doenças do trato intestinal como diarreia e doença de Crohn, podendo levar a bacteremia e doenças sistêmicas em pacientes imunocomprometidos. Duas espécies, Helicobacter heiilmannnii e Helicobacter felis, estão associadas com gastrite em animais e eventualmente colonizam o trato digestivo e foram associadas a doenças gástricas em humanos [27] [28] . Até o momento, a bactéria H. pylori está associada exclusivamente ao hospedeiro humano e pode ser considerado o organismo dominante da microbiota do estômago humano.[29] .

Aspectos clínicos e epidemiológicos[editar | editar código-fonte]

A Helicobacter pylori é uma bactéria de forma espiral, Gram-negativa, microaerófila, associada exclusivamente a células da mucosa gástrica [30] , sendo agente causador da gastrite crônica, úlcera péptica e duodenal e está associada com o incremento do câncer e linfoma gástricos [31] .

A infeção gástrica causada por H. pylori é considerada a mais comum das infeções humanas [32] . A maioria dos estudos sugere que homens e mulheres são infectados igualmente por H. pylori. A hipótese mais aceita sobre o modo de transmissão desta bactéria é diretamente de pessoa para pessoa através da via oral-oral e fecal-oral [33] . A H. pylori tem sido encontrada na saliva, placa dentária e fezes, demonstrando que as cavidades oral e fecal estão possivelmente envolvidas na transmissão da bactéria [34] . Além disso, sua presença no suco gástrico indica a possibilidade de transmissão oral-oral [35] . A presença de H. pylori no suco gástrico de pacientes infectados sugere que o vomito e o refluxo esofágico possam ser considerados como um meio de propagação do microrganismo. Desse modo, propõe-se uma maior atenção a possível transmissão gastro-oral, que ocorreria quando um indivíduo entrasse em contato com vomito contaminado [36] .

A prevalência da infeção por H. pylori varia muito por área geográfica, idade, raça e está intimamente relacionada com condições socioeconômicas e sanitárias [37] . Os sintomas decorrentes da doença gástrica surgem na vida adulta, entretanto a aquisição de H. pylori ocorre na infância [38] . A bactéria está presente em mais da metade da população mundial, sendo que mais de 30% da população dos países desenvolvidos e mais de 80% dos indivíduos que vivem nos países em desenvolvimento são portadores desta bactéria [39] .

Estrutura Bacteriana[editar | editar código-fonte]

Estrutura da H. pylori

H. pylori é uma bactéria gram-negativa, tem forma espiral, mede aproximadamente 3 micrómetros de comprimento e 0,5 micrómetros de diâmetro. Tem entre 4 a 6 flagelos unipolares. É microaerofilica, i.e. requer oxigénio em baixas quantidades. Contém hidrogenase que pode ser usada para obter energia através da oxidação do hidrogênio molecular (H2) que é produzido por outras bactérias intestinais.[40] Sendo teste positivo para oxidase e catalase.

Modelo molecular da ureáse de H. pylori

Com seus flagelos e forma espiral, a bactéria penetra no muco gástrico e pode ser encontrada no muco gástrico ou na superfície do células epiteliais. Produz adesinas que permitem a sua adesão quer ao muco, quer às células epiteliais. Produz a enzima urease, que converte ureia em amônia e CO2 que posteriormente é convertido a bicarbonato. A liberação da amónia é benéfica para a bactéria, já que neutraliza parcialmente o ambiente ácido do estômago. Pensa-se que a amónia, juntamente com proteínas de H. pyloricomo proteases, catalases e fosfolipases, causem danos nas células epiteliais. Uma descoberta recente é que algumas estirpes de H. pylori têm um mecanismo particular para "injectar" o agente inflamatório peptidoglicano, presente na sua própria parede celular, nas células epiteliais do estômago (veja mais adiante). Permanece desconhecido como este mecanismo é vantajoso para a bactéria.[41]

Em certas condições de stress ambiental, Helicobacter converte-se de forma espiral em forma cocoide. A forma cocoide do micro-organismo não pode ser cultivada, mas já foi encontrada no abastecimento de água no EUA, suspeitando-se que esta possa ser um meio de transmissão da bactéria. Foi descrito que as forma cocoides têm capacidade de aderir a células epiteliais gástricas "in vitro".

Infeção[editar | editar código-fonte]

A infeção pode ser sintomática ou assintomática (não apresenta os sintomas da doença). Estima-se que até 70% das infeções são assintomáticas e que aproximadamente 2/3 da população mundial são infetadas pela bactéria, tornando-se a infeção mais difundida no mundo. Taxas de infeção atuais variam de nação a nação – o ocidente (Europa Ocidental, Norte América, Australásia) apresentam taxas ao redor 25% e sendo muito mais elevado em países em desenvolvimento. Além do mais é comum, provavelmente devido às pobres condições sanitárias, achar infeções em crianças. Nos Estados Unidos a infeção está principalmente nas gerações mais velhas (aproximadamente 50% para indivíduos acima de 60 anos comparada com 20% para indivíduos abaixo de 40 anos) e os mais pobres. Isto é principalmente atribuído a padrões de higiene mais altos e uso difundido de antibióticos. Porém, a resistência antibiótica está aparecendo em H. pylori.[42] Já existem muitas cepas resistentes a metronidazol na Europa, Estados Unidos, e está se desenvolvendo em outros países.

As bactérias têm sido isoladas de fezes, saliva e placa dentária de pacientes infectados, sugerindo vias gastro-oral e/ou fecal-oral como possíveis vias de transmissão.

Devido à incapacidade do sistema imunológico em eliminar esse micro-organismo, acredita-se que na ausência de tratamento, a primeira infeção por H. pylori pode persistir por toda a vida. Porém nos idosos é provável que a infeção possa desaparecer à medida que a mucosa do estômago vai-se atrofiando e inviabilizando a infeção. A proporção de infeções agudas que persistem não é conhecida mas muitos estudos que investigaram a história natural da doença têm demonstrado aparente eliminação espontânea [43] .[44]

Diagnóstico e tratamento[editar | editar código-fonte]

Coloração Imuno-histoquímica de H. pylori de uma biópsia gástrica.

Testes para diagnóstico da infeção por H. pylori incluem métodos invasivos e não invasivos. As técnicas utilizadas podem ser diretas, que demonstram a presença da bactéria por cultura ou microscopia, ou indiretas, utilizando urease, antígenos nas fezes ou uma resposta de anticorpos como um marcador da doença [45] . O diagnóstico de H. pylori é realizado, geralmente, por testes invasivos, como a análise histológica de biópsias obtidas durante exame endoscópico, a qual também permite a avaliação da mucosa gástrica [46] . Os testes não invasivos incluem o teste sorológico, teste respiratório da ureia e o teste de excreção urinária da amônia. Estes não requerem a endoscopia, porém a dificuldade da preparação de antígenos específicos da bactéria e a presença de bactérias que hidrolisam ureia na cavidade oral diminuem a especificidade e a sensibilidade do diagnóstico. Portanto, os métodos não invasivos são indicados para o diagnóstico após tratamento da infeção para verificar a erradicação da H. pylori [47] .

Outros testes realizados a partir de biópsias gástricas consistem no teste rápido da urease, baseado na hidrólise da ureia por H. pylori e isolamento por cultura, método considerado padrão ouro para determinação da susceptibilidade de H. pylori aos antibióticos, in vitro. Porém, devido ao seu crescimento lento e exigências particulares para o cultivo, este método não é utilizado na maioria dos laboratórios clínicos de rotina, principalmente em países em desenvolvimento [48] . Além disso, a deteção de H. pylori em cultura pode ser influenciada pelo uso prévio de alguns medicamentos, usados por pacientes em tratamento de dispepsia, como omeprazol, antimicrobianos, bismuto ou benzocaínas [49] .

Com o avanço das técnicas de análise de ácidos nucleicos, o diagnóstico de H. pylori tem sido feito também por reação em cadeia da polimerase (PCR), em conjunto com a análise histológica, resultando em alta sensibilidade e especificidade [50] , podendo ser realizado a partir de amostras de biopsia gástrica, suco gástrico, placa dentária, saliva, cultura e fezes [51] . Assim, testes moleculares para identificação de mutações associadas à resistência a antibióticos presentes em genes de H. pylori são de grande utilidade para estudos em larga escala e para a prática clínica [52] .

A infeção por H. pylori persiste pela vida, ao menos que tratada com terapia antibacteriana. A cura da infeção por H.pylori resulta na cicatrização da úlcera e na potencial redução do risco de câncer e linfoma gástricos. Os índices de erradicação de H. pylori após antibioticoterapia estão próximos de 80% [53] , variando de país para país e regionalmente, dentro dos países.[54] [55]

Uma vez detectada a H. pylori na mucosa do estômago de pacientes com doença gástrica, o tratamento indicado consiste em regime triplo ou quádruplo, incluindo os antibióticos metronidazol, claritromicina, amoxicilina ou tetraciclina e um inibidor de bomba de próton como omeprazol, lansoprazol ou pantoprazol[56] . Ainda não há um regime padrão para tratamento da infeção por H. pylori, sendo frequente a ocorrência de indivíduos que não respondem aos medicamentos, mantendo a infeção [57] [58] . Vários fatores contribuem para essa baixa taxa de cura após tratamento da infeção por H. pylori incluindo a ineficiência da penetração do antibiótico na mucosa gástrica, a inativação do antibiótico pela secreção ácida do estômago, a falta de adesão do tratamento pelo paciente [59] [60] e principalmente, casos emergentes e aumento de cepas de H. pylori resistentes a antibióticos [61] .

O estilo de vida também pode influenciar na extensão da infeção por H. pylori e no tratamento. Um estudo realizado na Alemanha [62] sugere que o consumo de álcool pode ser um protetor contra a infeção pelo patógeno em questão. A prevalência da infeção diminuiu significativamente entre pessoas que bebiam mais que 75g de etanol por semana comparado com pessoas que não faziam uso de tal quantidade. A bebida alcoólica estimula a secreção de ácido e o esvaziamento gástrico e, portanto, não permite a instalação da H. pylori na mucosa gástrica. O estudo alemão também evidenciou uma alta taxa de infeção (20%) entre pessoas que ingerem três ou mais copos de café por dia. Além disso, as taxas de infeção também são significativamente altas entre fumantes (25 %) comparados aos não fumantes (18 %).

Além do supracitado, também interferem no tratamento de H. pylori: a idade avançada, alta carga intragástrica de bactéria antes do tratamento, genótipo bacteriano, e o polimorfismo das isoenzimas citocromo P-450 do hospedeiro [63] . As isoenzimas citocromo P450 humanas interagem especificamente com os inibidores das bombas de próton utilizados para tratamento da infeção bacteriana [64] . A aderência dos pacientes ao tratamento é particularmente importante para a erradicação completa da infeção e pode ser aumentada através da informação ao paciente para que esse tenha compromisso com o tratamento. No entanto, assim como na maioria das doenças infecciosas, a resistência aos antibióticos é a principal causa do fracasso do tratamento [65] .

Associação com câncer gástrico[editar | editar código-fonte]

O câncer gástrico e o linfoma MALT (linfoma da mucosa associada ao tecido linfoide) foi associado com H. pylori, e a bactéria foi categorizada como um carcinógeno grupo I pela Agência Internacional para Pesquisa em Câncer (IARC em inglês). Embora esta associação seja razoavelmente forte, não esta completamente claro se há uma relação causal envolvida.

Três mecanismos relacionados pelo qual a H. pylori poderiam promover câncer estão sob investigação. Um mecanismo envolve o aumento da produção de radical livres aumentando a taxa de mutação nas células do hospedeiro. O outro mecanismo proposto foi chamado "via perigenética" [66] e envolve o aumento da transformação do fenótipo das células do hospedeiro por meio de alterações nas proteínas celulares como proteínas de adesão. Foi proposto que a H. pylori induz inflamação e altos níveis locais de TNF-alfa e/ou interleucina 6. De acordo com o mecanismo de perigenético proposto, moléculas de sinalização associadas à inflamação como TNF-alfa podem alterar adesão as células epiteliais gástricas e levar à dispersão e migração de células epiteliais transformadas sem a necessidade de mutações adicionais nos genes supressores de tumor como genes que codificam proteínas para adesão celular. Um terceiro mecanismo que a bactéria poderia levar ao câncer se da pelo acumulo de amônia, resultado da quebra da ureia, nas células gástricas. O acumulo de amônia resulta em diminuição ou a ausência total de secrecao gástrica levando ao quadro de gastrite atrófica, que é considera uma lesão pré câncer.

Refluxo ácido e câncer esofágico[editar | editar código-fonte]

As taxas de infeção por H. pylori têm diminuído em países em desenvolvimento, presumivelmente por causa da melhora das condições de higiene e aumento do uso de antibióticos. Portanto, a incidência de câncer gástrico no EUA diminuiu 80% no intervalo de 1900 a 2000. Porém, doença de refluxo gastroesofágico e câncer esofágico aumentou dramaticamente durante o mesmo período. Em 1996, Martin J. Blaser postulou a teoria que H. pylori também poderiam ter um efeito benéfico, regulando a acidez do conteúdo estomacal, diminuindo o impacto de regurgitação de ácido gástrico no esôfago. Enquanto alguma evidência favorável foram acumuladas, a partir de 2005 a teoria não é mais aceitada universalmente.

Estudo genômico[editar | editar código-fonte]

M.E. fotografia da H. pylori

Actualmente, o genoma de várias estirpes de H. pylori foi completamente seqüenciado. As primeiras estirpes a terem o seu genoma sequenciado foram a 26695 e a J99 [67] O genoma da estirpe 26695 consiste em aproximadamente 1.7 milhão de pares de bases, com cerca de 1550 genes. As estirpes 26695 e J99 mostram diferenças genéticas, com até 6% de diferença nos nucleotídes.

O estudo do genoma de H. pylori é centrado na tentativa de compreender a patogênese, a habilidade deste organismo para causar doença. Há 62 genes na categoria "patogênese" no banco de dados do genoma. As estirpes seqüenciadas têm Cag (ilha de patogenicidade) longas de aproximadamente 40 kb (uma sucessão de genes que se acredita ser responsável pela patogênese) contendo mais de 40 genes. Esta ilha de patogenicidade está normalmente ausente em estirpes de H. pylori isoladas de indivíduos assintomáticos.

O gene cagA de H. pylori codifica uma proteína considerada um factor de virulência. Estirpes bacterianas que têm o gene cagA estão associadas com uma maior capacidade de causar úlcera péptica. Este gene codifica uma proteína relativamente longa (1186 aminoácido). A proteína do cagA é transportada as células humanas onde pode romper o funcionando normal do citoesqueleto. A ilha de patogenicidade Cag tem aproximadamente 30 genes que codificam um complexo de transporte, o sistema de secreção tipo IV. Apos anexação da H. pylori a células epiteliais do estômago, a proteína cagA é injetada nas células epiteliais pelo "sistema de secreção tipo IV". A proteína cagA é fosforilada em resíduos específicos de tirosina por uma tirosina cinase associada a membrana das células do hospedeiro. Cepas patogênicas de H. pylori foram demonstradas ativando os receptores de fator de crescimento epidérmico (EGFR em inglês), uma proteína de membrana com um domínio tirosina cinase. A ativação do EGFR pela H. pylori são associados com a transdução de sinais e expressão gênica alteradas nas células epiteliais do hospedeiro que podem contribuir para a patogênese. Também foi sugerido que uma região c-terminal da proteína cagA (aminoácidos 873-1002) poderia regular a transcrição de genes da célula do hospedeiro independente de sua fosforilação . Acredita-se, devido a baixa quantidade relativa de GC comparado com o resto do genoma da helicobacter, que o gene cagA+ foi adquirido através de transferência horizontal de outras espécies bacterianas.

Cada população humana tem uma distribuição característica das cepas de H. pylori que tipicamente infetam os membros daquela população. Isto permite aos pesquisadores usar a H. pylori para estudar padrões de migração humana. Poderia ser estabelecido que H. pylori em índios amazônicos tem origem no leste asiático e não na Europa, sugerindo que os imigrantes originais chegaram há pelo menos 11000 anos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Campylobacter and Helicobacter Medical Microbiology 4a. edição, Samuel Baron (editor), 1996
  2. Blaser MJ An Endangered Species in the Stomach Scientific American, 2005, 292(2)2, 38–45
  3. Figura N, Oderda G. Reflections on the first description of the presence of Helicobacter species in the stomach of mammals. Helicobacter 1996;1(1):4-5.
  4. Salomon H. Ueber das spirillum saugetiermagens und sien verhalten zu den belegzellen. Bakteriol 1896;19.
  5. Krienitz W. Ueber das Auftreten von Spirochäten verschiedener Form im Mageninhalt bei Carcinoma ventriculi. Dtsch Med Wochenschr 1906;32.
  6. Luger A, Neuberger H. Über Spirochätenbefunde im Magensaft und deven diagnostische Bedeutung fur das Carcinoma ventriculi. Zeit. f. Klin. Med. 1921;92(54).
  7. Konturek JW. (2003 Dec). "Discovery by Jaworski of Helicobacter pylori and its pathogenetic role in peptic ulcer, gastritis and gastric cancer". J Physiol Pharmacol. 54 Suppl 3: 23–41. PMID 15075463.
  8. Doenges JL. Spirochaetes in gastric glands of Macacus rhesus and humans without definite history of related disease. Proceedings of The Society for Experimental Biology and Medicine 1938;38:536-8.
  9. Freedberg AS, Barron LE. The presence of spirochetes in human gastric mucosa. The american journal of digestive disease. 1940;7(10):443-5.
  10. Stafford N. Abraham Stone Freedberg. BMJ 2010;340.
  11. Helicobacter pylori in peptic ulcer disease NIH Consensus Statement Online Jan 7–9;12(1):1-23. Visitado em 2004-21-12.
  12. Pietroiusti A, Luzzi I, Gomez MJ, Magrini A, Bergamaschi A, Forlini A, Galante A.. (Abril 2005). "Helicobacter pylori duodenal colonization is a strong risk factor for the development of duodenal ulcer.". PMID 15801926.
  13. Helicobacter pylori infection induces duodenitis and superficial duodenal ulcer in Mongolian gerbils
  14. The Nobel Prize in Physiology or Medicine 2005 awarded to Barry J. Marshall and J. Robin Warren "for their discovery of the bacterium Helicobacter pylori and its role in gastritis and peptic ulcer disease".
  15. MEYERS, MA. Happy Accidents: Serendipity in modern medical breakthroughs. New York: Arcade Publishing. 2008.
  16. Warren JR, Marshall BJ. Unidentified curved bacilli on gastric epithelium in active chronic gastritis. Lancet 1983;1(8336):1273-5.
  17. Marshall B, Royce H, Annear DI, Goodwin CS, Pearman JW, Warren JR, Armstrong JA. Original isolation of Campylobacter pyloridis from human gastric mucosa. Microbios Letters 1984;25:83-8.
  18. Marshall B, Goodwin CS. Revised Nomenclature of Campylobacter pyloridis. Int J Syst Bacteriol 1987;37(1):68.
  19. Goodwin CS, Mcculloch RK, Armstrong JA, Wee SH. Unusual cellular fatty acids and distinctive ultrastructure in a new spiral bacterium (Campylobacter pyloridis) from the human gastric mucosa. J Med Microbiol 1985;19(2):257-67.
  20. Goodwin CS, Collins MD, Blincow E. The absence of thermoplasma quinones in Campylobacter pyloridis and its temperature and pH growth range. Microbios Letters 1986;32:137-40.
  21. Lau PP, Debrunner-Vossbrinck B, Dunn B, Miotto K, Macdonnell MT, Rollins DM, Pillidge CJ, Hespell RB, Colwell RR, Sogin ML, Fox GE. Phylogenetic diversity and position of the genus Campylobacter. Syst Appl Microbiol 1987;9:231-8.
  22. Romaniuk PJ, Zoltowska B, Trust TJ, Lane DJ, Olsen GJ, Pace NR, Stahl DA. Campylobacter pylori, the spiral bacterium associated with human gastritis, is not a true Campylobacter sp. J Bacteriol 1987;169(5):2137-41.
  23. Paster BJ, Dewhirst FE. Phylogeny of Campylobacters, Wolinellas, Bacteroides gracilis, and Bacteroides ureolyticus by 16S Ribosomal Ribonucleic Acid Sequencing. Int J Syst Bacteriol 1988;38(1):56-62.
  24. Thompson LM, Smibert RM, Johnson JL, Krieg NR. Phylogenetic Study of the Genus Campylobacter. Int J Syst Bacteriol 1988;38(2):190-200.
  25. Goodwin CS, Armstrong JA, Chilvers T, Peters M, Collins MD, Sly L, Mcconnell W, Harper WES. Transfer of Campylobacter pylori and Campylobacter mustelae to Helicobacter gen. nov. as Helicobacter pylori comb. nov. and Helicobacter mustelae comb. nov., Respectively. Int J Syst Bacteriol 1989;39(4):397-405.
  26. Fox JG. The non-H pylori helicobacters: their expanding role in gastrointestinal and systemic diseases. Gut 2002;50(2):273-83.
  27. Fox JG. The non-H pylori helicobacters: their expanding role in gastrointestinal and systemic diseases. Gut 2002;50(2):273-83.
  28. Rossi M, Hanninen ML. Helicobacter spp. other than H. pylori. Helicobacter 2012;17 Suppl 1:56-61.
  29. Cover TL, Blaser MJ. Helicobacter pylori in health and disease. Gastroenterology 2009;136(6):1863-73.
  30. Ge Z, Taylor DE. Contributions of genome sequencing to understanding the biology of Helicobacter pylori. Annu Rev Microbiol 1999;53:353-87.
  31. Murray PR, Baron EJ, Pfaller MA, Tenover FC, Yolken RH. Manual of Clinical Microbiology. 7th. Amer Society for Microbiology, 1999. 1773 ISBN 1555811264.
  32. Atherton JC, Cao P, Peek RM, Jr., Tummuru MK, Blaser MJ, Cover TL. Mosaicism in vacuolating cytotoxin alleles of Helicobacter pylori. Association of specific vacA types with cytotoxin production and peptic ulceration. J Biol Chem 1995;270(30):17771-7.
  33. Dunn BE, Cohen H, Blaser MJ. Helicobacter pylori. Clin Microbiol Rev 1997;10(4):720-41.
  34. Momtaz H, Souod N, Dabiri H, Sarshar M. Study of Helicobacter pylori genotype status in saliva, dental plaques, stool and gastric biopsy samples. World J Gastroenterol 2012;18(17):2105-11.
  35. Mendall MA, Northfield TC. Transmission of Helicobacter pylori infection. Gut 1995;37(1):1-3.
  36. Ribeiro ML, Godoy AP, Benvengo YH, Ecclissato CC, Mendonca S, Pedrazzoli J, Jr. The influence of endoscopic procedures upon the contamination of Helicobacter pylori cultures. Arq Gastroenterol 2004;41(2):100-3.
  37. Duque X, Vilchis J, Mera R, Trejo-Valdivia B, Goodman KJ, Mendoza ME, Navarro F, Roque V, Segundo M, Torres J, Correa P. Natural History of Helicobacter pylori Infection in Mexican Schoolchildren: Incidence and Spontaneous Clearance. J Pediatr Gastroenterol Nutr 2012.
  38. Ernst PB, Gold BD. Helicobacter pylori in childhood: new insights into the immunopathogenesis of gastric disease and implications for managing infection in children. J Pediatr Gastroenterol Nutr 1999;28(5):462-73.
  39. Covacci A, Telford JL, Del Giudice G, Parsonnet J, Rappuoli R. Helicobacter pylori virulence and genetic geography. Science 1999;284(5418):1328-33.
  40. Jonathan W. Olson and Robert J. Maier. Molecular Hydrogen as an energy source for Helicobacter pylori. Science 298.5599 (29 Nov, 2002): pp.1788-1790. PMID 12459589
  41. Viala, Jérôme; Chaput, Catherine; Boneca, Ivo G; Cardona, Ana; Girardin, Stephen E; Moran, Anthony P; Athman, Rafika; Memet, Sylvie; Huerre, Michel R; Coyle, Anthony J; DiStefano, Peter S; Sansonetti, Philippe J; Labigne, Agnès; Bertin, John; Philpott, Dana J; Ferrero, Richard L. (2004). "Nod1 responds to peptidoglycan delivered by the Helicobacter pylori cag pathogenicity island". Nature Immunol 5: 1166–74. doi:10.1038/ni1131, PMID 15489856.
  42. H. pylori antibiotic resistance: prevalence, importance, and advances in testing
  43. name=Goodman_2005>Goodman K, O'rourke K, Day R, Wang C, Nurgalieva Z, Phillips C, Aragaki C, Campos A, de la Rosa J. (2005). "Dynamics of Helicobacter pylori infection in a US-Mexico cohort during the first two years of life.". Int J Epidemiol 34 (6): 1348-55. PMID 16076858.
  44. Goodman K, Cockburn M. (2001). "The role of epidemiology in understanding the health effects of Helicobacter pylori.". Epidemiology 12 (2): 266-71. PMID 11246592.
  45. Hunt RH, Xiao SD, Megraud F, Leon-Barua R, Bazzoli F, Van Der Merwe S, Vaz Coelho LG, Fock M, Fedail S, Cohen H, Malfertheiner P, Vakil N, Hamid S, Goh KL, Wong BC, Krabshuis J, Le Mair A. Helicobacter pylori in developing countries. World Gastroenterology Organisation Global Guideline. J Gastrointestin Liver Dis 2011;20(3):299-304.
  46. Mcnamara D, O'morain C. Consensus guidelines: agreement and debate surrounding the optimal management of Helicobacter pylori infection. Can J Gastroenterol 2000;14(6):511-7.
  47. Vakil N, Vaira D. Non-invasive tests for the diagnosis of H. pylori infection. Rev Gastroenterol Disord 2004;4(1):1-6.
  48. Woo HY, Park DI, Park H, Kim MK, Kim DH, Kim IS, Kim YJ. Dual-priming oligonucleotide-based multiplex PCR for the detection of Helicobacter pylori and determination of clarithromycin resistance with gastric biopsy specimens. Helicobacter 2009;14(1):22-8.
  49. Hartzen SH, Andersen LP, Bremmelgaard A, Colding H, Arpi M, Kristiansen J, Justesen T, Espersen F, Frimodt-Moller N, Bonnevie O. Antimicrobial susceptibility testing of 230 Helicobacter pylori strains: importance of medium, inoculum, and incubation time. Antimicrob Agents Chemother 1997;41(12):2634-9.
  50. Mcnulty CA, Lehours P, Megraud F. Diagnosis of Helicobacter pylori Infection. Helicobacter 2011;16 Suppl 1:10-8.
  51. Momtaz H, Souod N, Dabiri H, Sarshar M. Study of Helicobacter pylori genotype status in saliva, dental plaques, stool and gastric biopsy samples. World J Gastroenterol 2012;18(17):2105-11.
  52. Chisholm SA, Owen RJ, Teare EL, Saverymuttu S. PCR-based diagnosis of Helicobacter pylori infection and real-time determination of clarithromycin resistance directly from human gastric biopsy samples. J Clin Microbiol 2001;39(4):1217-20.
  53. Chey WD, Wong BC. American College of Gastroenterology guideline on the management of Helicobacter pylori infection. Am J Gastroenterol 2007;102(8):1808-25.
  54. Sugiyama T, Sakaki N, Kozawa H, Sato R, Fujioka T, Satoh K, Sugano K, Sekine H, Takagi A, Ajioka Y, Takizawa T. Sensitivity of biopsy site in evaluating regression of gastric atrophy after Helicobacter pylori eradication treatment. Aliment Pharmacol Ther 2002;16 Suppl 2:187-90.
  55. Hunt RH, Xiao SD, Megraud F, Leon-Barua R, Bazzoli F, Van Der Merwe S, Vaz Coelho LG, Fock M, Fedail S, Cohen H, Malfertheiner P, Vakil N, Hamid S, Goh KL, Wong BC, Krabshuis J, Le Mair A. Helicobacter pylori in developing countries. World Gastroenterology Organisation Global Guideline. J Gastrointestin Liver Dis 2011;20(3):299-304.
  56. Chisholm SA, Teare EL, Davies K, Owen RJ. Surveillance of primary antibiotic resistance of Helicobacter pylori at centres in England and Wales over a six-year period (2000-2005). Euro Surveill 2007;12(7):E3-4.
  57. Rimbara E, Fischbach LA, Graham DY. Optimal therapy for Helicobacter pylori infections. Nat Rev Gastroenterol Hepatol 2011;8(2):79-88.
  58. Silva FM, Zaterka S, Eisig JN, Chehter EZ, Chinzon D, Laudanna AA. Factors affecting Helicobacter pylori eradication using a seven-day triple therapy with a proton pump inhibitor, tinidazole and clarithromycin, in Brazilian patients with peptic ulcer. Rev Hosp Clin Fac Med Sao Paulo 2001;56(1):11-6.
  59. Qasim A, O'morain CA. Review article: treatment of Helicobacter pylori infection and factors influencing eradication. Aliment Pharmacol Ther 2002;16 Suppl 1:24-30.
  60. Wermeille J, Cunningham M, Dederding JP, Girard L, Baumann R, Zelger G, Buri P, Metry JM, Sitavanc R, Gallaz L, Merki H, Godin N. Failure of Helicobacter pylori eradication: is poor compliance the main cause? Gastroenterol Clin Biol 2002;26(3):216-9.
  61. Egan BJ, Marzio L, O'connor H, O'morain C. Treatment of Helicobacter pylori infection. Helicobacter 2008;13 Suppl 1:35-40.
  62. Brenner H, Rothenbacher D, Bode G, Adler G. Relation of smoking and alcohol and coffee consumption to active Helicobacter pylori infection: cross sectional study. BMJ 1997;315(7121):1489-92.
  63. Jenks PJ. Causes of failure of eradication of Helicobacter pylori. BMJ 2002;325(7354):3-4.
  64. Qasim A, O'morain CA. Review article: treatment of Helicobacter pylori infection and factors influencing eradication. Aliment Pharmacol Ther 2002;16 Suppl 1:24-30.
  65. Jenks PJ. Causes of failure of eradication of Helicobacter pylori. BMJ 2002;325(7354):3-4.
  66. Tsuji S, Kawai N, Tsujii M, Kawano S, Hori M. (2003). "Review article: inflammation-related promotion of gastrointestinal carcinogenesis - a perigenetic pathway". Aliment Pharmacol Ther 18 (Suppl 1): 82–9. PMID 12925144.
  67. The Pylori Gene website allows access to genome information for the H. pylori 26695 and J99 strains. Another genome interface is provided by the National Center for Biotechnology Information; 26695, J99.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]