Igreja da Virgem do Farol

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Igreja da Virgem do Farol
Mapa do distrito imperial de Constantinopla. A igreja da Virgem estava na parte sul, próxima ao farol.
Mapa do distrito imperial de Constantinopla. A igreja da Virgem estava na parte sul, próxima ao farol.
Local Istambul
País  Turquia
Coordenadas 41° 0' 21" N 28° 58' 38" E
Religião Ortodoxa grega
Ano de consagração Virgem Maria




Notas Destruída durante o período do Império Latino

A Igreja da Virgem do Farol (em grego: Θεοτόκος τοῦ Φάρου; transl.: Theotokos tou Pharou) era uma capela bizantina construída na parte sul do Grande Palácio em Constantinopla e batizada em homenagem ao farol (pharos) que existia nas redondezas.[1] Ela abrigava a mais importante coleção de relíquias da cidade e funcionou como a principal capela palaciana para os imperadores bizantinos. A igreja não sobreviveu à ocupação latina na cidade.[2]

História[editar | editar código-fonte]

A igreja foi provavelmente construída em algum momento do século VIII, como atestado pela primeira vez na crônica de Teófanes, o Confessor, em seu texto sobre o ano de 769: seria ali que o futuro imperador Leão IV, o Cazar (r. 775–780) se casaria com Irene de Atenas. A igreja estava localizada perto do centro cerimonial do palácio, a sala do trono do Crisotriclinos e colada nos aposentos imperiais.[3] Logo após o final do Iconoclasma, ela foi inteiramente reconstruída e redecorada pelo imperador Miguel III, o Ébrio (r. 842–867). Mesmo depois de restaurada, a igreja ainda era um edifício relativamente pequeno, com uma cúpula estriada, três absides, um nártex e um átrio "esplendidamente decorado".[4] Quando ela foi rededicada, por volta de 864, o patriarca de Constantinopla Fócio proferiu ali uma de suas mais famosas homilias, elogiando a espetacular decoração da igreja,[5] [6] quando na realidade, ele estava sutilmente criticando-a por ser "muito" suntuosa, especialmente por causa de seu pequeno tamanho.[7]

Juntamente com as igrejas de Santo Estevão do Palácio de Dafne e a Igreja Nova, a Virgem do Farol se tornou uma das maiores coleções de relíquias sagradas cristãs. Consequentemente - e também por conta da proximidade dos aposentos imperiais - ela se tornou um dos principais locais cerimoniais no palácio imperial,[8] se tornando, eventualmente, nas palavras de Cyril Mango, "a capela palaciana par excellence".[9]

Relíquias[editar | editar código-fonte]

Cobertura em ouro do relicário da lápide do Santo Sepulcro.
Obra bizantina atualmente preservada no tesouro de Sainte-Chapelle..

Já em 940, sua coleção de relíquias incluía a Lança Sagrada e parte da Vera Cruz e, durante os dois séculos seguintes, uma sucessão de imperadores foi acrescentando novos tesouros: a Imagem de Edessa (o Mandylion) em 944, o braço direito de João Batista em 945 (atualmente em exposição no Palácio de Topkapı), as sandálias de Cristo e o Tijolo Sagrado (keramion) na década de 960, a carta de Cristo ao rei Abgar V de Edessa em 1032. No final do século XII, de acordo com o relato de Nicolau Mesarites, o esceufílax da igreja, e de peregrinos, como Antônio de Novgorod, a coleção incluía ainda mais relíquias, principalmente sobre a Paixão de Cristo: a Coroa de espinhos, um dos pregos da cruz, roupas de Cristo, o manto púrpura e a bengala de junco, e até mesmo um pedaço de sua lápide.[10] [11] Como resultado, a igreja era considerada pelos bizantinos como "um outro Sinai, uma Belém, um Jordão, uma Jerusalém, uma Nazaré, uma Betânia, uma Galileia, uma Tiberíades.".[3]

O cruzado francês Robert de Clari, em sua narrativa sobre o saque de Constantinopla pela Quarta Cruzada em 1204, chama a igreja de la Sainte Chapelle ("a Capela Sagrada").[4] A capela em si foi poupada ao saque durante o evento: Bonifácio de Montferrat rapidamente tomou a área do Palácio de Bucoleão e as relíquias passaram em segurança para as mãos do novo imperador latino, Balduíno I (r. 1204–1205).[12] Nas décadas seguintes, porém, a maior parte delas se dispersou por toda a Europa Ocidental, na forma de presentes para influentes e poderosos reis ou foram vendidas para conseguir dinheiro e suprimentos para o claudicante e sempre sem dinheiro Império Latino.[13] Muitas delas, principalmente as que diziam respeito à Paixão, foram adquiridas pelo rei Luís IX da França (r. 1226–1270) e, para abrigá-las, ele construiu também uma capela palaciana especialmente dedicada, caracteristicamente chamada de Sainte-Chapelle, imitando diretamente a Igreja da Virgem do Farol.[14] [15] O conceito da igreja foi novamente imitado na capela relical do Castelo de Karlstejn, construída por Carlos IV, imperador do Sacro Império Romano Germânico (r. 1346–1378) em consonância com o seu desejo de ser o "novo Constantino".[3]

Referências

  1. Klein 2006, p. 79-80
  2. Maguire 2004, p. 57
  3. a b c Klein 2006, p. 80
  4. a b Maguire 2004, p. 56
  5. Maguire 2004, p. 55
  6. Mango 1986, p. 185-186
  7. Necipoğlu 2001, p. 171-172
  8. Klein 2006, p. 93
  9. Mango 1986, p. 185
  10. Klein 2006, p. 91-92
  11. Maguire 2004, p. 56; 67-68
  12. Angold 2003, p. 235-236
  13. Angold 2003, p. 236-239
  14. Maguire 2004, p. 56-57
  15. Angold 2003, p. 239

Bibliografia[editar | editar código-fonte]