Puck

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Puck
Satélite Urano XV
Puck.png
Características orbitais[1]
Semieixo maior 86 004,444 ± 0,064 km
Excentricidade 0,00012 ± 0,000061
Período orbital 0,76183287 ± 1,4×10-8 d
(18,284 h)
Inclinação 0,31921 ± 0,021 °
Características físicas
Diâmetro equatorial 162 ± 4[2] km
Área da superfície 82 400 km²
Volume 2 225 000 km³
Massa 2,9 × 1018 kg
Densidade média 1,3 g/cm³
Gravidade equatorial 0,0029 g
Dia sideral 18 h 17 m 2 s
(rotação síncrona)[2]
Velocidade de escape 0,069 km/s
Albedo 0,11 ± 0,015 (geométrico)
0,035 ± 0,006 (bond)[3]
Temperatura média: -209,2 ºC
Magnitude aparente 20,5[4]

Puck é um satélite natural interno de Urano. Foi descoberto em dezembro de 1985 pela sonda Voyager 2.[5] O nome Puck vem da mitologia céltica e do folclore inglês. A órbita de Puck está localizada entre os anéis de Urano e a primeira grande lua do planeta, Miranda. Puck tem uma forma aproximadamente esférica e um diâmetro de cerca de 162 quilômetros.[2] Sua superfície escura é cheia de crateras, e apresenta sinais espectrais de gelo de água.[6]

Descoberta e nomeação[editar | editar código-fonte]

Puck foi descoberto a partir de imagens tiradas pela sonda Voyager 2 em 30 de dezembro de 1985. Recebeu a designação provisória S/1985 U 1.[7]

Mais tarde a lua foi nomeada a partir do personagem Puck da peça de William Shakespeare A Midsummer Night's Dream. Puck também é designado como Urano XV.[8]

Características físicas[editar | editar código-fonte]

Puck é a maior lua interna de Urano, com uma órbita dentro da órbita de Miranda. Tem um tamanho intermediário entre Pórcia (a segunda maior lua interna) e Miranda (a menor lua entre as cinco principais). A órbita de Puck está localizada entre os anéis de Urano e Miranda. Pouco se sabe sobre Puck além da sua órbita,[1] raio de cerca de 81 km,[2] e albedo geométrico na luz visível de aproximadamente 0,11.[3]

Entre os satélites descobertos pela de equipe de imagens da Voyager 2, somente Puck foi descoberto cedo o suficiente para que a sonda pudesse ser programada para fotografá-lo com mais detalhes.[5] Imagens mostram que Puck tem uma forma oval, com o diâmetro polar maior que o equatorial (relação entre eixos é de 0,97 ± 0,04).[2] Sua superfície possui muitas crateras e é cinza em cor.[2] [4] Há três crateras nomeadas na superfície de Puck, a maior tendo cerca de 45 km de diâmetro.[5] Observações com o Telescópio Espacial Hubble e outros grandes telescópios terrestres acharam absorção de gelo de água no espectro de Puck.[3] [6]

Nada se sabe sobre a estrutura interna de Puck. Provavelmente ela é feita de uma mistura de gelo de água e materiais escuros parecidos aos achados nos anéis.[6] Esse material escuro provavelmente é feito de rochas ou compostos orgânicos processados. A falta de crateras com raios brilhantes implica que Puck não é diferenciado, o que significa que os componentes de gelo e sem gelo não se separam formando um núcleo e um manto.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Jacobson, R.A.. (1998). "The Orbits of the Inner Uranian Satellites From Hubble Space Telescope and Voyager 2 Observations". The Astronomical Journal 115: 1195–1199. DOI:10.1086/300263.
  2. a b c d e f Karkoschka, Erich (2001). "Voyager's Eleventh Discovery of a Satellite of Uranus and Photometry and the First Size Measurements of Nine Satellites". Icarus 151: 69–77. DOI:10.1006/icar.2001.6597.
  3. a b c Karkoschka, Erich (2001). "Comprehensive Photometry of the Rings and 16 Satellites of Uranus with the Hubble Space Telescope". Icarus 151: 51–68. DOI:10.1006/icar.2001.6596.
  4. a b Thomas, P.; Veverka, J.; Johnson, T.V.; et al.. (1987). "Voyager observations of 1985U1". Icarus 72: 79–83. DOI:10.1016/0019-1035(87)90121-7.
  5. a b c d Smith, B.A.; Soderblom, L.A.; Beebe, A. et al.. (1986). "Voyager 2 in the Uranian System: Imaging Science Results". Science 233 (4759): 97–102. DOI:10.1126/science.233.4759.43. PMID 17812889.
  6. a b c Dumas, Christophe; Smith, Bradford A.; and Terrile, Richard J.. (2003). "Hubble Space Telescope NICMOS Multiband Photometry of Proteus and Puck". The Astronomical Journal 126: 1080–1085. DOI:10.1086/375909.
  7. Smith, B. (16/01/1986). IAU Circular No. 4159 União Astronômica Internacional. Página visitada em 06/08/2006.
  8. Planet and Satellite Names and Discoverers Gazetteer of Planetary Nomenclature. USGS Astrogeology (21/07/2006). Página visitada em 06/08/2006.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Puck