Sofia, Duquesa de Hohenberg

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Sofia de Hohenberg
Condessa de Chotek
Princesa de Hohenberg
Período 1900 - 1909
Duquesa de Hohenberg
Período 1909 - 1914
Sucessor Maximiliano de Hohenberg
Marido Francisco Fernando da Áustria
Descendência
Sofia
Maximiliano
Ernesto
Nome completo
Sofia Maria Josefina Albina
Casa Hohenberg
Pai Bohuslaw Chotek von Chotkow und Wognin
Mãe Wilhelmine Kinsky von Wchinitz und Tettau
Nascimento 1 de Março de 1868
Stuttgart, Reino de Württemberg
Morte 28 de junho de 1914 (46 anos)
Sarajevo, Bósnia e Herzegovina
Enterro Castelo de Artstetten, Wachau
Brasão
Sofia Chotek, Duquesa de Hohenberg, num postal da época

Sofia Maria Josefina Albina de Chotek, Condessa de Chotkov e Wognin (em checo: Žofie Marie Josefína Albína hraběnka Chotková z Chotkova a Vojnína; em alemão: Sophie Maria Josephine Albina Gräfin Chotek von Chotkow und Wognin) (Stuttgart, 1 de março de 1868 - Sarajevo, 28 de junho de 1914) foi a esposa do arquiduque da Áustria, Francisco Fernando, herdeiro do Império Austro-Húngaro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida em Stuttgart, Sofia pertencia a uma aristocrática e proeminente família da Boêmia. Ela foi a quarta filha do conde Bohuslaw Chotek von Chotkow und Wognin e da condessa Wilhelmine Kinsky von Wchinitz und Tettau.[1] [2] [3] [4]

Quando jovem, tornou-se dama-de-companhia da princesa Isabel de Croÿ, esposa do arquiduque Frederico de Áustria-Teschen - de um ramo cadete da Casa de Habsburgo na Boêmia.[3]

Casamento[editar | editar código-fonte]

A duquesa com seu marido, o arquiduque Francisco Fernando, e seus filhos Sofia e Maximiliano, em 1904.

Em 1894, num baile em Praga, Sofia conheceu o arquiduque Francisco Fernando de Áustria-Este, herdeiro do trono austro-húngaro. Como a condessa fosse dama-de-companhia da princesa Isabel de Croÿ, Francisco Fernando passou a visitar com frequência seu primo Frederico no Castelo Halbturn, em Pressburg,[5] levando os duques de Teschen a acreditar que ele estivesse apaixonado por sua filha mais velha, a arquiduquesa Maria Cristina.[3] Enquanto isso, o príncipe-herdeiro adoeceu de tuberculose e, durante sua convalescença na ilha de Lošinj no Adriático, recebia cartas da condessa. Eles teriam mantido sua relação em segredo por mais de dois anos.[5] Quando Isabel descobriu a ligação entre o arquiduque e Sofia, seguiu-se um escândalo familiar pois, para desposá-lo, era exigido que a pretendente pertencesse à realeza e, embora tivessem entre seus antepassados membros da linha feminina dos príncipes de Baden, Hohenzollern-Hechingen e Liechtenstein, os Chotek não satisfaziam esta exigência básica. A condessa também descendia diretamente de Alberto IV, conde de Habsburgo, e de Elisabeth de Habsburgo, irmã de Rodolfo I da Germânia (ancestral de Francisco Fernando).[3] [5]

A paixão de Francisco Fernando por Sofia criou um grande impasse: por um lado, o imperador não autorizava seu casamento com a nobre, por outro, o arquiduque recusava-se a casar com qualquer outra mulher.[3] [5] O Papa Leão XIII, o czar Nicolau II da Rússia, e o kaiser Guilherme II da Alemanha fizeram representações em seu favor junta a Francisco José I, argumentando que a discordância entre tio e sobrinho estava a minar a estabilidade da monarquia.[5]

Finalmente, em 1899, o Francisco José autorizou que o casamento se realizasse, mas impôs pesadas condições: a união seria morganática e seus descendentes não teriam direito de sucessão ao trono; Sofia não teria direito ao status, títulos, precedências ou privilégios dos quais Francisco Fernando gozava; também não poderia aparecer em público ao lado do marido, andar na carruagem imperial ou sentar-se no camarote imperial.[5] [6] Assim, em 28 de junho de 1900, no Palácio Imperial de Hofburg, perante o imperador e todos os arquiduques, ministros e dignitários da corte, o cardeal-arcebispo de Viena e o primaz da Hungria, Francisco Fernando assinou um documento oficial no qual declarava publicamente que Sofia, como sua esposa morganática, jamais ostentaria os títulos de imperatriz, rainha ou arquiduquesa e que seus descendentes jamais receberiam qualquer direito dinástico ou privilégios imperiais em nenhum dos domínios Habsburgo.[3] [7]

O casamento foi celebrado em 1 de julho de 1900, em Reichstadt, na Boêmia. Francisco José não participou da cerimônia, nem qualquer arquiduque (incluindo os irmãos do noivo). Os únicos membros da família imperial presentes eram a madrasta de Francisco Fernando, a princesa Maria Teresa de Bragança, e suas duas filhas.[3] Após o casamento, Sofia recebeu o título de "Princesa de Hohenberg" (Fürstin von Hohenberg), com o tratamento de "Sua Alteza Sereníssima" (Ihre Durchlaucht).[5] Em 1909, ela recebeu o título superior de "Duquesa de Hohenberg" (Herzogin von Hohenberg), com o tratamento de "Sua Alteza" (Ihre Hoheit). Embora o último título tenha elevado consideravelmente sua situação na corte, ela ainda tinha que render precedência a todas as arquiduquesas.[nota 1] Sempre que o casal reunia-se a outros membros da realeza, Sofia era preterida em virtude de sua posição e obrigada a ficar separada do marido.[6]

Assassinato[editar | editar código-fonte]

Sofia e Francisco Fernando momentos antes do atentado que os matou.

Em 28 de junho de 1914, um domingo, por volta de 10:45h, Sofia e Francisco Fernando foram assassinados em Sarajevo, capital da província austro-húngara da Bósnia e Herzegovina, por Gavrilo Princip, à época com apenas 19 anos, membro da Jovem Bósnia e do grupo terrorista Mão Negra.[8] O evento foi um dos fatores que desencadearam a Primeira Guerra Mundial.

O casal já havia sido atacado um pouco antes, quando uma granada foi atirada contra seu carro. Fernando desviou-se do artefato e a granada explodiu atrás deles. Encolerizado, ele teria gritado às autoridades locais: "Então vocês recebem seus convidados com bombas?"[9] O casal e Sofia insistiu em visitar o hospital onde os feridos no atentado estavam sendo atendidos. Ao saírem de lá, seu motorista perdeu-se no caminho para o palácio onde estavam hospedados e, ao entrar em uma rua secundária, os ocupantes foram avistados por Princip.[9] Quando o motorista fazia uma manobra, o jovem aproximou-se e disparou contra eles, atingindo Sofia no abdome e Francisco Fernando na jugular. O arquiduque ainda estava vivo quando testemunhas chegaram para socorrê-lo[8] , mas expirou pouco depois, dirigindo suas últimas palavras à esposa: "Não morra, querida, viva para nossos filhos."[9] Assessores ainda tentaram abrir sua farda, mas perceberam que teriam que cortá-la com uma tesoura. Sofia morreu a caminho do hospital.[10] Princip utilizou-se de uma 7.65 x 17 mm Browning, de potência relativamente baixa,[11] [12] [13] e de uma pistola FN Model 1910[14] para cometer os assassinatos.

Um relato detalhado do atentado foi descrito por Joachim Remak no livro Sarajevo:[15]

"Uma bala perfurou o pescoço de Francisco Fernando, enquanto a outra perfurou o abdome de Sofia (...) Como o carro estava manobrando (para retornar à para a residência do governador), um filete de sangue escorreu da boca do arquiduque sobre a face direita do Conde Harrach (que estava no estribo do carro). Harrach usou um lenço para tentar conter o sangue. Vendo isso, a duquesa exclamou: "Pelo amor de Deus, o que aconteceu com você?" e afundou-se no assento, caindo com o rosto entre os joelhos de seu marido."
"Harrach e Potoriek (...) acharam que ela havia desmaiado (...) só o marido parecia ter idéia do que estava acontecendo. Virando-se para a esposa, apesar da bala em seu pescoço, Francisco Fernando implorou: "Sopherl! Sopherl! Sterbe nicht! Bleibe am Leben für unsere Kinder!" ("Querida Sofia! Não morra! Fique viva para os nossos filhos!!!"). Dito isto, ele curvou-se para a frente. Seu chapéu de plumas (...) caiu e muitas de suas penas verdes foram encontradas em todo o assoalho do carro. O conde Harrach puxou o colarinho do uniforme do arquiduque para segurá-lo. Ele perguntou: "Leiden Eure Kaiserliche Hoheit sehr?" ("Vossa Alteza Imperial está se sentindo muito mal?") "Es ist nichts..." ("Não é nada..."), disse o arquiduque com voz fraca, mas audível. Ele parecia estar a perder a consciência durante seus últimos minutos mas, com voz crescente embora fraca, repetiu esta frase, talvez, seis ou sete vezes mais."
"Um ronco[nota 2] começou a brotar de sua garganta, diminuindo quando o carro parou em frente ao Konak bersibin (Câmara Municipal). Apesar dos esforços médicos, o arquiduque morreu pouco depois de ser levado para dentro do prédio, enquanto sua amada esposa morreu de hemorragia interna antes da comitiva chegar ao Konak."

Os assassinatos, juntamente com a corrida armamentista, o imperialismo, o nacionalismo, o militarismo e o sistema de alianças contribuíram para eclosão da Primeira Guerra Mundial, que começou menos de dois meses após a morte de Francisco Fernando, com a declaração de guerra da Áustria-Hungria à Sérvia.[16] O assassinato do arquiduque é considerado a causa mais imediata da Primeira Guerra Mundial.[17]

Funerais[editar | editar código-fonte]

Após o embalsamamento, os corpos de Francisco Fernando e de sua esposa permaneceram na Konak bersibin de Sarajevo até serem embarcados num vagão funerário, na noite de 29 de julho. O arquiduque recebeu honras militares em todas as estações por onde o trem passou, sendo transferido para o SMS Viribus Unitis na costa do Adriático. O navio foi escoltado por outros cruzadores, destroieres, iates civis, barcos de pesca e até mesmo por balsas, aportando em Trieste na noite de 1 de julho, onde os caixões foram transferidos para um trem especial com destino a Viena.[18]

Cortejo fúnebre de Sofia, em Sarajevo.

Em virtude de seu casamento morganático com Sofia, Francisco Fernando não recebeu em solo austríaco, nenhuma das pompas reservadas aos arquiduques mortos nem os privilégios fúnebres reservados aos herdeiros do trono. Alguns historiadores afirmam que os atrasos ocorridos no trajeto a Viena foram deliberadamente ordenados pelo príncipe Alfredo de Montenuovo, Obersthofmeister do imperador Francisco José, para que a chegada do féretro à capital ocorresse tarde da noite e, assim, não fosse visto pelo público. Com exceção do arquiduque Carlos, novo príncipe-herdeiro e futuro Carlos I, nenhum outro membro da família imperial compareceu à estação para recepcionar os caixões de Francisco Fernando e Sofia. Aos chefes de estado que manifestaram desejo de comparecer aos funerais, o príncipe de Montenuovo aconselhou gentilmente que enviassem apenas seus representantes diplomáticos para "evitar agravar o delicado estado de saúde de Sua Majestade com as exigências do protocolo."[18]

Às 8 horas da manhã seguinte, as portas da capela do Palácio de Hofburg foram abertas para que o povo pudesse prestar homenagens ao arquiduque. Por uma concessão especial do imperador, o caixão de Sofia pôde ser colocado ao lado do caixão do marido. Entretanto, a urna de Francisco Fernando, maior e mais ornamentada, foi instalada numa altura 20 cm superior à urna da consorte e, enquanto o corpo do ex-herdeiro portava todas as sua condecorações, a espada cerimonial e a coroa arquiducal; o corpo de sua "esposa morganática" portava apenas um par de luvas brancas e um leque negro - símbolos das damas-de-companhia da corte.[18]

Como Sofia não poderia ser sepultada na Cripta Imperial de Viena, Francisco Fernando manifestou em vida o desejo de ser sepultado na cripta do Castelo de Artstetten, em Klein-Pöchlarn. Após apenas 15 minutos de ritos fúnebres, os caixões foram recolhidos e só puderam deixar Viena em carros funerários da prefeitura, no início da madrugada, sendo embarcados em trem comum, sem honras ou escolta. Finalmente, à 1 hora da manhã de 4 de julho de 1914, os corpos do arquiduque e da duquesa foram sepultados no Castelo de Artstetten.[18]

Descendência[editar | editar código-fonte]

Nome Nascimento Morte Notas
Sofia de Hohenberg 1901 1990 Casada com o conde Frederico de Nostitz-Rieneck.
Maximiliano de Hohenberg 1902 1962 Casado com a condessa Elisabeth von Waldburg zu Wolfegg und Waldsee.
Ernesto de Hohenberg 1904 1954 Casado com Marie-Therese Wood.

Notas

  1. Sua posição na corte imperial foi humilhante, agravada pelo príncipe Alfredo de Montenuovo, Obersthofmeister de Francisco José I, que fazia cumprir rigorosamente o protocolo da corte em detrimento de Sofia. Alfredo também descendia de um casamento morganático: era neto da arquiduquesa Maria Luísa de Áustria (ex-imperatriz dos franceses) e do conde Adam Albert von Neipperg. (Enache, op. cit.)
  2. Rattle, no original em inglês. Refere-se ao "Ronco da Morte" (em inglês: Death Rattle), termo médico para o som muitas vezes emitido durante os chamados estertores da morte.

Referências

  1. Montgomery-Massingberd, p. 238
  2. Willis, p. 153, 613
  3. a b c d e f g Enache, p. 54, 58
  4. Genealogisches Handbuch des Adels, p. 600-601
  5. a b c d e f g Žofie Marie Josefína Albína Chotek (em checo) František Ferdinand d'Este.. Página visitada em 17/02/2012.
  6. a b Brook-Shepherd, p. 107, 125-126
  7. The Declaration of Archduke Franz Ferdinand (28 June 1900) (em inglês) The House Laws of the German Habsburgs.. Página visitada em 19/02/2012.
  8. a b Johnson, p. 52-54
  9. a b c Beyer, p. 146-147
  10. MacDonogh, p. 351
  11. Johnson, p. 46
  12. Weir, p. 42
  13. Miller, p. 28
  14. Belfield, op. cit.
  15. Remak, 137-142
  16. Johnson, p. 56
  17. McCannon, p. 9
  18. a b c d Franz Ferdinand - Aftermath (em inglês). Página visitada em 21/02/2012. Cópia arquivada em 2011-05-14.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Belfield, Richard, The Assassination Business: A History of State-Sponsored Murder, Carroll & Graf, 2005 (ISBN 978-0786713431)
  • Brook-Shepherd, Gordon. Royal Sunset: The European Dynasties and the Great War, Doubleday, 1987 (ISBN 978-0385198493)
  • Enache, Nicolas. La Descendance de Marie-Therese de Habsburg, ICC, Paris, 1996 (ISBN 978-2908003048)
  • Genealogisches Handbuch des Adels, Fürstliche Häuser XV. "Hohenberg". C.A. Starke Verlag, 1997 (ISBN 3-7980-0814-0)
  • Johnson, Lonnie, Introducing Austria: A Short History (Studies in Austrian Literature, Culture, and Thought), Ariadne Press, 1989 (ISBN 0-929497-03-1)
  • Johnson, Melvin Maynard; Haven, Charles Tower, Automatic arms: their history, development and use, W. Marrow and co. 1941 (OCLC 1300036)
  • MacDonogh, Giles, The Last Kaiser: The Life of Wilhelm II, St. Martin's Griffin, 2003 (ISBN 978-0312305574)
  • McCannon, John, Barron's AP World History, Barron's Educational Series, Inc. 2008 (ISBN 0764143670)
  • Miller, David, The History of Browning Firearms: Fortifications Around the World, The Lyons Press, 2006 (ISBN 978-1592289103)
  • Montgomery-Massingberd, Hugh. Burke's Guide to the Royal Family, Burke's Peerage, London, 1973 (ISBN 0220662223)
  • Remak, Joachim, Sarajevo: The Story of a Political Murder, Criterion, 1959 (ASIN B001L4NB5U)
  • Weir, William R. Turning points in military history, Citadel, 2005 (ISBN 978-0806526270)
  • Willis, Daniel A. The Descendants of King George I of Great Britain, Clearfield Company, 2002 (ISBN 978-0806351728)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Sofia, Duquesa de Hohenberg

Nota[editar | editar código-fonte]

Sofia de Hohenberg
Nascimento: 1 de março de 1868; Morte: 28 de junho de 1914
Precedida por
novo título
Herzog Hohenberg 1917.png
Duquesa de Hohenberg
19091914
Sucedida por
Maximiliano de Hohenberg