Reino das Duas Sicílias

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Regno delle Due Sicilie(ita)
Regno d’’e Ddoje Sicilie (nap)
Regnu dî Dui Sicili (sic)

Reino das Duas Sicílias

Reino

Flag of the Kingdom of Sicily.svg
 
Flag of the Kingdom of Naples.svg
1816 – 1861 Flag of Italy (1861-1946) crowned.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Reino das Duas Sicílias
O Reino das Duas Sicílias (verde).
Continente Europa
Capital Nápoles
Língua oficial Italiano (oficial)
Siciliano
Napolitano
Religião Católica Romana
Governo Monarquia
Rei
 • 1816-25 Fernando I
 • 1825-30 Francisco I
 • 1830-59 Fernando II
 • 1859-61 Francisco II
História
 • 1816 Fundação
 • 1861 Unificação Italiana
Área
 • 1860 111,900 km2
População
 • 1860 est. 8,703,000 
     Dens. pop. 0,1/km²

O Reino das Duas Sicílias foi o nome que o rei Fernando I de Bourbon deu a seu reino, em 1816, depois que o Congresso de Viena suprimiu o Reino de Nápoles (1282-1816) e o Reino da Sicília (1130-1816), unindo-os numa única entidade estatal.

Tendo sido governado por um ramo da Casa de Bourbon chamado de Bourbon-Duas Sicílias ou Bourbon-Sicílias.

O Reino das Duas Sicílias existiu até 1861, quando foi suprimido pela Casa de Savoia - reinante no Reino da Sardenha (1297-1861) -, para que se concretizasse a unificação italiana, o chamado Risorgimento, e então se formasse o Reino da Itália.

Origem do nome[editar | editar código-fonte]

O nome teve sua primeira menção oficial em 1442, quando o rei Afonso V de Aragão reunificou o Reino da Sicília e do Reino de Nápoles (ou reino da Sicília Peninsular). Os dois domínios haviam sido originalmente separados em consequência das Vésperas Sicilianas de 1282.

Com a morte de Afonso em 1458, o reino foi novamente dividido: seu irmão João II de Aragão recebeu a Sicília insular e seu filho bastardo Ferdinando, o Reino de Nápoles.

Em 1501, o rei Fernando II de Aragão conquistou Nápoles e reuniu os dois reinos sob a autoridade da coroa espanhola. O título de "rei da Sicília dos dois lados do estreito" foi doravante adotado por todos os monarcas espanhóis até a Guerra de Sucessão Espanhola. O término deste conflito, com o tratado de Utrecht de 1713, fez com que a Sicília fosse entregue ao duque de Saboia; já o tratado de Rastatt de 1714 deixou Nápoles ao imperador Carlos VI, quem anexou a Sicília em 1720.

Em 1738, fundou-se um reino das Duas Sicílias, entregue a um ramo dos Bourbons da Espanha, reino este que perdurou até 1860, exceto por um breve intervalo sob Napoleão. Em 1861, Giuseppe Garibaldi, com a expedição dos Mil, o incorporou ao novo Reino de Itália.

Território[editar | editar código-fonte]

Mapa do território corrspondente ao Reino das Duas Sicílias (1815) comparado com as atuais regiões italianas

O reino compreendia as atuais regiões italianas de Abruzos, Basilicata, Calábria, Campânia, Molise, Apúlia e Sicília, mais partes do Lácio meridional (Cassino, Gaeta, Sora), e Cicolano e os territórios do vale do Velino, atualmente na província de Rieti.

A cidade de Benevento, hoje na Campânia, era ao contrário um enclave pontifício.

Lista de Reis[editar | editar código-fonte]

Casa de Bourbon[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre História da Itália é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.