Grão-Ducado da Toscana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes confiáveis e independentes. (desde novembro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Granducato di Toscana
Magnus Ducatus Tusciae

Grão-Ducado da Toscana

Grão-Ducado do
Sacro Império Romano-Germânico

Firenze-Stemma.png
 
Flag of the Duchy of Lucca.svg
 
Bandera de Siena.png
 
Flag of France.svg
1569 – 1859 Flag of Italy (1861-1946) crowned.svg
 
Flag of the Kingdom of Etruria.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Itália
Grão-Ducado da Toscana na península Itálica
Continente Europa
Capital Florença
Língua oficial italiano, Latim
Governo ducado
História
 • 1569 Fundação
 • 9 de julho de 1737 Fim do domínio Medici
 • 21 de março de 1801 Abolido
 • 9 de junho de 1815 Refundado
 • 16 de agosto de 1859 Deposição da Casa de Habsburgo-Lorena
 • 1859 Uniu-se às Províncias Unidas da Itália Central
População
 •  est. 2,000,000 (1 859) 

O Grão-Ducado da Toscana (em italiano: Granducato di Toscana; em latim: Magnus Ducatus Tusciae) foi um Estado que existiu na península Itálica, desde o Renascimento (1569) até a unificação italiana (1861), com capital em Florença. Seu território, embora tenha variado ao longo dos séculos, correspondia aproximadamente ao da atual região italiana da Toscana, com exceção das partes mais ao norte, as quais formavam o Ducado de Massa e Carrara, e a República de Lucca e depois o Ducado de Lucca (até 1847).

História[editar | editar código-fonte]

O Grão-Ducado da Toscana foi inicialmente governado pela família Médici até sua extinção em 1737, quando foi herdado pelo Duque Francisco Estevão de Lorena, genro do Imperador Carlos VI. Francisco Estevão, que tornou-se imperador em 1745, governou a Toscana como Grão duque até sua morte em 1765, quando foi sucedido pelo seu filho mais jovem, Pedro Leopoldo, que governou até 1790, quando retornou a Viena para suceder seu irmão como imperador. Em 1786, o Grão-ducado tornou-se o primeiro Estado soberano a extinguir a pena de morte, influenciado pela obra Dos Delitos e das Penas de Cesare Beccaria (1764).

Leopoldo foi sucedido pelo seu filho mais jovem, Fernando III, que foi forçado a abdicar pelos franceses depois do Tratado de Aranjuez (1801), tornando-se em vez disso Eleitor de Salzburgo.

O Grão-Ducado da Toscana foi então dissolvido, e substituído pelo Reino da Etrúria sob a dinastia dos Bourbon-Parma. A Etrúria foi, por sua vez, anexada pelo Império Francês em 1807, tornando-se os departamentos de Arno, Mediterrâneo, e Ombrone. Com a queda do sistema Napoleônico em 1814, Fernando foi restaurado ao grão-ducado, governando até sua morte em 1824. Seu filho, Leopoldo II, governou até abril de 1859, quando foi deposto pela revolução que seguiu-se à derrota dos austríacos para os franceses e sardo-piemonteses.

Em Julho, Leopoldo, no exílio em Viena, abdicou em favor de seu filho, Fernando IV, que nunca chegou a reinar. A Toscana estava sob administração sarda e Fernando foi formalmente deposto pelo governo de facto em 16 de agosto. Em dezembro de 1859, o grão-ducado oficialmente deixou de existir e foi unido aos ducados de Módena e Parma para formar as Províncias Unidas da Itália Central, que foram anexadas pelo Reino da Sardenha poucos meses depois, em março de 1860.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Estado extinto, integrado ao Projeto Estados Extintos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.