Embalsamamento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Embalsamamento (ou embalsamação) é uma técnica de preservação de cadáveres para prevenir a putrefacção.

Embalsamamento no Antigo Egito[editar | editar código-fonte]

No Antigo Egito, o processo de embalsamamento era mais ou menos complexo, e, portanto, caro, de acordo com a posição social do defunto.

O cérebro era extraído através das narinas. As vísceras (pulmões, fígado, intestinos, etc.) eram retiradas através de uma incisão lateral no corpo e colocadas em vasos canopos. O coração era substituído por um objeto, e este, envolvido por um texto sagrado, de forma simbólica.

O corpo era então colocado em natrão, para desidratação das células e combate às bactérias, durante um período de 40 dias findo o qual as cavidades vazias do corpo eram preenchidas com ervas aromáticas e fechadas.

Finalmente o corpo era envolvido em faixas de tecido de algodão, colocado num sarcófago e depositado na sepultura.

O processo durava cerca de 70 dias.[1] [2] .

O embalsamamento na Bíblia[editar | editar código-fonte]

Jacó, um dos mais importantes profetas do Velho Testamento também teve seu corpo embalsamado no Egito a pedido de seu filho, José[3] .

O embalsamamento de líderes políticos[editar | editar código-fonte]

Alguns líderes políticos passaram por este tipo de conservação, entre eles Lênin na Rússia, Mao Tse-Tung na R.P. da China, Ho Chi Minh no Vietname, Evita Perón na Argentina.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Embalsamamento
Ícone de esboço Este artigo sobre História do Egito é um esboço relacionado ao Projeto África. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.