Satélites de Netuno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Netuno (topo) e Tritão (embaixo), três dias após o sobrevoo da Voyager 2.

Netuno tem catorze satélites naturais conhecidos. O maior é de longe Tritão, descoberto por William Lassell em 10 de outubro de 1846, 17 dias após a descoberta do planeta. Mais de um século passou até a descoberta da segunda lua, Nereida. Os satélites de Netuno são nomeados a partir de personagens da mitologia grega ou romana relacionados com o oceano ou Netuno (Poseidon).

Ao contrário de todas as grandes luas dos planetas, Tritão é um satélite irregular, pois sua órbita é retrógrada em relação à rotação de Netuno e inclinada com o equador do planeta. O segundo maior satélite irregular no Sistema Solar, Febe, tem apenas 0,03% da massa de Tritão. Tritão é massivo o suficiente para obter equilíbrio hidrostático e manter uma fina atmosfera capaz de formar nuvens e névoa. Tanto sua atmosfera quanto sua superfície são compostas principalmente por nitrogênio com pequenas quantidades de metano e monóxido de carbono. A superfície de Tritão é relativamente jovem, e foi provavelmente modificada por processos de condução interna nos últimos milhões de anos. A temperatura em sua superfície é de cerca de 38 K (−235,2 °C).

Dentro da órbita de Tritão há sete satélites regulares, que têm órbitas prógradas e pouco inclinadas com o equador de Netuno. Alguns desses satélites orbitam perto dos anéis do planeta. O maior desse grupo é Proteu. Netuno também tem seis satélites irregulares externos, incluindo Nereida, cujas órbitas são inclinadas e estão muito mais afastadas do planeta. Os dois satélites mais externos, Psámata e Neso, têm as maiores órbitas entre os satélites naturais conhecidos no Sistema Solar.

Descoberta e nomeação[editar | editar código-fonte]

Vista simulada de Netuno no céu de Tritão.

Descoberta[editar | editar código-fonte]

Tritão foi descoberto por William Lassell em 1846, apenas 17 dias depois da descoberta de Netuno.[1] Nereida foi descoberta por Gerard P. Kuiper em 1949.[2] A terceira lua, Larissa, foi observada pela primeira vez por Harold J. Reitsema, William B. Hubbard, Larry A. Lebofsky e David J. Tholen em 24 de maio de 1981, quando eles estavam observando uma estrela perto de Netuno, em busca de anéis como os de Urano descobertos quatro anos mais cedo.[3] Se anéis estivessem presentes, a luminosidade da estrela iria diminuir levemente pouco antes da aproximação ao planeta. A luminosidade da estrela diminuiu apenas por alguns segundos, que significa que foi devido a um satélite em vez de um anel.

Nenhuma outra lua foi achada até o sobrevoo da Voyager 2 por Netuno em 1989. A Voyager 2 observou Larissa e descobriu cinco luas internas: Náiade, Talassa, Despina, Galateia e Proteu.[4] Em 2002 e 2003 duas pesquisas usando grandes telescópios terrestres acharam cinco luas externas. Essas foram Halimede, Sao, Psámata, Laomedeia e Neso.[5] [6] Em 2013, uma análise de imagens tiradas pelo Telescópio Espacial Hubble entre 2004 e 2009 levou à descoberta de S/2004 N 1, aumentando o total de luas para catorze.[7]

Nomes[editar | editar código-fonte]

Satélites de Netuno recebem nomes de personagens da mitologia grega ou romana associados com o oceano ou com Netuno (Poseidon). Tritão recebeu o nome do deus marinho Tritão, filho de Poseidon. Ele não recebeu um nome oficial até o século XX. O nome "Tritão" foi sugerido por Camille Flammarion em seu livro de 1880 Astronomie Populaire,[8] mas não entrou em uso comum até a década de 1930.[9] Antes disso ele era conhecido simplesmente como "o satélite de Netuno". Nereida foi nomeada a partir de uma classe de seres aquáticos de mesmo nome, e as outras luas irregulares externas e Galateia receberam o nome de nereidas específicas. O nome das outras luas vem de personagens mitológicos associados com o oceano.[10]

Dois asteroides compartilham o mesmo nome com luas de Netuno: 74 Galatea e 1162 Larissa.

Características e grupos[editar | editar código-fonte]

Os satélites de Netuno podem ser divididos em dois grupos: regulares e irregulares. O primeiro grupo é composto pelos seis satélites internos, que seguem órbitas prógradas pouco excêntricas e inclinadas. O segundo grupo inclui todas as outras luas incluindo Tritão. As luas irregulares seguem órbitas mais distantes de Netuno, com uma alta excentricidade e inclinação; a única exceção é Tritão, que orbita perto do planeta com uma órbita quase circular, porém retrógrada.[11]

Modelo animado tridimensional de Proteu.

Satélites regulares[editar | editar código-fonte]

Em ordem de distância a Netuno, os satélites regulares são Náiade, Talassa, Despina, Galateia, Larissa, S/2004 N 1 e Proteu. S/2004 N 1 é o menor satélite de todo o sistema netuniano,[7] enquanto Proteu é o segundo maior. As luas internas estão associadas com os anéis de Netuno. Os dois satélites mais internos, Náiade e Talassa, orbitam entre o anel Galle e LeVerrier.[4] Despina pode ser um satélite pastor do anel LeVerrier, como sua órbita se situa dentro do anel.[12]

O próximo satélite, Galateia, orbita dentro do anel mais proeminente, o anel Adams.[12] Esse anel é muito estreito, com uma largura de até 50 km,[13] e tem cinco brilhantes arcos.[12] A gravidade de Galateia ajuda a confinar as partículas do anel em uma região limitada, mantendo o anel fino. Várias ressonâncias entre as partículas do anel e Galateia também podem ter tido um papel em manter os arcos.[12]

Somente os dois satélites regulares mais externos foram fotografados com uma resolução suficiente para determinar a forma e características da superfície.[4] Larissa, com cerca de 200 km de diâmetro, é alongado. Proteu não é muito alongado, mas não é esférico.[4] Com cerca de 400 km de diâmetro, ele é maior que a lua de Saturno Mimas, que é esférica. Essa diferença pode existir devido a um rompimento colisional de Proteu no passado.[14] A superfície de Proteu tem muitas crateras e mostra algumas formações lineares. Sua maior cratera, Pharos, tem mais de 150 km de diâmetro.[4] [15]

Todos os satélites internos de Netuno são objetos escuros: seu albedo geométrico varia entre 7 e 10%.[16] Análises espectrais indicam uma composição de gelo de água e algum material muito escuro, provavelmente compostos orgânicos complexos. Nesse aspecto, eles são similares aos satélites internos de Urano.[4]

Satélites irregulares[editar | editar código-fonte]

Esse diagrama demonstra as órbitas dos satélites irregulares de Netuno excluindo Tritão. A excentricidade é representada pelos segmentos amarelos se estendo do periastro ao apoastro com a inclinação representada pelo eixo vertical. Acima do eixo horizontal estão os satélites prógrados, e abaixo dele estão os retrógrados. O eixo horizontal representa a distância a Netuno (em gigametros) e a fração do raio da esfera de Hill.

Em ordem de distância a Netuno, os satélites irregulares são Tritão, Nereida, Halimede, Sao, Laomedeia, Neso e Psámata, um grupo que inclui objetos prógrados e retrógrados.[11] As cinco luas mais externas são similares às luas irregulares dos outros planetas gigantes.[6]

Tritão segue um órbita retrógrada e quase circular, e possivelmente é um objeto capturado. É o segundo satélite conhecido no Sistema Solar a ter uma atmosfera significativa, que é composta primariamente por nitrogênio com pequenas quantidades de metano e monóxido de carbono.[17] A pressão na superfície é de cerca de 14 μbar.[17] Em 1986 a sonda Voyager 2 observou possíveis nuvens e névoa na fina atmosfera.[4] Tritão é uns dos corpos mais gelados no Sistema Solar, com uma temperatura superficial de 38 K (−235,2 °C).[17] Sua superfície é coberta por gelo de nitrogênio, metano, dióxido de carbono e água[18] e tem um alto albedo geométrico de mais de 70%.[4] O albedo de Bond é ainda maior, chegando a 90%.[4] Acidentes geográficos incluem a grande calota polar do sul, velhas planícies com crateras cortadas por grabens e escarpas, assim como jovens formações provavelmente formadas processos endógenos como criovulcanismo.[4] Observações da Voyager 2 revelaram vários gêisers na calota polar aquecida pelo Sol, que lançam plumas a uma altura de 8 km.[4] Tritão tem uma densidade relativamente alta de 2 g/cm3, indicando que rochas constituem cerca de dois terços de sua massa, e gelos (principalmente gelo de água) o terço restante. Pode haver uma camada de água líquida bem dentro de Tritão, formando um oceano subterrâneo.[19]

Nereida é o terceiro maior satélite de Netuno. Tem uma órbita prógrada porém muito excêntrica e acredita-se que foi no passado um satélite regular que mudou para sua órbita atual através de interações gravitacionais durante a captura de Tritão.[20] Análises espectroscópicas detectaram gelo de água em sua superfície. Nereida apresenta grandes variações irregulares em seu brilho, que provavelmente são causadas por precessão forçada ou rotação caótica junto com uma forma alongada e pontos brilhantes ou escuros na superfície.[21]

Entre os outros satélites irregular, Sao e Laomedeia seguem órbitas prógradas, enquanto Halimede, Psámata e Neso seguem órbitas retrógradas. Devido à similaridade entre suas órbitas, foi sugerido que Neso e Psámata podem ter tido origem comum na quebra de uma lua maior.[6] Psámata e Neso têm as maiores órbitas de qualquer satélite natural descoberto no Sistema Solar. Eles levam cerca de 25 anos para orbitar Netuno a uma distância média de 125 vezes a distância entre a Terra e a Lua. Netuno tem a maior esfera de Hill no Sistema Solar, principalmente devido a sua grande distância ao Sol; isso permite manter controle de luas tão distantes.[11]

Formação[editar | editar código-fonte]

A distribuição de massa no sistema netuniano é a mais desigual de todos os grupos de satélites no Sistema Solar. Uma lua, Tritão, compõe quase toda a massa do sistema, com as outras luas compreendendo juntas apenas cerca de 0,3%. Isso sugere que Tritão foi capturado bem depois da formação do sistema de satélites original de Netuno, muito do qual seria destruído no processo de captura.[20] [22]

A distribuição de massa no sistema netuniano.

A órbita de Tritão durante a captura seria muito excêntrica, e teria causado perturbações nas órbitas dos satélites internos originais de Netuno, causando colisões que os reduziriam a um disco de detritos.[20] Isso significa que é provável que os satélites internos atuais de Netuno não são os corpos originais que se formaram junto com Netuno. Apenas depois da estabilização da órbita de Tritão que alguns dos detritos puderam passar por acreção formando as luas atuais.[14] É possível que devido a essa grande perturbação, o sistema de satélites de Netuno não siga a relação de massa 10.000:1 entre o planeta e todos seus satélites como visto nos outros gigantes gasosos.[23]

O mecanismo da captura de Tritão tem sido discutido em várias teorias. Uma delas sugere que Tritão foi capturado em um encontro de três corpos. Nesse cenário, Tritão é o membro sobrevivente de um sistema binário[nota 1] destruído no encontro com Netuno.[24]

Simulações numéricas mostram que há uma probabilidade de 41% que Halimede colidiu com Nereida em algum momento no passado.[5] Embora não se saiba se houve alguma colisão, as duas luas têm cores similares (cinza), sugerindo que Halimede é um fragmento de Nereida.[25]

Tabela[editar | editar código-fonte]

Os satélites de Netuno estão listados aqui por período orbital, do menor para o maior. Satélites irregulares retrógrados estão marcados em cinza escuro, e os prógrados em cinza claro.

Satélites de Netuno
Ordem
[nota 2]
Número
[nota 3]
Nome Imagem Diâmetro
(km)[nota 4]
Massa
(×1016 kg)[nota 5]
Semieixo maior
(km)[28]
Período orbital
(d)[28]
Inclinação
(°)[28] [nota 6]
Excentricidade
[28]
Ano de
descoberta[10]
Descobridor
[10]
1 03Netuno III Náiade
Naiad Voyager.png
006666
(96 × 60 × 52)
000001919 48 227 0,294 4,691 0,0003 1989 Voyager Science Team
2 04Netuno IV Talassa
Naiad Voyager.png
008282
(108 × 100 × 52)
000003535 50 074 0,311 0,135 0,0002 1989 Voyager Science Team
3 05Netuno V Despina
Despina.jpg
0150150
(180 × 148 × 128)
0000210210 52 526 0,335 0,068 0,0002 1989 Voyager Science Team
4 06Netuno VI Galateia
Galatea moon.jpg
0176176
(204 × 184 × 144)
0000212212 61 953 0,429 0,034 0,0001 1989 Voyager Science Team
5 07Netuno VII Larissa
Larissa 1.jpg
0194194
(216 × 204 × 168)
0000460460 73 548 0,555 0,205 0,0014 1981 H. Reitsema, W. Hubbard, L. Lebofsky, e D. J. Tholen
6 14Neptune XIV S/2004 N 1 001616-20[7]  ? 105 283[7] 0,936[7] ~0[7] ~0[7] 2013 M. Showalter et al[7]
7 08Netuno VIII Proteu
Proteus Voyager 2 (big).jpg
0420420
(436 × 416 × 402)
00044004 400 117 646 1,122 0,075 0,0005 1989 Voyager Science Team
8 01Netuno I Tritão
Triton moon mosaic Voyager 2 (large).jpg
27052 705,2 ± 4,8
(2 709 × 2 706 × 2 705)
2 140 0002 140 800
± 5200
354 759 5,877 156,865 0,0000 1846 W. Lassell
9 02Netuno II Nereida
Nereid-Voyager2.jpg
0340340 ± 50 00027002 700 5 513 818 360,136 7,090 0,7507 1949 G.P. Kuiper
10 09Netuno IX Halimede 0062~62 000001616 16 611 000 1 879,08 112,712 0,2646 2002 M. Holman, J. Kavelaars, T. Grav, W. Fraser, e D. Milisavljevic
11 11Netuno XI Sao 0044~44 00000066 22 228 000 2 912,72 53,483 0,1365 2002 M. Holman, J. Kavelaars, T. Grav, W. Fraser, e D. Milisavljevic
12 12Netuno XII Laomedeia 0042~42 00000055 23 567 000 3 171,33 37,874 0,3969 2002 M. Holman, J. Kavelaars, T. Grav, W. Fraser, e D. Milisavljevic
13 10Netuno X Psámata 0040~40 00000044 48 096 000 9 074,30 126,312 0,3809 2003 S.S. Sheppard, D.C. Jewitt, e J. Kleyna
14 13Netuno XIII Neso 0060~60 000001515 49 285 000 9 740,73 136,439 0,5714 2002 M. Holman, J. Kavelaars, T. Grav, W. Fraser, e D. Milisavljevic

Notas

  1. Objetos binários, como o sistema PlutãoCaronte, são bastante comuns entre os objetos transnetunianos. Estima-se que 11% dos objetos transnetunianos são binários.[24]
  2. Ordem se refere à posição em relação às outras luas com respeito à distância média a Netuno.
  3. Número se refere ao número romano atribuído a cada satélite em ordem de descoberta.[10]
  4. Diâmetros com vários valores como "60 × 40 × 34" indicam que o corpo não é uma esfera perfeita e que cada uma de suas dimensões foi medida precisamente. As dimensões das cinco luas internas foram tiradas de Karkoschka, 2003.[16] Dimensões de Proteu são de Stooke (1994).[15] Dimensões de Tritão são de Thomas, 2000,[26] enquanto seu diâmetro foi tirado de Davies et al., 1991.[27] O tamanho de Nereida é de Smith, 1989.[4] O tamanho das luas internas foi tirado de Sheppard et al., 2006.[6]
  5. Massa de todas as luas de Netuno exceto Tritão foram calculadas assumindo uma densidade de 1,3 g/cm³. O volume de Larissa e Proteu foi tirado de Stooke (1994).[15] A massa de Tritão é de Jacobson, 2009.
  6. A inclinação dada é relativa ao plano de Laplace local. Inclinações maiores que 90° indicam órbitas retrógradas (na direção oposta à rotação de Netuno).

Referências

  1. Lassell, W.. (1846). "Discovery of supposed ring and satellite of Neptune". Monthly Notices of the Royal Astronomical Society 7. Bibcode1846MNRAS...7..157L.
  2. Kuiper, Gerard P.. (1949). "The Second Satellite of Neptune". Publications of the Astronomical Society of the Pacific 61 (361): 175–176. DOI:10.1086/126166. Bibcode1949PASP...61..175K.
  3. Reitsema, H. J.; Hubbard, W. B.; Lebofsky, L. A.; Tholen, D. J.. (1982). "Occultation by a Possible Third Satellite of Neptune". Science 215 (4530): 289–291. DOI:10.1126/science.215.4530.289. PMID 17784355. Bibcode1982Sci...215..289R.
  4. a b c d e f g h i j k l Smith, B. A.; Soderblom, L. A. et al.. (1989). "Voyager 2 at Neptune: Imaging Science Results". Science 246 (4936): 1422–1449. DOI:10.1126/science.246.4936.1422. PMID 17755997. Bibcode1989Sci...246.1422S.
  5. a b Holman, M. J.; Kavelaars, J. J.; Grav, T. et al.. . "Discovery of five irregular moons of Neptune" (PDF). Nature 430 (7002): 865–867. DOI:10.1038/nature02832. PMID 15318214. Bibcode2004Natur.430..865H.
  6. a b c d Sheppard, Scott S.; Jewitt, David C.; Kleyna, Jan. (2006). "A Survey for "Normal" Irregular Satellites around Neptune: Limits to Completeness". The Astronomical Journal 132: 171–176. DOI:10.1086/504799. Bibcode2006AJ....132..171S.
  7. a b c d e f g h Kelly Beatty. "Neptune's Newest Moon", Sky & Telescope, 15 de julho de 2013. Página visitada em 16 de julho de 2013.
  8. Flammarion, Camille. Astronomie populaire (em <Língua não-reconhecida>). [S.l.: s.n.], 1880. p. 591. ISBN 2080110411.
  9. Camile Flammarion Hellenica. Visitado em 18/01/2008.
  10. a b c d Planet and Satellite Names and Discoverers Gazetteer of Planetary Nomenclature USGS Astrogeology (21/07/2006). Visitado em 06/08/2006.
  11. a b c Jewitt, David; Haghighipour, Nader. (2007). "Irregular Satellites of the Planets: Products of Capture in the Early Solar System" (PDF). Annual Review of Astronomy and Astrophysics 45 (1): 261–95. DOI:10.1146/annurev.astro.44.051905.092459. Bibcode2007ARA&A..45..261J.
  12. a b c d Miner, Ellis D., Wessen, Randii R., Cuzzi, Jeffrey N.. Planetary Ring System. [S.l.]: Springer Praxis Books, 2007. ISBN 978-0-387-34177-4.
  13. Horn, Linda J.; Hui, John; Lane, Arthur L.. (1990). "Observations of Neptunian rings by Voyager photopolarimeter experiment". Geophysics Research Letters 17 (10): 1745–1748. DOI:10.1029/GL017i010p01745. Bibcode1990GeoRL..17.1745H.
  14. a b Banfield, Don; Murray, Norm. (outubro de 1992). "A dynamical history of the inner Neptunian satellites". Icarus 99 (2): 390–401. DOI:10.1016/0019-1035(92)90155-Z. Bibcode1992Icar...99..390B.
  15. a b c Stooke, Philip J.. (1994). "The surfaces of Larissa and Proteus". Earth, Moon, and Planets 65 (1): 31–54. DOI:10.1007/BF00572198. Bibcode1994EM&P...65...31S.
  16. a b Karkoschka, Erich. (2003). "Sizes, shapes, and albedos of the inner satellites of Neptune". Icarus 162 (2): 400–407. DOI:10.1016/S0019-1035(03)00002-2. Bibcode2003Icar..162..400K.
  17. a b c (2000) "The Thermal Structure of Triton's Middle Atmosphere" (PDF). Icarus 143 (2): 425–428. DOI:10.1006/icar.1999.6312. Bibcode2000Icar..143..425E.
  18. Cruikshank, D.P.. (1993). "Ices on the surface of Triton". Science 261 (5122): 742–745. DOI:10.1126/science.261.5122.742. PMID 17757211. Bibcode1993Sci...261..742C.
  19. Hussmann, H.; Sohl, Frank; Spohn, Tilman. (2006). "Subsurface oceans and deep interiors of medium-sized outer planet satellites and large trans-neptunian objects". Icarus 185 (1): 258–273. DOI:10.1016/j.icarus.2006.06.005. Bibcode2006Icar..185..258H.
  20. a b c Goldreich, P.; Murray, N.; Longaretti, P. Y.; Banfield, D.. (1989). "Neptune's story". Science 245 (4917): 500–504. DOI:10.1126/science.245.4917.500. PMID 17750259. Bibcode1989Sci...245..500G.
  21. Shaefer, Bradley E.; Tourtellotte, Suzanne W.; Rabinowitz, David L.; Schaefer, Martha W.. (2008). "Nereid: Light curve for 1999–2006 and a scenario for its variations". Icarus 196 (1): 225–240. DOI:10.1016/j.icarus.2008.02.025. Bibcode2008Icar..196..225S.
  22. Naeye, R.. (setembro de 2006). "Triton Kidnap Caper". Sky & Telescope 112 (3). Bibcode2006S&T...112c..18N.
  23. Naeye, R.. (September 2006). "How Moon Mass is Maintained". Sky & Telescope 112 (3). Bibcode2006S&T...112c..19N.
  24. a b Agnor, C.B.. (2006). "Neptune's capture of its moon Triton in a binary-planet gravitational encounter" (pdf). Nature 441 (7090): 192–4. DOI:10.1038/nature04792. PMID 16688170. Bibcode2006Natur.441..192A.
  25. Grav, Tommy; Holman, Matthew J.; Fraser, Wesley C.. (20/09/2004). "Photometry of Irregular Satellites of Uranus and Neptune". The Astrophysical Journal 613 (1): L77–L80. DOI:10.1086/424997. Bibcode2004ApJ...613L..77G.
  26. Thomas, P.C.. (2000). "NOTE: The Shape of Triton from Limb Profiles". Icarus 148 (2): 587–588. DOI:10.1006/icar.2000.6511. Bibcode2000Icar..148..587T.
  27. Davies, Merton E.. (1991). "A control network of Triton". Journal of Geophysical Research 96 (E1): 15,675–681. DOI:10.1029/91JE00976. Bibcode1991JGR....9615675D.
  28. a b c d Jacobson, R.A. (2008). NEP078 – JPL satellite ephemeris. Visitado em 18/10/2010.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]