Kim Jong-il

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde janeiro de 2012).
Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Kim Jong-il
Kim Jong-il
Líder Supremo da Coreia do Norte
Mandato 8 de julho de 1994
a 17 de dezembro de 2011
Antecessor(a) Kim Il-sung
Sucessor(a) Kim Jong-un
Vida
Nome completo Yuri Irsenovich Kim (registro soviético)
Kim Jong-il (registro norte-coreano)
Nascimento 16 de fevereiro de 1942
Viatskoie, Khabarovsk,  União Soviética (registro soviético)
16 de fevereiro de 1942
Montanha Baekdu, Coreia Japonesa (registro norte-coreano)
Morte 17 de dezembro de 2011 (70 anos)
Coreia do Norte
Dados pessoais
Partido Partido dos Trabalhadores da Coreia
Assinatura Assinatura de Kim Jong-il
Portal A Wikipédia possui o portal:

Kim Jong-il, em coreano 金正日; 김정일, (16 de fevereiro de 1941 (pelo registro soviético) ou 1942 (pelo registro norte-coreano) — 17 de dezembro de 2011) foi um chefe de Estado, ditador, que, de 1994 a 2011, exerceu as funções de Líder Supremo da República Popular Democrática da Coreia do Norte e de Presidente da Comissão de Defesa Nacional da Coreia do Norte e Secretário-Geral do Partido dos Trabalhadores da Coreia — cargos máximos em âmbito militar e político da nação coreana. Kim Jong-il herdou do pai, Kim Il-Sung, o controle da Coreia do Norte. No poder, Kim Jong-il manteve a ideologia oficial juche, de completa autossuficiência nacional, e um regime comunista de viés estalinista.

Kim Jong-il era oficialmente designado "Líder Supremo" (e também chamado de "Querido Líder", "Comandante Supremo" e "Nosso Pai"), e a referência a sua figura estava presente em quase todas as esferas da vida cotidiana norte-coreana, promovida por um ferrenho culto à personalidade que não admitia oposição. Por esse motivo, Kim Jong-il era reconhecido por muitos estrangeiros como sendo o chefe de estado mais totalitário do planeta.

Em junho de 2009, noticiou-se que o líder da Coreia do Norte nomeou seu filho mais novo, o general Kim Jong-un, para lhe suceder, o que faria da Coreia do Norte um regime comunista de controle hereditário.

Morte[editar | editar código-fonte]

A morte de Kim Jong-il foi anunciada publicamente pela imprensa estatal da Coreia do Norte em 19 de dezembro de 2011, e teria ocorrido em 17 de dezembro. Fontes oficiais atribuíram o falecimento à "fadiga" do Líder Supremo e à "dedicação de sua vida ao povo". A agência de notícias sul-coreana Yonhap, com base em informações obtidas na Coreia do Norte, divulgou que Kim Jong-il morreu durante uma viagem devido a um ataque cardíaco.[1] Kim Jong-il havia sofrido uma apoplexia em 2008.

Kim Jong-il e o Presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, em 2011.

Sucessão[editar | editar código-fonte]

O filho mais novo do estadista, o general Kim Jong-un, com 29 anos de idade, foi designado seu sucessor.[2] Um de seus primeiros eventos públicos foi o funeral de seu pai.[3]


 
 
 
 
Kim Hyŏng-jik
 
Kang Pan-sŏk
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Kim Sŏng-ae
 
Kim Il-sung
 
Kim Jong-suk
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Kim Young-sook
 
 
Song Hye-rim
 
Kim Jong-il
 
Ko Young-hee
 
Kim Ok
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Kim Sul-Song
 
Kim Yong-nam
 
Kim Jong-chul
 
Kim Jong-un
 
 
 
 


Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.