2001 Mars Odyssey

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde janeiro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Current event marker.png
Este artigo ou seção contém material sobre uma missão espacial atual.
As informações podem mudar durante o progresso da missão.
CELstart-rocket.png
2001 Mars Odyssey
Representação artística da Mars Odyssey na órbita de Marte.
Operação Estados UnidosNASA
Tipo de missão Orbitador
Destino Marte
Lançamento 7 de Abril de 2001
Local do Lançamento Estados UnidosEstação da Força Aérea de Cabo Canaveral, Flórida, EUA
Veículo de Lançamento Delta II 7425
Data de inserção orbital 24 de Outubro de 2001
Designação COSPAR 2001-014ª
Site NASA
Massa 376 kg

2001 Mars Odyssey é uma sonda espacial não tripulada norte-americana, lançada pela NASA e gerida pelo Jet Propulsion Laboratory, com a finalidade de estudar o planeta Marte.

Foi lançada em 7 de Abril de 2001 a bordo de um foguete Delta II a partir da Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral.

Missão[editar | editar código-fonte]

Após cerca de 200 dias de voo interplanetário a Mars Odyssey inicia a órbita de inserção em Marte através do auxílio dos seus propulsores (com uma queima de 20 minutos) e através da técnica de travagem aerodinâmica (durante 90 dias) coloca-se na sua orbita final, de 2 horas, em Abril de 2002.

A missão primária da Mars Odyssey é a de realizar um levantamento global do clima marciano e possível existência de água no presente ou passado por forma a avaliar a possibilidade da existência de vida no planeta. A missão primária da missão terminou em Agosto de 2004 e encontra-se desde então a realizar a missão secundária (ou estendida) que pretende auxiliar futuras missões não robóticas a Marte.

Odyssey-chart-update.jpg

Sonda[editar | editar código-fonte]

A 2001 Mars Odyssey é uma sonda orbital constituída por uma estrutura em alumínio e titânio com sensivelmente 2,2 por 1,7 e 2,6 metros. Colocados sobre esta estrutura, estão os painéis solares que alimentam a sonda de energia eléctrica, a antena de alto-ganho para comunicação com a Terra através Deep Space Network da NASA, bem como alguns intrumentos que não podem estar colocados em proximidade com o corpo da sonda.

Trajeória de inserção da Sonda

A estrutura da sonda está dividida em duas parte distintas. Uma contém os tanques, as bombas e os exaustores do sistema de propulsão; a outra secção contém a parte principal dos instrumentos de pesquisa científica: o sistema imagético de emissão térmica (THEMIS), o espectrómetro de raios gama (GRS), o detector de neutrões de elevada energia (HEND), o espectrómetro de neutrões e a câmara estelar (para posicionamento e navegação).

No lançamento, a sonda tinha um peso de 725,0 kg, em que 332 kg correspondem à estrutura e sub-sistemas, 350 kg ao combustível e o restante aos instrumentos.

PIA06688.jpg

Resultados[editar | editar código-fonte]

Após a conclusão, com sucesso, da sua missão primária, a 2001 Mars Odyssey tem continuado a cumprir objectivos ambiciosos, nomeadamente no auxílio à missão robótica na superfície do planeta (os dois rovers Spirit e Opportunity) realizando a retransmissão das comunicações dessa missão para Terra e vice-versa. Realiza, também, um reconhecimento prévio para preparação da chegada da missão Mars Reconnaissance Orbiter. Entretanto, a sonda demonstrou a existência de fortes evidências de presença de água na superfície (ou mesmo por debaixo da superfície) e realizou estudos importantes sobre as estações marcianas.

A sonda teve uma alteração de nome antes do seu lançamento devido às missões Mars Climate Orbiter e Mars Polar Lander terem falhado os seus objectivos, tendo obtido o seu nome actual em homenagem à novela 2001: Uma Odisseia no Espaço, de Arthur C. Clarke.