Primeira Guerra Balcânica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Primeira Guerra Balcânica
Parte da(o) Guerras Balcânicas
Balkankrieg Besetzte Gebiete 1913.png
Ganhos territoriais dos Estados balcânicos, abril de 1913
Data 8 de outubro de 1912 - 30 de maio de 1913
Local Península dos Bálcãs
Desfecho derrota otomana, Tratado de Londres
Combatentes
Império Otomano Império Otomano Liga Balcânica:
Bulgária Bulgária
Grécia Grécia
Montenegro Montenegro
Sérvia Sérvia
Principais líderes
Império Otomano Nazim Paşa
Império Otomano Zekki Paşa
Império Otomano Essad Paşa
Império Otomano Abdullah Paşa
Império Otomano Ali Rizah Paşa
Império Otomano Hasan Tahsin Paşa
Bulgária Mihail Savov
Bulgária Ivan Fichev
Bulgária Vasil Kutintchev
Bulgária Nikola Ivanov
Bulgária Radko Dimitriev
Bulgária Georgi Todorov
Grécia Constantino I da Grécia
Grécia Panagiotis Danglis
Marinha Real da Grécia Pavlos Kountouriotis
Montenegro Nicolau I do Montenegro
Montenegro Príncipe Danilo Petrović
Montenegro Mitar Martinović
Montenegro Janko Vukotić
Sérvia Radomir Putnik
Sérvia Petar Bojović
Sérvia Stepa Stepanović
Sérvia Božidar Janković
Forças
350.000 homens Bulgária: 370.000 homens (600.000 mobilizados)
Sérvia: 220.000 homens
Grécia: 115.000 homens
Montenegro: 35.000 homens

A Primeira Guerra Balcânica, também conhecida como Primeira Guerra dos Bálcãs (português brasileiro) ou Balcãs (português europeu), foi um conflito militar que durou de outubro de 1912 a maio de 1913 e colocou a Liga Balcânica (Sérvia, Montenegro, Grécia e Bulgária) contra o Império Otomano. As forças combinadas dos Estados balcânicos conseguiram superar as forças otomanas, numericamente inferiores e em desvantagem estratégica, conseguindo um rápido sucesso. Como resultado da guerra, quase todos os territórios europeus do Império Otomano foram conquistados e divididos entre os aliados, e um Estado independente albanês foi criado, por pressão da Áustria-Hungria e da Itália. Apesar deste sucesso, as nações balcânicas permaneceram insatisfeitos com o resultado da guerra, e as tensões internas que surgiram com a retirada da ameaça otomana, que até então os unira, logo resultou na Segunda Guerra Balcânica.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

As tensões entre os Estados balcânicos sobre suas aspirações às províncias da Rumélia ocupadas pelos otomanos, como a Rumélia Oriental, a Trácia e a Macedônia, foram interrompidas pela intervenção das grandes potências nos Bálcãs em meados do século XIX, que visavam garantir a proteção das maiorias cristãs da região e a manutenção do status quo. Em 1867, a Grécia, a Sérvia e Montenegro já haviam assegurado suas independências, confirmadas pelo Tratado de Berlim uma década mais tarde. Mas a questão da viabilidade do domínio otomano renasceria com a Revolução dos Jovens Turcos em julho de 1908, que compeliu o sultão Abd-ul-Hamid II a restaurar a suspensa Constituição Otomana, e com os significativos desenvolvimentos ocorridos entre 1909 e 1911.

As aspirações sérvias sobre o território da Bósnia e Herzegovina foram defraudadas pela Áustria-Hungria, que anexou formalmente a província em outubro de 1908, pelo que os sérvios voltaram suas atenções para o Kosovo, que historicamente consideram sua terra natal, e para uma possível expansão para o sul. Oficiais gregos, que haviam se revoltado em agosto de 1909, haviam assegurado a indicação de um governo progressista liderado por Eleftherios Venizelos que, segundo esperavam, conseguiria resolver a questão da ilha de Creta a seu favor e reverter a derrota na Guerra Greco-Turca de 1897. A Bulgária, que ganhou sua independência do Império Otomano em abril de 1909 e tinha a amizade do Império Russo, também cobiçava territórios otomanos na Trácia e na Macedônia, para garantir sua expansão. Em março de 1910, uma insurreição albanesa eclodiu no Kosovo, e em agosto do mesmo ano o Montenegro seguiu o precedente aberto pela Bulgária e se tornou uma monarquia.

Em 1911, a Itália iniciou a invasão da Tripolitânia, no norte da África, à qual se seguiu a ocupação das ilhas do Dodecaneso. As decisivas vitórias militares italianas sobre o Império Otomano influenciaram os Estados balcânicos a preparar uma guerra contra os otomanos. Com esse fim, ocorreram diversos encontros entre os vários representantes das nações balcânicas durante a primavera de 1912, que resultaram em uma rede de alianças militares que se tornaria conhecida como a Liga Balcânica.

As grandes potências, sobretudo a França e a Áustria-Hungria, reagiram a estas reuniões diplomáticas tentando dissuadir a Liga de provocar a guerra, mas falharam. No final de setembro, tanto os Estados da Liga quando o Império Otomano haviam mobilizado seus exércitos. O Montenegro foi o primeiro país a declarar guerra, em 25 de setembro. Os outros três membros da aliança enviaram um ultimato ao Império Otomano em 13 de outubro, e declararam guerra no dia 17 do mesmo mês

Planos de batalha[editar | editar código-fonte]

Os quatro aliados não haviam planejado um plano geral de batalha, e não fizeram nenhum esforço para coordenar suas forças. Pelo contrário, a guerra acabaria por ser conduzida por cada Estado individualmente, e assim sendo, ela pode ser separada em quatro frentes de batalha geograficamente definidas. Búlgaros enfrentam a maior parte das forças otomanas, que protegiam as rotas para Constantinopla, especialmente na Trácia e na Macedônia. Sérvios e montenegrinos atuaram em Kosovo, em Sandjak, no norte da Macedônia e na região que viria a formar a Albânia. Os gregos concentraram seus esforços de guerra no sul da Macedônia e na direção de Salônica.

Bulgária[editar | editar código-fonte]

A Bulgária, então conhecida como a "Prússia dos Bálcãs",[1] era militarmente o mais poderoso dos quatro aliados, com um grande, bem-treinado e bem-equipado exército.[2] O exército de 60.000 homens foi expandido para 370.000 combatentes durante a guerra,[2] com uma mobilização total de 600.000 soldados, numa população de 4.300.000 de habitantes.[3] O suposto comandante das operações era o Czar Ferdinando, enquanto o atual comando estava nas mãos do General Michail Sakov. Os búlgaros também possuíam uma pequena marinha composta por seis navios torpedeiros, que estavam restritos a operações na costa do Mar Negro.[4]

As forças búlgaras concentraram seus ataques na Trácia e na Macedônia. Esta última viria a ser dividida entre Sérvia e Grécia, apesar de originalmente estas duas regiões pertencerem ao reino (foram retiradas do reino búlgaro em 1878, no Tratado de Berlim, no qual as potências europeias tentaram impedir o surgimento de um país poderoso nos Bálcãs). A maior força de ataque foi deixada na Trácia, formando três exércitos. O primeiro, sob o comando do general Vasil Kutinchev tinha três divisões de infantaria e foi deixado no sul de Yambol, com vistas a fazer operações ao longo do rio Tundzha. O segundo exército ficou sob o comando do general Nikola Ivanov, com duas divisões de infantaria e uma brigada, foi deixado a oeste do primeiro exército e designado a capturar a poderosa fortaleza de Adrianopel (atual Edirne). De acordo com os planos, o terceiro exército, sob o comando do general Radko Dimitriev, foi deixado a leste do primeiro, e estava protegido pela divisão de cavalaria que o escondia das divisões turcas. O terceiro exército tinha três divisões de infantaria designadas a cruzar o monte Stranja e a tomar a fortaleza de Lozengrad (Kirk Kilisse). As divisões de número 2 e 7 receberam papéis independentes, operando na Trácia Ocidental e na Macedônia Oriental, respectivamente. Vievo foi um exemplo de vila da qual os turcos foram expulsos sob a eficácia da milícia búlgara.

Sérvia[editar | editar código-fonte]

Apesar de muito menor em números que o exército búlgaro, a força militar da Sérvia também era considerável. A Sérvia convocou aproximadamente 230.000 homens para formar dez divisões de infantaria, duas brigadas independentes, e uma divisão de cavalaria sob o comando do ex-Ministro da Guerra Radomir Putnik.[3] O Alto Comando sérvio, em suas previsões feitas antes do início da guerra, concluiu que o melhor campo para uma batalha decisiva contra o exército otomano seria o planalto de Ovče Polje, próximo a Escópia. Assim sendo, as principais forças formaram três exércitos que avançaram sobre Escópia, enquanto uma brigada independente ajudava os montenegrinos no Sanjak de Novi Pazar.

O primeiro exército era comandado pelo general Petar Bojović, e era um dos mais poderosos em número de forças, enquanto se dirigia para tomar Escópia. O segundo exército era comandando pelo general Stepa Stepanović, e consistia em um exército mistro de sérvios e búlgaros. Formou-se a esquerda do primeiro exército e avançou contra a cidade de Stracin. A inclusão de uma força búlgara ao exército deveu-se a um acordo pré-guerra feito entre os comandantes dos exércitos sérvio e búlgaro, mas essa divisão recusou-se a obedecer o General Stepanović logo que a guerra começou, e seguiu apenas ordens do Alto Comando búlgaro. O terceiro exército era comandado pelo general Božidar Janković e, estando na ala direita do exército, tinha a tarefa de libertar Kosov e então juntar-se aos outros exércitos para a esperada batalha de Ovče Polje.

Grécia[editar | editar código-fonte]

O cruzador blindado Averof, nau capitânia da frota grega. Era, à data, o mais moderno navio de guerra das marinhas envolvidas no conflito, tendo cumprido um papel crucial nas operações no Mar Egeu.

A Grécia era considerada a mais fraca dos três principais aliados, desde que havia sofrido uma humilhante derrota contra os otomanos na Guerra Greco-Turca de 1897, e não se esperava que contribuísse decisivamente contra o exército turco. O reino grego mostrou-se capaz de juntar apenas 120.000 combatentes para suas forças de guerra. Entretanto, a Grécia possuía uma poderosa marinha, que acabou por se tornar vital para a liga, já que era a única forma de prevenir que reforços turcos chegassem aos Bálcãs transferidos da Ásia. Previamente, o embaixador grego em Sófia declarou, com exagero, durante as negociações que levaram a Grécia a ingressar na Liga: "A Grécia pode prover um exército de 600.000 combatentes para o esforço de guerra. (...) 200.000 homens em terra, e a marinha estará apta a impedir 400.000 homens de desembarcar [...] entre Salônica e Galípoli.[4]

O exército ainda estava sendo reorganizado por uma missão militar francesa quando a guerra começou. Com a mobilização, ele dividiu-se em dois. O Exército de Tessália, sob o comando do Príncipe Constantino I, ao lado do general Panagiotis Danglis, abrigava sete divisões da infantaria, uma brigada da cavalaria e quatro batalhões de evzones independentes, chegando a aproximadamente 100.000 homens. Esta força deveria tomar posições fortificados da fronteira turca e avançar contra a Macedônia, com o objetivo de tomar Salônica.

Além deste, de 10.000 a 13.000 homens divididos em oito batalhões foram designados a compor o Exército de Epirus, sob o comando do general Konstantinos Sapountzakis, que deveria avançar sobre a região de Epirus. Como não haviam esperanças de captura da altamente fortificada capital Janina, sua missão inicial era simplesmente enfraquecer as forças turcas da área, até que reforços fossem enviados e o Exército de Tessália fosse bem-sucedido nas suas operações.

A marinha grega, neste ínterim, deveria isolar as ilhas do Mar Egeu que ainda estavam sob o domínio otomano e asseguradas pela supremacia naval do Sultão. A Marinha do Egeu, sob o comando de Pavlos Kountouriotis foi designada para esta tarefa, e consistia em três navios de guerra, sete destróiers e o novíssimo cruzador blindado Averof, nos quais os planos de dominação naval grega se baseavam.[5] Outras forças menores consistiam de navios torpedeiros que deveria atacar qualquer resistência otomana.

Montenegro[editar | editar código-fonte]

Os montenegrinos tinham uma reputação de experientes lutadores, mas seu exército era pequeno e antiquado.[3] Depois de completar a mobilização na primeira semana de outubro, Montenegro organizou seu exército de 35.600 combatentes em quatro divisões.[3] O comandante era supostamente o Rei Nicolau I, mas o comando efetivo estava nas mãos do general Lazorović. O principal foco montenegrino era a captura da importante cidade de Skadar, enquanto operações secundárias eram realizadas em Novi Pazar.

Império Otomano[editar | editar código-fonte]

Em 1912, os otomanos viram-se numa posição de extrema dificuldade. Ainda se encontravam envolvidos numa guerra com os italianos na Líbia, que durou até 15 de Outubro, poucos dias antes do início das hostilidades nas Balcãs. O Império Otomano estavaa então desprovido de capacidade de reforçar significativamente as suas posições na península balcânica e as relações com os Estados da região tinham-se degradado ao longo do ano.[6]

As capacidades militares otomanas também estavam minadas devido à instabilidade causada pela Revolução dos Jovens Turcos e pelo golpe contra-revolucionário levado a cabo vários meses depois. Um esforço foi feito para reorganizar o exército com a ajuda de uma missão alemã, mas os seus efeitos foram questionáveis.[3] O exército regular (nizam) era bem-equipado e treinado, mas as unidades de reserva (redif) que o complementava era geralmente composto de cidadãos locais não-muçulmanos, que tinha pouquíssimas habilidades para lutar.[6]

Em teoria, os otomanos poderiam sentir-se muito superiores numericamente contra a Liga Balcânica, mas com o Mar Egeu pela marinha grega, teriam que transportar todos os exércitos da Ásia por terra, por uma única linha férrea. Mesmo na Europa, os otomanos não possuíam um plano único contra os seus oponentes, e as suas forças lutaram isoladas, sem uma coordenação geral.

Batalhas[editar | editar código-fonte]

Batalhas da Primeira Guerra Balcânica
Nome Atacante Comandante Defensor Comandante Data Vencedor
Batalha de Sarantaporo Gregos Constantino I da Grécia Otomanos 22 Out 1912 Gregos
Batalha de Kumanovo Sérvios Gen. Radomir Putnik Otomanos Gen. Zekki Paşa 23 Out 1912 Sérvios
Batalha de Kirk Kelesse Búlgaros Gen. Radko Dimitriev, Gen. Ivan Fichev Otomanos Mahmud Muhtar Paşa 24 Out 1912 Búlgaros
Batalha de Lule-Burgas Búlgaros Gen. Radko Dimitriev, Gen. Ivan Fichev Otomanos Abdullah Paşa 28-31 Out 1912 Búlgaros
Batalha de Giannitsa Gregos Constantino I da Grécia Otomanos Hasan Tahsin Paşa 1 Nov 1912 Gregos
Batalha de Prilep Sérvios Otomanos 3 Nov 1912 Sérvios
Batalha de Pente Pigadia Gregos Ten. Gen. Konstantinos Sapountzakis Otomanos Esat Paşa 6-12 Nov 1912 Gregos
Batalha de Vevi Gregos Otomanos 15 Nov 1912 Otomanos
Batalha de Bitola Sérvios Gen. Petar Bojović Otomanos Gen. Zekki Paşa 16-19 Nov 1912 Sérvios
Batalha naval de Kaliakra Búlgaros Cap. Dimitar Dobrev Otomanos Hyusein Rauf Bey 21 Nov 1912 Búlgaros
Batalha naval de Elli Gregos Con. Alm. Pavlos Kountouriotis Otomanos Alm. Ramiz Bey 16 Dez 1912 Gregos
Batalha naval de Lemnos Gregos Con. Alm. Pavlos Kountouriotis Otomanos 18 Jan 1913 Gregos
Batalha de Bulair Otomanos Feti Bey Búlgaros Gen. Georgi Todorov 26 Jan 1913 Búlgaros
Batalha de Şarköy Otomanos Enver Bey Búlgaros Gen. Stiliyan Kovachev 26-28 Jan 1913 Búlgaros
Batalha de Bizani Gregos Constantino I da Grécia Otomanos Esat Paşa 5-6 Mar 1913 Gregos
Cerco de Adrianople Búlgaros e Sérvios Gen. Georgi Vazov, Gen. Stepa Stepanovic Otomanos Gen. Ghazi Shulkri Paşa 11-13 Mar 1913 Búlgaros e Sérvios

Notas

  1. DILLON, The Inside Story of The Peace Conference, cap.XV
  2. a b HALL, The Balkan Wars, p.16
  3. a b c d e HALL, The Balkan Wars, p.18
  4. a b HALL, The Balkan Wars, p.17
  5. ERICKSON, Defeat in Detail, p.155
  6. a b HALL, The Balkan Wars, p.19

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Primeira Guerra Balcânica
  • ERICKSON, Edward J.; BUSH, Bright C.. Defeat in Detail: The Ottoman Army in the Balkans, 1912-1913 (em inglês). [S.l.]: Greenwood Publishing Group, 2003. ISBN 0-275-97888-5
  • HALL, Richard C.. The Balkan Wars, 1912-1913: Prelude to the First World War (em inglês). [S.l.]: Routledge, 2000. ISBN 0-415-22946-4
  • SCHURMAN, Jacob Gould. The Balkan Wars 1912 to 1913 (em inglês). [S.l.]: Kessinger Publishing, 2004. ISBN 1-4191-5345-5
  • DILLON, Emile Joseph. The Inside Story of The Peace Conference (em inglês). Nova Iorque: Harper & Brothers Publishers, 1920. (disponível online)