Guerrilha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2011).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Guerrilha (em espanhol: guerrilla, "pequena guerra") é um tipo de guerra não convencional no qual o principal estratagema é a ocultação e extrema mobilidade dos combatentes, chamados de guerrilheiros, incluindo, mas não limitado a civis armados (ou "irregulares").

Pode se constituir também como uma movimentação híbrida, ou seja, ora centralizada por uma atitude bélica cujo aspecto pode ser colaboracionista com as forças regulares de determinadas regiões, e ora pode se dar o enfrentamento sem conexão com qualquer força armada regular.

Origem[editar | editar código-fonte]

Presume-se que tenha sido utilizada a palavra guerrilha (guerrilla) pela primeira vez na Guerra Peninsular contra a invasão napoleônica a Portugal e Espanha, entre 1808 e 1812, embora as técnicas guerrilheiras remontem à Antiguidade. Portanto, o termo passou a ser utilizado a partir da sua origem ibérica, tendo sua grafia original preservada em muitos idiomas. No Brasil data da Invasão Holandesa a Salvador, entre 1624 a 1625, quando o Sargento-mor Antônio Dias Cardoso, Mestre das Emboscadas, aplicou as técnicas para conter o invasor. E em 1645 voltaria a empregar nos Montes das Tabocas, seguindo com ações na(s) Batalha dos Guararapes, respectivamente, em 19 de Abril de 1648 e em 19 de Fevereiro de 1649.

A guerra de guerrilhas também recebeu outras denominações. Na América Latina, por exemplo, foi chamada de montonera no Rio da Prata e bola no México, entre outras nomenclaturas que não prevaleceram. Na América do Norte foi Francis Marion, Raposa do Pântano, seu precursor com uso de armadilhas e emboscadas durante Independência dos Estados Unidos.

Conceito[editar | editar código-fonte]

Trata-se de levar um adversário, por muito mais forte que seja, a admitir condições freqüentemente muito duras, não engajando contra ele senão por meios extremamente limitados. É então que entra em jogo, em toda a sua plenitude, a fórmula das variáveis complementares que já encontramos: a inferioridade das forças militares deve ser compensada por uma superioridade crescente das forças morais, à medida que a ação se prolonga. Assim, a operação desenvolve-se simultaneamente em dois planos, o plano material, das forças militares, e o plano moral, da ação psicológica.

A guerrilha não é necessariamente um tipo de guerra de resistência onde os insurgentes se opõem a uma força de ocupação, como no Iraque ocupado pelos estadunidenses ou como na União Soviética invadida pelos nazistas. Ela é também comum em guerras revolucionárias (com fator político-ideológico) que podem ocorrer entre partidos ou facções de um mesmo povo. (v.g. M.M.D.C., El Salvador, Guerrilha do Araguaia, Ação Libertadora Nacional - ALN, Movimento Revolucionário 8 de Outubro - MR8, Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia - FARC, Sendero Luminoso, Euskadi Ta Askatasuna - ETA, Exército Republicano Irlandês - IRA, etc.)

As guerras de guerrilhas, quase em sua totalidade, buscaram a independência de determinada região ou grupos. Utilizam armamentos leve e de fácil deslocamento. Atualmente se mantêm com recursos financeiros advindos de impostos cobrados de transeuntes da área dominada pela guerrilha, bem como operações militares.

Em geral, os grupos guerrilheiros tendem a apoiar soluções progressistas, pois, sendo oriundos de grupos locais, mantém contatos estreitos com a população da região onde atuam, ao contrário das Forças Armadas regulares. Assim, é muito comum a estes grupos serem liderados por "caciques", "caudilhos", Governo sombra, mais modernamente e/ou lideranças de classes em geral, segundo conceito da Corte de Palermo, Itália, devido ao chamado "Anos de Chumbo". As quais antigamente, no Brasil, com interesses escusos e "mais - amplos". Neste caso, como as suas ações do Cabo Anselmo, ou seja qual o nome desse cidadão, antigo guerrilheiro Comunista, de "dupla - face", que desenvolvia - trabalhos tanto de um lado (do Governo da época), como de outro da guerrilha (oposição ao Governo da época), no início do regime militar no Brasil - 1964 até 1970.

Foi justamente por esta ligação estreita que o chamado "guerrilheirismo latino-americano" proliferou na América Latina enfrentando o poder chamado de "Forças Realistas Coloniais Espanholas".

Estratégia[editar | editar código-fonte]

Se a margem de liberdade de ação é grande, mas os meios disponíveis excessivamente fracos para obter uma decisão militar, pode-se recorrer a uma estratégia de conflito de longa duração, visando a promover a usura moral, a lassidão do adversário. Para poder durar, os meios empregados serão muito rústicos, mas a técnica de emprego (geralmente uma guerra total apoiada sobre uma guerrilha generalizada) obrigará o adversário a um esforço bem mais considerável do que ele poderá suportar indefinidamente. Este modelo de luta total prolongada de fraca intensidade militar foi geralmente empregado com sucesso nas Guerras de Descolonização. Seu teórico principal é Mao Tse-Tung. Observemos que esta estratégia, que exige considerável esforço moral de parte de quem toma a iniciativa, pressupõe forte elemento passional e muito boa coesão da alma nacional. Assim, ela corresponde o mais completamente possível às guerras de liberação. Mas ela somente tem chances de sucesso se o que está em jogo entre as partes é bem desigual (caso das Guerras de Descolonização), ou bem ela se beneficia de intervenções armadas (caso das guerras de liberação, na Europa, entre 1944-45, e na Espanha, em 1813-14) às quais elas servem de reforço. A técnica da guerrilha por vezes leva, em maior ou menor intensidade, a uma verdadeira Onda Revolucionária no tecido social, visando a tomada do poder constituído.

Plano material[editar | editar código-fonte]

Em situação de grande inferioridade de meios, não se pode esperar sobreviver senão recusando combater, e empregando uma tática de fustigamento para manter vivo o conflito. Isto conduz à guerrilha, velha como o mundo e, no entanto, esquecida e depois reaprendida, a cada geração. Mas esta tática há quarenta anos é objeto de codificações estratégicas muito importantes, as quais permitem conduzir tal gênero de operações segundo conceitos racionais que lhe aumentam consideravelmente a eficácia e, conseqüentemente, permitem reduzir bastante o desequilíbrio de forças materiais. Mao Tse-Tung definiu em sete regras a essência da guerrilha: íntimo acordo entre a população e os guerrilheiros, retraimento ante um avanço inimigo em força, fustigamento e ataque ante um retraimento inimigo, estratégia de um contra cinco, tática de cinco contra um, particularmente graças ao que se chama o "retraimento centrípeto", isto é, a concentração de forças durante o retraimento (ele dispunha de muito espaço na China); enfim, logística e armamento graças ao que é tomado do inimigo.

Estas sete regras constituem o mínimo necessário para tal forma de guerra, mínimo, no entanto, às vezes desconhecido, como, por exemplo, quando a OAS pretendeu estabelecer um "reduto" na Argélia, ou quando os americanos aceitaram a ideia de um desembarque em Cuba, sob a forma de "cabeça de ponte" clássica.

Mais além desse mínimo, duas noções capitais foram formuladas, para garantir a liberdade de ação da guerrilha A primeira, de origem soviética, mas já aplicada pelos irlandeses, visa a impedir a repressão, dissuadindo a população de informar o inimigo, mediante a prática de terrorismo sistemático. A segunda, luminosamente explicada por Lawrence, a propósito de Medina, tem por princípio estender em superfície, ao máximo, a ameaça da guerrilha, sem, no entanto, incitar o inimigo a retrair-se, de forma a criar para ele um problema de proteção cada vez mais difícil. A aplicação deste última noção tem como efeito levar o adversário a despender mais e mais forças para a guarda de um número crescente de pontos, o que, em larga medida, é capaz de modificar o equilíbrio prático das forças em presença. É assim que, na Argélia, mais de 300.000 homens eram mantidos na incerteza por menos de 30.000.

Enfim, as forças de guerrilha, cujo desgaste é terrível, devem ser mantidas e constantemente desenvolvidas para que a pressão seja crescente. Isto exige um sistema inicial de contrabando de armas (ou de lançamento por pára-quedas, como na França, em 1944), seguido, desde que possível, do estabelecimento de bases próximas do território atacado, cuja inviolabilidade será assegurada pelos meios de dissuasão da manobra exterior. Tal foi o papel das bases da China para a guerra da Indochina, das do Egito, inicialmente, e, depois das da Tunísia e do Marrocos, para a Guerra da Argélia, das do Congo, ex-belga, para a Angola portuguesa etc. Certos autores viram na organização dessas bases o elemento decisivo de tal gênero de guerra. Se ele não é decisivo em si mesmo, certamente é muito importante, pois pode-se notar que as guerrilhas que fracassaram no Quênia e na Malásia são justamente as que se encontravam isoladas. Este último ponto confere à manobra exterior capital valor operacional, que se agrega ao que já se disse de seu papel-chave no domínio da liberdade de ação global.

Plano psicológico[editar | editar código-fonte]

No plano psicológico, a ideia geral é, ainda, saber durar. Para isto, é indispensável que as forças morais dos combatentes e da população sejam desenvolvidas e mantidas em nível elevado. A alavanca moral é, por conseguinte, capital. Simetricamente, é preciso levar o adversário a ceder por lassidão. Ainda aqui, a ação psicológica será essencial para explorar nesse sentido os resultados obtidos. Esta ação psicológica complexa, pois que deve dirigir-se simultaneamente aos combatentes e à população amiga e inimiga, repousa sobre dois elementos principais, a "linha política" de base e a escolha da tática psicológica.

A linha política de base, que deve estar em harmonia com a linha política necessária à manobra exterior, deve ser tal que possa mobilizar, em vista da luta, as paixões latentes do povo que se quer emocionar. Por outro lado, estas paixões (patrióticas, religiosas, sociais etc.) devem ser apresentadas segundo uma orientação que demonstre a justiça da causa que se quer apoiar. Do mesmo modo, o sucesso da operação deve parecer certo, não como em 1940, "porque nós somos os mais fortes" - o que, nesse gênero de guerra, no início jamais é verdadeiro - mas porque "Deus (ou obscuras forcas históricas) está conosco". O determinismo histórico, predestinando a História no sentido desejado, vem assim substituir as imagens santas ou as aparições que galvanizavam os cruzados.

Ele cria uma espécie de fatalismo otimista e, simetricamente, um fatalismo pessimista no inimigo, que se aparentam com o fatalismo dos muçulmanos, sucessivamente conquistadores e subjugados.

Este último ponto é particularmente importante, porque foi medido mal o papel que representou na rápida conquista do mundo pela raça branca: o sentimento dos povos submetidos de que os brancos eram trazidos pelo destino, e de que não podíam deixar de ser os senhores de seu futuro. Os revezes sofridos pelo Ocidente na primeira parte da II Guerra Mundial desmentiram tal previsão: perderam a face, e as mesmas forças que operaram em favor dele passaram a atuar contra ele.

As táticas psicológicas comportam, evidentemente, o emprego de técnicas hoje bem conhecidas, de propaganda, doutrinação e organização da população, através de um enquadramento cerrado e cuidadosamente vigiado. Porém, nesse gênero de guerra é, sobretudo, indispensável compreender que os únicos êxitos são de ordem psicológica, e que, portanto, todas as ações materiais somente têm interesse pelo seu valor para levantar o moral ou o prestígio dos combatentes, ou da população. Por conseguinte, a guerrilha deverá, mais freqüentemente, ser conduzida nesse sentido. Por outro lado, se faltam os êxitos, ou se eles são mínimos, o blefe - e mesmo a mentira total - poderão suplementá-los. (Cf. "a heroica" defesa de Port. Said, a destruição do "Suffren" pêlos norte-vietnamitas, do "Jean Bart" pêlos egípcios, o desembarque do Exército egípcio na Kabilia etc.). No mesmo sentido, um prurido de notícias sensacionais, como é hábito da imprensa ocidental, permite ao adversário multiplicar o efeito psicológico de ações modestas e repetidas.

Pode-se notar aqui que, se a linha política deve apresentar séria unidade, a propaganda pode ser muito diferente no plano exterior e no plano interior.

Se a guerrilha não é sufocada desde o início, existem as maiores probabilidades de um desfecho vitorioso. Na melhor das hipóteses, conseguir-se-á a renúncia à luta pelo adversário (Tunísia, Marrocos, Argélia). Se a manobra exterior não consegue impedir a intervenção de outras potências, chegar-se-á a uma solução de compromisso, sob a forma de uma partição (Israel, Indochina). Se a manobra exterior não consegue alimentar suficientemente a ação interior e se o adversário se agarra, então chega-se ao fracasso (Quênia, Malásia). Porém, os germes semeados durante a luta, mais tarde se desenvolverão e, no mínimo, ter-se-á imposto ao adversário um esforço considerável ao preço de meios irrisórios.

Contra-guerrilha[editar | editar código-fonte]

Em uma agressão do tipo guerra de guerrilha, pode-se hesitar entre diversas soluções. A melhor, se ela for possível, consistiria em salvaguardar o essencial (isto é, o controle governamental), sem engajar grandes meios, e em resolver o conflito.

A linha política, será a de reduzir os trunfos do adversário. Por conseguinte, será necessário, por um lado, manter e desenvolver o prestígio, mediante uma demonstração de força, sem dúvida, como também persuadindo de possibilidades futuras (civilização em progresso, apoio internacional etc.); e, por outro lado, desarmar reivindicações através de reformas profundas.

No plano militar, é indispensável frustrar a estratégia da guerrilha, tal como foi descrita mais acima; é preciso, antes de mais nada, evitar-se deixar desbordar pela manobra de superfície, praticando estrita economia de forças, com a colocação da guerrilha em xeque pela "manobra de Medina". Estratégia das forças árabes, sob a liderança de Lawrence da Arábia por ocasião da Primeira Guerra Mundial, onde mantiveram sob ataque a ferrovia Damasco-Medina, cortando as ligações do Exército turco com Damasco e fixando-o em Medina. Isto leva a limitar a proteção generalizada de pessoas e de bens, graças a uma forte densidade de ocupação em zonas reduzidas e bem escolhidas, em função de sua importância geográfica, política e econômica; e em consentir certo grau de insegurança no resto do país. Os postos que nestes eixos serão deixados terão por finalidade, somente, manter um sistema de informações, graças ao qual se poderá desencadear uma série de operações destinadas a impedir a reorganização de bases adversas. Em certos casos mesmo, poder-se-á deixar o inimigo aí se instalar à vontade, para destruí-lo mais facilmente. Correlativamente, as fronteiras deverão ser hermeticamente fechadas, graças a uma tática de barragens (posições defensivas), das quais as guerras da Líbia (da Itália fascista) e da Argélia deram o exemplo. Mesmo bem conduzidas, essas operações requererão meios muito importantes. É sua grande fraqueza, para uma guerra necessariamente prolongada,face a acomodação da tropa. A estratégia deverá, então, esforçar-se por encontrar soluções econômicas, enquanto que a organização deverá aplicar fórmulas (substituições com a movimentação da tropa, etc.) concebidas para o tempo de duração da guerra. Em circunstâncias, excepcionalmente favoráveis poder-se-á tentar obter a decisão por um considerável esforço de meios, sob a condição de que os resultados sejam rapidamente compensadores. Se não fosse assim (Argélia, 1956), não se faria senão reduzir a sua própria capacidade de durar; por conseguinte, fazendo o jogo da guerra de guerrilha.

Enfim, é bem certo que as operações deverão ser conduzidas com a constante preocupação de obter um efeito psicológico sobre o inimigo e sobre a população. Sendo esta completamente protegida nas zonas de forte densidade de ocupação, dever-se-á poder comparar sua sorte invejável com a das populações vivendo em zonas mais ou menos controladas pelo adversário. As partes protegidas, tornadas zonas de refúgio, não deverão, sob pretexto algum, ser reduzidas(isto obriga a prever, a longo prazo, uma política de efetivos que não comportem variações), de modo a dar confiança; e, se elas se estenderem, não deverá jamais haver recuos. Os combates devem ser úteis para o prestígio e apoio da população. Os fracassos devem ser ocultados ou compensados por êxitos mais importantes, convenientemente realçados. Na atualidade, a maioria dos países possuem tropas específicas para este tipo de emprego inicial: Comandos e Forças Especiais.

Malgrado todas estas precauções, cuja enumeração sublinha um bom número de erros levantados na campanha da Argélia, em particular, é necessário ter presente no espírito que esse gênero de luta só excepcionalmente foi favorável à defesa e, como foi sublinhado, somente quando não existiam bases exteriores próximas que pudessem alimentar a guerrilha. Em estratégia de contra-guerrilha, responder a um ataque por uma defesa direta é solução tão má como a do um touro investindo contra uma muleta vermelha. É contra o toureiro que é preciso investir, isto é, contra a guerra de guerrilha.

Exemplos[editar | editar código-fonte]

Vietnam[editar | editar código-fonte]

A Guerra do Vietnã é um exemplo típico no qual o exército regular Estados Unidos sem conhecer o terreno por não ser nativo da região, acabou vencido pela guerrilha vietnamita, embora aquele conflito tenha outros fatores e características bem próprios.

América espanhola[editar | editar código-fonte]

A queda das colônias espanholas entre 1810 e 1824 foi decidida pelas guerras de guerrilhas. Muitos grupos foram chefiados por diversos líderes que carregaram consigo a responsabilidade da vitória ou do fracasso dos movimentos de libertação. Houve também guerrilhas de Estado, isto é, aquelas financiadas e incentivadas por grupos que detinham o poder em determinada região, mas que tinham por finalidade a desestabilização dos movimentos de libertação.

Entre diversos movimentos de guerrilhas e seus líderes que ocorreram na América Latina, podem ser destacados:

Brasil[editar | editar código-fonte]

No Brasil, houve muitos movimentos guerrilheiros nas províncias contra o centralismo executado pelo Império. E, notadamente, na ditadura militar (1964-1985), houve muitos participantes da guerrilha do araguaia que efetivamente atuaram na liderança das ações da população.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Chevalier, F.; Caudillos et caciques en Amérique. Contribution à l'étude des liens personnels. Bordeaux, 1962.
  • Guevara, Guerra de guerrillas; La Habana: Dep. de Instrucción del MINFAR, 1960.
  • R. Debray; ¿Revolución en la revolución? La Habana: Casa de las Américas, 1966.
  • R. Gott, La guerrilla en América Latina; Santiago de Chile: Universitaria, 1971.
  • Minimanual de la guerrilla urbana; La Habana, 1967.
  • Rezende, C.C. Suicidio Revolucionario: la lucha armada y la herencia del quimèrica revolución en los pasos. Unesp, 2010.
  • Il Risorgimento; Einaudi, Torino, 1950.
  • Hanlweg, W.; Storia della guerriglia. Milano, Feltrineli, 1973.
  • Rama, C. M.; La nouvelle gauche latino-américaine. In: Raison présente. Paris, 1970.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Guerrilha

Ligações externas[editar | editar código-fonte]