Mão Negra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Unificação ou Morte / Mão Negra
Black Hand seal.gif
Selo do grupo
Lemas: Unificação ou Morte
Unidade ou morte
Morte a tirania
Origem: Bálcãs
Objetivos: 1. Libertação dos Eslavos meridionais do domínio Austro-Húngaro.
2. Criação da Grande Sérvia.
Líderes: Dragutin Dimitrijević
Membros: Gavrilo Princip

Unificação ou Morte (em sérvio: Уједињење или смрт, Ujedinjenje ili smrt)[1] , também chamado de Mão Negra (Црна рука, Crna ruka), foi uma organização nacionalista sérvia que recorreu ao terrorismo como uma forma de atividade política,[2] e tinha conexões com alguns elementos pan-eslavistas do Governo da Sérvia.

A sociedade secreta fundada no Reino da Sérvia em 10 de junho de 1910[3] , por ex-membros de uma sociedade semi-secreta chamada Narodna Odbrana (Defesa do Povo), dedicado à realização do pan-eslavismo e do nacionalismo, por meio de assassinatos, com a intenção de unir todos os territórios com populações eslavas do Sul anexadas pela Áustria-Hungria.[4] [5] O objetivo declarado de reunificação, em um Estado único todos os membros do povo sérvio, significava um confronto com a Áustria-Hungria, que dominava a Bósnia e Herzegovina, território, que de acordo com a organização, deveria ser integrado ao novo Estado sérvio.

A Mão Negra foi o grupo responsável por planejar e organizar o assassinato do herdeiro do trono do Império Austro-Húngaro, o arquiduque Francisco Ferdinando da Áustria e sua esposa Sofia Chotek, em Sarajevo (ver: Atentado de Sarajevo), o atentado e suas consequências foram um dos gatilhos da Primeira Guerra Mundial. No entanto, os autores do ataque eram membros da organização Jovem Bósnia.

A organização exigia obediência total aos seus membros e ordenava a execução daqueles que considerava seus inimigos.[2] Um de seus principais membros foi Dragutin Dimitrijević "Apis", um dos principais conspiradores do Golpe de Maio de 1903.[2] Foi herdeira deste conluio que acabou com a dinastia Obrenović ao assassinar o rei Alexandre I da Sérvia e a rainha Draga Mašin; e perpetuou o poder dos conspiradores na vida política do país, com consequências desastrosas.[2] Aumentou o poder dos conspiradores na corte, no parlamento e nos vários governos no início do século XX. [2]

A organização foi extinta em 1917 pelo Governo da Sérvia após o julgamento de Salônica. Foi a primeira organização terrorista no mundo.

Ritual cross the Black Hands.jpg The funeral of the royal couple in 1903.jpg Gavrilo Princip captured in Sarajevo 1914.jpg
Cruz cerimonial do Mão Negra. Funeral do rei Alexandre I da Sérvia
e da rainha Draga Mašin
em 23 de Maio de 1903.
Gavrilo Princip (dir.) sendo preso
após o atentado de Sarajevo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Constitution of the Black Hand – World War I Document Archive. Wwi.lib.byu.edu. Retrieved on 2011-11-08.
  2. a b c d e Vucinich (2006), p. 104
  3. Antić, Antonije: Notes, Museum of city Zaječer, Zaječar, 2010.
  4. Gavrilo Princip and the Black Hand organization. Bookrags.
  5. Alan Cassels. Ideology and international relations in the modern world. [S.l.]: Psychology Press, 15 November 1996. 122– p. ISBN 978-0-415-11926-9 Página visitada em 8 November 2011.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Wayne S.. Serbia Between East and West. The Events of 1903-1908 (em inglés). [S.l.]: ACLS History E-Book Project (ed.), 2006. 324 p. ISBN 9781597402422