Guerras Carlistas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Série
História de Espanha
Espanha na Pré-História
Espanha pré-romana
Hispânia
Visigodos e Suevos
Domínio árabe e a Reconquista
A Reconquista e o Reino das Astúrias
Reinos de Leão, Castela, Aragão e Navarra
Dinastia de Borgonha
Dinastia de Trastâmara
Reis Católicos
Descobrimentos
Guerra da Sucessão Espanhola
Guerra Peninsular
Governo de Fernando VII
Guerras Carlistas
Revolução de 1868 e Sexênio Revolucionário
Dinastia de Saboia
Primeira República
Restauração Bourbônica
Ditadura de Primo de Rivera
Segunda República Espanhola
Guerra Civil
Franquismo
Transição Espanhola

Guerras Carlistas, termo empregado para as três violentas contendas ocorridas no século XIX em Espanha entre os carlistas, partidários de Carlos María Isidro de Borbón, e a governação de Isabel II de Espanha, sua sobrinha.

A princípio denominadas guerras civis, ao fracassar o golpe de estado de 18 de Julho de 1936 contra a Segunda República e ao começar uma nova guerra civil bem mais violenta e destrutiva que as anteriores, adoptou-se o conceito de guerras carlistas e reservar Guerra Civil para a sucedida entre 1936 e 1939.

Primeira Guerra Carlista (1833-1840)[editar | editar código-fonte]

O infante Carlos María Isidro, auto-proclamado Rei com o nome de Carlos V.

A Primeira Guerra Carlista foi uma guerra civil que se desenvolveu em Espanha entre 1833 e 1840 entre os partidários do infante Carlos María Isidro de Borbón, conhecidos como carlistas e partidários de um regime absolutista; e os de Isabel II, partidários de um regime liberal e denominados cristinos por apoiar a regente María Cristina.

Segunda Guerra Carlista (1846-1849)[editar | editar código-fonte]

A Segunda Guerra Carlista ou Guerra dos Matiners (em português, madrugadores, referência a que as batalhas fustigavam as tropas nas primeiras horas da manhã) teve lugar fundamentalmente na Catalunha entre Setembro de 1846 e Maio de 1849 devido, pelo menos teoricamente, ao fracasso das tentativas de casar Isabel II com o pretendente carlista, Carlos Luis de Borbón, que tinha sido pretendido por diferentes sectores. No entanto, Isabel II acabou por se casar com o seu primo Francisco de Assis de Borbón.

Terceira Guerra Carlista (1872-1876)[editar | editar código-fonte]

A Terceira Guerra Carlista desenvolveu-se de 1872 a 1876 entre os partidários de Carlos, duque de Madrid, pretendente carlista com o nome de Carlos VII, e as governações de Amadeu I, da I República e de Afonso XII.

O pretendente Carlos VII, num desenho da revista Vanity Fair de 1876.

O pretendente, que há meses preparava a insurreição a partir do exílio, estabeleceu o dia 21 de Abril de 1872 como a data para o começo da sublevação.

Esta guerra carlista desenvolveu-se sobretudo no País Basco e Navarra. A restauração dos Foros pelo pretendente em Julho de 1872, abolidos pelos decretos da Nova Planta por Felipe V, influiu na força do levantamento na Catalunha e em menor medida no de Valência e Aragão e alguns apoiantes pouco activos na Andaluzia, bem como no resto do território peninsular, especialmente em áreas montanhosas onde praticavam o banditismo ante a sua marginalidade e escassa eficácia em estabelecer um vínculo com o povo que facilitasse a sua actividade guerrilheira.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História da Espanha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.