Mars Global Surveyor

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mars Global Surveyor
Mars global surveyor.jpg
Concepção artística da sonda
Operação Estados UnidosNASA
Contratantes principais Lockheed Martin
Tipo de missão Orbitador
Destino Marte
Lançamento 7 de Novembro de 1996 às 17:00:49 UTC Estados Unidos Cabo Canaveral, Estados Unidos
Veículo de Lançamento Delta II
Duração da missão 10 anos
Fim da missão 2 de Novembro de 2006
Designação COSPAR 1996-062A
Massa 1,030.1 kg

A sonda norte-americana Mars Global Surveyor foi lançada em 7 de Novembro de 1996 num foguete lançador Delta a partir da Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral. A sonda é gerida pela NASA e pelo Jet Propulsion Laboratory e foi construída pela Lockheed.

Missão[editar | editar código-fonte]

A Mars Global Surveyor representou o regresso ao planeta Marte após quase duas décadas de ausência (as sondas Viking foram lançadas em 1975 e 1976 e a sonda Mars Observer tinha falhado o objetivo) e constitui-se hoje um dos maiores sucessos na exploração espacial. A sua missão primária era a observação e cartografia da superfície marciana em preparação às missões seguintes e teria uma duração de um ano marciano (equivalente a cerca de 2 anos terrestres). Em 2005 e perto de atingir uma década em orbita de Marte, a missão já enviou para a Terra mais informação do que todas as outras missões juntas, excetuando-se a sonda Magellan, enviada a Vênus.

A sonda entrou em órbita de Marte a 12 de Setembro de 1997 não sem encontrar problemas. Assim, e logo após o seu lançamento, os engenheiros da missão descobriram que um dos dois painéis solares que alimentam de energia a sonda, não abriu completamente devido a uma quebra de uma junta. A não abertura na totalidade do painel não colocava em perigo a sonda mas dificultava a sua inserção na órbita de Marte devido ao fato de os painéis serem utilizados numa manobra de travagem atmosférica para o seu posicionamento final na órbita pretendida. Após uma análise da situação, verificou-se que a sonda podia continuar com a sua missão. Desde então, a sonda nunca mais apresentou qualquer tipo de problema e tem cumprido a sua agenda na sua capacidade máxima.

Em 22 de Novembro de 2006, a NASA em comunicado informa que a sonda deverá estar inoperante para qualquer projeto científico. Após duas semanas de esforços para recuperar a sonda através de tentativas de envio de comandos (diretos via Terra e indiretos via rovers Opportunity e Spirit na superficie marciana) e visualização direta (através da Mars Reconaissance Orbiter) a NASA conclui que após 10 anos em órbita de Marte e mais de 240.000 imagens enviadas, a sonda Mars Global Surveyor terá deixado de estar operacional.

Sonda[editar | editar código-fonte]

Na sua forma geral, a Mars Global Surveyor é um retângulo com dois painéis tipo asa em posições opostas. A sua massa vazia é de cerca de 770 Kg, sendo que na altura do seu lançamento e com o combustível necessário à missão a sonda pesava cerca de 1050 Kg. O corpo da sonda é constituído por duas partes distintas: uma seção de instrumentos e outra de propulsão, onde estão alojados os foguetes e os tanques de combustível. A sonda está equipada com seis instrumentos científicos distintos: Uma câmara de alta resolução, um espectrômetro de emissão térmica, um altímetro laser, um reflectrômetro de eléctrons, um oscilador ultra-estável e um sistema de retransmissão rádio.

Levantamento topográfico de Marte realizado pela sonda norte-americana Mars Global Surveyor (NASA)

Resultados[editar | editar código-fonte]

A sonda encontra-se hoje na sua missão secundária que se iniciou em 2001, tendo entretanto realizado um levantamento topográfico global da superfície marciana e descoberto evidências de que a superfície marciana possuiu, em tempos remotos, massas de água que deixaram a sua marca sob a forma de erosão de estruturas geológicas, como por exemplo na criação de canais.

Em 2005 encontrava-se em órbita do planeta Marte simultaneamente com outras missões três da NASA e da ESA (Mars Exploration Rovers, Mars Odyssey e Mars Express) e em breve verá chegar outra missão (a Mars Reconnaissance Orbiter). Marte terá então, uma autêntica flotilha de sondas em órbita e na superfície.

Participou e participa em missões de esclarecimento e acompanhamento de outras sondas (realizou levantamentos fotográficos intensos na procura das missões falhadas do Europeu Beagle que acompanhava a Mars Express e da Mars Polar Lander). Obteve, pela primeira vez, imagens de outras sondas em órbita do mesmo planeta quando em Abril de 2005 fotografou a Mars Express e mais tarde a Mars Odyssey.