Ariel (satélite natural)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Ariel
Satélite Urano I
Ariel (moon).jpg
Características orbitais
Excentricidade 0,0012
Período orbital 2,520 d
Velocidade orbital média 5,52 km/s
Inclinação 0,260 °
Características físicas
Diâmetro equatorial 1.158 km
Área da superfície 4.211.300 km²
Massa 1,353 ± 0,120×1021 kg
Densidade média 1,66 ± 0,15 g/cm³
Gravidade equatorial 0,27 g
Dia sideral 2 d 12 h 28 m 48 s
Velocidade de escape 0,558 km/s
Albedo 0,39
Temperatura média: 215,2 ºC
Composição da atmosfera
Pressão atmosférica Inexistente

Ariel (air'-ee-əl, AFI[ˈɛəriəl]) é um dos cinco satélites naturais (lua) do planeta Urano descoberto em 24 de outubro de 1851 por William Lassell. Ariel foi descoberto juntamente com uma outra lua de Urano, Umbriel.

Nome[editar | editar código-fonte]

Ariel é o nome de um silfo (criatura mitológica) no poema "Rape of the Lock" do Alexandre Pope. Também é o nome do espírito que servia Próspero na peça teatral Tempestade de Shakespeare.

O nome "Ariel" e o nome de todos os quatro satélites de Urano foram sugeridos por John Herschell em 1852 quando consultado por Lassel.[1] Lassell já tinha anteriormente endossado o esquema que Herschel usou para batizar em 1847 as sete então conhecidas luas de Saturno. Em 1848 quando Lassel descobriu a oitava lua de Saturno, ele a batizou com o nome Hipérion usando o mesmo esquema de Herschell. O adjetivo relativo a "Ariel" é "Arieliano".

Ariel também é chamado de Urano I (Uranus I).

Características físicas[editar | editar código-fonte]

As primeiras e ainda distantes observações de Ariel foram feitas pela sonda Voyager 2 durante seu vôo ao redor de Urano em 1986. A Voyager 2 fez sua maior aproximação de Ariel em 24 de janeiro de 1986 e passou à 127 mil km da lua.[2] Devido ao fato de que somente o polo Sul de Ariel está virado para o Sol, somente o hemisfério sul pode ser fotografado (imageado).

Ariel é um satélite relativamente pequeno, mas, ainda sim tem como mérito ser a lua mais brilhante de Urano. Sua superfície é marcada por crateras e são encontrados também grandes vales em fendas que se estendem por toda superfície.

A composição de Ariel é de aproximadamente 70% de gelos (água congelada, dióxido de carbono em estado sólido, e possivelmente também gêlo de metano) e 30% de rochas compostas por silicatos. Alguns lugares de Ariel parecem estar cobertos por geada fresca, particularmente, em crateras mais recentes. A mais velha e maior unidade geológica observada em Ariel pela Voyager 2 foi uma vasta área de planícies craterizada no polo sul do satélite. A análise das crateras vistas nas planícies craterizadas de Ariel sugere que a maioria delas são mais recentes do que aquelas vistas em Titânia, Oberon, e Umbriel.[3] A maior cratera observada em ariel é a cratera Yangoor, com somente 78 km de secção, e mostra sinais de deformação desde sua formação. A Voyager 2 também observou uma rede de falhas geológicas, canyons, e estruturas em gêlo distribuídas ao longo das latitudes no meio do hemisfério sul de Ariel, quebrando a região de superfícies craterizadas. Os canyons provavelmente representam "grabens" formados por falhas extensionais. Matéria lisa e sulcos são vistos em várias partes da rede de vales de Ariel, sugerindo que o fundo dos canyons esteve coberto por gelo morno ejetado do interior de Ariel.[3]

Acredita-se que no passado, as atividades geológicas de Ariel tem sido provocadas por "aquecimento de maré" em um tempo quando sua órbita era mais excêntrica do que a atual. Nos primórdios de sua história, Ariel foi aparentemente capturado em uma ressonância orbital 4:1 com Titânia, de onde Ariel teria escapado.[4] A ressonância teria aumentado a excentricidade orbital; resultando em fricção de maré devido às forças de maré a partir de Urano teriam causado o aquecimento no interior de Ariel. No sistema de satélites de Urano, devido à ausência de achatamento do planeta, a o tamanho relativamente grande de seu satélites, escapar a partir de um movimento em ressonância média é muito mais fácil do que para os satélites de Júpiter ou Saturno.

Nomes oficiais têm sido dados aos seguintes tipos de falhas geológicas em Ariel:

  • Crateras de impacto
  • Chasmatas
  • Vales

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Em 26 de julho de 2006, o Hubble Space Telescope conseguiu capturar uma imagem de um raro trânsito de Ariel, quando o satélite passou por Urano. Durante o trânsito, o satélite projetou uma sombra que pode ser vistas sobre as nuvens de Urano. Tais eventos são raros e somente ocorrem por volta dos equinócios, quando o eixo de rotação do planeta está inclinado em 98° em relação ao plano orbital.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. http://adsabs.harvard.edu//full/seri/AN.../0034//0000169.000.html Adsabs.harvard.edu Retrieved on 6 de Janeiro de 2007
  2. Descrição da missão VoyagerVoyager. (Acessada em 27 de Maio de 2006)
  3. a b B. A. Smith et al. (1982). "Voyager 2 in the Uranian system - Imaging science results". Science 233: 43-64.
  4. W. C. Tittemore. (1990). "Tidal Heating of Ariel". Icarus 87: 110-139. DOI:10.1016/0019-1035(90)90024-4.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]