Afonso V de Aragão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Afonso V
Rei de Aragão
Rei de Nápoles

Conde de Barcelona, Rosellón, Sardenha e Urgel
Retrato del monarca Alfonso V, rey de Aragón, por Juan de Juanes (1557, óleo sobre tela, 115 x 91 cm, Museu de Zaragoza).[1]
Rei de Aragão, Maiorca, Sicília e Valência
Reinado 2 de abril de 1416
a 27 de junho de 1458
1416
Predecessor Fernando I
Sucessor João II
Rei de Nápoles
Reinado 2 de junho de 1442
a 27 de junho de 1458
Predecessor Renato I
Sucessor Fernando I
Consorte Maria de Castela
Descendência
Maria
Leonora
Fernando
Casa Casa de Trastâmara
Pai Fernando I de Aragão
Mãe Leonor Urraca de Castela
Nascimento 1396
Medina del Campo
Morte 27 de junho de 1458 (62 anos)
Nápoles
Enterro Sepulcros Reais do Mosteiro de Poblet
Brasão

Afonso V de Aragão (I de Napóles) (1396-1458), de cognome "o Magnânimo" ou o Grande. Nasceu em Medina del Campo, em 1394 e morreu em 27 de junho de 1458 em Nápoles.

Dados biográficos iniciais[editar | editar código-fonte]

Pelo lado materno representava a antiga linhagem dos condes de Barcelona e, pelo lado paterno, descendia da Casa de Trastâmara, de Castela. Foi uma das figuras mais conspícuas do princípio da Renascença. Ninguém em seu tempo teve tão amplo espectro de “virtudes” – qualidades assim denominadas pelos italianos. Foi Afonso V rei de Aragão em 1416, Afonso I de Nápoles em 1435 e das Duas Sicílias em 1442.

Casamento e posteridade[editar | editar código-fonte]

Casou em Valência em 12 de junho de 1415 com sua prima a Infanta Maria de Castela. Deixou o governo de Aragão à mulher e ao irmão João II, Rei de Navarra, e partiu para a Sicília, fazendo-se adotar por Joana II d´Anjou Rainha de Nápoles, mas foi deserdado depois de uma prematura tentativa de usurpação. Joana adotou sucessivamente Luís III e René d’Anjou, que não puderam tomar posse do trono. Com a morte de Joana em 1435, Afonso penetrou na Itália do sul. Quando caiu prisioneiro de Filipo Maria Visconti, duque de Milão, em 1435, persuadiu seu feroz e ardiloso captor de que a sua libertação evitaria a vitória do partido Aragonês em Nápoles.

Conseguiu terminar em 1442 a conquista da Sicília. Instalado em Nápoles, acolhia humanistas e sábios. Tendo reunido os dois reinos da Sicília, adotou o título surpreendente de Rei das Duas Sicílias, que só vai reaparecer em 1815. Legou Nápoles ao filho natural Fernando I e deixou os reinos de Aragão e Sicília ao irmão João II de Navarra.

Sem geração legítima, deixou bastardos de Giraldona Carlino e Lucrecia d’Alanon.

  • 1 - Maria, morta em 1449, casada em 1444 com Leonello d’Este (morto em 1450) Marquês de Ferrara.
  • 2 - Leonora, circa 1443 casada com Mariano Marzano, Duque de Squillache, Príncipe de Rossano.
  • 3 - Ferrante I, Fernando da Sicília ou Ferdinando, nascido em 1431 e morto em 1494 em Nápoles). Casado em 1444 com Isabel (morta em 1465) filha de Tristan de Clermont, Conde de Capertino; casou em 1476 com a Infanta Juana de Aragão. Rei da Sicília peninsular em 1458, bastardo de Lucrecia d’Alanon.
Precedido por
Fernando I
Rei de Aragão, Maiorca, Sicília e Valência
22 de Abril de 1416 - 22 de Junho de 1458
Sucedido por
João II
Precedido por
Renato I
Rei de Nápoles
2 de Junho de 1442 - 22 de Junho de 1458
Sucedido por
Fernando I

Referências

  1. Ficha en ceres.mcu.es, colecciones en red del Ministerio de Cultura de España.
Ícone de esboço Este artigo sobre reis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Ícone de esboço Este artigo sobre História da Espanha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Afonso V de Aragão