Miranda (satélite)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde abril de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Miranda
Satélite Urano V
Miranda.jpg
Características orbitais
Semieixo maior 129,390
Excentricidade 0,0013
Período orbital 1,413479
Velocidade orbital média 0,189 km/s
Inclinação 4,232 °
Características físicas
Diâmetro equatorial 471,6 km
Área da superfície 700,000 km²
Volume 54.835.000 km³
Massa 6,59 ± 0,75 × 10×1019 kg
Densidade média 1,20 ± 0,15 g/cm³
Gravidade equatorial 0,079 g
Dia sideral 1,413479 d (rotação síncrona)
Velocidade de escape 0,193 km/s
Albedo 0,32
Temperatura média: -204,2 ºC
-187,2 ºC max
Composição da atmosfera
Pressão atmosférica Inexistente

Miranda é a menor e mais intrigante das grandes luas de Urano. Foi descoberta em 1948 por Gerald Kuiper e que lhe deu este nome em homenagem à personagem Miranda, da tragicomédia A Tempestade de William Shakespeare. Possui menos de 500 km de diâmetro, o segundo menor satélite de formato esférico do Sistema Solar (Mimas de Saturno é o primeiro, com 300 km), mas é o astro mais atraente na região de seu pacato planeta.

Miranda tem a superfície mais diversificada, com um relevo bizarramente deformado. Seu ambiente é marcado por depressões e penhascos profundos, zonas cheias de crateras, altas montanhas e planícies suaves. Os picos mais elevados chegam a medir 15 km de altura e as maiores crateras cerca de 60 km de diâmetro. A maior parte desses relevos são estruturas antigas, mas há algumas recentes.

Devido a sua estranha topografia, supõe-se que Miranda teria sido atingido por um objeto com metade do volume do satélite e os estilhaços teriam criado os anéis do planeta.

Ícone de esboço Este artigo sobre um satélite natural é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.