Plutão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Plutão Símbolo astronômico de Plutão.
Planeta anão
Pluto animiert.gif
Mapa de Plutão gerado por computador a partir de imagens do Telescópio espacial Hubble.
Características orbitais[1]
Semieixo maior 5 906 376 272 km
39,48168677 UA
Perélio 4 436 824 613 km
29,658340679 UA
Afélio 7 375 927 931 km
49,30503287 UA
Excentricidade 0,24880766
Período orbital 90 613,305 d (248,09 a)
Período sinódico 366,73 d (1 a)
Velocidade orbital média 4,666 km/s
Inclinação Eclíptica: 17,14175°
Equador solar: 11,88 °
Argumento do periastro 113,76329°
Longitude do nó ascendente 110,30347°
Número de Satélites 5[2]
Características físicas[3] [4] [nota 1]
Diâmetro equatorial 2 306 ± 20 km
Área da superfície 1,665 × 107[5] km²
Volume 6,39 × 109 km³
Massa (1,305 ± 0,007) × 1022 kg
Densidade média 2,03 ± 0,06 g/cm³
Gravidade equatorial 0,658 m/s²
0,067 g
Dia sideral −6,387230 d
6 d 9 h 17 m 36 s
Velocidade de escape 1,229 km/s
Inclinação axial 119,591 ± 0,014° (em relação à órbita)
Albedo 0,49–0,66 (varia em 35%)[6]
Temperatura média: -229 ºC
-240 ºC min
-218 ºC max
Magnitude aparente 13,65 a 16,3 (média 15,1)[7]
Magnitude absoluta -0,7[1]
Composição da atmosfera
Pressão atmosférica 0,30 Pa
Composição nitrogênio, metano

Plutão, formalmente designado 134340 Plutão, é um planeta anão do Sistema Solar e o décimo objeto mais massivo observado diretamente orbitando o Sol. Originalmente classificado como um planeta, Plutão é atualmente o maior membro do cinturão de Kuiper.[nota 2]

Como outros membros do cinturão de Kuiper, Plutão é composto primariamente de rocha e gelo e é relativamente pequeno, com aproximadamente um quinto da massa da Lua e um terço de seu volume. Ele tem uma órbita altamente inclinada e excêntrica que o leva de 30 a 49 UA do Sol. Isso faz Plutão ficar periodicamente mais perto do Sol do que Netuno (Neptuno). Atualmente Plutão está a 32,32 UA do Sol.[7]

Até 2006, Plutão foi considerado o nono planeta do Sistema Solar. No final da década de 1970, com a descoberta de 2060 Chiron e o reconhecimento da sua pequena massa, sua classificação como um planeta começou a ser questionada.[9] No início do século XXI, vários outros objetos similares a Plutão foram descobertos no Sistema Solar externo, incluindo Éris, que é 27% mais massivo do que ele.[10] Em 24 de agosto de 2006, a União Astronômica Internacional (UAI) criou uma definição de planeta formal, que fez Plutão deixar de ser planeta e ganhar a nova classificação de planeta anão, juntamente com Éris e Ceres.[11] Depois da reclassificação, Plutão foi adicionado à lista de corpos menores do Sistema Solar e recebeu a identificação 134340.[12] [13] Porém, há cientistas que afirmam que Plutão não deveria ser considerado planeta anão, mas voltar a ser classificado como planeta.[14]

Plutão e sua maior lua, Caronte, são às vezes considerados um planeta binário porque o baricentro de suas órbitas não se encontra em nenhum dos corpos, e sim no espaço livre entre eles.[15] É possível que a UAI ainda faça uma definição de planeta binário, que provavelmente classificará Plutão e Caronte como um planeta anão binário.[16] Plutão também tem quatro outras luas menores, Nix e Hidra, descobertas em 2005, Cérbero, descoberta em julho de 2011, e Estige, descoberta em julho de 2012.[2] [17] [18]

Descoberta[editar | editar código-fonte]

Em 1840, usando mecânica newtoniana, Urbain Le Verrier previu a posição de Netuno, que na época não tinha sido descoberto ainda, com base em perturbações na órbita de Urano.[19] Observações subsequentes de Netuno no final do século XIX fizeram astrônomos especularem que a órbita de Urano estava sendo perturbada por outro planeta. Em 1906, Percival Lowell, fundador do Observatório Lowell, iniciou um grande projeto de procurar um possível nono planeta, que ele chamou de Planeta X.[20] Em 1909, Lowell e William H. Pickering sugeriram várias possíveis coordenadas celestiais para esse planeta.[21] Lowell continuou observando o céu à procura do Planeta X até sua morte em 1916, mas não achou nada. Apesar disso, ele fotografou Plutão duas vezes, mas não o reconheceu.[21] [22]

Depois da morte de Lowell, a busca pelo Planeta X ficou parada até 1929,[23] quando Vesto Melvin Slipher deu a tarefa de achar o Planeta X a Clyde Tombaugh, que tinha acabado de chegar ao Observatório Lowell.[23] A tarefa de Tombaugh foi fotografar o céu noturno e depois de duas semanas tirar outra foto, e então examinar os pares de fotos para ver se houve movimento de algum objeto. Em 18 de fevereiro de 1930, depois de cerca de um ano de observações, Tombaugh descobriu um possível objeto em movimento em fotografias tiradas em 23 de janeiro e em 29 de janeiro daquele ano. Uma imagem de menor qualidade tirada em 21 de janeiro ajudou a confirmar o movimento.[24] Depois de observações feitas para confirmar o movimento, notícias da descoberta foram telegrafadas para o Harvard College Observatory em 13 de março de 1930.[21]

Nomeação[editar | editar código-fonte]

O Observatório Lowell, que tinha o direito de nomear o novo planeta, recebeu mais de 1 000 sugestões do mundo inteiro, variando de Atlas a Zynal.[25] Tombaugh pediu a Slipher que sugerisse um nome para o objeto antes que alguém fizesse isso antes.[25] Constance Lowell também sugeriu alguns nomes, incluindo Zeus, Lowell e seu próprio primeiro nome, porém essas sugestões foram ignoradas.[26]

O nome Plutão foi sugerido por Venetia Burney (mais tarde Venetia Phair), uma menina de onze anos de Oxford.[27] Venetia era interessada em mitologia clássica assim como em astronomia, e escolheu o nome do deus romano do submundo, Plutão, adequado para um objeto presumivelmente escuro e gelado. Ela sugeriu o nome durante uma conversa com seu avô, Falconer Madan, um ex-bibliotecário da Biblioteca Bodleiana. Madan passou o nome ao professor Herbert Hall Turner, que telegrafou para seus colegas nos Estados Unidos.[28]

O objeto foi nomeado oficialmente em 24 de março de 1930.[29] [30] Cada membro do Observatório Lowell podia votar em um nome de uma pequena lista de três opções: Minerva (que já era o nome de um asteroide), Cronos (que perdeu reputação por ter sido proposto pelo astrônomo impopular Thomas Jefferson Jackson See) e Plutão. Plutão recebeu todos os votos.[31] O nome foi anunciado em 1 de maio de 1930.[27] Depois de anúncio do nome, Venetia recebeu cinco libras como recompensa.[27]

Logo em seguida o nome foi usado pela cultura popular: o personagem da Disney Pluto foi nomeado em homenagem ao "novo" planeta.[32] Em 1941, Glenn Theodore Seaborg nomeou o elemento recém-descoberto plutônio a partir de Plutão, mantendo a tradição de nomear elementos a partir de planetas recém-descobertos, como urânio, que foi nomeado a partir de Urano, e netúnio, que foi nomeado a partir de Netuno.[33]

Morte do Planeta X[editar | editar código-fonte]

Estimativas da massa de Plutão:
Ano Massa Notas
1931 1 Terra Nicholson & Mayall[34] [35] [36]
1948 0,1 (1/10 Terra) Kuiper [37]
1976 0,01 (1/100 Terra) Cruikshank, Pilcher, & Morrison [38]
1978 0,002 (2/1 000 Terra) Christy & Harrington [39]

Quando achado, o pequeno brilho de Plutão e a falta de um disco resolúvel causaram dúvidas se ele era o Planeta X. Sua massa estimada foi diminuindo conforme o século XX foi passando, e foi apenas em 1978, com a descoberta da lua Caronte, que se tornou possível a medição de sua massa pela primeira vez. A massa de Plutão, que é de apenas 0,2% da massa da Terra, era muito pequena para explicar as perturbações na órbita de Urano. Buscas subsequentes para achar o Planeta X, feitas principalmentes por Robert Sutton Harrington,[40] falharam. Em 1992, Myles Standish usou dados obtidos pela visita da Voyager 2 a Netuno, que revisou sua massa total, para recalcular seus efeitos gravitacionais em Urano. Com as novas informações, as perturbações foram explicadas, e a necessidade do Planeta X sumiu.[41] Atualmente, a maioria dos cientistas concorda que o Planeta X, como Lowell o descreveu, não existe.[42] Em 1915, Lowell fez previsões da posição do Planeta X, que foi próxima da posição real de Plutão naquela época; no entanto, Ernest W. Brown concluiu que isso foi apenas uma coincidência.[43]

Nomenclatura[editar | editar código-fonte]

O nome de Plutão foi escolhido em parte para invocar as letras iniciais do nome do astrônomo Percival Lowell. Seu símbolo astronômico é um monograma P-L (Pluto symbol.svg).[44] O símbolo astrológico de Plutão é semelhante ao de Netuno (Neptune symbol.svg), mas em vez do tridente há um círculo (Pluto's astrological symbol.svg).

Em japonês, chinês e coreano, o nome Plutão foi traduzido como estrela rei do submundo (冥王星),[45] [46] como sugerido por Hōei Nojiri em 1930.[47] Muitas outras línguas não europeias usam uma transliteração de "Plutão" como seus nomes para o objeto; no entanto, algumas línguas indianas usam uma forma de Yama, o guardião do inferno da mitologia hindu, como Yamdev em guzerate.[45]

Órbita e rotação[editar | editar código-fonte]

Este diagrama mostra as posições relativas de Plutão (em vermelho) e Netuno (em azul) em diferentes datas. O tamanho de Plutão e Netuno é proporcional à distância entre eles para enfatizar a aproximação de 1896.
Órbita de Plutão - perspectiva da eclíptica. Esta "vista lateral" da órbita de Plutão (em vermelho) mostra a sua forte inclinação orbital, em comparação com a órbita mais normal de Netuno (em azul).

Plutão leva 248 anos para completar uma órbita.[1] Suas características orbitais são bastante diferentes das dos planetas, que seguem uma órbita quase circular ao redor do Sol próximo a um plano horizontal chamado eclíptica. Em contraste, a órbita de Plutão é altamente inclinada em relação à eclíptica (mais de 17°) e excêntrica.[1] Devido a essa excentricidade, uma pequena parte da órbita de Plutão está mais próxima do Sol do que a de Netuno. A última vez que Plutão ficou mais próximo do Sol do que Netuno foi entre 7 de fevereiro de 1979 e 11 de fevereiro de 1999.[48] Cálculos precisos indicam que a vez anterior que isso aconteceu durou apenas 14 anos, entre 11 de julho de 1735 e 15 de setembro de 1749, enquanto que de 30 de abril de 1483 a 23 de julho de 1503 também durou 20 anos. Apesar de esse padrão repetitivo sugerir uma órbita regular, a órbita de Plutão é, a longo prazo, caótica.[49] [50]

Atualmente Plutão está a 32,32 UA do Sol.[7]

Relação com Netuno[editar | editar código-fonte]

Apesar de a órbita de Plutão parecer cruzar a órbita de Netuno numa perspectiva de cima, a órbita dos dois objetos estão alinhadas, e então eles não podem colidir, ou nem mesmo se aproximar um do outro.

Ao analisar as órbitas de Plutão e Netuno, pode-se observar que elas não se cruzam. Quando Plutão está mais perto do Sol do que Netuno, sua órbita cruza a de Netuno, vista de cima; porém ela está 8 UA acima do caminho de Netuno, evitando uma colisão.[51] [52] [53] Os nodos orbitais de Plutão (os pontos onde sua órbita atravessa a eclíptica) são separados dos de Netuno por mais de 21°.[54]

Órbita de Plutão - perspectiva polar. Esta "vista de cima" mostra como a órbita de Plutão (em vermelho) é menos circular do que a de Netuno (em azul). Também demonstra como Plutão por vezes se aproxima mais do Sol do que Netuno. As metades escuras de ambas as órbitas correspondem a posições abaixo da eclíptica.

No entanto, apenas isso não é suficiente para proteger Plutão. Perturbações dos planetas (especialmente Netuno) poderiam alterar aspectos da órbita de Plutão ao longo de milhões de anos, e uma colisão seria possível. O mecanismo mais significante que evita Plutão e Netuno colidirem é a ressonância orbital de 3:2 que há entre eles, ou seja, a cada três órbitas que Netuno faz ao redor do Sol, Plutão faz duas. Então, os dois objetos voltam a suas posições iniciais e o ciclo de 500 anos continua. Esse padrão se repete, e a cada ciclo de 500 anos, durante o primeiro perélio de Plutão, ele está a 50° "na frente" de Netuno, enquanto no segundo está a 50° "atrás" de Netuno.[53]

A ressonância 3:2 entre Plutão e Netuno é estável, e é preservada por milhões de anos.[55] Isso evita que uma órbita mude em relação à outra; o ciclo sempre repete-se do mesmo jeito, e os dois corpos nunca passam perto um do outro. Portanto, mesmo se a órbita de Plutão não fosse inclinada, ele e Netuno nunca se colidiriam.[53]

Outros fatores[editar | editar código-fonte]

Estudos numéricos mostraram que, ao longo de milhares de anos, a natureza geral do alinhamento entre Plutão e Netuno não muda.[51] [56] No entanto, há várias outras ressonâncias e interações que governam os detalhes de seu movimento relativo, e melhoram a estabilidade de Plutão. Isso vem principalmente de outros dois mecanismos (além da ressonância 3:2).

Primeiro, o argumento do perélio de Plutão, o ângulo entre os pontos onda ele cruza e eclíptica e o ponto onde ele está mais próximo do Sol, libra cerca de 90°.[56] Isso significa que quando Plutão está mais perto do Sol, ele também está no seu ponto mais longe do plano do Sistema Solar, evitando encontros com Netuno. Isso é uma consequência direta do mecanismo Kozai.[51] Em relação a Netuno, a amplitude de libração é de 38°, então a separação angular do perélio de Plutão com a órbita de Netuno é sempre maior que 52° (90°–38°). Uma separação angular como essa mais perto ocorre a cada 10 000 anos.[55]

Segundo, as longitudes dos nós ascendentes dos dois corpos (o ponto onde eles cruzam a eclíptica) estão em uma ressonância próxima com a libração. Quando as duas longitudes estão iguais o perélio de Plutão se localiza exatamente a 90°, e ele chega mais perto do Sol em seu pico acima da órbita de Netuno. Em outras palavras, quando Plutão intercepta o plano da órbita de Netuno mais perto, ele precisa estar em seu ponto mais longe além dele. Isso é conhecido como super-ressonância 1:1, e é controlada por todos os planetas jovianos.[51]

Rotação[editar | editar código-fonte]

O período de rotação de Plutão é igual a 6,39 dias.[57] Como Urano, Plutão gira de "lado" em relação ao seu plano orbital, como uma inclinação axial de 120°, então a variação entre suas estações do ano é extrema; durante o solstício, um hemisfério está permanentemente de dia, enquanto o outro está permanentemente de noite.[58]

Características físicas[editar | editar código-fonte]

Plutão está muito longe da Terra, o que dificulta observações detalhadas. Muito detalhes de Plutão vão continuar desconhecidos até 2015, quando a sonda New Horizons se aproximar dele.[59]

Aparência e superfície[editar | editar código-fonte]

Mapa da superfície de Plutão, mostrando grandes variações de cor e albedo.
Três visões de Plutão de diferentes ângulos.

A magnitude aparente média de Plutão é 15,1, aumentando para 13,65 durante o perélio.[4] Para vê-lo, um telescópio com uma abertura de pelo menos 30 cm é necessário.[60] Visto ao telescópio, ele tem aparência similar à de uma estrela e não possui disco visível, devido ao seu diâmetro angular, que é de apenas 0,11"; até mesmo visto em telescópios grandes, Plutão é visto como um ponto iluminado, refletindo a luz do Sol.

A distância e os atuais limites de telescópios fazem com que seja que impossível fotografar detalhes da superfície de Plutão.

Os mapas mais antigos de Plutão, feitos na década de 1980, eram mapas do brilho de Plutão feitos a partir de observações de eclipses causados por sua maior lua, Caronte. Observações foram feitas com as mudanças do brilho total médio do sistema Plutão-Caronte durante os eclipses. Por exemplo, eclipsando um ponto brilhante de Plutão muda o brilho total mais do que eclipsando um ponto escuro. Processamentos por computador de muitas observações assim podem ser usados para gerar um mapa de brilho. Esse método também pode ser usado para observar mudanças no brilho ao longo do tempo.[61] [62]

Os mapas atuais de Plutão foram produzidos a partir de observações feitas pelo Telescópio Espacial Hubble, que oferece a melhor resolução possível com a tecnologia atual, e mostra vários detalhes,[63] incluindo regiões polares e grandes pontos brilhantes.[64] Os mapas são produzidos por um complexo processamento por computador, que encontra a melhor posição para as pequenas imagens do Hubble.[65] Como as duas câmeras do Hubble usadas para gerar esses mapas não estão mais funcionando, esses mapas continuarão sendo os melhores mapas de Plutão até a visita da sonda New Horizons em 2015.[65]

Esses mapas, juntos com a curva de luz de Plutão e as variações periódicos em seu espectro infravermelho, revelaram que a superfície de Plutão é notavelmente variável, com grandes mudanças no brilho e na cor.[66] Plutão é um dos objetos com mais contraste do Sistema Solar, com tanto contraste quanto a lua de Saturno Jápeto.[63] As cores variam entre preto, laranja escuro e branco.[67] Buei et al. descreveu a superfície de Plutão como "bem menos vermelha que Marte, e bastante semelhante a Io, porém um pouco mais laranja".[64]

A superfície de Plutão mudou entre 1994 e 2003: a região polar do norte ficou mais brilhante o hemisfério sul escureceu.[67] A vermelhidão geral de Plutão também aumentou consideravelmente, entre 2000 e 2002.[67] Essas mudanças rápidas provavelmente estão relacionadas a variações de estações do ano, que são grandes em Plutão devido à inclinação axial e à excentricidade orbital.[67]

Análises espectroscópicas da superfície de Plutão revelaram que ela é composta mais de 98% de gelo de nitrogênio, com traços de metano e monóxido de carbono.[68] Um hemisfério de Plutão contém mais gelo de metano, enquanto o outro contém mais gelo de nitrogênio e monóxido de carbono.[69]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

Estrutura teórica de Plutão (2006):
1. Nitrogênio congelado
2. Gelo de água
3. Rocha

Observações de Plutão feitas pelo telescópio Hubble estimam uma densidade entre 1,8 e 2,1 g/cm3, sugerindo uma composição interna de aproximadamente 60% de rocha e 40% de gelo.[70] Como a decadência de minerais radioativos eventualmente iria aquecer os gelos o suficiente para as rochas se separarem deles, cientistas esperam que a estrutura interna de Plutão é diferenciada, com o material rochoso estabilizado em um denso núcleo cercado por um manto de gelo. O diâmetro do núcleo deve ser de cerca de 1 700 km, 70% do diâmetro de Plutão.[71] É possível que o aquecimento continue atualmente, criando uma camada de oceano líquido de 100 a 180 km de profundidade no núcleo.[71] [72] O Institute of Planetary Research do DLR calculou que a relação densidade-raio de Plutão está em uma zona de transição, junto com Tritão, e entre satélites gelados como as luas de tamanho médio de Saturno e Urano e os satélites rochosos como Europa.[73]

Massa e tamanho[editar | editar código-fonte]

Comparação entre os pares Terra-Lua e Plutão-Caronte (abaixo, à direita).

A massa de Plutão é de 1,32×1022 kg, menos de 0,24% da massa da Terra,[74] enquanto que as melhores estimativas para seu diâmetro são de 2 306 (+/- 20) km, aproximadamente 66% do diâmetro da Lua.[3] Determinações do tamanho de Plutão são complicadas por sua atmosfera e névoa de hidrocarboneto.[8] [75]

Astrônomos, inicialmente pensando que Plutão era o Planeta X, inicialmente calcularam sua massa a partir dos efeitos em Urano e Netuno. Em 1955 foi calculado que Plutão tinha aproximadamente a mesma massa da Terra, e em 1971, outros cálculos abaixaram sua massa para aproximadamente a massa de Marte.[76] No entanto, em 1976, Dale Cruikshank, Carl Pilcher e David Morrison, da Universidade do Havaí, calcularam seu albedo pela primeira vez, e foi descoberto que Plutão era muito luminoso para ter aquele tamanho e portanto não podia ter mais de 1% da massa da Terra.[76] O albedo de Plutão é de 1,3 a 2,0 vezes maior que o da Terra.[4]

Estimativas de diâmetro para Plutão:
Ano Diâmetro Notas
1993 2390 km Millis, et al.[77] (sem névoa)[8]
1993 2360 km Millis, et al. (superfície & névoa)[8]
1994 2328 km Young & Binzel [78]
2006 2306 km Buie, et al.[3]
2007 2322 km Young, Young, & Buie [75]

Em 1978, com a descoberta de Caronte, foi possível determinar a massa do sistema Plutão-Caronte pela primeira vez. Quando os efeitos gravitacionais de Caronte foram medidos, a verdadeira massa de Plutão pôde ser determinada. Observações de Plutão em ocultações por Caronte permitiu os cientistas medirem seu diâmetro, enquanto a invenção da óptica adaptativa permitiu determinar sua forma precisamente.[79]

Entre os objetos do Sistema Solar, Plutão é menor que os planetas telúricos, e com menos 0,2 vezes a massa lunar é menos massivo que sete satélites naturais: Ganimedes, Titã, Calisto, Io, a Lua, Europa e Tritão. Plutão tem mais do dobro do diâmetro do planeta anão Ceres, o maior asteroide do cinturão de asteroides, e doze vezes sua massa. No entanto, ele é menos massivo que o planeta anão Éris, um objeto transneptuniano descoberto em 2006. Como há uma grande incerteza nas estimativas de diâmetro dos dois corpos, não se sabe qual é maior.[8]

Atmosfera[editar | editar código-fonte]

Impressão artística da superfície e atmosfera de Plutão.

A atmosfera de Plutão consiste em uma fina camada de nitrogênio, metano e gases de monóxido de carbono, que são derivados dos gelos dessas substância na superfície.[80] Sua pressão superficial varia de 6,5 a 24 μbar.[81] A órbita alongada de Plutão tem um grande efeito em sua atmosfera: conforme Plutão se distancia do Sol, sua atmosfera congela gradualmente, e cai na superfície, e quando ele se aproxima do Sol, a temperatura na sua sólida superfície aumenta, causando os gelos sublimarem para gás. Isso cria um efeito antiestufa; a sublimação esfria a superfície de Plutão. Recentemente foi descoberto que a temperatura de Plutão é de cerca de 43 K (−230 °C), 10 K mais fria do esperado.[82]

A presença de metano, que é um poderoso gás do efeito estufa, na atmosfera de Plutão cria uma inversão térmica, com temperaturas 36 K mais quente 10 km acima da superfície.[83] A atmosfera inferior contém uma concentração maior de metano que a atmosfera superior.[83]

A primeira evidência da atmosfera de Plutão foi descoberta pelo Kuiper Airborne Observatory em 1985, a partir de observações de uma ocultação de uma estrela atrás de Plutão. Quando um objeto sem atmosfera passa na frente de uma estrela, ela desaparece bruscamente. No caso de Plutão, a estrela apenas escureceu gradualmente.[84] A partir da taxa de escurecimento, foi determinado que a pressão atmosférica era de 0,15 pascal, aproximadamente 1/700 000 a da Terra.[85] A conclusão foi confirmada e foi reforçada por outras observações de uma outra ocultação em 1988.

Em 2002, uma outra ocultação estelar por Plutão foi observada e analisada por equipes lideradas por Bruno Sicardy do Observatório de Paris,[86] James L. Elliot do Instituto de Tecnologia de Massachusetts[87] e Jay Pasachoff do Williams College.[88] Surpreendentemente, a pressão atmosférica foi estimada em 0,3 pascal, mesmo que Plutão estava mais longe do Sol que em 1988 e portanto sua atmosfera deveria estar mais fria e rarefeita. Uma explicação para isso é que em 1987 o polo sul de Plutão saiu da sombra pela primeira vez em 120 anos, causando o nitrogênio extra sublimar da calota polar. Vai levar décadas para que o excesso de nitrogênio condense para fora da atmosfera enquanto ele congela em direção à escura calota de gelo do polo norte.[89] Dados do mesmo estudo revelaram o que pode ser a primeira evidência de vento na atmosfera de Plutão.[89]

Em outubro de 2006, Dale Cruikshank do NASA/Ames Research Center e seus colegas anunciaram a descoberta espectroscópica de etano na atmosfera de Plutão. O etano é produzido pela fotólise ou radiólise (a conversão química orientada pela luz solar ou partículas carregadas) do metano congelado na superfície que então vai para a atmosfera.[90]

Satélites naturais[editar | editar código-fonte]

Plutão e três das cinco luas.
Fotografia de Plutão e Caronte tirada pela Faint Object Camera do Telescópio Espacial Hubble.
Diagrama do sistema de Plutão.

Plutão possui cinco satélites naturais conhecidos: Caronte, descoberto em 1978 pelo astrônomo James Walter Christy, e outras quatro luas menores, Nix e Hidra, ambas descobertas em 2005, Cérbero, descoberta em 2011, e Estige, descoberta em julho de 2012.[2] [17] [91]

As luas de Plutão estão estranhamente perto de Plutão, em comparação com outros sistemas. Luas poderiam potencialmente orbitar Plutão a mais de 53% (69%, se retrógradas) do raio da esfera de Hill, a zona gravitacional estável da influência de Plutão. Psámata, por exemplo, orbita Netuno a 40% do raio de Hill. No caso de Plutão, somente os 3% internos da zona são ocupados por satélites. De acordo com os descobridores, o sistema de Plutão aparenta ser "altamente compacto e amplamente vazio",[92] embora outros apontem a possibilidade de um sistema de anéis.[93]

Caronte[editar | editar código-fonte]

O sistema Plutão-Caronte é notável por ser o maior dos poucos planetas binários do Sistema Solar, definidos assim quando o baricentro se localiza acima da superfície do corpo primário (617 Patroclus é um exemplo menor).[94] Isso e o grande tamanho de Caronte em relação a Plutão levou alguns astrônomos a chamá-lo de um planeta anão duplo.[95] O sistema também é incomum pelo fato de haver acoplamento de marés nele, ou seja, o lado de Plutão virado para Caronte é sempre o mesmo e vice-versa.[96] Por causa disso, o período de rotação dos dois corpos é igual ao período orbital em volta do centro de massa comum.[57] Como Plutão gira de lado em relação ao plano orbital, o sistema Caronte também faz isso.[58] Em 2007, observações de hidrato de amônia e cristais de água na superfície de Caronte feitas pelo Observatório Gemini sugerem a presença de crio-gêiseres ativos.[97]

Nix e Hidra[editar | editar código-fonte]

Duas luas de Plutão adicionais foram fotografadas pelo Telescópio Espacial Hubble em 15 de maio de 2005, que receberam as designações provisórias S/2005 P 1 e S/2005 P 2. A União Astronômica Internacional nomeou oficialmente essas luas de Nix e Hidra em 21 de julho de 2006.[98]

Essas pequenas luas orbitam Plutão a aproximadamente duas e três vezes, respectivamente, a distância de Plutão a Caronte: Nix a 48 700 km e Hidra a 64 800 km do baricentro do sistema. Elas têm órbitas prógradas quase circulares que estão no mesmo plano orbital de Caronte e estão bem perto de uma ressonância orbital 4:1 e 6:1 com Caronte.[99]

Observações de Nix e Hidra para revelar característica individuais estão em andamento. Às vezes Hidra é mais brilhante que Nix, sugerindo que é maior ou possui partes da sua superfície que variam o brilho. Os tamanhos são estimados a partir dos albedos. A similaridade espectral de Nix, Hidra e Caronte sugerem um albedo de 35%, similar ao de Caronte. Esse valor resulta em um diâmetro estimado de 46 km para Nix e 61 km para Hidra. O limite do diâmetro pode ser estimado assumindo o albedo de 4% dos objetos mais escuros do cinturão de Kuiper. Esses limites são de 137 ± 11 km e 167 ± 10 km, respectivamente.[100]

A descoberta de duas pequenas luas sugerem que Plutão pode ter um sistema de anéis variável. Impactos de pequenos corpos podem criar detritos que podem virar anéis planetários. Dados de uma pesquisa óptica pela Advanced Camera for Surveys do Hubble sugerem que não há nenhum sistema de anéis em Plutão. Se um anel existir, ele é tênue comos os anéis de Júpiter ou está fortemente confinado a menos de 1 000 km de largura.[93]

Conclusões similares foram feitas a partir de estudos de ocultações.[101] Ao fotografar o sistema de Plutão, observações do Hubble colocaram limite em qualquer lua adicional. Com 90% de certeza, nenhuma lua adicional com mais de 12 km (ou no máximo 37 km com um albedo de 0,041) existe além do brilho de Plutão cinco segundos de arco do planeta anão. Isso assume um albedo de 0,38 como o de Caronte; com 50% de certeza o limite é 8 km.[102]

Sistema de Plutão, em comparação com a Lua da Terra[3]
Nome Ano de
descoberta
Diâmetro
(km)
Massa
(kg)
Raio orbital
(km)
Período orbital
(dias)
Plutão 1930 2 390
(70% Lua)
13 050 ×1018
(18% Lua)
2 040
(0,6% Lua)
6,3872
(25% Lua)
Caronte 1978 1 205
(35% Lua)
1 520 ×1018
(2% Lua)
17 530
(5% Lua)
Estige 2012 10-25 ~42,000 +/- 2,000
Nix 2005 88 1 ×1018
48 708 24,9
Cérbero 2011 13-34[17] 59 000[17]
Hidra 2005 72 0,391 ×1018 64 749 38

Origens[editar | editar código-fonte]

Membros conhecidos do cinturão de Kuiper, junto com os planetas gasosos.

A origem e identidade de Plutão vem intrigando astrônomos. Uma hipótese inicial era que Plutão era uma lua que escapou de Netuno, e foi jogado para longe pela sua maior lua, Tritão. Essa teoria foi bastante criticada porque Plutão nunca chega perto de Netuno em sua órbita.[103]

A verdadeira localização de Plutão no Sistema Solar começou a ser revelado apenas em 1992, quando astrônomos descobriram uma população de pequenos objetos gelados além de Netuno que eram similares a Plutão não apenas em órbita mas em tamanho e composição também. Acredita-se que essa população transneptuniana é a fonte de muitos cometas de curto período. Atualmente acredita-se que Plutão é o maior membro do cinturão de Kuiper, um anel estável de objetos localizados entre 30 e 50 UA do Sol. Assim como outros objetos do cinturão de Kuiper, Plutão compartilha características com cometas. Por exemplo, o vento solar está gradualmente assoprando a superfície de Plutão para o espaço, assim como os cometas.[104] Se Plutão fosse colocado tão perto do Sol quanto a Terra, ele iria desenvolver uma cauda, como cometas fazem.[105]

Embora Plutão seja o maior dos objetos do cinturão de Kuiper conhecido, a lua de Netuno Tritão, que é um pouco maior que Plutão, é similar a ele tanto geológica quanto atmosfericamente; por isso acredita-se que é um objeto do cinturão de Kuiper que foi capturado.[106] Éris também é maior que Plutão, mas não é considerado um objeto do cinturão de Kuiper estritamente. Em vez disso é considerado membro de uma população próxima, chamada disco disperso.

Um grande número de objetos do cinturão de Kuiper, como Plutão, está em uma ressonância orbital 3:2 com Netuno. Objetos transnetunianos assim são chamados de plutinos, nome dado a partir de Plutão.[107]

Assim como outros membros do cinturão de Kuiper, pensa-se que Plutão é um planetesimal residual, um componente do disco protoplanetário original ao redor do Sol que falhou para virar um planeta completamente desenvolvido. Muitos astrônomos concordam que foi a migração planetária sofrida por Netuno na formação do Sistema Solar que trouxe Plutão para sua posição atual. Durante a migração, Netuno se aproximou dos objetos do cinturão de Kuiper, quando capturou Tritão e deixou outros objetos em ressonância ou com órbita caótica. Os objetos do disco disperso provavelmente foram colocados em suas posições atuais devido a interações com Netuno durante a migração.[108] Um modelo de computador de 2004 feito por Alessandro Morbidelli, do Observatoire de la Côte d'Azur em Nice, sugere que a migração de Netuno para o cinturão de Kuiper pode ter sido causada pela formação de uma ressonância 1:2 entre Júpiter e Saturno, que criou um empurrão gravitacional que moveu tanto Urano quanto Netuno para órbitas maiores e os fez trocarem de lugar, dobrando a distância de Netuno ao Sol. A expulsão resultante de objetos do proto-cinturão de Kuiper pode explicar também o intenso bombardeio tardio, ocorrido 600 milhões de anos após a formação do Sistema Solar, e a origens dos asteroides troianos de Júpiter.[109] É possível que Plutão tinha uma órbita quase circular a cerca de 33 UA do Sol antes das perturbações causadas pela migração de Netuno.[110] O modelo de Nice requer que havia cerca de mil objetos do tamanho de Plutão no disco planetesimal original, que podem incluir os corpos que formaram Tritão e Éris.[109]

Exploração[editar | editar código-fonte]

Plutão apresenta grandes desafios para naves espaciais devido à sua pequena massa e grande distância da Terra. A Voyager 1 poderia ter visitado Plutão, mas os controladores optaram por um sobrevoo pela lua de Saturno Titã, resultando em uma trajetória incompatível com um sobrevoo por Plutão. A Voyager 2 nunca teve uma trajetória plausível para sobrevoar Plutão.[111] Nenhuma tentativa séria de explorar Plutão ocorreu até a década de 1990, quando foi proposto o Pluto Kuiper Express, cujo lançamento estava previsto para 2004. Porém, em 2000, a NASA teve que cancelar essa missão, citando aumento nos custos e atraso do veículo de lançamento.[112]

Depois de uma intensa batalha política, foi concedido financiamento para uma outra missão para explorar Plutão, chamada de New Horizons.[113] A sonda New Horizons foi lançada com sucesso em 19 de janeiro de 2006. O líder da missão, Alan Stern, confirmou que algumas das cinzas de Clyde Tombaugh, que morreu em 1997, foram colocadas a bordo dela.[114]

Primeiros sinais de Plutão pela New Horizons.

No início de 2007, a sonda usou gravidade assistida de Júpiter. Sua maior aproximação de Plutão vai ocorrer em 14 de julho de 2015. Observações científicas vão começar cinco meses da aproximação máxima, e vão continuar por pelo menos um mês depois dela. A New Horizons tirou suas primeiras fotos de Plutão no final de setembro de 2006, durante um teste do Long Range Reconnaissance Imager (LORRI).[115] As imagens, tiradas de uma distância de aproximadamente 4,2 bilhões de quilômetros, confirmaram a habilidade da sonda em seguir objetos distantes, algo importante para ir em direção a Plutão e outros objetos do cinturão de Kuiper.

A sonda New Horizons conta com diversos instrumentos científicos, como instrumentos para criar mapas da superfície, para fazer análises atmosféricas e espectrômetros.[116] A energia elétrica usada por esses instrumentos é fornecida por um único gerador termoelétrico de radioisótopos, que geralmente é usado em missões que não podem utilizar a energia solar.[117]

As luas Nix e Hidra podem gerar desafios imprevistos para a New Horizons. Detritos de colisões entre os objetos do cinturão de Kuiper e elas, com suas velocidades de escape relativamente baixas, pode produzir um pequeno anel de poeira. Se a sonda voar em uma sistema de anéis assim há uma possibilidade de ela ser atingida por micrometeoritos que poderiam desabilitá-la.[93]

Classificação[editar | editar código-fonte]

Comparação de tamanho entre Plutão e alguns objetos transneptunianos.

Após a determinação do lugar de Plutão no cinturão de Kuiper, sua classificação oficial como um planeta começou a ser controversa.

Diretores de museus e planetários ocasionalmente criaram controvérsia por omitir Plutão de modelos planetários do Sistema Solar. O Planetário Hayden reabriu em 2000 com um modelo de apenas oito planetas. A controvérsia foi muito discutida na época.[118]

Em 2000, o objeto transneptuniano 50000 Quaoar foi descoberto, com um diâmetro na época pensado ser aproximadamente 1 260 km, cerca de metade do de Plutão.[119] Em 2004, os descobridores de 90377 Sedna colocaram um limite de 1 800 km em seu diâmetro, próximo ao de Plutão (2 320 km),[120] embora esse valor tenha caído para 1 600 em 2007.[121] Foi argumentado que assim como Ceres, Palas, Juno e Vesta perderam a classificação de planeta após a descoberta de outros asteroides parecidos, Plutão também deveria deixar de ser planeta após a descoberto de objetos parecidos a ele.

Em 29 de julho de 2005, foi anunciada a descoberta de Éris,[122] pela equipe liderada pelo astrônomo Michael E. Brown, do Instituto de Tecnologia da Califórnia[123] . Éris, que tem aproximadamente o mesmo tamanho de Plutão,[8] foi o maior objeto do Sistema Solar descoberto desde a descoberta de Tritão em 1846. Os descobridores de Éris e a imprensa chamavam-no inicialmente de o décimo planeta, embora não havia nenhum consenso na época para considerá-lo um planeta oficial.[124] Outros astrônomos consideraram a descoberta de Éris um dos argumentos mais fortes para reclassificar Plutão como um asteroide.[125]

Classificação de 2006 da UAI[editar | editar código-fonte]

Em 2006, a UAI criou uma definição formal para o termo planeta. De acordo com essa definição, há três condições principais para um objeto ser considerado um planeta:

  1. O objeto precisa estar em órbita ao redor do Sol.
  2. O objeto precisa ser massivo o suficiente para ser esférico pela própria gravidade. Mais especificamente, sua própria gravidade precisa puxar ele para uma forma de equilíbrio hidrostático.
  3. Ele precisa ser gravitacionalmente dominante.[126] [127]

Plutão não cumpriu a terceira condição, já que sua massa é de apenas 0,07 vezes a massa dos outros objetos de sua órbita (a massa da Terra, por contraste, é 1,7 milhões de vezes a massa dos outros objetos de sua órbita).[128] [129] Então a UAI decidiu que Plutão seria incluído em uma nova categoria chamada planeta anão, e que ele seria o protótipo da categoria de objetos transneptunianos plutoides.[130]

Em 13 de setembro de 2006, A UAI incluiu Plutão, Éris e Disnomia no catálogo de asteroides mantido pelo Minor Planet Center, dando a eles as designações oficiais (134340) Plutão, (136199) Éris e (136199) Éris I Disnomia.[131] Se Plutão recebesse essa designação logo após sua descoberta, o número seria perto de mil, ao invés de mais de cem mil.

Houve resistência na comunidade astronômica em relação à reclassificação de Plutão.[132] [133] [134] Alan Stern, principal investigador da missão New Horizons, ridicularizou publicamente a decisão da UAI, declarando que "a definição cheira mal, por razões técnicas".[135] A argumentação de Stern é que pelos termos da nova definição, a Terra, Marte, Júpiter e Netuno, que compartilham suas órbitas com asteroides, deixariam de ser planetas.[136] Ele também disse que menos de 5% dos astrônomos mundiais votaram na nova definição, e que ela não representou toda a comunidade astronômica.[136] Marc W. Buie, do Observatório Lowell, manifestou sua opinião sobre a nova definição em seu site e é um dos peticionários contra a definição.[137] Outros astrônomos apoiaram a UAI, como Mike Brown, o descobridor de Éris, que disse: "a ciência está se autocorrigindo eventualmente, mesmo quando fortes emoções estão envolvidas".[138] Em decorrência da descoberta de Éris, o estopim para a reclassificação de Plutão, em 2010, Michael Brown publicou o livro How I Killed Pluto and Why It Had It Coming[139] , em que ele humoristicamente refere-se a si mesmo como o homem que matou Plutão[140] .

Em 14 de agosto de 2008, astrônomos se reuniram no Applied Physics Laboratory para uma conferência sobre a atual definição de planeta chamada de "O Grande Debate de Planeta".[141] [142] Nela foi publicada um comunicado dizendo que os cientistas não poderiam chegar em um consenso sobre a definição de planeta.[143] Um pouco antes da conferência, em 11 de junho de 2008, a UAI anunciou que o termo plutoide iria ser usado para descrever Plutão e outros objetos similares a ele que têm um semieixo maior maior que o de Netuno e massa suficiente para serem praticamente esféricos.[144] [145] [146]

Reação pública à mudança[editar | editar código-fonte]

Um protesto de pessoas contra e a favor da reclassificação de Plutão

A recepção à decisão da UAI foi misto. Enquanto alguns aceitaram a reclassificação de Plutão, outros procuraram reclassificar Plutão a planeta com petições online pedindo para a UAI fazer isso. Uma resolução introduzida por alguns membros da assembleia do estado da Califórnia denunciaram a UAI por "heresia científica", e outros crimes.[147] A Câmara dos Representantes do Novo México passou uma resolução em homenagem a Tombaugh, que foi um residente daquele estado, e declarou que Plutão sempre será considerado um planeta lá e que 13 de março de 2007 é o dia de Plutão.[148] [149] O Senado de Illinois passou uma resolução similar em 2009, com base no fato de Clyde Tombaugh ter nascido em Illinois. A resolução afirmou que Plutão foi injustamente rebaixado a planeta anão pela UAI.[150]

Alguns também rejeitaram a reclassificação, citando desacordo na comunidade científica, ou por razões sentimentais, dizendo que sempre vão conhecer Plutão como um planeta independentemente da decisão da UAI.[151]

Plutado[editar | editar código-fonte]

O verbo "plutar" (plutado, no particípio) é um neologismo criado a partir do rebaixamento de Plutão a planeta anão. Em janeiro de 2007, a American Dialect Society escolheu "plutado" como sua Palavra do Ano de 2006, definindo "plutar" como "rebaixar ou desvalorizar alguém ou alguma coisa", como aconteceu com o ex-planeta Plutão após a decisão da UAI em 2006.[152] [153]

Cleveland Evans, o presidente da sociedade, disse a razão para a Palavra do Ano ser plutado: "Nossos membros acreditam que a emocional reação pública ao rebaixamento de Plutão mostra a importância de Plutão como um nome. Nós podemos não acreditar mais no deus romano Plutão, mas nós ainda temos um senso de conexão com o ex-planeta."[154]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. Área da superfície, volume, gravidade e velocidade de escape foram calculados com base nos outros parâmetros.
  2. Éris é cerca de 25% mais massivo que Plutão e possui aproximadamente o mesmo diâmetro. Como há uma grande incerteza nas estimativas de diâmetro dos dois corpos, não se sabe qual é maior.[8] Mesmo assim, Éris localiza-se no disco disperso, uma região diferente do cinturão de Kuiper, então Plutão é o maior objeto do cinturão de Kuiper.

Referências

  1. a b c d JPL Small-Body Database Browser. Visitado em 08/09/2010.
  2. a b c Showalter, M.. "Hubble Discovers a Fifth Moon Orbiting Pluto (News Release STScI-2012-32)", 11 July 2012, 11:30 AM EDT. Página visitada em 11 July 2012.
  3. a b c d M. W. Buie, W. M. Grundy, E. F. Young, L. A. Young, S. A. Stern. (2006). "Orbits and photometry of Pluto's satellites: Charon, S/2005 P1, and S/2005 P2". Astronomical Journal 132: 290. DOI:10.1086/504422. Arxiv.
  4. a b c D. R. Williams (07/09/2006). Pluto Fact Sheet NASA. Visitado em 24/03/2007.
  5. Pluto: Facts & Figures NASA Solar System Exploration. Visitado em 24 de setembro de 2013.
  6. Calvin J. Hamilton (12/06/2006). Dwarf Planet Pluto Views of the Solar System. Visitado em 10/01/2007.
  7. a b c AstDys (134340) Pluto Ephemerides Department of Mathematics, University of Pisa, Italy. Visitado em 20/10/2012.
  8. a b c d e f Michael E. Brown (22 de novembro de 2010). Mike Brown's Planets: How big is Pluto, anyway?. Visitado em 26 de agosto de 2011.
  9. Ian Ridpath. (dezembro de 1978). "Pluto—Planet or Imposter?". Astronomy.
  10. Astronomers Measure Mass of Largest Dwarf Planet (2007). Visitado em 03/11/2007.
  11. A. Akwagyiram (02/08/2005). Farewell Pluto? BBC News. Visitado em 05/03/2006.
  12. T. B. Spahr (07/09/2006). MPEC 2006-R19 : Editorial Notice Minor Planet Center. Visitado em 07/09/2006.
  13. D. Shiga (07/09/2006). Pluto added to official "minor planet" list NewScientist. Visitado em 08/09/2006.
  14. Richard Gray (10/08/2008). Pluto should get back planet status, say astronomers The Telegraph. Visitado em 09/08/2008.
  15. C.B. Olkin, L.H. Wasserman, O.G. Franz. (2003). "The mass ratio of Charon to Pluto from Hubble Space Telescope astrometry with the fine guidance sensors" (PDF). Icarus 164: 254–259. DOI:10.1016/S0019-1035(03)00136-2. Visitado em 13/03/2007.
  16. O. Gingerich (2006). The Path to Defining Planets (PDF) Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics and IAU EC Planet Definition Committee chair. Visitado em 13/03/2007.
  17. a b c d Fourth Moon Adds to Pluto's Appeal. Visitado em 20/07/2011.
  18. B. Sicardy, W. Beisker et al. (2006). Observing Two Pluto Stellar Approaches In 2006: Results On Pluto's Atmosphere And Detection Of Hydra. Visitado em 12/03/2007.
  19. K. Croswell. Planet Quest: The Epic Discovery of Alien Solar Systems. [S.l.]: The Free Press, 1997. 43 pp. ISBN 978-0684832524.
  20. Tombaugh, C. W. (1946). "The Search for the Ninth Planet, Pluto". Astronomical Society of the Pacific Leaflets 5: 73–80.
  21. a b c W. G. Hoyt. (1976). "W. H. Pickering's Planetary Predictions and the Discovery of Pluto". Isis 67 (4): 551–564.. DOI:10.1086/351668. Visitado em 27/06/2007.
  22. Mark Littman. Planets Beyond: Discovering the Outer Solar System. [S.l.]: Wiley. 70 pp. ISBN 047151053X.
  23. a b Croswell, p. 50
  24. Croswell p. 52
  25. a b J. Rao (11/03/2005). Finding Pluto: Tough Task, Even 75 Years Later SPACE.com. Visitado em 08/09/2006.
  26. B. Mager. The Search Continues Pluto: The Discovery of Planet X. Visitado em 27/03/2007.
  27. a b c P. Rincon (13/01/2006). The girl who named a planet Pluto: The Discovery of Planet X BBC News. Visitado em 12/04/2007.
  28. K. M. Claxton. The Planet 'Pluto' Parents' Union School Diamond Jubilee Magazine, 1891–1951 (Ambleside: PUS, 1951), p. 30–32. Visitado em 15/10/2007.
  29. (27/05/1930) "The Trans-Neptunian Body: Decision to call it Pluto". The Times: 15.
  30. (25/05/1930) "Name Pluto Given to Body Believed to Be Planet X". The New York Times: 1. ISSN 1556067.
  31. Croswell pp. 54–55
  32. Dwarfed by comparison Pittsburgh Tribune-Review (2006). Visitado em 26/03/2007.
  33. David L. Clark and David E. Hobart (2000). Reflections on the Legacy of a Legend (PDF). Visitado em 29/08/2007.
  34. (fevereiro de 1931) "The Discovery of Pluto". Monthly Notices of the Royal Astronomical Society 91: 380–385.
  35. Nicholson, Seth B.; Mayall, Nicholas U.. (dezembro de 1930). "The Probable Value of the Mass of Pluto". Publications of the Astronomical Society of the Pacific 42 (250): 350. DOI:10.1086/124071.
  36. Nicholson, Seth B.; Mayall, Nicholas U.. (janeiro de 1931). "Positions, Orbit, and Mass of Pluto". Astrophysical Journal 73: 1. DOI:10.1086/143288.
  37. Gerard P. Kuiper. . "The Diameter of Pluto". Publications of the Astronomical Society of the Pacific 62 (366): 133–137. DOI:10.1086/126255. Visitado em 27/07/2008.
  38. Croswell (1997), p. 57.
  39. James W. Christy and Robert S. Harrington. (agosto de 1978). "The Satellite of Pluto" (PDF). Astronomical Journal 83 (8): 1005–1008. DOI:10.1086/112284. Bibcode1978AJ.....83.1005C.
  40. P. K. Seidelmann and R. S. Harrington (1987). Planet X—The current status U. S. Naval Observatory. Visitado em 04/11/2007.
  41. Myles Standish. (16/07/1992). "Planet X—No dynamical evidence in the optical observations". Astronomical Journal 105 (5): 200–2006. Visitado em 30/04/2009.
  42. Tom Standage. The Neptune File. [S.l.]: Penguin, 2000. 168 pp.
  43. History I: The Lowell Observatory in 20th century Astronomy The Astronomical Society of the Pacific (28/06/1994). Visitado em 05/03/2006.
  44. NASA's Solar System Exploration: Multimedia: Gallery: Pluto's Symbol NASA. Visitado em 25/03/2007.
  45. a b Planetary Linguistics. Visitado em 12/06/2007. Cópia arquivada em 17/12/2007.
  46. Uranus, Neptune, and Pluto in Chinese, Japanese, and Vietnamese cjvlang.com. Visitado em 24/05/2008.
  47. Steve Renshaw and Saori Ihara (2000). A Tribute to Houei Nojiri. Visitado em 12/06/2007.
  48. Pluto to become most distant planet.
  49. (1988) "Numerical evidence that the motion of Pluto is chaotic". Science 241 (4864): 433–437. DOI:10.1126/science.241.4864.433. PMID 17792606.
  50. Jack Wisdom; Matthew Holman. (1991). "Symplectic maps for the n-body problem". Astronomical Journal 10: 1528–1538. DOI:10.1086/115978.
  51. a b c d X.-S. Wan, T.-Y. Huang, and K. A. Innanen. (2001). "The 1 : 1 Superresonance in Pluto's Motio". The Astronomical Journal 121 (2): 1155–1162. DOI:10.1086/318733. Visitado em 06/09/2008.
  52. Maxwell W. Hunter II (2004). Unmanned scientific exploration throughout the Solar System NASA Programs, Lockheed Missiles & Space Company. Visitado em 28/03/2007.
  53. a b c Renu Malhotra (1997). Pluto's Orbit. Visitado em 26/03/2007.
  54. David R. Williams. Planetary Fact Sheet NASA. Visitado em 31/03/2007.
  55. a b Hannes Alfvén and Gustaf Arrhenius (1976). SP-345 Evolution of the Solar System. Visitado em 28/03/2007.
  56. a b J. G. Williams; G. S. Benson. (1971). "Resonances in the Neptune-Pluto System". Astronomical Journal 76. DOI:10.1086/111100. Bibcode1971AJ.....76..167W.
  57. a b Pluto and Charon: The Odd Couple. [S.l.: s.n.], 2007. 401–408 pp.
  58. a b http://abyss.uoregon.edu/~js/ast121/lectures/lec21.html U. Oregon Ast. 121 Lecture notes Pluto Orientation diagram
  59. Space Probe Heads To Pluto—Finally CBS News (19/01/2006). Visitado em 14/04/2007.
  60. This month Pluto's apparent magnitude is m=14.1. Could we see it with an 11" reflector of focal length 3400 mm? Singapore Science Centre. Visitado em 25/03/2007.
  61. E. F. Young; R. P. Binzel; K. Crane. . "A Two-Color Map of Pluto Based on Mutual Event Lightcurves". Bulletin of the American Astronomical Society 32: 1083. Visitado em 26/03/2007.
  62. Buie, M. W.; D. J. Tholen and K. Horne. (1992). "Albedo maps of Pluto and Charon: Initial mutual event results.". Icarus 97: 221–227.
  63. a b Buie, Mark W.. Pluto map information. Visitado em 10/02/2010.
  64. a b Buie, Mark W.; W. M. Grundy, E. F. Young, L. A. Young, and S. A. Stern. . "Pluto and Charon with the Hubble Space Telescope: I. Resolving changes on Pluto's surface and a map for Charon". Astronomical Journal 139: 1128–1143. DOI:10.1088/0004-6256/139/3/1128.
  65. a b Buie, Mark W.. How the Pluto maps were made. Visitado em 10/02/2010.
  66. Buie, Mark W.; W. M. Grundy, E. F. Young, L. A. Young, and S. A. Stern. (2010). "Pluto and Charon with the Hubble Space Telescope: I. Monitoring global change and improved surface propertices from light curves". Astronomical Journal 139: 1117–1127. DOI:10.1088/0004-6256/139/3/1117.
  67. a b c d New Hubble Maps of Pluto Show Surface Changes News Release Number: STScI-2010-06 (4/02/2010). Visitado em 10/02/2010.
  68. Tobias C. Owen, Ted L. Roush et al.. (/06/08/1993). "Surface Ices and the Atmospheric Composition of Pluto". Science 261 (5122): 745–748. DOI:10.1126/science.261.5122.745. PMID 17757212. Visitado em 29/03/2007.
  69. Alan Boyle (11/02/1999). Pluto regains its place on the fringe MSNBC. Visitado em 20/03/2007.
  70. Pluto SolStation. Visitado em 28/03/2007.
  71. a b Hussmann, H.; Sohl, Frank; Spohn, Tilman. (2006). "Subsurface oceans and deep interiors of medium-sized outer planet satellites and large trans-neptunian objects". Icarus 185 (1): 258–273. DOI:10.1016/j.icarus.2006.06.005. Bibcode2006Icar..185..258H.
  72. The Inside Story New Horizons (2007). Visitado em 29/03/2007.
  73. DLR Interior Structure of Planetary Bodies DLR Radius to Density The natural satellites of the giant outer planets...
  74. Beyond Pluto (extract) (2001). Visitado em 26/03/2007.
  75. a b Young, Eliot F.; Young, L. A.; Buie, M.. (2007). "Pluto's Radius". American Astronomical Society, DPS meeting #39, #62.05; Bulletin of the American Astronomical Society 39. Bibcode2007DPS....39.6205Y.
  76. a b Croswell p. 57
  77. Millis, R. L. et al.. (1993). "Pluto's radius and atmosphere – Results from the entire 9 June 1988 occultation data set". Icarus 105 (2). DOI:10.1006/icar.1993.1126. Bibcode1993Icar..105..282M.
  78. Young, Eliot F.; Binzel, Richard P.. (1994). "A new determination of radii and limb parameters for Pluto and Charon from mutual event lightcurves". Icarus 108 (2): p. 219–224. DOI:10.1006/icar.1994.1056. Bibcode1994Icar..108..219Y.
  79. L. M. Close, W. J. Merline, D. J. Tholen, T. C. Owen, F. J. Roddier, C. Dumas,. (2000). "Adaptive optics imaging of Pluto–Charon and the discovery of a moon around the Asteroid 45 Eugenia: the potential of adaptive optics in planetary astronomy". Proceedings of the International Society for Optical Engineering 4007: 787–795,. Visitado em 26/03/2007.
  80. Ken Croswell (1999). Nitrogen in Pluto's Atmosphere.
  81. Lellouch, E.; Sicardy, B.; de Bergh, C.; Käufl, H. -U.; Kassi, S.; Campargue, A. (2009). "Pluto's lower atmosphere structure and methane abundance from high-resolution spectroscopy and stellar occultations". arΧiv:0901.4882arΧiv:0901.4882 [astro-ph.EP]. 
  82. T. Ker (2006). Astronomers: Pluto colder than expected Space.com (via CNN.com). Visitado em 05/03/2006.
  83. a b E. Lellouch, B. Sicardy, C. de Bergh (2009). "Pluto's lower atmosphere structure and methane abundance from high-resolution spectroscopy and stellar occultations" (in press). Astronomy & Astrophysics.
  84. IAUC 4097 (1985). Visitado em 26/03/2007.
  85. R. Johnston (2006). The atmospheres of Pluto and other trans-Neptunian objects. Visitado em 26/03/2007.
  86. B. Sicardy; T. Widemann, et al.. (10/07/2003). "Large changes in Pluto's atmosphere as revealed by recent stellar occultations". Nature 424 (6945): 168. Nature. DOI:10.1038/nature01766. PMID 12853950. Visitado em 05/03/2006.
  87. Pluto is undergoing global warming, researchers find (09/10/2002). Visitado em 20/03/2007.
  88. Williams Scientists Contribute to New Finding About Pluto (09/07/2003). Visitado em 20/03/2007.
  89. a b R. R. Britt (2003). Puzzling Seasons and Signs of Wind Found on Pluto Space.com. Visitado em 26/03/2007.
  90. A. Stern (01/11/2006). Making Old Horizons New The PI's Perspective Johns Hopkins University Applied Physics Laboratory. Visitado em 12/02/2007.
  91. Guy Gugliotta (01/11/2005). Possible New Moons for Pluto Washington Post. Visitado em 10/08/2006.
  92. S.A. Stern, H.A. Weaver, A.J. Steffl, M.J. Mutchler, W.J. Merline, M.W. Buie, E.F. Young, L.A. Young, J.R. Spencer. (2006). "Characteristics and Origin of the Quadruple System at Pluto". Nature 439 (7079): 946–948. DOI:10.1038/nature04548. PMID 16495992. Arxiv.
  93. a b c Andrew J. Steffl; S. Alan Stern. (2007). "First Constraints on Rings in the Pluto System". The Astronomical Journal 133 (4): 1485–1489. DOI:10.1086/511770. Arxiv.
  94. Derek C. Richardson and Kevin J. Walsh (2005). Binary Minor Planets Department of Astronomy, University of Maryland. Visitado em 26/03/2007.
  95. B. Sicardy et al. (2006). Charon's size and an upper limit on its atmosphere from a stellar occultation. Visitado em 26/03/2007.
  96. The Once and Future Pluto Southwest Research Institute, Boulder, Colorado (1997). Visitado em 23/06/2007.
  97. Charon: An ice machine in the ultimate deep freeze Gemini Observatory (2007). Visitado em 18/07/2007.
  98. IAU Circular No. 8723—Satellites of Pluto União Astronômica Internacional (12/06/2006). Visitado em 12/02/2007.
  99. F. R. Ward; RM Canup. (25 de agosto de 2006). "Forced Resonant Migration of Pluto's Outer Satellites by Charon". Science 313 (5790): 1107–1109. DOI:10.1126/science.1127293. PMID 16825533. Visitado em 12/02/2007.
  100. H. A. Weaver; S. A. Stern, M. J. Mutchler, A. J. Steffl, M. W. Buie, W. J. Merline, J. R. Spencer, E. F. Young and L. A. Young. (2006). "Discovery of two new satellites of Pluto". Nature 439 (7079): 943–945. DOI:10.1038/nature04547. PMID 16495991. Arxiv.
  101. Pasachoff, Jay M.; B. A. Babcock, S. P. Souza, J. W. Gangestad, A. E. Jaskot, J. L. Elliot, A. A. S. Gulbis, M. J. Person, E. A. Kramer, E. R. Adams, C. A. Zuluaga, R. E. Pike, P. J. Francis, R. Lucas, A. S. Bosh, D. J. Ramm, J. G. Greenhill, A. B. Giles, and S. W. Dieters. (outubro de 2006). "A Search for Rings, Moons, or Debris in the Pluto System during the 2006 July 12 Occultation". Bull. Am. Astron. Soc. 38 (3): 523. Bibcode2006DPS....38.2502P.
  102. A.J. Steffl; M.J. Mutchler, H.A. Weaver, S.A.Stern, D.D. Durda, D. Terrell, W.J. Merline, L.A. Young, E.F. Young, M.W. Buie, J.R. Spencer. (2006). "New Constraints on Additional Satellites of the Pluto System". The Astronomical Journal 132 (2): 614–619. DOI:10.1086/505424.
  103. Pluto's Orbit (2007). Visitado em 26/03/2007.
  104. Colossal Cousin to a Comet? New Horizons. Visitado em 23/06/06.
  105. Neil deGrasse Tyson (1999). Space Topics: Pluto Top Ten: Pluto Is Not a Planet The Planetary Society. Visitado em 23/06/2006.
  106. Neptune's Moon Triton The Planetary Society. Visitado em 26/03/2007.
  107. David Jewitt (2004). The Plutinos. Visitado em 26/03/2007. Cópia arquivada em 19/04/2007.
  108. Hahn, Joseph M. (2005). Neptune's Migration into a Stirred–Up Kuiper Belt: A Detailed Comparison of Simulations to Observations Saint Mary’s University. Visitado em 05/03/2008.
  109. a b Harold F. Levison, Alessandro Morbidelli, Crista Van Laerhoven et al.. (2007). "Origin of the Structure of the Kuiper Belt during a Dynamical Instability in the Orbits of Uranus and Neptune". Icarus 196: 258. DOI:10.1016/j.icarus.2007.11.035. Bibcode2007arXiv0712.0553L. Arxiv.
  110. R. Malhotra. (1995). "The Origin of Pluto's Orbit: Implications for the Solar System Beyond Neptune". Astronomical Journal 110: 420. DOI:10.1086/117532. Bibcode1995AJ....110..420M. Arxiv.
  111. Voyager Frequently Asked Questions Jet Propulsion Laboratory (14/01/2003). Visitado em 08/09/2006.
  112. Dr. David R. Williams (2005). Pluto Kuiper Express NASA Goddard Space Flight Center. Visitado em 26/03/2007.
  113. Robert Roy Britt (2003). Pluto Mission a Go! Initial Funding Secured space.com. Visitado em 13/04/2007.
  114. Dr. Alan Stern (2006). Happy 100th Birthday, Clyde Tombaugh Southwest Research Institute. Visitado em 13/04/2007.
  115. New Horizons, Not Quite to Jupiter, Makes First Pluto Sighting The Johns Hopkins University Applied Physics Laboratory (28/11/2006). Visitado em 25/12/2009.
  116. Science Payload New Horizons Web Site. Visitado em 30/10/20010.
  117. Power New Horizons Web Site. Visitado em 30/10/20010.
  118. Astronomer Responds to Pluto-Not-a-Planet Claim Space.com (02/02/2001). Visitado em 08/09/2006.
  119. Michael E. Brown and Chadwick A. Trujillo (2006). Direct Measurement of the Size of the Large Kuiper Belt Object (50000) Quaoar The American Astronomical Society. Visitado em 08/10/2010.
  120. W. M. Grundy, K. S. Noll, D. C. Stephens. Diverse Albedos of Small Trans-Neptunian Objects Lowell Observatory, Space Telescope Science Institute. Visitado em 26/03/2007.
  121. Stansberry, John; Will Grundy, Mike Brown, Dale Cruikshank, John Spencer, David Trilling, Jean-Luc Margot (2007). Physical Properties of Kuiper Belt and Centaur Objects: Constraints from Spitzer Space Telescope University of Arizona, Lowell Observatory, California Institute of Technology, NASA Ames Research Center, Southwest Research Institute, Cornell University. Visitado em 17/03/2009.
  122. Hubble Finds 'Tenth Planet' Slightly Larger Than Pluto Hubblesite (2006). Visitado em 26/03/2007.
  123. doi: 10.1126/science.1139415
    Esta citação será automaticamente completada em poucos minutos. Você pode furar a fila ou completar manualmente
  124. NASA-Funded Scientists Discover Tenth Planet Jet Propulsion Laboratory (2005). Visitado em 22/02/2007.
  125. Steven Soter (16/08/2006). What is a Planet?. Visitado em 24/08/2006.
  126. IAU 2006 General Assembly: Resolutions 5 and 6 IAU (24/08/2006).
  127. IAU 2006 General Assembly: Result of the IAU Resolution votes.
  128. Steven Soter (2007). What is a Planet? Department of Astrophysics, American Museum of Natural History. Visitado em 21/02/2007.
  129. IAU 2006 General Assembly: Result of the IAU Resolution votes IAU (24/08/2006).
  130. Plutoid chosen as name for Solar System objects like Pluto International Astronomical Union (News Release—IAU0804) (11/06/2008, Paris). Visitado em 11/06/2008.
  131. Central Bureau for Astronomical Telegrams, International Astronomical Union (2006). Circular No. 8747. Visitado em 23/02/2007. Cópia arquivada em 05/02/2007.
  132. Robert Roy Britt (24/08/2006). Pluto Demoted: No Longer a Planet in Highly Controversial Definition Space.com. Visitado em 08/09/2006.
  133. Sal Ruibal (06/01/1999). Astronomers question if Pluto is real planet USA Today.
  134. Robert Roy Britt (21/11/2006). Why Planets Will Never Be Defined Space.com. Visitado em 01/12/2006.
  135. Robert Roy Britt (24/08/2006). Scientists decide Pluto’s no longer a planet MSNBC. Visitado em 08/09/2006.
  136. a b David Shiga (25/08/2006). New planet definition sparks furore NewScientist.com. Visitado em 08/09/2006.
  137. Marc W. Buie. My response to 2006 IAU Resolutions 5a and 6a Lowell Observatory. Visitado em 20/03/2007. Cópia arquivada em 03/06/2007.
  138. Dennis Overbye (24/08/2006). Pluto Is Demoted to ‘Dwarf Planet’ The New York Times. Visitado em 20/03/2007.
  139. Brown, Mike. How I Killed Pluto and Why It Had It Coming. [S.l.: s.n.], 2010. ISBN 0-385-53108-7.
  140. Astronomer Who ‘Killed’ Pluto to Present Annual Science Lecture. Sarah Lawrence College – News and Events. April 13, 2009, retrieved January 11, 2011
  141. JR Minkel (10/04/2008). Is Rekindling the Pluto Planet Debate a Good Idea? Scientific American. Visitado em 13/04/2008.
  142. The Johns Hopkins University Applied Physics Laboratory conference wepage
  143. Planetary Science Institute press release on September 19th, 2008 "Scientists Debate Planet Definition and Agree to Disagree" PSI.edu
  144. News Release—IAU0804: Plutoid chosen as name for Solar System objects like Pluto, IAU.org
  145. Discover Magazine, janeiro de 2006 p.76 "Plutoids Join the Solar Family"
  146. Science News, 05/07/2008 p.7
  147. DeVore, Edna (07/09/2006). Planetary Politics: Protecting Pluto Space.com. Visitado em 08/09/2006.
  148. C. Holden. . "Rehabilitating Pluto". Science 315: 1643. DOI:10.1126/science.315.5819.1643c. Visitado em 13/04/2007.
  149. A joint memorial. Declaring Pluto a planet and declaring March 13, 2007, "Pluto planet day" at the legislature. Visitado em 05/09/2009.
  150. Illinois General Assembly: Bill Status of SR0046, 96th General Assembly
  151. "Pluto's still the same Pluto (21/10/2006). Visitado em 01/11/2006.
  152. “Plutoed” Voted 2006 Word of the Year American Dialect Society (05/01/2007). Visitado em 07/01/2007.
  153. Pluto's revenge: 'Word of the Year' award CNN (07/01/2007). Visitado em 20/01/2007.
  154. 'Plutoed' chosen as '06 Word of the Year Associated Press (08/01/2007). Visitado em 10/01/2007.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • K. Croswell. Planet Quest: The Epic Discovery of Alien Solar Systems. [S.l.]: The Free Press, 1997. ISBN 978-0-684-83252-4.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Plutão
Wikinotícias
O Wikinotícias tem uma ou mais notícias relacionadas com este artigo: Plutão muda de status
(134338) 5080 T-3 | (134339) 5628 T-3 | 134340 Plutão | (134341) 1979 MA | (134342) 1979 MV3