Banco Central Europeu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Eurotower-ffm005.jpg A Eurotower é a sede do BCE em Frankfurt am Main.

Formação: 1 de Junho de 1998
Presidente: Mario Draghi
Vice-Presidente: Vítor Constâncio
Banco Central da: Zona Euro
Moeda:
ISO 4217
Euro
EUR
Reserva: €526 biliões
Juros (valor base): 5%
Taxa de depósito de juro (valor base): 3%
Local: Frankfurt am Main
Site oficial: ecb.eu

O Banco Central Europeu (BCE) é o banco central responsável pela moeda única da Zona Euro e a sua principal missão é preservar o poder de compra do euro, assegurando assim a estabilidade de preços na respectiva zona. A sua sede está localizada na cidade alemã de Frankfurt am Main.

Com a entrada em vigor do Tratado de Lisboa, o Banco Central tornou-se numa instituição da União Europeia.

Fundação[editar | editar código-fonte]

O BCE foi fundado em 1 de Junho de 1998 com a adesão dos onze estados membros que tinham cumprido as condições necessárias para adotarem a moeda única em 1 de Janeiro de 1999: Portugal, Bélgica, Alemanha, Espanha, França, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Países Baixos, Áustria , Finlândia e Inglaterra (Bank of England detem 15,9764 % de participaçoes financeira)

Funções[editar | editar código-fonte]

Estabelece e aplica a política monetária europeia, dirige as operações de câmbio e garante o bom funcionamento dos sistemas de pagamentos.

O BCE é a instituição central da política monetária da União Económica Monetária (UEM), e o centro do Sistema Europeu de Bancos Centrais (SEBC), e os seus objectivos são:

  • Manter a estabilidade de preços na UEM sendo totalmente independente do resto das instituições europeias e dos diferentes governos nacionais,
  • Garantir o bom funcionamento do sistema de pagamentos através do sistema de pagamentos (TARGET)
  • Administrar as reservas de divisas que os países membros nele depositam,
  • Colaborar com as autoridades de cada país nas funções de supervisão bancária,
  • Emitir as notas de euro e
  • Estabelecer a quantidade de moedas de euro que os países membros devem cunhar para assegurar o fornecimento.

Organização[editar | editar código-fonte]

O organograma do BCE é formado pelo:

Comissão Executiva[editar | editar código-fonte]

Composto pelo Presidente, pelo Vice-presidente e quatro vogais, nomeados de comum acordo pelo Conselho Europeu, com base na recomendação do Conselho e prévia consulta ao Parlamento e ao Conselho do Governo, entre responsáveis de comprovada experiência pessoal em assuntos monetários ou bancários e de reconhecido prestigio. O seu mandato será de 8 anos e não é renovável.

Funções[editar | editar código-fonte]

  • Preparar as reuniões do Conselho do Governo,
  • Pôr em prática a política monetária em conformidade com as orientações e decisões adoptadas pelo *Conselho do Governo, transmitindo instruções necessárias aos bancos centrais nacionais e
  • Exercer delegação de determinados poderes, quando assim seja estabelecido pelo Conselho do governo.

Conselho do BCE[editar | editar código-fonte]

Formado pelos membros do Comité executivo e pelos governadores dos bancos centrais dos países membros.

Este órgão encarrega-se adoptar as grandes orientações e de formular a política monetária única.

As suas votações necessitam do voto de dois treços dos seus membros, tomando-se as decisões por maioria simples, salvo em certos casos estabelecidos nos Estatutos.

Funções[editar | editar código-fonte]

  • Adoptar as orientações e decisões necessárias para garantir o cumprimento das funções atribuídas SEBC,
  • Formular a política monetária da União, incluindo as decisões referentes aos objectivos monetários intermédios, as taxas de juros a gestão de reservas no SEBC, estabelecer as orientações necessárias para o seu cumprimento,
  • Adoptar o Regulamento interno,
  • Exercer funções consultivas e
  • Adoptar decisões em matéria de cooperação internacional!!

Conselho Geral do BCE[editar | editar código-fonte]

O BCE contará de forma transitória com um Conselho Geral em que participam o Presidente, o Vicepresidente e os governadores de todos os bancos centrais da EU, incluindos os dos países que não fazem parte desta. Podem também participar nas reuniões deste Conselho os restantes membros do Comité Executivo ainda que sem direito de voto.

O TUE concede ao BCE poder para aplicar regulamentos, recomendações e directivas, e também legitimidade activa para empreender acções perante o Tribunal de Justiça.

Há que recordar que a actuação dos bancos centrais nacionais deve ajustar-se às orientações e instruções do BCE.

Breve história da integração monetária europeia[editar | editar código-fonte]

Em 1969, os Chefes de Estado Europeus reunidos em Haia decidem estudar o modo de realizar a união económica e monetária. Como consequência, no ano seguinte, é apresentado o relatório Werner, que avança propostas para atingir esse objectivo.

Em 1972, sucedendo ao acordo do Smithsonian Institute que fixa margens de flutuação de ±2,25% centradas no valor do dólar americano (o túnel), os seis países que constituem a CEE estabelecem o limite de 2,25% no afastamento entre a mais forte e a mais fraca das suas moedas (a serpente monetária), dando origem ao gráfico de evolução que ficou conhecido como serpente dentro do túnel.

Durante a década de 1970 a disciplina cambial foi-se reduzindo e em 1978 os países que integravam a CEE decidiram criar o Sistema Monetário Europeu (SME), que vigorou a partir de Março de 1979. As suas principais caracteristícas eram a existência de taxas de câmbio fixas mas ajustáveis e o ECU - unidade de conta cujo valor era obtido de uma média ponderada das moedas que integravam o SME.

Em 1989, no Conselho Europeu de Madrid, é adoptado o relatório Delors que propõe um plano de três etapas para a União Económica e Monetária (UEM).

Em 1991 é assinado, em Maastricht, o Tratado sobre a UEM que consagra as três etapas do plano Delors:

  1. Coordenação e liberalização financeira;
  2. Novas estruturas;
  3. Transferência de responsabilidades.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Banco Central Europeu


Símbolo do euro Moedas em circulação na União Europeia
Tópicos Zona Euro · Banco Central Europeu · Unidade Monetária Europeia · Moedas de euro
Euro Adotado UE: Alemanha · Áustria · Bélgica · Chipre · Eslováquia · Eslovénia · Espanha · Estónia · Finlândia · França · Grécia · Irlanda · Itália · Letónia · Luxemburgo · Malta · Países Baixos · Portugal    Não-UE: Mónaco · São Marino · Vaticano

Bulgária · Hungria · Lituânia · Polónia · Rep. Checa · Roménia

Não-UE: Andorra · Kosovo · Montenegro

Futuro
Outras
Denominação Moedas €0,01 · €0,02 · €0,05 · €0,10 · €0,20 · €0,50 · €1 · €2 · €2 (comemorativa)

€5 · €10 · €20 · €50 · €100 · €200 · €500

Cédulas
Moedas anteriores ao Euro Marco alemão (e antes também Marco alemão oriental) · Xelim austríaco · Franco belga · Libra cipriota · Coroa eslovaca · Tolar esloveno · Peseta espanhola (também circulava em Andorra) · Marco finlandês · Franco francês (também circulava em Andorra) · Dracma grego · Libra irlandesa · Lira italiana · Lats letão · Franco luxemburguês · Lira maltesa · Florim neerlandês · Escudo português · Coroa estoniana
Dentro da União Europeia, mas fora da Zona Euro Lev búlgaro · Florim húngaro · Litas lituano · Złoty polonês · Coroa checa · Leu romeno · Coroa dinamarquesa (em conjunto com a Coroa feroesa) · Libra esterlina · Coroa sueca · Kuna croata