Pogrom de Istambul

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wiki letter w.svg
Por favor melhore este artigo ou secção, expandindo-o. Mais informação pode ser encontrada no artigo «Istanbul Pogrom» na Wikipédia em inglês e também na página de discussão. (julho de 2011)
Pogrom de Istambul
Outros nomes Motins de Istambul, Pogrom de Constantinopla, Eventos de Setembro
Participantes Populaça; "Grupo de Mobilização Tática" do Exército da Turquia (tropas especiais); Serviço de Segurança Nacional (MAH); Partido Democrático[1] [2]
Localização  Turquia, Istambul
Data 6 e 7 de setembro de 1955 (58 anos)
Resultado 13 a 17 mortos; aumento da fuga de gregos étnicos da Turquia

O Pogrom de Istambul, também conhecido como Motins de Istambul ou Pogrom de Constantinopla (em grego: Σεπτεμβριανά [Eventos de Setembro]; em turco: 6–7 Eylül Olayları [Eventos de 6 e 7 de setembro]) foi um pogrom dirigido especialmente contra a minoria grega de Istambul em 6 e 7 de setembro de 1955. Os motins foram orquestrados por uma unidade tropas especiais turcas de antiguerrilha, o "Grupo de Mobilização Tática", envolvido na Operação Gladio na Turquia, mas também estiveram implicados o Serviço de Segurança Nacional (MAH) e Partido Democrático[1] [2]

Na origem dos eventos esteve a notícia de que o consulado turco em Salónica, no norte da Grécia, instalado na casa onde nasceu Mustafa Kemal Atatürk, tinha sido bombardeado no dia anterior.[3] A bomba foi posta por um porteiro turco, que depois foi preso e confessou o crime,[4] mas a notícia desta prisão não foi divulgada pela imprensa turca, que em vez disso insinuou que a bomba tinha sido colocada pelos gregos.

Uma turba, constituída em grande parte por gente que tinha sido transportada em camiões com antecedência para a cidade, assaltou a comunidade grega de Istambul durante nove horas. Embora a populaça não incitasse explicitamente a que os gregos fossem mortos, mais de doze pessoas morreram durante ou depois do pogrom em resultado de espancamentos e fogos postos. Além de gregos, houve também feridos judeus, arménios e muçulmanos.

O pogrom acelerou drasticamente a emigração de gregos étnicos (em turco: rumlar) da Turquia em geral e de Istambul em particular. A população grega da Turquia decresceu de 119 822 pessoas em 1927, já depois da troca de populações entre a Grécia e a Turquia, para cerca de 7 000 em 1978. Só em Istambul, a população grega passou de 65 108 em 1955 para 49 081 (-25%).[5] Segundo os dados publicados pelo Ministério dos Negócios Estrangeiros turco, em 2008 o número de cidadãos turcos de ascendência grega era de 3 000 ou 4 000,[6] enquanto que a Human Rights Watch estimava em 2 500 o número de gregos na Turquia.[7]

Alguns encaram o pogrom como a continuação do processo de "turquificação" que foi iniciado com o declínio do Império Otomano e não como uma questão contemporânea e bilatreal. Para apoiar esta tese, apresentam o facto de cerca de 40% das propriedades atacadas pertencerem a outas minorias que não os gregos.[3]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b Speros 2005
  2. a b Birand, Mehmet Ali (7 de setembro de 2005). The shame of Sept. 6-7 is always with us (em inglês). arama.hurriyet.com.tr. Hürriyet Turkish Daily News. Página visitada em 16 de julho de 2011.
  3. a b Dilek, Güven (6 de setembro de 2005). 6-7 Eylül Olayları (1) (em turco). www.radikal.com.tr. Jornal Radikal. Página visitada em 16 de julho de 2011. Cópia arquivada em 1 de maio de 2009.
  4. (18 de outubro de 1960) "Selânik´te atilan bomba Türkie´den götürülmüs" (em turco). Vatan. («A bomba posta em Salónica veio da Turquia»).
  5. Tsilenis, Savvas. A minoria cristã ortodoxa nas estatísticas oficiais da Turquia moderna (em grego). www.demography-lab.prd.uth.gr. Laboratório de Análise Demográfica e Social, Universidade de Tessália. Página visitada em 16 de julho de 2011.
  6. Foreign Ministry: 89,000 minorities live in Turkey (em inglês). Today's Zaman. Feza Gazetecilik (15 de dezembro de 2008). Página visitada em 16 de julho de 2011.
  7. Yagcioglu, Dimostenis. The Greeks of Turkey [ligação inativa] (em inglês). Site pessoal. Página visitada em 16 de julho de 2011. Cópia arquivada em 7 de janeiro de 2009. "From the “Denying Human Rights and Ethnic Identity” series of Human Rights Watch"

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Güllapoğlu, Fatih. Tanksız Topsuz Harekât: Psikolojik Harekat (a operação sem tanques e sem canhões) (em turco). [S.l.]: Tekin Yayinevi, 1991. ISBN 9754780870
  • Güllapoğlu, Fatih. Türk Gladio'su İçin Bazı İpuçları (em turco). [S.l.]: Tempo Dergisi, junho de 1991. p. 24.
  • Speros, Vryonis, Jr.. The Mechanism of Catastrophe: The Turkish Pogrom of September 6–7, 1955, and the Destruction of the Greek Community of Istanbul (em inglês). Nova Iorque: Greekworks.com, 2005. ISBN 978-0-9747660-3-4


Ícone de esboço Este artigo sobre a Turquia é um esboço relacionado ao Projeto Europa e ao Projeto Ásia. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.