Banco de Portugal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Banco de Portugal

Coat of arms of Portugal.svg
Organização
Natureza jurídica Instituto público de regime especial
Atribuições Banco central, Sistema Europeu de Bancos Centrais
Dependência Governo de Portugal
Ministério das Finanças
Chefia Carlos Costa, Governador do Banco de Portugal
Documento institucional Lei Orgânica do Banco de Portugal
Localização
Jurisdição territorial  Portugal
Sede Palácio de São Julião, Lisboa
Histórico
Antecessor Banco de Lisboa
Criação 19 de Novembro de 1846
Sítio na internet
www.bportugal.pt
Sede do Banco de Portugal, na Baixa de Lisboa.
Filial do Banco de Portugal na Praça da Liberdade, no Porto.
Agência do Banco de Portugal em Coimbra.
Agência do Banco de Portugal em Braga.
Agência do Banco de Portugal em Évora.

O Banco de Portugal GCC é o banco central da República Portuguesa. Foi fundado em 19 de Novembro de 1846, em Lisboa, onde é a sua sede. Surgiu da fusão do Banco de Lisboa e da Companhia Confiança Nacional. Fundado com o estatuto de sociedade anónima, até à sua nacionalização, em 1974, era maioritariamente privado.

É o banco emissor de notas denominadas na moeda nacional - o real até 1911, o escudo de 1911 até 1998 e o euro desde 1999. Integra o Sistema Europeu de Bancos Centrais que foi fundado em Junho de 1998. De acordo com a sua Lei Orgânica, o Banco de Portugal prossegue os objectivos e participa no desempenho das atribuições cometidas ao SEBC.

Compete ao Banco a supervisão prudencial das instituições de crédito e das sociedades financeiras.

O Banco emite notas de euro e põe em circulação as moedas metálicas, embora o BCE detenha o direito exclusivo de autorizar a sua emissão.

Compete-lhe ainda regular, fiscalizar e promover o bom funcionamento dos sistemas de pagamentos, gerir as disponibilidades externas do País e agir como intermediário das relações monetárias internacionais do Estado, bem como aconselhar o Governo nos domínios económico e financeiro. Cabe ao Banco a recolha e elaboração das estatísticas monetárias, financeiras, cambiais e da balança de pagamentos.

A 23 de Novembro de 1946 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem Militar de Cristo.[1]

Administração[editar | editar código-fonte]

O actual Governador é Carlos Costa.

Governadores precedentes[editar | editar código-fonte]

Foram governadores do Banco de Portugal[2] :

  • Libânio Ribeiro da Silva, visconde de Ribeiro da Silva (1824-1895) Governador (1883-1886).
  • Henrique de Barros Gomes (1843-1898) Governador (1887).
  • António Augusto Pereira de Miranda (Coimbra, 1838 - Lisboa, 1922) Governador (1887-1891) - Comerciante, político, deputado, Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, Presidente do Conselho de Administração dos Caminhos de Ferro, Par do Reino, Ministro da Fazenda.
  • Pedro Augusto de Carvalho (Lisboa, 1841 - Lisboa, 1894) Governador (1891-1894) - Político, Deputado (Ponta Delgada), Jurista, Director da Caixa Geral de Depósitos, Director-Geral das Contribuições, Director-Adjunto do Procurador Geral da Coroa, Contador da Junta de Crédito Público.
  • Júlio Marques de Vilhena (Ferreira do Alentejo, 1845-1928) Governador (1895-1907) - Político (Partido Regenerador), Par do reino, Jurista, Sócio e Presidente da Academia Real das Ciências, Director do "Jornal Económico e "Diário Popular", Ministro da Marinha e Ultramar e da Justiça e Negócios Eclesiásticos, Juiz do Supremo Tribunal Administrativo e Presidente da Liga Naval.
  • José Adolfo de Melo e Sousa (Figueira da Foz, 1858-1925) Governador (1907-1910) - Comerciante e Financeiro, Presidente da Associação Comercial de Lisboa, Deputado por Arganil, Par do reino, Conselheiro de Estado, Director do Banco Comercial e da Companhia de Seguros Fidelidade. Pertencia ao Partido Regenerador Liberal.
  • Inocêncio Camacho Rodrigues (Moura, 1867- 1943) Governador (2 de abril de 1911 a 30 de junho de 1936) - Político, Professor da Faculdade de Ciências, Jornalista, Director Geral da Fazenda Pública e Ministro das Finanças, Deputado. Colaborador de "A Luta" e "A Pátria". Confrontado com o escândalo Alves dos Reis em que foi ludibriado.
  • Rafael da Silva Neves Duque (Torres Novas, 1893-1969) Governador (1957-63) - Advogado, Político, Ministro da Agricultura, Ministro da Economia e Ministro do Comércio e Indústria (interino).
  • António Manuel Pinto Barbosa (Murtosa, 1917-2006) Governador (1966-74) - Economista, Professor Universitário, Ministro das Finanças (1955-65), representante de Portugal no Banco Mundial (1961-66) e no FMI (1966-74). Sócio efectivo da Academia das Ciências de Lisboa.
  • Manuel Jacinto Nunes (Lisboa, 1926) Vice-governador (1960-1974), Governador interino (1963-66) e Governador (1974-1975, 1980-85) - Economista, Professor Catedrático, Administrador da Caixa Geral de Depósitos (1976-80), Vice-Primeiro Ministro para os Assuntos Económicos e Integração Europeia, Ministro das Finanças e do Plano. Governador, por Portugal, no FMI (1960-85). Presidente da Classe de Letras da Academia de Ciências de Lisboa (1980-85), Presidente da Academia de Ciências de Lisboa (1980, 1982-84). Vice-Presidente da Sociedade de Geografia (1974-79) e Presidente da Câmara de Comércio Luso-Britânica. É membro do Conselho Consultivo do Banco de Portugal.
  • José da Silva Lopes (Seiça, 1932) Governador (1975-80) - Economista, Ministro das Finanças e do Plano (1978), Administrador do BERD (1991-93). Representante de Portugal junto do Banco Mundial (1980), Consultor na Caixa Geral de Depósitos. Presidente da 10 Comissão criada para estudar empresas públicas não financeiras (1981). É membro do Conselho Consultivo do Banco de Portugal.
  • José Alberto Tavares Moreira (Póvoa de Varzim, 1944) Governador (1986-1992) - Economista, Director e Vogal do Conselho de Gestão do BPSM (1973-1976), Administrador da Caixa Geral de Depósitos (1979-1981), Secretário de Estado do Tesouro (1980-1981), Secretário de Estado do Ministro das Finanças e do Tesouro (1985-1986). É membro do Conselho Consultivo do Banco de Portugal.
  • Luís Miguel Couceiro Pizarro Beleza (Porto, 1950) Técnico Assessor e Técnico Consultor (1979-87), Administrador (1987-90) e Governador (1992-94) - Economista, Professor Catedrático, Ministro das Finanças (1990-91), Economista do FMI (1984-87), Consultor e Director da Revista Economia da Universidade Católica Portuguesa. É membro do Conselho Consultivo do Banco de Portugal. Demitiu-se por conflito com o ministro das Finanças, Jorge Braga de Macedo
  • António José Fernandes de Sousa (1955) Foi Governador de Junho de 1994 a Fevereiro de 2000. Licenciado em Administração e Gestão de Empresas pela Universidade Católica Portuguesa, doutorou-se em Gestão de Empresas pela Wharton School da Universidade da Pensilvânia. Antes da sua nomeação ocupava o cargo de Secretário de Estado-Adjunto e das Finanças (1993-94), tendo sido Secretário de Estado-Adjunto e do Comércio Externo (1991-93), Administrador do Banco Totta & Açores (1989-91), Secretário de Estado da Indústria (1987-89) e Administrador do IPE (1986-87). Na Universidade Católica, exerceu funções docentes entre 1975 e 1991, tendo sido Director do Departamento de Gestão da Faculdade de Ciências Humanas e membro do seu Conselho Superior (1986-92). É membro do Conselho Consultivo do Banco de Portugal. Preparou a adesão ao euro.
  • Vítor Manuel Ribeiro Constâncio (Lisboa, 1943)Foi Governador de Fevereiro de 2000 até à nomeação de Carlos Costa. Licenciado em Economia pelo Instituto Superior de Ciências Económicas e Financeiras de Lisboa. Antes da sua nomeação era Administrador do Banco Português de Investimento (1995-2000) e Administrador não executivo da Electricidade de Portugal (1998-2000). É membro do Conselho de Estado. É Professor Catedrático convidado do Instituto Superior de Economia e Gestão desde 1989, culminando uma longa carreira académica. Além de Secretário de Estado do Planeamento nos dois primeiros Governos Provisórios (1974-75), foi ainda Secretário de Estado do Orçamento e do Plano no VI Governo Provisório em 1976. Eleito deputado à Assembleia da República em 1976, voltou a ser membro do Parlamento nos períodos 1980-81 e 1987-88. Tendo iniciado a sua actividade no Banco de Portugal em 1975 como Director do Departamento de Estatística e de Estudos Económicos, foi nomeado Vice-Governador em 1977, posição que voltaria a ocupar em 1979 e durante o período 1981-84. Em 1977 foi nomeado Presidente da Comissão para a Integração Europeia, cargo que retomaria em 1979. Foi Ministro das Finanças e do Plano do II Governo Constitucional em 1978. Foi Governador do Banco de Portugal durante o período 1985-86. A 1 de Junho de 2010 toma posse como Vice-governador do Banco Central Europeu.
  • Carlos da Silva Costa, nascido em 1949, até à sua nomeação para Governador do Banco de Portugal em Junho de 2010 foi Vice-Presidente do Banco Europeu de Investimento no Luxemburgo.

Rede Regional[editar | editar código-fonte]

Notas

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Banco de Portugal