Mimas (satélite)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde setembro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.


Mimas
Satélite Saturno I
Mimas Cassini.jpg
Características orbitais
Excentricidade 0,0202
Período orbital 0,9424218 d
Velocidade orbital média 14,32 km/s
Inclinação 1,53 °
Características físicas
Diâmetro equatorial 397,2 km
Área da superfície 490.000 km²
Volume 32.900.000 km³
Massa (3,7493 ± 0,0031) ×1019 kg
Densidade média 1,147 g/cm³
Gravidade equatorial 0,00649 g
Dia sideral 22 h 37 min 5 s
Velocidade de escape 0,161 km/s
Albedo 0,962 ± 0,004
Temperatura média: -209,2 ºC
Magnitude aparente 12,9
Composição da atmosfera
Pressão atmosférica Inexistente

Mimas é uma das grandes luas de Saturno. Com 397,2 quilômetros de diâmetro e com um período orbital de 0,94 dias, é o menor corpo do sistema solar a conseguir tomar um formato praticamente esférico[1] .

O período orbital de 22 horas 37 minutos e 5 segundos de Mimas é metade do de Tétis. Assim, Mimas e Tétis estão envolvidos numa ressonância orbital alcançando a conjunção no mesmo lado de Saturno. A origem desta ressonância não é inteiramente compreendida. A rotação de Mimas é síncrona, mantendo sempre o mesmo hemisfério virado para Saturno.

A densidade média de Mimas é somente 1,2 da densidade da água, e a sua superfície mostra características de gelo de água, dado o seu brilho. A superfície é densamente crivada por profundas crateras. A profundidade das crateras parece ser uma consequência da baixa gravidade da lua. Apesar do seu pequeno tamanho, existem algumas evidências de remodelação da superfície, possivelmente o resultado do derretimento parcial da crosta gelada. Algumas das crateras têm mais de 90 quilómetros de comprimento, 10,2 de profundidade e 10 de largura. Não se sabe se estas crateras são causadas por pressão do efeito das marés ou pelo impacto de corpos celestes. No entanto, sabe-se que são bastante antigas.

Mimas é um mundo exíguo e gelado, mas suficientemente complexo e com uma vista extraordinária sobre Saturno.

Entre as várias crateras sobressai uma no hemisfério que comanda o movimento orbital, a cratera Herschel. O nome da cratera homenageia o astrônomo William Herschel que descobriu Mimas em 18 de junho de 1789. A cratera Herschel é uma gigantesca depressão com um terço do diâmetro de Mimas: 130 km de diâmetro e 9 de profundidade e um pico central, sendo assim a maior estrutura de impacto do sistema solar, o que levou a ser comparada à "Estrela da Morte" dos filmes Star Wars. O impacto colossal apenas por pouco não destruiu Mimas.

No hemisfério rebocado, oposto à cratera Herschel, apresenta outras numerosas crateras, quiçá relacionadas com o impacto que produziu a Herschel.

Na mitologia grega, Mimas (Μίμᾱς) era um dos titãs que combateram ao lado de Cronos (Saturno) contra Zeus (Júpiter). Mimas foi fulminado por Zeus, ou então morto por Hefesto (Vulcano), que lançou contra ele projécteis de metal em brasa.

Referências

  1. super.abril.com.br/ 25 curiosidades sobre as luas do Sistema Solar