Guerra Hispano-Americana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guerra Hispano-Americana
Parte da(o) Revolução Filipina e a Guerra de Independência Cubana
Charge of the Rough Riders at San Juan Hill.JPG
Charge da batalha de San Juan Hill por Frederic Remington.
Data 25 de abril - 12 de agosto de 1898
Local No Caribe, Cuba e Porto Rico na Ásia e no Oceano Pacífico Filipinas e Guam
Desfecho Tratado de Paris
Mudanças
territoriais
Espanha abre mão da soberania sobre Cuba, cede as Ilhas Filipinas, Porto Rico, e Guam para os Estados Unidos no valor de US$20 milhões.
Combatentes
 Estados Unidos
 Cuba[1]
Filipinas Filipinas[1]
Espanha Espanha
Colônias:
Principais líderes
Estados Unidos William McKinley
Estados Unidos Nelson A. Miles
Estados Unidos Theodore Roosevelt
Estados Unidos William R. Shafter
Estados Unidos George Dewey
Estados Unidos William T. Sampson
Estados Unidos Wesley Merritt
Estados Unidos Joseph Wheeler
Cuba Máximo Gómez
Cuba Demetrio Castillo Duany
Flag of the Tagalog people.svg Emilio Aguinaldo
Flag of the Tagalog people.svg Apolinário Mabini
Espanha Maria Cristina
Espanha Práxedes Sagasta
Espanha Patricio Montojo
Espanha Pascual Cervera
Espanha Arsenio Linares
Espanha Manuel Macías
Espanha Ramón Blanco
Espanha Antero Rubín
Espanha Valeriano Weyler
Forças
República cubana:
30.000 irregulares[5]
Estados Unidos:
300.000 regulares e voluntários[5]
Exército Espanhol:
278.447 regulares e milicianos[5] (Cuba)
10.005 regulares e milicianos[5] (Porto Rico)
51.331 regulares e milicianos[5] (Filipinas)
Vítimas
República cubana:
10.665 mortos[5]
Estados Unidos:[5]
2.910 mortos
345 do combate
Exército: 280
Marinha: 16
Outros: 49
2.565 a partir de doenças e
1.577 feridos
Exército: 1.509
Marinha: 68
Marinha espanhola:
560 mortos
300 - 400 feridos[5]
Exército Espanhol:
3.000 mortos ou feridos
6.700 capturados[6] (Filipinas)
13.000 doentes[5] (Cuba)
10.000 mortos de combate[7]
50.000 a partir de doenças[7]

A Guerra Hispano-Americana foi uma guerra em 1898 entre a Espanha e os Estados Unidos, de forma eficaz com o resultado da intervenção norte-americana na Guerra de Independência de Cuba. Ataques americanos no Pacífico de posses da Espanha levou ao envolvimento na Revolução Filipina e, finalmente, para a Guerra Filipino-Americana.[8]

Revoltas contra o domínio espanhol havia ocorrido há alguns anos em Cuba. Houve pequenos conflitos antes, como no caso de Virginius em 1873. No final de 1890, a opinião pública norte-americana foi agitada por propaganda anti-espanhola liderada por jornalistas como Joseph Pulitzer e William Hearst que usou jornalismo amarelo para criticar administração espanhola de Cuba. Após o naufrágio misterioso do encouraçado americano Maine no porto de Havana, as pressões políticas do Partido Democrata e certos industriais empurrou a administração do presidente republicano William McKinley em uma guerra que ele tinha a intenção de evitar.[9] Compromisso foi procurado pela Espanha, mas rejeitado pelos Estados Unidos, que enviou um ultimato à Espanha exigindo que entregar o controle de Cuba. Primeiro Madrid, então Washington, declarou formalmente guerra.[10]

Embora a questão principal era a independência de Cuba, a guerra de dez semanas foi travada tanto no Caribe quanto no Pacífico. O poder naval americano provou-se decisivo, permitindo que as forças expedicionárias americanas para desembarcar em Cuba contra uma guarnição espanhola já de joelhos por causa de ataques de insurgentes cubanos por todo o país e pela febre amarela.[11] Forças cubanas, das Filipinas, e norte-americanos numericamente superiores obtiveram a rendição de Santiago de Cuba e Manila, apesar do bom desempenho de algumas unidades de infantaria espanholas e do combate feroz por posições como San Juan Hill.[12] Com duas esquadras espanholas obsoletas afundadas em Santiago de Cuba e da baía de Manila e uma terceira mais moderna chamada de volta para casa para proteger a costa espanhola, Madrid pediu pela paz.[13]

O resultado foi o Tratado de Paris de 1898, negociado em condições favoráveis ​​para os Estados Unidos, que permitiu o controle temporário americano sobre Cuba, e cedeu por tempo indeterminado a autoridade colonial sobre Porto Rico, Guam e as ilhas das Filipinas[nota 1] [14] da Espanha.[15] A derrota eo colapso do Império Espanhol era um profundo choque para a psique nacional da Espanha, e provocou uma reavaliação filosófica e artística profunda da sociedade espanhola conhecida como a Geração de 98.[13] Os Estados Unidos ganharam várias posses insulares em todo o globo e um novo debate rancoroso sobre a sabedoria do expansionismo.[16]

Antecedentes históricos[editar | editar código-fonte]

Contenção colonial da Espanha[editar | editar código-fonte]

Os problemas combinados decorrentes da Guerra Peninsular, a perda da maioria de suas colônias nas Américas no início do século XIX guerras hispano-americanos de independência, e duas guerras Carlistas efetuando uma nova interpretação do império restante da Espanha. Liberais de elites espanhóis, como Antonio Cánovas del Castillo e Emilio Castelar ofereceram novas interpretações do conceito de "império" para se encaixar com o nacionalismo emergente da Espanha. Como Cánovas deixou claro em um discurso na Universidade de Madrid, em 1882,[17] [18] a nação espanhola foi baseada em elementos culturais e linguísticos comuns em ambos os lados do Atlântico, que vinculavam territórios da Espanha juntos.

Como muitos historiadores têm argumentado no presente e no passado, Cánovas explicou que a Espanha era marcadamente diferente dos impérios rivais, como a Grã-Bretanha e a França, em seus métodos e propósitos da colonização. Ao contrário de outros impérios, espalhando a civilização e o cristianismo, o grande objectivo da Espanha é da contribuição para o Novo Mundo.[19] O conceito de unidade cultural concedido um significado especial em Cuba, que tinha sido espanhola durante quase 400 anos, como parte integrante da nação espanhola. O foco na preservação do império teria consequências negativas para o orgulho nacional da Espanha, no rescaldo da guerra.

Interesse americano no Caribe[editar | editar código-fonte]

Em 1823, o presidente dos Estados Unidos James Monroe enunciou a Doutrina Monroe, que afirmou que os Estados Unidos não tolerariam mais esforços por parte dos governos europeus para colonizar a terra ou interferir com os estados das Américas; no entanto, a colônia da Espanha em Cuba foi dispensada. Antes da Guerra Civil interesses do sul tentou ter a compra Cuba e torná-lo um novo território escravo dos Estados Unidos. A proposta falhou, e atenção nacional passou para a Guerra Civil.

Os Estados Unidos tornou-se interessado em um canal ou na Nicarágua, ou no Panamá, onde o Canal do Panamá foi construído, e percebeu a necessidade de proteção naval. Capitão Alfred Thayer Mahan foi um teórico particularmente influente, suas idéias foram muito admiradas por Theodore Roosevelt, como os Estados Unidos rapidamente construíram uma poderosa frota na década de 1890. Roosevelt atuou como Secretário Assistente da Marinha em 1897-1898 e foi um defensor agressivo de uma guerra com a Espanha sobre Cuba.

Enquanto isso, o movimento de Cuba Livre, liderada pelo intelectual cubano José Martí, estabeleceram escritórios na Flórida[20] e Nova Iorque para comprar e contrabandear armas. Ele montou uma grande campanha de propaganda para gerar simpatia que levaria a pressão oficial na Espanha. Igrejas protestantes e agricultores democratas eram favoráveis​​, mas os interesses comerciais e Washington foram ignorá-dos.[21]

Apesar de Cuba atraiu a atenção americana, pequena nota foi feito das Filipinas, Guam e Porto Rico.[22]

Historiadores vêem pouca demanda popular por um império, mas note que a Grã-Bretanha, França, Alemanha e Japão havia se expandido dramaticamente seus impérios ultramarinos, na África, na Ásia e no Pacífico.[23]

O caminho para a guerra[editar | editar código-fonte]

A primeira tentativa séria para a independência de Cuba, a dez anos de guerra, entrou em erupção em 1868 e foi subjugado pelas autoridades de uma década mais tarde. Nem o combate, nem as reformas no Pacto de Zanjón (fevereiro de 1878) suprimiu o desejo de alguns revolucionários de maior autonomia e, finalmente, a independência. Um destes revolucionário, José Martí, continuou a promover a autonomia financeira e política cubana no exílio. No início de 1895, depois de anos de organização, Martí lançou uma invasão em três frentes da ilha.[24]

O plano chamado para um grupo de Santo Domingo liderado por Máximo Gómez, um grupo da Costa Rica conduzida por Antonio Maceo Grajales, e outra dos Estados Unidos (preventivamente frustrada por autoridades norte-americanas na Flórida) para desembarcar em diferentes lugares da ilha e provocar uma revolta. Enquanto a sua chamada para a revolução, o grito de Baíre, foi bem sucedida, o resultado não foi a grande demonstração de força que Martí esperava. Com uma vitória rápida efetivamente perdida, os revolucionários se estabeleceram em lutar uma campanha de guerrilha prolongada.[24]

Antonio Cánovas del Castillo, o arquiteto da Restauração de Constituição da Espanha e o primeiro-ministro na época, ordenou o General Arsenio Martínez-Campos Antón, um veterano ilustre da guerra contra a revolta anterior em Cuba, para sufocar a revolta. A relutância de Arsenio Martínez para aceitar sua nova missão e seu método de conter a revolta da província de Oriente lhe rendeu críticas na imprensa espanhola.[25]

A crescente pressão obrigou Cánovas para substituir o General Arsenio Martínez com o general Valeriano Weyler, um soldado que tinha experiência em sufocar rebeliões nas províncias ultramarinas e da metrópole espanhola. Weyler privou a insurgência de armas, suprimentos e assistência, ordenando os moradores de alguns bairros cubanos para se deslocar para áreas de reconcentração perto do quartel-general militar.[25] Esta estratégia foi eficaz em retardar a propagação da rebelião. Nos Estados Unidos esta alimentado o fogo da propaganda anti-espanhola.[26] Em um discurso político presidente William McKinley usou isso para ram ações espanholas contra rebeldes armados. Ele mesmo disse que isso "não foi guerra civilizada", mas "extermínio"[27] [28]

Atitude espanhola[editar | editar código-fonte]

Um desenho satírico publicado em La Campana de Gràcia (1896), critica o comportamento dos Estados Unidos em relação a Cuba. O texto abaixo lê: "Mantenha a ilha para que ele não vai se perder."

O governo espanhol considerou Cuba como uma província da Espanha, em vez de uma colônia, e dependia dele para o prestígio e do comércio e, como um campo de treinamento para o exército. Primeiro-ministro Cánovas del Castillo, anunciou que "a nação espanhola está disposta a sacrificar até a última peseta do seu tesouro e até a última gota de sangue do último espanhol antes de consentir que alguém arrebatar a partir dele mesmo um pedaço de seu território."[29] Ele tinha muito tempo dominado e estabilizado a política espanhola. Ele foi assassinado em 1897, deixando um sistema político espanhol que não era estável e não podia correr o risco um golpe para o seu prestígio.[30]

Resposta dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

A erupção da revolta cubana, medidas de Weyler, e a fúria popular nos eventos de chicoteado até provou ser uma benção para a indústria de jornais na cidade de Nova Iorque, onde Joseph Pulitzer do New York World e William Randolph Hearst do New York Journal American reconheceu o potencial para grandes manchetes e histórias que iria vender cópias. Ambos os documentos abrangias ações da Espanha e táticas de Weyler de uma forma que confirmou a atitude depreciativa populares em direção a Espanha na América. Nas mentes, livros escolares e bolsas de estudo do público em sua maioria protestante dos Estados Unidos, o império espanhol católico era atrasado, a união imoral construída nas costas dos índios escravizados e financiado com o ouro roubado.[31]

Os Estados Unidos tinham interesses econômicos importantes que estavam sendo prejudicados pelo conflito prolongado e o aprofundamento das incertezas sobre o futuro de Cuba. Empresas de transporte que dependiam fortemente do comércio com Cuba sofreram grandes perdas, como o conflito continua sem solução.[32] Estas empresas pressionaram o Congresso e o McKinley para buscar o fim da revolta. Outras preocupações das empresas norte-americanas, especialmente aquelas que tinham investido em açúcar cubano, olharam para o Império Espanhol para restaurar a ordem.[33] Estabilidade, não a guerra, foi o objetivo de ambos os interesses. Como a estabilidade seria alcançada vai depender em grande parte da capacidade da Espanha e os Estados Unidos para resolver suas questões diplomaticamente.

Presidente McKinley, bem consciente da complexidade política em torno do conflito, queria acabar com a revolta pacificamente. Ameaçando a considerar o reconhecimento do estatuto de beligerante de Cuba, e, assim, permitindo que o rearmamento legal de insurgentes cubanos por empresas norte-americanas, ele enviou Stewart L. Woodford a Madrid para negociar um fim para o conflito. Com Práxedes Sagasta, um defensor aberto da autonomia cubana, agora primeiro-ministro da Espanha (o mais linha-dura Cánovas del Castillo havia sido assassinado antes de Woodford chegasse), a negociação correu bem. Autonomia cubana foi marcada para começar em 1 de janeiro de 1898.[34]

USS Maine[editar | editar código-fonte]

O afundado USS Maine no porto de Havana.

Onze dias depois de o governo autônomo de Cuba tomou o poder, um pequeno motim eclodiu em Havana. O motim foi pensado que tinha iniciados por oficiais espanhóis que se sentiram ofendidos com as críticas de jornais persistentes das políticas do general Valeriano Weyler.[35] McKinley enviou o USS Maine para Havana para garantir a segurança dos cidadãos e dos interesses americanos.[35]

A necessidade de os Estados Unidos para enviar o Maine para Havana havia sido esperado há meses, mas o governo espanhol foi notificado apenas 18 horas antes da sua chegada, que era contrária à convenção diplomática. Os preparativos para o possível conflito começou em outubro de 1897, quando McKinley organizou o Maine para ser implantado em Key West, Florida,[35] como parte de um maior, a implantação global do poder naval dos Estados Unidos para atacar simultaneamente em várias frentes, se a guerra não fosse evitada. Enquanto o Maine estava a esquerda de Flórida, uma grande parte do Esquadra do Atlântico Norte foi transferida para Key West e no Golfo do México. Outros também foram transferidos ao largo da costa de Lisboa, e ainda outros foram transferidos para Hong Kong.[36]

Às 21:40 de 15 de fevereiro de 1898, o Maine afundou no porto de Havana, depois de sofrer uma enorme explosão. Enquanto McKinley pregou paciência, a notícia da explosão e pela morte de 266 marinheiros, a opinião pública americana para exigir uma resposta rápida beligerante. McKinley pediu ao Congresso para reservar US$50 milhões para a defesa, e o Congresso votou por unanimidade. A maioria dos líderes da América tomou a posição de que a causa da explosão era desconhecida, mas a atenção do público foi agora cravada sobre a situação da Espanha não conseguir encontrar uma solução diplomática para evitar a guerra. Ele apelou para as potências europeias, os quais aconselhou a Espanha a recuar e evitar a guerra.

A investigação da Marinha dos Estados Unidos, divulgada em 28 de março, concluiu que os paióis do navio foram acesas quando uma explosão externa foi detonada sob o casco do navio. Este relatório derramou combustível sobre a indignação popular nos Estados Unidos, tornando a guerra inevitável.[37] A investigação da Espanha chegou à conclusão oposta: a explosão foi originada dentro do navio. Outras investigações em anos mais tarde veio a várias conclusões contraditórias, mas não teve influência sobre a vinda da guerra. Em 1974, o almirante Hyman George Rickover teve seu olhar pessoal em documentos e resolveu que houve uma explosão interna. Um estudo encomendado pela revista National Geographic em 1999, usando AME modelagem computacional, afirmou que a explosão pode ter sido causada por uma mina, mas não há evidência definitiva que comprove.[38]

Declarando guerra[editar | editar código-fonte]

Após o Maine ser destruído,[39] editores de jornais Hearst e Pulitzer decidiram que os espanhóis eram os culpados, e divulgaram esta teoria como um fato em seus jornais de Nova Iorque usando historias sensacionalistas e surpreendentes de "atrocidades" cometidas pelos espanhóis em Cuba. Sua imprensa exagerou do que estava acontecendo e de como os espanhóis tratavam os prisioneiros cubanos.[40] As histórias foram baseadas em verdade, mas escritas com linguagem incendiária provocando respostas emocionais e muitas vezes acaloradas entre os leitores. Um mito comum de estado, o parecer do seu ilustrador Frederic Remington, que as condições em Cuba não bastasse às hostilidades, Hearst respondeu: "Você fornecer as imagens e eu vou fornecer a guerra."[41]

Este novo "jornalismo amarelo" foi, no entanto, incomum fora de Nova Iorque, e os historiadores não consideram a principal força de formação do humor nacional.[42] A opinião pública em todo o país fizeram a demanda ação imediata, oprimindo os esforços do presidente McKinley, presidente da Câmara Thomas Brackett Reed, e a comunidade empresarial para encontrar uma solução negociada.

Um discurso proferido pelo senador republicano Redfield Proctor de Vermont em 17 de março de 1898 cuidadosamente analisada a situação, concluindo que a guerra era a única resposta. O discurso ajudou a proporcionar um impulso final para os Estados Unidos a declarar guerra.[5] :210 Muitos no negócio e comunidades religiosas, que tinham, até então, se opunham a guerra, mudaram de lado, deixando o presidente McKinley e Reed quase sozinhos em sua resistência a uma guerra.[43] Em 11 de abril, McKinley terminou a sua resistência e pediu ao Congresso a autorização para enviar tropas americanas para Cuba para acabar com a guerra civil, sabendo que o Congresso iria forçar uma guerra.

O navio de transporte americano Seneca, um navio fretado que transportava tropas para Porto Rico e Cuba.

Em 19 de abril, enquanto o Congresso estava pensando em resoluções conjuntas de apoio a independência cubana, senador republicano Henry M. Teller de Colorado propôs a Emenda Teller para garantir que os Estados Unidos não estabelecesse o controle permanente sobre Cuba após a guerra. A alteração, negando qualquer intenção de anexar Cuba, foi aprovada pelo Senado por 42-35; da Câmara concordou no mesmo dia, 311-6. A resolução alterada exigiu a retirada espanhola e autorizando o Presidente a usar a força militar muito que ele considerava necessária para ajudar Cuba no ganho de independência da Espanha. Presidente McKinley assinou a resolução conjunta em 20 de abril de 1898, e o ultimato foi enviado para a Espanha. Em resposta, a Espanha rompeu relações diplomáticas com os Estados Unidos no dia 21 de abril. No mesmo dia, a Marinha os Estados Unidos iniciaram um bloqueio a Cuba.[44] Espanha declarou guerra em 23 de abril. Em 25 de abril, o Congresso declarou que o estado de guerra entre os Estados Unidos e a Espanha já existia desde 21 de abril, o dia em que o bloqueio de Cuba tinha começado.[44]

A Marinha estava pronta, mas o Exército não estava bem preparado para a guerra e fez mudanças radicais nos planos e suprimentos rapidamente adquiridos. Na primavera de 1898, a força do exército regular dos Estados Unidos tinha apenas 28.000 homens. O Exército queria 50.000 novos homens, mas recebeu mais de 220.000, através de voluntários e a mobilização de unidades da Guarda Nacional do Estado.[45]

Teatro do Pacífico[editar | editar código-fonte]

Filipinas[editar | editar código-fonte]

O teatro do Pacífico da Guerra Hispano-Americana.

Nos 300 anos de domínio espanhol, o país desenvolvido a partir de uma pequena colônia no exterior governado do Vice-Reino da Nova Espanha para uma terra com elementos modernos nas cidades. As classes médias de língua espanhola do século XIX eram em sua maioria educados nas idéias liberais vindas da Europa. Entre estes ilustrados foi o Filipino herói nacional José Rizal, que exigiu maiores reformas das autoridades espanholas. Este movimento levou à Revolução Filipina contra o domínio colonial espanhol. A revolução estava em um estado de trégua desde a assinatura do Pacto de Biak-na-Bato em 1897, com os líderes revolucionários que têm aceito o exílio fora do país.

A primeira batalha entre as forças americanas e espanholas foi na Baía de Manila, onde, em 1 de maio, Comodoro George Dewey, comandando a Esquadra Asiática da Marinha os Estados Unidos a bordo do USS Olympia, em questão de horas derrotou uma esquadra espanhola sob o almirante Patricio Montojo. Dewey conseguiu isso com apenas nove feridos.[46] [47] Com a apreensão alemã de Tsingtao, em 1897, a esquadra de Dewey tornou-se a única força naval no Extremo Oriente, sem uma base local própria, e foi cheia de carvão e problemas de munições.[48] Apesar desses problemas, a Esquadra Asiática não só destruiu a frota espanhola, mas também capturou o porto de Manila.[48]

Após a vitória de Dewey, Baía de Manila estava cheia de navios de guerra da Grã-Bretanha, Alemanha, França e Japão.[48] A frota alemã de oito navios, aparentemente em águas filipinas para proteger os interesses alemães, agindo provocativamente, cortando na frente de navios americanos, recusando-se a saudar a bandeira dos Estados Unidos (de acordo com os costumes de cortesia naval).[50]

Os alemães, com interesses próprios, estavam ansiosos para tirar proveito de todas as oportunidades que o conflito nas ilhas poderia permitir. Os americanos chamavam o blefe dos alemães, ameaçando com conflito se a agressão continuasse, e os alemães recuaram.[51] [52] Na época, os alemães esperavam que o confronto nas Filipinas para terminar em uma derrota norte-americana, com os revolucionários capturando Manila e deixando as Filipinas madura para a colheita alemã.[53]

Comodoro Dewey transportado Emilio Aguinaldo, líder filipino que havia liderado uma rebelião contra o domínio espanhol nas Filipinas, em 1896, para as Filipinas do exílio em Hong Kong para reunir mais Filipinos contra o governo colonial espanhol.[54] Em junho, as forças americanas e filipinas haviam tomado o controle da maior parte das ilhas, exceto para a cidade fortificada de Intramuros. Em 12 de junho, Aguinaldo proclamou a independência das Filipinas.[55] [56]

No dia 13 de agosto, com os comandantes americanos desconhecem que um cessar-fogo foi assinado entre a Espanha e os Estados Unidos, no dia anterior, as forças americanas capturaram a cidade de Manila de controle Espanhol.[54] [57] Esta batalha marcou o fim da colaboração Filipino-americana, como a ação americana de impedir as forças filipinas de entrar na cidade capturada de Manila foi profundamente ressentida pelos filipinos. Isto mais tarde levou à Guerra Filipino-Americana,[58] que viria a ser mais mortal e caro do que a Guerra Hispano-Americana.

Os Estados Unidos tinha enviado uma força de cerca de 11.000 tropas terrestres para as Filipinas. O conflito armado eclodiu entre forças dos Estados Unidos e os Filipinos quando as tropas americanas começaram a tomar o lugar dos espanhóis no controle do país após o fim da guerra, resultando na Guerra Filipino-Americana. Em 14 de agosto de 1899, a Comissão Schurman recomendou que os Estados Unidos mantenham o controle das Filipinas, possivelmente, a concessão da independência no futuro.[59]

Guam[editar | editar código-fonte]

Em 20 de junho, a frota dos Estados Unidos comandada pelo capitão Henry Glass, que consiste no cruzador blindado USS Charleston e três transportes carregando tropas para as Filipinas, entrou no porto de Guam, Capitão Glass tendo aberto ordens seladas, instruindo-o a continuar em Guam e capturá-la. Charleston disparou algumas rodadas canhão no Forte de Santa Cruz sem receber fogo de retorno. Dois funcionários locais, sem saber que a guerra havia sido declarada e acreditando que o disparo tinha sido uma saudação, saíram para pedir desculpas por sua incapacidade de retornar a saudação. Glass informou que os Estados Unidos e a Espanha estavam em guerra.[60]

No dia seguinte, Glass enviou o tenente William Braunersruehter para atender o governador espanhol para organizar a rendição da ilha e da guarnição espanhola. Cerca de 54 espanhóis de infantaria foram capturados e transportados para as Filipinas como prisioneiros de guerra. Todas as forças dos Estados Unidos deixaram Guam, mas o único cidadão dos Estados Unidos na ilha, Frank Portusach, disse o capitão Glass que ele iria cuidar de coisas até que as forças dos Estados Unidos retornassem.[60]

Teatro do Caribe[editar | editar código-fonte]

Cuba[editar | editar código-fonte]

O cruzador blindado espanhol Cristóbal Colón, que foi destruída durante a batalha de Santiago em 3 de julho de 1898.

Theodore Roosevelt defendia a intervenção em Cuba, tanto para o povo de Cuba e promover a Doutrina Monroe. Enquanto o secretário adjunto da Marinha, ele colocou a Marinha em pé em tempos de guerra e preparou Esquadra Asiática de Dewey para a batalha. Ele também trabalhou com Leonard Wood em convencer o Exército para levantar um regimento de voluntários, a primeira cavalaria voluntária dos Estados Unidos. Wood foi dado o comando do regimento, que rapidamente tornou-se conhecido como o "Rough Riders".[61]

Os americanos pretendiam capturar a cidade de Santiago de Cuba para destruir Linares do exército e da frota de Cervera. Para chegar a Santiago que teve que passar por defesas espanholas concentradas em San Juan Hills e uma pequena cidade no El Caney. As forças americanas foram auxiliadas em Cuba pelos rebeldes pró-independência lideradas pelo General Calixto García.

Campanha terrestre[editar | editar código-fonte]

De 22 - 24 de junho, os U.S. V Corps do General William R. Shafter desembarcou em Daiquirí e Siboney, no leste de Santiago, e estabeleceu uma base americana das operações. Um contingente de tropas espanholas, tendo lutado uma batalha com os americanos perto Siboney em 24 de junho, retirou-se para as suas posições levemente entrincheirados em Las Guasimas. Uma guarda avançou das forças norte-americanas segundo o ex-general confederado Joseph Wheeler ignorado partes de prospecção preliminar cubanas e ordens para proceder com cautela. Eles estavam envolvidos na retaguarda espanhola de cerca de 2.000 soldados liderados pelo General Antonio Rubin[62] que efetivamente lhes deu uma emboscada, na batalha de Las Guasimas em 24 de junho. A batalha terminou indecisa em favor da Espanha e os espanhóis de Las Guasimas a esquerda em seu recuo planejado para Santiago.

O Exército dos Estados Unidos empregou atiradores da época da Guerra Civil à frente das colunas que avançavam. Três dos quatro soldados americanos que se ofereceram para atuar como batedores que andam na frente da coluna americana foram mortos, incluindo Hamilton Fish II (neto de Hamilton Fish, o Secretário de Estado de Ulysses S. Grant) e Capitão Alyn Capron, que Theodore Roosevelt descreveria como um dos melhores líderes naturais e soldados que já conheci. Só o Território de Oklahoma dos índios Pawnee, Tom Isbell, ferido sete vezes, sobreviveu.[63]

A batalha de Las Guasimas mostrou que os Estados Unidos de raciocínio rápido dos soldados americanos não iria ficar com as antigas táticas de guerra civil lineares que não funcionaram de forma eficaz contra as tropas espanholas que haviam aprendido a arte da capa e ocultação de sua própria luta com os rebeldes cubanos, e nunca cometeu o erro de revelar suas posições, enquanto na defesa. Os americanos avançavam por juncos e ficaram no mato para que eles, também, foram em grande parte invisíveis aos espanhóis que usaram fogo volley un-alvo para tentar incendiar em massa contra os americanos que avançavam. Enquanto alguns soldados foram atingidos, esta técnica foi principalmente um desperdício de balas que os americanos aprenderam a abaixar assim que o ouvissem falar a palavra espanhola Fogo "Fuego", gritado pelos oficiais espanhóis. Tropas espanholas estavam equipadas com armas de pólvora sem fumaça, que também ajudaram a esconder as suas posições enquanto disparavam. Tropas espanholas regulares eram em sua maioria armados com modernos carregadores 1893 7mm rifles Mauser espanhol e usando pólvora sem fumaça. Tanto a cavalaria regular e da cavalaria voluntária, Rough Riders usavam munição sem fumaça. Outras tropas irregulares estavam armados com rifles Remington Rolling Block de calibre .43 Spanish usando pólvora sem fumaça e bala bronze jaquetada.[63]

A alta velocidade da 7×57mm Mauser o cartucho foi chamado de "Spanish Hornet" pelos americanos por causa da rachadura supersônica, uma vez que passasse sobre a cabeça deles. Em resposta, as tropas americanas que utilizavam .30-40 Krag-Jørgensen e pior como .45–70 Springfield rifles de pólvora negra de um único tiro se encontraram incapazes de responder com um volume equivalente de fogo. Soldados americanos poderiam avançar contra os espanhóis apenas no que agora são chamados de juncos "Fireteam", de quatro a cinco grupos de homens avançando enquanto outros previstos com apoio de fogo de armas ligeiras.

Em 1 de julho, uma força combinada de cerca de 15.000 soldados americanos da infantaria regular e regimentos de cavalaria, incluindo todos os quatro regimentos "Colored" do exército e regimentos de voluntários, entre eles Roosevelt e seu "Rough Riders", o 71st New York, o 2nd Massachusetts de Infantaria e 1st North Carolina, e as forças cubanas rebeldes atacaram 1.270 espanhóis entrincheirados no estilo de guerra ataques frontais civis e perigosas na Batalha de El Caney e Batalha de San Juan Hill fora de Santiago.[64] Mais de 200 soldados americanos foram mortos e cerca de 1.200 feridos nos combates, graças à elevada cadência de tiro dos espanhóis foram capazes de disparar.[65] Apoio de fogo de metralhadoras Gatling foi fundamental para o sucesso do ataque.[66] [67] Cervera decidiu fugir de Santiago dois dias mais tarde.

As forças espanholas em Guantánamo foram tão isoladas por fuzileiros navais e forças cubanas que eles não sabiam que Santiago estava sob cerco, e as suas forças na parte norte da província não poderiam romper as linhas cubanos. Isso não era verdade da coluna relevo Escario de Manzanillo,[68] que lutou o seu caminho passado determinadas a resistência cubana, mas chegou tarde demais para participar do cerco.

Depois das batalhas de San Juan Hill e El Caney, o avanço americano parou. Tropas espanholas defenderam com sucesso Fort Canosa, permitindo-lhes para estabilizar a sua linha e impedir a entrada de Santiago. Os americanos e cubanos forçadamente iniciaram um sangrento, cerco da cidade.[69] Durante as noites, as tropas cubanas cavaram série sucessiva de "trincheiras" (parapeitos levantados), para as posições espanholas. Depois de concluído, esses parapeitos foram ocupados por soldados americanos e um novo conjunto de escavações foi em frente. As tropas americanas, enquanto que sofrem perdas diárias pelo fogo Espanhol, que sofreram muito mais baixas de exaustão pelo calor e doenças transmitidas por mosquitos.[70] Nas abordagens a oeste da cidade, general cubano Calixto Garcia começou a invadir a cidade, causando muito pânico e medo de represálias entre as forças espanholas.

Operações navais[editar | editar código-fonte]

A Campanha de Santiago (1898)

O principal porto de Santiago de Cuba foi o principal alvo das operações navais durante a guerra. A frota dos Estados Unidos atacou Santiago abrigo necessário da temporada de furacões no verão; Baía de Guantánamo, com o seu excelente porto, foi o escolhido. A invasão de 1898 da Baía de Guantánamo aconteceu entre 6 - 10 de junho, com o primeiro ataque naval dos Estados Unidos e subsequente desembarque bem sucedido de fuzileiros navais dos Estados Unidos, com o apoio naval.

A Batalha de Santiago de Cuba em 3 de julho, foi a maior batalha naval da Guerra Hispano-Americana e resultou na destruição da Esquadra do Caribe espanhola (também conhecida como a Flota de Ultramar). Em maio, a frota do almirante espanhol Pascual Cervera y Topete fora avistado por forças americanas no porto de Santiago, onde tinham tomado abrigo para proteção contra ataques do mar. A dois meses de impasse entre as forças navais espanholas e americanas seguiram.

Quando a esquadra espanhola finalmente tentou deixar o porto em 3 de julho, as forças americanas destruíram ou afundaram cinco dos seis navios. Apenas um navio espanhol, o novo cruzador blindado Cristóbal Colón, sobreviveu, mas seu capitão puxou a bandeira para baixo e afundou-la no mar quando os americanos finalmente capturaram o cruzador. Os 1.612 marinheiros espanhóis que foram capturados, incluindo o Almirante Cervera, foram enviados para a Ilha de Seavey no Estaleiro Naval de Portsmouth em Portsmouth, Nova Hampshire, onde foram confinados em Camp Long como prisioneiros de guerra, de 11 de julho até meados de setembro.

Assistente Construtor da Marinha dos Estados Unidos Richmond P. Hobson tinha sido ordenado pelo contra-almirante William T. Sampson para afundar o USS Merrimac no porto para reprimir a frota espanhola. A missão foi um fracasso, e Hobson e sua tripulação foram capturados. Eles foram trocados em 6 de julho, e Hobson se tornou um herói nacional, ele recebeu a Medalha de Honra em 1933 e se tornou um congressista.

Retirada dos Estados Unidos[editar | editar código-fonte]

A febre amarela havia se espalhado rapidamente entre a força de ocupação americana, aleijando-la. Um grupo de agentes envolvidos do exército americano Theodore Roosevelt escolheu para elaborar um pedido de Washington que retirar o Exército, um pedido para que em paralelo um similar da General Shafter, que descreveu a sua força como um "exército de convalescentes". Até o momento de sua carta, 75% da força em Cuba era imprópria para o serviço.[71]

Em 7 de agosto, a força de invasão americana começou a sair de Cuba. A evacuação não foi total. O Exército dos Estados Unidos manteve o nono regimento de infantaria negro em Cuba para apoiar a ocupação. A lógica era que sua raça e o fato de que muitos voluntários negros vieram de estados do sul iria protegê-los, essa lógica levou a esses soldados que está sendo apelidado de "imunes". Ainda assim, 73 de seus 984 soldados tinham contraído a doença.[71]

Porto Rico[editar | editar código-fonte]

Em maio de 1898, o tenente Henry H. Whitney dos Estados Unidos Quarta Artilharia foi enviado a Porto Rico em uma missão de reconhecimento, promovido pelo Departamento de Inteligência Militar do Exército. Ele forneceu mapas e informações sobre as forças militares espanholas ao governo dos Estados Unidos antes da invasão.

A ofensiva americana começou em 12 de maio de 1898, quando uma esquadra de 12 navios dos Estados Unidos comandada pelo contra-almirante William T. Sampson da Marinha dos Estados Unidos atacaram a capital do arquipélago, San Juan. Embora o dano infligido sobre a cidade era mínima, os americanos foram capazes de estabelecer um bloqueio no porto da cidade de San Juan. Em 22 de junho, o cruzador Isabel II e o destroyer Terror fezeram um contra-ataque, mas foram incapazes de romper o bloqueio e o Terror foi danificado.

A ofensiva terrestre começou no dia 25 de julho, quando 1.300 soldados de infantaria liderada por Nelson A. Miles desembarcaram da costa de Guánica. A primeira resistência armada ocorreu em Yauco no que ficou conhecido como a Batalha de Yauco.[72]

Este encontro foi seguido pela Batalha de Fajardo. Os Estados Unidos conseguiu assumir o controle de Fajardo em 1 de agosto, mas foram obrigados a retirar-se em 5 de agosto depois que um grupo de 200 soldados Porto riquenhos-espanhóis liderados por Pedro del Pino ganharam o controle da cidade, enquanto que a maioria dos habitantes civis fugiram para as proximidades do farol. Os americanos encontraram maior resistência durante a Batalha de Guayama e à medida que avançavam para o interior da ilha principal. Eles se engajaram em fogo cruzado em Ponte do Rio Guamani, Coamo, Silva Heights e, finalmente, a Batalha de Asomante.[72] [73] As batalhas foram inconclusivas quanto os soldados aliados recuaram.

A batalha em San Germán concluiu de forma semelhante com os espanhóis recuando para Lares. Em 9 de agosto de 1898, tropas americanas que estavam perseguindo unidades em retirada de Coamo encontraram forte resistência em Aibonito em uma montanha conhecida como Cerro Gervasio del Asomante e recuaram depois de seis de seus soldados ficaram feridos. Eles voltaram três dias mais tarde, reforçada com unidades de artilharia e tentaram um ataque surpresa. No fogo cruzado posterior, soldados confusos relataram ter visto reforços espanhóis nas proximidades e cinco oficiais americanos foram gravemente feridos, o que levou a uma ordem de recuo. Todas as ações militares em Porto Rico foram suspensas em 13 de agosto, depois que o presidente dos Estados Unidos, William McKinley e embaixador francês Jules Cambon, agindo em nome do governo espanhol, assinaram um armistício pelo qual a Espanha renunciou a sua soberania sobre Porto Rico.[73]

Fazendo a paz[editar | editar código-fonte]

Jules Cambon, o embaixador francês nos Estados Unidos, a assinatura do memorando de ratificação em nome da Espanha.

Com derrotas em Cuba e nas Filipinas, e ambas as suas frotas incapacitadas, Espanha pediu a paz e as negociações foram abertas entre as duas partes. Após a doença e morte do cônsul britânico Edward Henry Rawson-Walker, almirante americano George Dewey solicitou o cônsul belga para Manila, Édouard André, para tomar o lugar de Rawson-Walker como intermediário com o governo espanhol.[74] [75] [76]

As hostilidades foram interrompidas em 12 de agosto de 1898, com a assinatura em Washington de um Protocolo de Paz entre os Estados Unidos e Espanha.[77] Depois de mais de dois meses de difíceis negociações, o tratado de paz formal, o Tratado de Paris, foi assinado em Paris em 10 de dezembro de 1898,[14] e foi ratificado pelo Senado dos Estados Unidos em 6 de fevereiro de 1899.

Os Estados Unidos ganharam todas as colônias da Espanha fora da África pelo Tratado, incluindo as Filipinas, Guam e Porto Rico.[14] O tratado entrou em vigor em Cuba 11 de abril de 1899, como os cubanos participam apenas como observadores. Tendo sido ocupada desde 17 de julho de 1898, e, portanto, sob a jurisdição do Governo Militar dos Estados Unidos (USMG), Cuba formou o seu próprio governo civil e ganhou a independência em 20 de maio de 1902, com o fim anunciado do USMG da jurisdição sobre a ilha. No entanto, os Estados Unidos impuseram várias restrições sobre o novo governo, incluindo a proibição de alianças com outros países, e se reservou o direito de intervir. Os Estados Unidos também estabeleceu um contrato de arrendamento perpétuo da Baía de Guantánamo.

Consequências[editar | editar código-fonte]

A guerra durou dez semanas.[78] John Hay (o Embaixador dos Estados Unidos no Reino Unido), escrevendo de Londres para seu amigo Theodore Roosevelt declarou que foi "uma esplêndida guerra pequena".[79] [80] A imprensa mostrou os nortistas e sulistas, negros e brancos que lutam contra um inimigo comum, ajudando a facilitar as cicatrizes deixadas pela guerra civil americana.[81]

A guerra marcou a entrada americana em assuntos mundiais. Desde então, os Estados Unidos tiveram uma mão significativa em vários conflitos ao redor do mundo, e entraram com muitos tratados e acordos. O Pânico de 1893 foi por esta altura, e os Estados Unidos incorporou um longo e próspero período de crescimento econômico e populacional, e inovação tecnológica que durou até a década de 1920.[82]

A guerra redefiniu a identidade nacional, serviu como uma espécie de solução para as divisões sociais que assolam a mente americana, e forneceu um modelo para todo o futuro do jornalismo.[83]

A guerra também terminou eficazmente o Império Espanhol. Espanha vinha caindo como um poder imperial desde o início do século XIX, como resultado da invasão de Napoleão. A perda de Cuba causou um trauma nacional por causa da afinidade dos espanhóis peninsulares de Cuba, que era visto como outra província de Espanha e não como uma colônia. Espanha manteve apenas um punhado de participações no exterior: África Ocidental Espanhola (Saara Espanhol), Guiné Espanhola, Marrocos Espanhol e as Ilhas Canárias.

O soldado espanhol Julio Cervera Baviera, que atuou na campanha de Porto Rico, publicou um panfleto no qual ele culpou os nativos daquela colônia para a sua ocupação pelos americanos, dizendo: "Eu nunca vi um país ingrato como servil [i.e., Puerto Rico].... Em 24 horas, o povo de Porto Rico deixou de ser fervorosamente Espanhol com entusiasmo americano.... Eles se humilharam, dando para o invasor como os arcos de escravos para o senhor poderoso."[84] Ele foi desafiado para um duelo por um grupo de jovens porto-riquenhos para escrever este panfleto.[85]

Culturalmente, uma nova onda chamada Geração de 98 surgiu como uma resposta a esse trauma, marcando um renascimento da cultura espanhola. Economicamente, a guerra beneficiou a Espanha, porque depois da guerra de grandes somas de capital detido pelos espanhóis em Cuba e na América foram devolvidos para a península e investiu na Espanha. Este fluxo maciço de capitais (o equivalente a 25% do produto interno bruto de um ano) ajudou a desenvolver as grandes empresas modernas de aço da Espanha, as indústrias de energia elétrica química, financeira, mecânica, têxtil, naval.[86] No entanto, as consequências políticas eram graves. A derrota na guerra começou com o enfraquecimento da estabilidade política frágil que havia sido estabelecido anteriormente pela regra de Alfonso XII.

A capa da revista Puck a partir de 6 de abril de 1901. Caricaturas de uma capota de Easter feito de um navio de guerra que alude aos ganhos da Guerra Hispano-Americana.

O Congresso dos Estados Unidos tinham passado a Emenda Teller antes da guerra, prometendo a independência cubana. No entanto, o Senado aprovou a Emenda Platt como um piloto para um projeto de lei de diretrizes orçamentárias do Exército, forçando um tratado de paz em Cuba, que proibiu de assinar tratados com outros países ou contrair uma dívida pública. A Emenda Platt foi empurrada pelos imperialistas que queriam projeto dos Estados Unidos no exterior (isso foi em contraste com a Emenda Teller, que foi empurrado por anti-imperialistas que pediram uma restrição na regra dos Estados Unidos). A alteração concedida nos Estados Unidos o direito de estabilizar Cuba militarmente, se necessário. A Emenda Platt também previa uma base naval permanente americana em Cuba. Guantánamo foi estabelecida após a assinatura de tratados entre Cuba e os Estados Unidos em 1903.

Os Estados Unidos anexaram as ex-colônias espanholas de Porto Rico, Filipinas e Guam. A noção dos Estados Unidos como um poder imperial, com as colônias, foi muito debatido internamente com o presidente McKinley e pró-imperialistas vencendo o seu caminho sobre a oposição vocal liderada pelo democrata William Jennings Bryan, que havia apoiado a guerra. O público americano amplamente apoiado a posse de colônias, mas também havia sido muito crítica, como Mark Twain, que escreveu The War Prayer em protesto.

Roosevelt voltou para os Estados Unidos, um herói de guerra, e ele logo foi eleito governador e, em seguida, o vice-presidente.

Cartaz da campanha de 1900.

A guerra serviu para aprofundar as relações de reparação entre o Norte e o Sul-Americano. A guerra deu a ambos os lados de um inimigo comum, pela primeira vez desde o fim da Guerra Civil, em 1865, e muitas amizades foram formadas entre os soldados do norte e os estados do sul durante suas excursões de dever. Este foi um avanço importante, já que muitos soldados nesta guerra foram os filhos de veteranos da Guerra Civil de ambos os lados.[87]

Segregação nas forças armadas dos Estados Unidos em 1898.

A comunidade Afro-americano apoiou fortemente os rebeldes em Cuba, apoiou a entrada na guerra, e ganhou prestígio a partir de seu desempenho durante a guerra no Exército. Porta-vozes observaram que 33 marinheiros afro-americanos morreram na explosão do Maine. O líder negro mais influente, Booker T. Washington, argumentou que sua raça estava pronto para lutar. Guerra ofereceu-lhes uma chance "para prestar serviço ao nosso país que nenhuma outra raça poderá", porque, ao contrário dos brancos, eles foram "acostumados" ao "clima peculiar e perigoso" de Cuba. Uma das unidades negras que serviam na guerra foi o 9th Cavalry Regiment. Em março de 1898, Washington prometeu ao secretário da Marinha de que a guerra seria respondida por "pelo menos 10.000 fiéis bravos homens fortes, negros no sul que anseiam por uma oportunidade de mostrar a sua lealdade para com a nossa terra, e de bom grado tomar este método de mostrar a sua gratidão pela vida prevista, e os sacrifícios feitos, que os negros possam ter a sua liberdade e direitos."[88]

Em 1904, United Spanish War Veterans foi criada a partir de pequenos grupos de veteranos da guerra hispano-americana. Hoje, essa organização é extinta, mas deixou um herdeiro, Sons of Spanish–American War Veterans, criado em 1937 no 39th National Encampment of the United Spanish War Veterans. De acordo com dados do United States Department of Veterans Affairs, o último sobrevivente americano do conflito, Nathan E. Cook, morreu em 10 de setembro de 1992, aos 106 anos de idade. (Se os dados estão certos, Cook, nascido 10 de outubro de 1885, teria tido de apenas 12 anos de idade, quando ele serviu na guerra.)

Os Veterans of Foreign Wars dos Estados Unidos (VFW) foi formado em 1914 a partir da fusão de duas organizações de veteranos anteriores que tanto surgiram em 1899: Os American Veterans of Foreign Service e a National Society of the Army of the Philippines[89] O primeiro foi formado por veteranos da Guerra Hispano-Americana, enquanto o segundo foi formado por veteranos da Guerra Filipino-Americana. Ambas as organizações foram formadas em resposta aos veteranos gerais negligenciados que retornaram da guerra vivida nas mãos do governo.

Para pagar os custos da guerra, o Congresso aprovou um imposto sobre serviço de telefonia de longa distância.[90] Na época, isso afetou apenas os americanos ricos que possuíam telefones. No entanto, o Congresso deixou de revogar o imposto após a guerra terminar quatro meses depois, e o imposto permaneceu em vigor por mais de 100 anos, até que, em 1 de agosto de 2006, foi anunciado que o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos e o IRS não iria mais cobrar o imposto.[91]

Investimento americano pós-guerra em Porto Rico[editar | editar código-fonte]

A mudança na soberania de Porto Rico, como a ocupação de Cuba, trouxe grandes mudanças, tanto no insular e as economias dos Estados Unidos. Antes de 1898, a indústria açucareira em Porto Rico estava em declínio por quase meio século. Na segunda metade do século XIX, os avanços tecnológicos aumentaram as exigências de capital para se manter competitiva na indústria de açúcar. Agricultura começou a mudar em direção a produção de café, o que exigia menos capital e acumulação de terras. No entanto, essas tendências foram revertidas com a hegemonia dos Estados Unidos. Políticas monetárias e legais iniciais americanas tornaram tanto mais difíceis para os agricultores locais para continuar as operações e mais fácil para as empresas americanas a acumular terras.[92] Isto, junto com as grandes reservas de empresas americanas de capital, levou a um ressurgimento da indústria de açúcar a Porto Rico na forma de grandes estatais complexos agro-industriais americanos.

Ao mesmo tempo, a inclusão de Porto Rico no sistema tarifário dos Estados Unidos como uma área aduaneira, efetivamente o tratamento de Porto Rico como um estado no que diz respeito ao comércio interno ou externo, o aumento da co-dependência do insular e as economias do continente e as exportações de açúcar beneficiadas com tarifa proteção. Em 1897, os Estados Unidos compraram 19,6% das exportações de Porto Rico, enquanto o fornecimento de 18,5% das suas importações. Em 1905, estes valores saltaram para 84% a 85%, respectivamente.[93] No entanto, o café não foi protegido, pois não era um produto do continente. Ao mesmo tempo, Cuba e Espanha, tradicionalmente os maiores importadores de café de Porto Rico, agora submetidos as tarifas de importação anteriormente inexistentes. Estes dois efeitos levaram a um declínio na indústria do café. De 1897 a 1901 café passou de 65,8% das exportações para 19,6%, enquanto o açúcar passou de 21,6% para 55%.[94] O sistema tarifário também forneceu um mercado protegido para Porto Rico com exportações de tabaco. A indústria do tabaco passou de quase inexistente em Porto Rico para a maior parte do setor agrícola do país.

Notas[editar | editar código-fonte]

Notas de Rodapé[editar | editar código-fonte]

  1. A cessão das Filipinas envolveu o pagamento de US$20 milhões (US$551,920,000 dias atuais) para a Espanha pelo os Estados Unidos

Citações de Fontes[editar | editar código-fonte]

  1. a b Reconhecido como participantes pelos beligerantes primários.
  2. Os Estados Unidos foram informalmente aliados com as forças Katipunan sob Emilio Aguinaldo desde o tempo de retorno de Aguinaldo de Manila em 19 de maio de 1898 até que essas forças foram absorvidas em um governo proclamado em 24 maio de 1898, e continuou a ser informalmente aliado com as forças do governo até o fim da guerra.
  3. Guevara, Sulpicio, ed. (2005), "Philippine Declaration of Independence", The laws of the first Philippine Republic (the laws of Malolos) 1898–1899, Ann Arbor, Michigan: University of Michigan Library (publicado em 1972), http://quod.lib.umich.edu/cgi/t/text/pageviewer-idx?c=philamer;cc=philamer;rgn=full%20;idno=aab1246.0001.001;didno=aab1246.0001.001;view=image;seq=00000221, visitado em 2013-01-02 . (English translation by Sulpicio Guevara)
  4. Guevara, Sulpicio, ed. (2005), "Facsimile of the Proclamation of the Philippine Independence at Kawit, Cavite, June 12, 1898", The laws of the first Philippine Republic (the laws of Malolos) 1898–1899, Ann Arbor, Michigan: University of Michigan Library (publicado em 1972), http://quod.lib.umich.edu/cgi/t/text/pageviewer-idx?c=philamer&cc=philamer&idno=aab1246.0001.001&frm=frameset&view=image&seq=203, visitado em 2013-01-02 . (Original handwritten Spanish)
  5. a b c d e f g h i j Dyal 1996
  6. Trask 1996, p. 371
  7. a b Arriba España Twentieth-Century Spain Politics and Society in Spain, 1898-1998, Francisco J. Romero Salvadó, 1999, pg. 19, MacMillan Distribution Ltd, ISBN 0-333-71694-9
  8. Alguns historiadores recentes preferem um título mais amplo para abranger a luta em Cuba e as Ilhas Filipinas.
    exemplos:
  9. Beede 1994, p. 148.
  10. Beede 1994, p. 120.
  11. Pérez 1998, p. 89 Estados: "Na visão maior, a insurreição cubana já tinha trazido o exército espanhol à beira da derrota. Durante três anos de guerra implacável, os cubanos tinham destruído linhas ferroviárias, pontes e estradas e comunicações telegráficas paralisadas​​, tornando-se quase impossível para o exército espanhol se mover por toda a ilha e entre as províncias. [Os] cubanos tinham, além disso, infligido incontáveis ​​milhares de vítimas em soldados espanhóis e efetivamente impulsionando unidades espanhóis em concentrações defensivas sitiados nas cidades, há de sofrer os outros efeitos debilitantes da doença e da fome".
  12. Military Book Reviews. StrategyPage.com. Página visitada em 2011-03-22.
  13. a b Dyal 1996, pp. 108–109.
  14. a b c Treaty of Paris, 1898. Página visitada em 2009-12-31.
  15. The World of 1898: The Spanish–American War
  16. George C. Herring, From Colony to Superpower: U.S. Foreign relations since 1776 (2008) ch. 8
  17. Baycroft & Hewitson 2006, pp. 225–226
  18. Antonio Cánovas del Castillo (November 1882). Discurso sobre la nación (em spanish). cervantesvirtual.com.Baycroft & Hewitson 2006, pp. 225–226
  19. Schmidt-Nowara, The Conquest of History, p.34–42
  20. Gary R. Mormino, "Cuba Libre, Florida, and the Spanish American War," Theodore Roosevelt Association Journal (2010) Vol. 31 Issue 1/2, pp. 43–54
  21. G. Wayne King, "Conservative Attitudes in the United States toward Cuba (1895–1898)," Proceedings of the South Carolina Historical Association, (1973) pp. 94–104
  22. George C. Herring, From Colony to Superpower: U.S. Foreign Relations Since 1776 (2008)
  23. Edward P. Crapol, "Coming to Terms with Empire: The Historiography of Late-Nineteenth-Century. American Foreign Relations," Diplomatic History 16 (Fall 1992): 573–97; Hugh DeSantis, "The Imperialist Impulse and American Innocence, 1865–1900," in Gerald K. Haines and J. Samuel Walker, eds., American Foreign Relations: A Historiographical Review (1981), pp. 65–90; James A. Field, Jr., "American Imperialism: The Worst Chapter in Almost Any Book," American Historical Review 83 (June 1978): 644–68
  24. a b Trask 1996, pp. 2–3
  25. a b Jonathan Krohn, "Review of Tone, John Lawrence, War and Genocide in Cuba 1895–1898. "H-War, H-Net Reviews." May, 2008. online
  26. Trask 1996, pp. 8–10; Carr 1982, pp. 379–388.
  27. William McKinley : First Annual Message. The American residency Project (December 6, 1897).
  28. James Ford Rhodes (2007), The McKinley and Roosevelt Administrations 1897–1909, READ BOOKS, pp. 44, ISBN 978-1-4067-3464-5, http://books.google.com/?id=em-5IEHHTAUC , citing an annual message delivered December 6, 1897 from French Ensor Chadwick (1968), The relations of the United States and Spain: diplomacy, Russell & Russell, http://books.google.com/?id=ozGTAAAAIAAJ 
  29. Quoted in Trask 1996, p. 6
  30. Octavio Ruiz, "Spain on the Threshold of a New Century: Society and Politics before and after the Disaster of 1898," Mediterranean Historical Review (June 1998), Vol. 13 Issue 1/2, pp 7–27
  31. Richard L. Kagan, "Prescott's Paradigm: American Historical Scholarship and the Decline of Spain," The American Historical Review 101, no. 2 (April 1996): 423–46.
  32. O comércio com Cuba caiu por mais de dois terços de um máximo de 100 milhões de dólares. Offner 2004, p. 51.
  33. David M. Pletcher, The Diplomacy of Trade and Investment: American Economic Expansion in the Hemisphere, 1865–1900 (Columbia: University of Missouri Press, 1998).
  34. Offner 2004, pp. 54–55.
  35. a b c Trask 1996, p. 24
  36. Offner 2004, p. 56.
  37. Offner 2004, p. 57. Para um ponto de vista minoritário que minimiza o papel da opinião pública e afirma que McKinley temiam os cubanos ganhariam a insurgência antes de os Estados Unidos poderiam intervir, veja Louis A. Pérez, "The Meaning of the Maine: Causation and the Historiography of the Spanish–American War," The Pacific Historical Review, Vol. 58, No. 3 (Aug., 1989), pp. 293–322.
  38. Para um resumo de todos os estudos veja Louis Fisher, "Destruction of the Maine (1898)" (2009)
  39. Casualties on USS Maine, Naval Historical Center, Department of the Navy, http://www.history.navy.mil/faqs/faq71-2.htm, visitado em 2007-12-20 
  40. Ruiz, Vicki L. 2006. "Nuestra América: Latino History as United States History." Journal of American History P.655
  41. Campbell, W. Joseph (August 2000). Not likely sent: the Remington-Hearst "telegrams". Journalism and Mass Communication Quarterly. Página visitada em 2008-09-06.
  42. Smythe 2003, p. 192.
  43. Offner 1992, pp. 131–35; Michelle Bray Davis and Rollin W. Quimby, "Senator Proctor's Cuban Speech: Speculations on a Cause of the Spanish–American War," Quarterly Journal of Speech 1969 55(2): 131–141. ISSN 0033-5630.
  44. a b Trask 1996, p. 57
  45. Graham A. Cosmas, An Army for Empire: The United States Army and the Spanish–American War (1971) ch. 3–4
  46. Battle of Manila Bay, May 1, 1898, Department of the Navy – Naval Historical Center. Retrieved on October 10, 2007
  47. The Battle of Manila Bay by Admiral George Dewey, The War Times Journal. Retrieved on October 10, 2007
  48. a b c James A. Field, Jr. (June 1978), "American Imperialism: the Worst Chapter in Almost Any Book", The American Historical Review (American Historical Association) 83 (3): 659, doi:10.2307/1861842 
  49. Wionzek 2000, p. x.
  50. Dewey caracterizou os interesses alemães como uma única empresa de importação; Almirante Otto von Diederichs respondeu com uma lista de onze.[49]
  51. Seekins, Donald M. (1991), "Historical Setting—Outbreak of War, 1898", in Dolan, Ronald E., Philippines: A Country Study, Washington: Library of Congress (Call Number DS655.P598 1993), http://lcweb2.loc.gov/cgi-bin/query/r?frd/cstdy:@field(DOCID+ph0023), visitado em 2013-04-28 
  52. Augusto V. de Viana (September 21, 2006), What ifs in Philippine history, The Manila Times, arquivado do original em October 30, 2007, http://web.archive.org/web/20071030050605/http://www.manilatimes.net/national/2006/sept/21/yehey/top_stories/20060921top9.html, visitado em 2007-10-19 
    ^ What ifs in Philippine history, Conclusion, The Manila Times, September 22, 2006, arquivado do original em October 30, 2007, http://web.archive.org/web/20071030050610/http://www.manilatimes.net/national/2006/sept/22/yehey/top_stories/20060922top9.html, visitado em 2007-10-19 
  53. Wionzek 2000, p. xvi, citing Hubatsch, Walther, Auslandsflotte und Reichspolitik, Mărwissenschaftliche Rundschau (August 1944), pp. 130–153.
  54. a b The World of 1898: the Spanish–American War, U.S. Library of Congress, http://www.loc.gov/rr/hispanic/1898/intro.html, visitado em 2007-10-10 
  55. Guevara, Sulpicio, ed. (2005), "Philippine Declaration of Independence", The laws of the first Philippine Republic (the laws of Malolos) 1898–1899, Ann Arbor, Michigan: University of Michigan Library (publicado em 1972), http://quod.lib.umich.edu/cgi/t/text/pageviewer-idx?c=philamer;cc=philamer;rgn=full%20text;idno=aab1246.0001.001;didno=aab1246.0001.001;view=image;seq=00000221, visitado em 2013-01-02. 
  56. Philippine History. DLSU-Manila. Página visitada em 2006-08-21.
  57. "Our flag is now waving over Manilia", San Francisco Chronicle, http://www.footnote.com/spotlight/6879/newspaper_article_americans_capture/, visitado em 2008-12-20 
  58. Lacsamana 2006, p. 126.
  59. Brune & Burns 2003, p. 290
  60. a b Beede 1994, pp. 208–209; Rogers 1995, pp. 110–112
  61. Roosevelt 1899
  62. The Spanish–American War in Cuba : Battle of Las Guasimas.
  63. a b Roosevelt, Theodore, The Rough Riders, Scribner's Magazine, Vol. 25 (January–June), New York: Charles Scribner's Sons, p. 572
  64. The Battles at El Caney and San Juan Hills at HomeOfHeroes.com.
  65. The Crowded Hour: The Charge at El Caney & San Juan Hills at HomeOfHeroes.com.
  66. Parker 2003
  67. History of the Gatling Gun Detachment, John Henry Parker at Project Gutenberg.
  68. Escario's Column, Francisco Jose Diaz Diaz.
  69. Daley 2000, pp. 161–71
  70. McCook 1899
  71. a b Vincent J. Cirillo. 2004. Bullets and Bacilli: The Spanish–American War and Military Medicine. (Rutgers University Press).
  72. a b The American Army Moves on Puerto-Rico, Retrieved August 2, 2008
  73. a b Edgardo Pratts (2006) (em Spanish), De Coamo a la Trinchera del Asomante (First ed.), Puerto Rico: Fundación Educativa Idelfonso Pratts, ISBN 0-9762185-6-9 
  74. Wolff 1961, p. 175, "Quando o cônsul britânico morreu, a intermediação foi assumida pelo cônsul belga, M. Édouard André e, como as tropas americanas derramaram dentro, tudo começou a cair no lugar Jaudenes prometeu que não iria usar sua artilharia se o ..."
  75. Cooling 2007, p. 99, "Com medo de que os filipinos podem fazer, as autoridades americanas e espanholas ansiosamente negociaram uma saída para a questão espinhosa da cidade de Manila. Ajudado pelo cônsul belga Édouard André, Dewey, Merritt, e Augustin"
  76. Dyal 1996, p. 175, "Após a doença e a morte de Rawson-Walker, cônsul belga Édouard André realizadas nas bolsas de valores diplomáticas entre Dewey, General Wesley Merritt,* e Jaudenes. Através destes intercâmbios diplomáticos, no início de agosto Jaudenes começou a ..."
  77. Protocol of Peace Embodying the Terms of a Basis for the Establishment of Peace Between the Two Countries, Washington, D.C., U.S.A., August 12, 1898, http://www.msc.edu.ph/centennial/pr980812.html, visitado em 2007-10-17 
  78. Brands Breen Williams Gross. American Stories "A History of the United States". [S.l.]: Pearson. 536 p. ISBN 9780205243617
  79. Bethell, John (November–December 1998), "A Splendid Little War"; Harvard and the commencement of a new world order, Harvard magazine, http://harvardmagazine.com/1998/11/war.html, visitado em 2007-12-11 
  80. Millis 1979, p. 340
    Esta fonte fornece uma citação mais completa:

    Foi uma pequena guerra esplêndida; começou com os mais altos motivos, realizadas com magnífica inteligência e espírito, favorecido pela fortuna que ama o corajoso. Ela agora está a ser concluído, espero, com a boa natureza firme que é, afinal, o traço de distinção do nosso caráter americano.

  81. Montoya 2011, p. 78.
  82. Bailey 1961, p. 657
  83. Kaplan, Richard L. 2003. "American Journalism Goes to War, 1898–2001: a manifesto on media and empire."P. 211
  84. Negrón-Muntaner 2004, p. 11, citing Julio Cervera Baviera (1898), La defensa militar de Puerto Rico, Puerto Rico, pp. 79–80 
  85. Protagonistas de la Guerra Hispano Americana en Puerto Rico Parte II – Comandante Julio Cervera Baviera, 1898 La Guerra Hispano Americana en Puerto Rico, http://home.coqui.net/sarrasin/pers2.htm#anchor134043, visitado em 2008-02-06  (an excerpt frem Carreras & Tafunell 2004)
  86. Albert Carreras & Xavier Tafunell: Historia Económica de la España contemporánea, p. 200–208, ISBN 84-8432-502-4.
  87. Confederate & Federal Veterans of '98: Civil War Veterans who served in the Spanish–American War, Philippine Insurrection, and China Relief Expedition by Micah J. Jenkins[ligação inativa]. Retrieved on October 13, 2007
  88. Gatewood 1975, pp. 23–29; there were some opponents, ibid. p. 30–32.
  89. VFW at a Glance (PDF). VFW (September 2, 2004). Página visitada em 2006-11-04.
  90. Reardon, Marguerite (June 30, 2005). Senators want to nix 1898 telecom tax. CNET Networks. Página visitada em 2008-02-15.
  91. Reardon, Marguerite (August 1, 2006). Telecom tax imposed in 1898 finally ends. CNET Networks. Página visitada em 2008-02-15.
  92. Bergad 1978, p. 74-75.
  93. Bergad 1978, p. 76.
  94. Bergad 1978, p. 74.

Referências[editar | editar código-fonte]

Outras leituras[editar | editar código-fonte]

  • Bradford, James C. ed., Crucible of Empire: The Spanish–American War and Its Aftermath (1993), essays on diplomacy, naval and military operations, and historiography.
  • Dobson, John M. Reticient Expansionism: The Foreign Policy of William McKinley. (1988).
  • Fry, Joseph A. "William McKinley and the Coming of the Spanish–American War: A Study of the Besmirching and Redemption of an Historical Image," Diplomatic History 3 (Winter 1979): 77–97
  • Gould, Lewis. The Spanish–American War and President McKinley (1980) excerpt and text search
  • Foner, Philip, The Spanish–Cuban–American War and the Birth of American Imperialism, 1895–1902 (1972)
  • Hamilton, Richard. President McKinley, War, and Empire (2006).
  • Harrington, Fred H. "The Anti-Imperialist Movement in the United States, 1898–1900," Mississippi Valley Historical Review, Vol. 22, No. 2 (Sep., 1935), pp. 211–230 in JSTOR
  • Herring, George C. From Colony to Superpower: U.S. Foreign Relations Since 1776 (2008), the latest survey
  • Hoganson, Kristin. Fighting For American Manhood: How Gender Politics Provoked the Spanish–American and Philippine–American Wars (1998)
  • Holbo, Paul S. (1967), "Presidential Leadership in Foreign Affairs: William McKinley and the Turpie-Foraker Amendment", The American Historical Review 72 (4): 1321–1335, doi:10.2307/1847795. 
  • LaFeber, Walter, The New Empire: An Interpretation of American Expansion, 1865–1898 (1963)
  • May, Ernest. Imperial Democracy: The Emergence of America as a Great Power (1961)
  • McCartney, Paul T. American National Identity, the War of 1898, and the Rise of American Imperialism (2006)
  • Maass, Matthias. "When Communication Fails: Spanish–American Crisis Diplomacy 1898," Amerikastudien, 2007, Vol. 52 Issue 4, pp 481–493
  • Mellander, Gustavo A.(1971) The United States in Panamanian Politics: The Intriguing Formative Years. Daville, Ill.: Interstate Publishers. OCLC 138568.
  • Mellander, Gustavo A.; Nelly Maldonado Mellander (1999). Charles Edward Magoon: The Panama Years. Río Piedras, Puerto Rico: Editorial Plaza Mayor. ISBN 1-56328-155-4. OCLC 42970390.
  • Richard H. Miller, ed., American Imperialism in 1898: The Quest for National Fulfillment (1970)
  • Millis, Walter. The Martial Spirit: A Study of Our War with Spain (1931)
  • Morgan, H. Wayne., America's Road to Empire: The War with Spain and Overseas Expansion (1965)
  • Paterson. Thomas G. "United States Intervention in Cuba, 1898: Interpretations of the Spanish–American–Cuban–Filipino War," The History Teacher, Vol. 29, No. 3 (May 1996), pp. 341–361 in JSTOR
  • Pratt, Julius W. The Expansionists of 1898 (1936)
  • Schoonover, Thomas. Uncle Sam's War of 1898 and the Origins of Globalization. (2003)
  • Tone, John Lawrence. War and Genocide in Cuba, 1895–1898 (2006)
  • Fareed Zakaria, From Wealth to Power: The Unusual Origins of America’s World Role (1998)
  • Cirillo, Vincent J. Bullets and Bacilli: The Spanish–American War and Military Medicine (2004)
  • Cosmas, Graham A. An Army for Empire: The United States Army and the Spanish–American War (1971), organizational issues
  • Feuer, A. B. The Spanish–American War at Sea: Naval Action in the Atlantic (1995) online edition
  • Freidel, Frank. The Splendid Little War (1958), well illustrated narrative by scholar ISBN 0-7394-2342-8
  • Keller, Allan. The Spanish–American War: A Compact History (1969)
  • Leeke, Jim. Manila and Santiago: The New Steel Navy in the Spanish–American War (2009)
  • Linderman, Gerald F. The Mirror of War: American Society and the Spanish–American War (1974), domestic aspects
  • Smith, Joseph. The Spanish–American War: Conflict in the Caribbean and the Pacific (1994)
  • O'Toole, G. J. A. The Spanish War: An American Epic—1898 (1984)
  • Stewart, Richard W. "Emergence to World Power 1898–1902" Ch. 15, in "American Military History, Volume I: The United States Army and the Forging of a Nation, 1775–1917", Center of Military History, United States Army. (2004), official U.S. Army textbook
  • Barnes, Mar. The Spanish–American War and Philippine Insurrection, 1898–1902: An Annotated Bibliography (Routledge Research Guides to American Military Studies) (2010)
  • Corbitt, Duvon C. "Cuban Revisionist Interpretations of Cuba's Struggle for Independence," Hispanic American Historical Review 32 (August 1963): 395–404. in JSTOR
  • Crapol, Edward P. "Coming to Terms with Empire: The Historiography of Late-Nineteenth-Century American Foreign Relations," Diplomatic History 16 (Fall 1992): 573–97;
  • DeSantis, Hugh. "The Imperialist Impulse and American Innocence, 1865–1900," in Gerald K. Haines and J. Samuel Walker, eds., American Foreign Relations: A Historiographical Review (1981), pp. 65–90
  • Field, Jr., James A. "American Imperialism: The Worst Chapter in Almost Any Book," American Historical Review 83 (June 1978): 644–68, past of the "AHR Forum," with responses in JSTOR
  • Fry, Joseph A. "William McKinley and the Coming of the Spanish American War: A Study of the Besmirching and Redemption of an Historical Image," Diplomatic History 3 (Winter 1979): 77–97
  • Fry, Joseph A. "From Open Door to World Systems: Economic Interpretations of Late-Nineteenth-Century American Foreign Relations," Pacific Historical Review 65 (May 1996): 277–303
  • Paterson, Thomas G. "United States Intervention in Cuba, 1898: Interpretations of the Spanish–American–Cuban–Filipino War," History Teacher 29 (May 1996): 341–61
  • Pérez, Jr. Louis A. (1989), "The Meaning of the Maine: Causation and the Historiography of the Spanish–American War", The Pacific Historical Review 58 (3): 293–322. 
  • Pérez Jr. Louis A. The War of 1898: The United States and Cuba in History and Historiography University of North Carolina Press, 1998
  • Smith, Ephraim K. "William McKinley's Enduring Legacy: The Historiographical Debate on the Taking of the Philippine Islands," in James C. Bradford, ed., Crucible of Empire: The Spanish–American War and Its Aftermath (1993), pp. 205–49
  • Funston, Frederick. Memoirs of Two Wars, Cuba and Philippine Experiences. New York: Charles Schribner's Sons, 1911 online edition
  • U.S. War Dept. Military Notes on Cuba. 2 vols. Washington, DC: GPO, 1898. online edition
  • Wheeler, Joseph. The Santiago Campaign, 1898. (1898). online edition
  • Cull, N. J., Culbert, D., Welch, D. Propaganda and Mass Persuasion: A Historical Encyclopedia, 1500 to the Present. "Spanish–American War". (2003). 378–379.
  • Daley, L. (2000), "Canosa in the Cuba of 1898", in Aguirre, B. E.; Espina, E., Los últimos días del comienzo: Ensayos sobre la guerra, Santiago de Chile: RiL Editores, ISBN 956-284-115-4 
  • McCook, Henry Christopher (1899), The Martial Graves of Our Fallen Heroes in Santiago de Cuba, G. W. Jacobs & Co. 
  • Muller y Tejeiro, Jose. Combates y Capitulacion de Santiago de Cuba. Marques, Madrid:1898. 208 p. English translation by U.S. Navy Dept.
  • Dirks, Tim. War and Anti-War Films. The Greatest Films. Página visitada em November 9, 2005.
  • Adjutant General's Office Statistical Exhibit of Strength of Volunteer Forces Called Into Service During the War With Spain; with Losses From All Causes. Washington: Government Printing Office, 1899.
  • Harrington, Peter, and Frederic A. Sharf. "A Splendid Little War." The Spanish–American War, 1898. The Artists' Perspective. London: Greenhill, 1998.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Guerra Hispano-Americana

Mídia[editar | editar código-fonte]

Referências materiais[editar | editar código-fonte]

Jornais[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]