Escudo português

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde Fevereiro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Escudo português
Dados
Código ISO 4217 PTE (obsoleto)
Usado  Portugal
Inflação
Sub-Unidade
1/100

Centavo
Símbolo \mathrm{S}\!\!\!\Vert ou $ quando o outro não está disponível
Plural Escudos
Moedas 1, 2, 5, 10, 20 e 50 centavos (não emitidas);
1; 5; 10; 20; 50; 100 e 200 Escudos
Notas 500, 1000, 2000, 5000 e 10000 Escudos
Banco Banco de Portugal
www.bportugal.pt
Fabricante Imprensa Nacional-Casa da Moeda
www.incm.pt

O Escudo português, cujo símbolo é o cifrão (\mathrm{S}\!\!\!\Vert), foi a moeda de Portugal, por ocasião da proclamação da República, que veio substituir aquela que era designada por Réis. Foi a última moeda antes do euro. Durante esse período, deu igualmente origem a outras variações de Escudo nas dependências africanas do seu território ultramarino.

O código do escudo português segundo a norma ISO 4217 é "PTE".

A designação provém da própria figuração nelas representada: um escudo. Eram de ouro baixo, 18 quilates e valiam 50 marcos.

O escudo português foi substituído pelo euro no início de 2002. A taxa de conversão entre escudos e euros foi estabelecida em 31 de Dezembro de 1998, tendo o valor de 1 euro sido fixado em 200,482 escudos.

História[editar | editar código-fonte]

No reinado de D. Duarte apareceu o meio-escudo de ouro, do qual nem o desenho se conhece. No reinado de D. João V cunharam-se também as dobras, múltiplos do escudo. Também nos reinados de D. José I, D. Maria I e D. João VI se cunharam escudos.

O decreto de 22-5-1911 reformou profundamente, sob o ponto de vista técnico, o sistema monetário que vigorava em Portugal, alterando a denominação de todas as moedas, o material, o peso, e as dimensões das moedas de bronze e substituiu, pelo escudo de ouro, o real. Dividido em 100 partes iguais, denominadas centavos, o escudo correspondia, quer no valor, quer no peso de ouro fino, à moeda de 1 000 réis. Como múltiplos, criaram-se moedas de ouro, que nunca se cunharam, de 2, 5 e 10 escudos e, como submúltiplos, moedas do valor legal de 10, 20 e 50 centavos e moedas subsidiárias de bronze-níquel de valor legal de 4, 2, 1 e ½ centavos, as quais, com excepção desta última, vieram todas a ser cunhadas.

Depois de 1914, por virtude da crise provocada pela Primeira Guerra Mundial, o escudo-papel (nota) experimentou uma descida vertiginosa de valor, atingindo a sua menor correspondência em ouro, em Julho de 1924. Desde o segundo semestre de 1926 até Abril de 1928, o escudo sofre nova desvalorização, em consequência de dois aumentos de circulação, do agravamento da dívida flutuante interna e externa e do quase esgotamento das reservas de ouro que o Tesouro Nacional possuía em Londres.

Pelo decreto n.º 19 869, de 9-6-1931, lançaram-se as bases dum novo sistema monetário, para manter a estabilização do valor desta moeda, continuando a ser o escudo de ouro a unidade monetária, mas com um peso inferior, servindo apenas como moeda-padrão.

Múltiplo e sub-múltiplos informais[editar | editar código-fonte]

Apesar de legalmente o escudo português prever apenas um sub-múltiplo – o centavo – eram de uso generalizado o conto, equivalente a mil escudos; e o tostão, equivalente a dez centavos.

O conto equivalia a mil escudos. Foi uma unidade herdada do sistema fiduciário da Monarquia, razão pela qual algumas pessoas se lhe referiam ainda como "conto de réis", apesar do real ter sido extinto pouco depois da implantação da República. O conto era observado como unidade inteira, não admitindo fracções: os valores fraccionários eram expressos em escudos; por exemplo, "dois contos e quinhentos escudos", em vez de "dois contos e meio".

O tostão era o equivalente a dez centavos e, tal como o conto, foi uma designação herdada dos sistema fiduciário da Monarquia: era o nome popular da moeda de cem réis. O tostão era utilizado sobretudo para exprimir importâncias pequenas: valores de alguns escudos eram de facto mais vulgarmente expressos em tostões que em escudos (por exemplo, "doze tostões", em vez de "um escudo e vinte centavos"; ou "vinte e cinco tostões" em vez de "dois escudos e cinquenta centavos"). Com a desvalorização acentuada do escudo nas décadas de 1970 e 1980 e o consequente desaparecimento de facto dos centavos, o tostão também desapareceu da linguagem popular.

De uso não tão generalizado mas ainda assim reconhecida por uma parte substancial da população era a coroa. Uma coroa equivalia a cinquenta centavos. Era geralmente utilizada apenas em unidades inteiras (por exemplo, "cinco coroas" para designar dois escudos e cinquenta centavos; mas nunca "duas coroas e quarenta" para designar um escudo e vinte centavos). A coroa também apareceu no léxico português durante o tempo da Monarquia, altura em que era o nome da moeda de mil réis e transmitiu-se, inicialmente, à moeda de 1 escudo de prata; posteriormente passou a chamar-se à moeda de cinquenta centavos, anteriormente designada como "meia-coroa".

Moedas[editar | editar código-fonte]

As moedas em circulação antes da mudança para o euro eram as que têm as seguintes denominações:

1 escudo (1987)


20 escudos (1987)


200 escudos (1991)
  • 1 escudo
  • 5 escudos
  • 10 escudos
  • 20 escudos
  • 50 escudos
  • 100 escudos
  • 200 escudos

Notas[editar | editar código-fonte]

Última série[editar | editar código-fonte]

A última série de notas portuguesas permaneceu em vigência até à entrada do euro. Eram cinco notas dedicadas a importantes navegadores da época dos descobrimentos portugueses, com as seguintes características:

  • 500 escudos
    • 125 x 68 mm
    • Tonalidade: vermelho e castanho
    • Anverso: João de Barros
    • Reverso: dos navegadores da época e dos navios pequenos.
  • 1000 escudos
  • 2000 escudos
  • 5000 escudos
    • 146 x 75 mm
    • Tonalidade: verde
    • Anverso: Vasco da Gama
    • Reverso: uma caravela e encontro de personagens da época
  • 10000 escudos

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Símbolo do euro Moedas em circulação na União Europeia
Tópicos Zona Euro · Banco Central Europeu · Unidade Monetária Europeia · Moedas de euro
Euro Adotado UE: Alemanha · Áustria · Bélgica · Chipre · Eslováquia · Eslovénia · Espanha · Estónia · Finlândia · França · Grécia · Irlanda · Itália · Letónia · Luxemburgo · Malta · Países Baixos · Portugal    Não-UE: Mónaco · São Marino · Vaticano

Bulgária · Hungria · Lituânia · Polónia · Rep. Checa · Roménia

Não-UE: Andorra · Kosovo · Montenegro

Futuro
Outras
Denominação Moedas €0,01 · €0,02 · €0,05 · €0,10 · €0,20 · €0,50 · €1 · €2 · €2 (comemorativa)

€5 · €10 · €20 · €50 · €100 · €200 · €500

Cédulas
Moedas anteriores ao Euro Marco alemão (e antes também Marco alemão oriental) · Xelim austríaco · Franco belga · Libra cipriota · Coroa eslovaca · Tolar esloveno · Peseta espanhola (também circulava em Andorra) · Marco finlandês · Franco francês (também circulava em Andorra) · Dracma grego · Libra irlandesa · Lira italiana · Lats letão · Franco luxemburguês · Lira maltesa · Florim neerlandês · Escudo português · Coroa estoniana
Dentro da União Europeia, mas fora da Zona Euro Lev búlgaro · Florim húngaro · Litas lituano · Złoty polonês · Coroa checa · Leu romeno · Coroa dinamarquesa (em conjunto com a Coroa feroesa) · Libra esterlina · Coroa sueca · Kuna croata


Ícone de esboço Este artigo sobre numismática é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.