Radomir Putnik

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes (desde janeiro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Radomir Putnik
Radomir Putnik.jpg
Marechal Radomir Putnik
Nascimento 24 de janeiro de 1847
Kragujevac, Sérvia
Morte 17 de maio de 1917 (70 anos)
Nice, França
Nacionalidade Sérvia
Serviço militar
Patente Marechal-de-exército

Radomir Putnik (sérvio: Радомир Путник) nasceu em Kragujevac, Sérvia em 24 de janeiro de 1847 e faleceu em Nice, na França em 17 de maio de 1917 aos 70 anos de idade. Foi um Marechal sérvio que comandou o exército durante a Primeira Guerra Mundial.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Radomir era filho de Dimitrije, um professor de sua cidade natal, Kragujevac, onde concluiu seus estudos. Em 1863, se graduou na Escola de Artilharia de Belgrado e em 1879, casou-se com Ljubica Bojović com quem teve 7 filhos. Durante as guerras contra os turcos entre 1876 e 1877, foi repreendido várias vezes por utilizar ´´linguagem inadequada´´ com os oficiais.

Foi professor da Academia Militar entre 1886-1895. Em 1889, foi nomeado vice-chefe do Estado-maior, logo entrou em conflito com o Rei Milan I, com isso foi forçado à se aposentar. Em 1899, após uma fracassada tentativa de assassinato do Rei Milan I, Putnik fugiu do país por medo de retaliações.

Em 1903, o Rei Alexandre I da Sérvia foi assassinado por membros da organização Mão Negra e o príncipe Pedro I da Sérvia assumiu o trono, assim Putnik pode retornar à Sérvia. Durante as Guerras Balcânicas comandou o Exército Sérvio contra os turcos e, posteriormente, contra os búlgaros.

Primeira Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

Quando a Primeira Guerra Mundial começou, Putnik estava internado num hospital em Budapeste, o chefe do Estado-mairo austríaco, Franz Conrad von Hötzendorf permitiu-lhe partir para a Sérvia como um gesto cavalheiro e também por não acreditar com o velho Marechal de 67 anos pudesse comandar os sérvios.

Putnik ao chegar em Belgrado entregou sua carta de demissão ao rei, mas este recusou. Putnik teve que assumir o comando do exército e impedir o avanço austríaco, os sérvios conseguem derrotar os austríacos na Batalha de Cer. Em 1915, a Bulgária declara guerra à Sérvia e invade a região da Macedônia, as forças sérvias não conseguem parar a ofensiva búlgara então Putnik ordena em 25 de novembro, a retirada geral das tropas, os sérvios tiveram que fugir para a Albânia e Montenegro. Navios franceses transportaram as tropas sérvias para Corfu, na Grécia. Putnik estava tão debilitado que teve que ser carregado, ele sofria de bronquite, pneumonia e gripe. A Sérvia se rendeu e todos os generais e oficiais sérvios foram demitidos, inclusive Putnik.

Morte[editar | editar código-fonte]

Putnik estabeleceu-se em Nice, na França, onde foi recebido com honras militares. Em 17 de maio de 1917, Putnik faleceu vítima de enfisema pulmonar. Em 1926, seus restos mortais foram transladados para a Sérvia, onde foi sepultado com honras militares numa capela no Novo Cemitério de Belgrado.