Sonda espacial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto (desde Fevereiro de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Sonda espacial é uma nave espacial não tripulada, utilizada para a exploração remota de outros planetas, satélites, asteroides ou cometas. Normalmente as sondas tem recursos de telemetria, que permitem estudar à distância suas características físico-químicas, tirar fotografias e por vezes também o seu meio ambiente. Algumas sondas, como Landers ou Rovers, pousam na superfície dos astros celestes, para estudos de sua geologia e do seu clima. As primeiras sondas para estudar outros astros foram lançadas no fim da década de 1950 pela extinta União Soviética e Estados Unidos, logo no início da exploração espacial, e que ajudaram muito a desvendar os mistérios do Universo. Recentemente, a União Europeia, Japão, República Popular da China e Índia também já lançaram as suas sondas.

Tipos de sondas[editar | editar código-fonte]

  • Sobrevoo (flyby): sonda que passa próxima a um astro e o analisa com seus instrumentos;
  • Orbitador (orbiter): sonda que entra em órbita de um astro, passando a funcionar como um satélite artificial do mesmo;
  • Impacto: sonda que é colidida com um astro, fazendo análises durante a aproximação ou colisão a ele;
  • Aterrissadora (lander): sonda que pousa num astro analisando-o in loco, muitas vezes levando consigo uma sonda veicular;
  • Veicular (rover): sonda com capacidade de locomoção para analisar uma área maior de um astro;
  • Observatório: sonda com capacidade telescópica, que pode atuar em uma ou mais faixas do espectro eletromagnético, para efetuar observações astronômicas, geofísicas e espectrais, sem as distorções provocadas pela atmosfera terrestre.

Missões para o Sol[editar | editar código-fonte]

A sonda Genesis.

Missões para Mercúrio[editar | editar código-fonte]

A sonda Mariner.

Missões para Vênus[editar | editar código-fonte]

A Venus Express.

Missões terrestres[editar | editar código-fonte]

Sputnik 1, o primeiro satélite espacial.

Missões para a Lua[editar | editar código-fonte]

A Luna 16.

Missões para Marte[editar | editar código-fonte]

A sonda Viking.

Missões para Júpiter[editar | editar código-fonte]

A Galileo.

Missões para Saturno[editar | editar código-fonte]

Cassini Saturn Orbit Insertion.jpg

Missões para Urano[editar | editar código-fonte]

Voyager 1, ainda em atividade fora do Sistema Solar, 30 anos depois de seu lançamento.

Missões para Netuno[editar | editar código-fonte]

Missões para Plutão / Cinturão de Kuiper[editar | editar código-fonte]

Missões para cometas e asteroides[editar | editar código-fonte]

A sonda Deep Space 1.

Missões para fora do Sistema Solar[editar | editar código-fonte]

O Hubble.
  • [Veja Diagrama das Voyager escapando da zona de influência do sol]
  • [Localização de Pioneer-10, Pioneer-11, Voyager-1 and Voyager-2 em 04/04/2007]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]