Alfabeto cirílico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Alfabeto cirílico
Be cir.png
Alfabeto cirílico
А Б В Г Ґ Д Ђ Ѓ Е Ё
Є Ж Ѕ З И І Ї Й Ј К
Л Љ М Н Њ О П Р С Т
Ћ Ќ У Ў Ф Х Ц Ч Џ Ш
Щ Ъ Ы Ь Э Ю Я
Letras não-eslavas
Ӑ Ӓ Ӕ Ҕ Ғ Ә Ӏ Ӂ Җ Ӝ
Ҙ Ӟ Ӡ Ҡ Қ Ӄ Ҟ Ҝ Ң Ӈ
Ҥ Ө Ӧ Ҧ Ҫ Ҷ Ӵ Ҹ Ҽ Ҿ
Ҩ Ҳ Ҭ Ҵ Ӱ Ӳ Ӯ Ү Ұ Һ
Ӹ
Letras arcaicas
Ҁ Ѹ Ѡ Ѿ Ѻ Ѣ ІА Ѥ Ѧ Ѫ
Ѩ Ѭ Ѯ Ѱ Ѳ Ѵ Ѷ

O alfabeto cirílico (em búlgaro e macedônio: кирилица; em russo: кириллица; em ucraniano: кирилиця; em bielorrusso: Кірыліца; em ruteno: кырилиця; em sérvio: ћирилица), também conhecido como azbuka, é um alfabeto cujas variantes são utilizadas para a grafia de seis línguas nacionais eslavas (bielorrusso, búlgaro, macedônio, russo, sérvio[1] e ucraniano), além do ruteno, e outras línguas extintas. Para além disso, é usado por várias línguas não eslavas faladas na antiga União Soviética — como o mongol, o cazaque, o uzbeque, o quirguiz e o tadjique, entre outras da Europa Oriental, do Cáucaso e da Sibéria.

Com a entrada da Bulgária na União Europeia (UE), em 1.º de janeiro de 2007, o cirílico tornou-se, ao lado do latino e do grego, o terceiro alfabeto oficial da UE[2] .

História[editar | editar código-fonte]

Nome e criação[editar | editar código-fonte]

Página de Azbuka, o primeiro livro sobre a língua russa, impresso por Ivan Fyodorov em 1574. A página mostra o alfabeto cirílico.

A história tradicional conta que o alfabeto cirílico, bem como o alfabeto glagolítico, foi criado ou formalizado por dois missionários cristãos bizantinos, São Cirilo e São Metódio, no século IX, com o objetivo de transcrever a Bíblia para as línguas eslavas.[3] [4] [5] [6] A ideia, entretanto, é objeto de disputa acadêmica. Paul Cubberly sugere que Cirilo pode ter codificado e expandido o alfabeto glagolítico, mas teriam sido seus estudantes da Escola Literária de Preslav, notadamente Constantino de Preslav, que adaptaram o cirílico a partir do grego uncial, como um sistema de escrita mais adequado para os textos eclesiásticos.[7] [8] Atribui-se ainda a criação e/ou difusão a membros da Escola Literária de Ohrid, em especial a Clemente de Ácrida.[9]

O que parece certo é que o alfabeto cirílico, nomeado em homenagem a Cirilo, o Filósofo, foi desenvolvido e difundido durante o Primeiro Império Búlgaro[7] , razão pela qual alguns defendem que o cirílico seja chamado de alfabeto búlgaro[10] . A maior parte de suas letras teria derivado do alfabeto grego na escrita uncial, complementado para os sons não encontrados no grego com letras do alfabeto glagolítico, que teriam derivado, por sua vez, da escrita hebraica.

Difusão[editar | editar código-fonte]

Pouco após a sua criação, o alfabeto cirílico popularizou-se rapidamente como escrita eclesiástica. A literatura produzida pelas escolas literárias de época produziu extensa literatura em búlgaro antigo, que veio a ser conhecida como antigo eslavo eclesiástico. O antigo eslavo, escrito em cirílico, tornou-se lingua franca em todo o Leste Europeu.[11] [12] [13] [14] [15]

Em torno de 1700, durante as reformas de Pedro, o Grande na Rússia, o alfabeto cirílico ganhou uma versão russa simplificada e normalizada. No século XIX, foram normalizadas também as versões búlgara e sérvia, enquanto o romeno deixou o cirílico para adotar o alfabeto latino. No fim do século XIX, surgiram mais duas normalizações do cirílico: a bielorrussa e a ucraniana. Graças à expansão territorial da Rússia e, no Século XX, à formação da União Soviética, o alfabeto cirílico difundiu-se pela Ásia, sendo adotado por diversas línguas não eslavas.

Com a entrada da Bulgária na União Europeia (UE), em 1.º de janeiro de 2007, o cirílico tornou-se, ao lado do latino e do grego, o terceiro alfabeto oficial da UE[2] .

Uso[editar | editar código-fonte]

  Usa apenas o cirílico
  Usa o cirílico co-oficialmente com outros alfabetos

O alfabeto cirílico é o sistema de escrita oficial de seis línguas nacionais eslavas: bielorrusso, búlgaro, macedônio, russo, sérvio e ucraniano. Cinco dessas línguas pertencem a países relativamente homogêneos linguisticamente, mas o russo é falado como segunda língua por boa parte da população russa, e já o foi por uma parcela ainda maior da população da antiga União Soviética. A atual Rússia possui 21 repúblicas autônomas, cada uma delas com o direito constitucional de escolher sua própria língua oficial[16] . Com isso, há diversas línguas não eslavas, dentro e fora do território russo, cuja escrita padrão é a cirílica.

No Cáucaso, uma parte da grande variedade de línguas faladas adota o cirílico, disputando espaço ainda hoje com as escritas árabe, georgiana e latina. Na Ásia Central, ainda ocorrem disputas similares entre alfabetos. Hoje em dia, três das línguas nacionais centro-asiáticas (cazaque, tadjique e língua quirguiz) adotam exclusivamente o cirílico; o uzbeque está em processo de transição para o alfabeto latino[17] e o turcomeno já o adota completamente. Alguns políticos tadjiques consideram adotar a escrita persa.[18] Ainda na Ásia Central, a etnia chinesa Tungani também adota a escrita cirílica para sua língua de família chinesa.

Cirilização[editar | editar código-fonte]

Da mesma maneira que acontece com o alfabeto latino, diversas línguas possuem sistemas oficiais de transcrição de suas escritas locais para o alfabeto cirílico, de forma a facilitar a troca de informações. Dentre eles, podemos citar o Sistema Palladius de transcrição do mandarim (construída em analogia aos sistemas de romanização pinyin e wade-giles), o sistema de Yevgeny Polivanov para o japonês e o sistema Kontsevich de transcrição do coreano. Existem, também, alguns sistemas de transcrição de palavras inglesas e francesas para o alfabeto russo,

Caracteres[editar | editar código-fonte]

O alfabeto cirílico arcaico possuía 44 letras: А, Б, В, Г, Д, Е, Ж, Ѕ, З, И, І, К, Л, М, Н, О, П, Ҁ, Р, С, Т, Ѹ, Ф, Х, Ѡ, Ц, Ч, Ш, Щ, Ъ, , Ь, Ѣ, , Ѥ, Ю, Ѧ, Ѫ, Ѩ, Ѭ, Ѯ, Ѱ, Ѳ e Ѵ. Em cada uma das línguas eslavas, esse alfabeto foi modificado e padronizado de diferentes formas, de tal modo que não podemos falar em um alfabeto cirílico moderno padrão. O mais próximo disso que temos é o alfabeto russo, o mais difundido e importante dentre os cirílicos modernos.

Alfabeto russo[editar | editar código-fonte]

Manuscrito com marcas de Pedro I, no processo de escolha de que formas e letras deixariam a escrita cirílica russa

Na reforma ortográfica promovida por Pedro, o Grande, o alfabeto russo deixou para trás os yuses (Ѫ, Ѭ, Ѧ, Ѩ) e quatro letras gregas que poderiam ser substituídas por pares cirílicos: ѕ (дз), ѯ (кс), ѱ (пс) e ѡ (o). Além disso, foram eliminados todos os diacríticos, exceto й. Ao longo do século XIX (oficializado na reforma de 1918), foram perdidas outras letras que subsistiam por motivos etimológicos e não fonéticos: ѳ (soava como ф), ѣ (soava como е), і e ѵ (soavam como и). Em paralelo, foram adicionados a letra э, para diferenciar do е palatalizado, e ё, para diferenciar /jo/ de /je/, levando o russo ao seu alfabeto de 33 letras: А, Б, В, Г, Д, Е, Ё, Ж, З, И, Й, К, Л, М, Н, О, П, Р, С, Т, У, Ф, Х, Ц, Ч, Ш, Щ, Ъ, Ы, Ь, Э, Ю e Я.

Outros alfabetos eslavos[editar | editar código-fonte]

O alfabeto búlgaro é igual ao russo, exceto pela ausência das letras Ё, Ы e Э. O alfabeto bielorrusso troca И por І, não possui Ъ mas tem Ў e o apóstrofe ('). O alfabeto ucraniano não possui Ъ, Ы, ё, Э mas preservou І, Ї, Є e a forma com diacrítico Ґ.

O alfabeto cirílico sérvio, desenvolvido em 1818 pelo linguista sérvio Vuk Karadžić, possui diferenças mais expressivas.[19] Karadžić reteve apenas 24 das letras eslavas (eliminando Щ, Ъ, Ы, Ь, Ю e Я, além das que foram eliminadas também no russo), adicionando a letra latina j e criando cinco novas letras: Љ (Л + Ь), Њ (Н + Ь), Џ (extraída do cirílico romeno), Ћ e Ђ (adaptadas do glagolítico).

Alfabetos não eslavos[editar | editar código-fonte]

Para adaptar-se às línguas não eslavas, o alfabeto cirílico precisa lançar mão de recursos mais abrangentes, tais como:

Ligaturas[editar | editar código-fonte]

Uma ligatura ou ligadura é a fusão de duas ou mais letras em um novo glifo ou caractere. Uma ligatura pode ser apenas estilística, bem como pode gerar novas letras que representem sons específicos. Na escrita sérvia, duas letras foram criadas por ligatura: Љ e Њ, correspondentes aos dígrafos portugueses lh e nh.

Dígrafos e trígrafos[editar | editar código-fonte]

Outra maneira de representar novos sons é o uso de dígrafos, isto é, pares de letras que, juntas, representam um som diferente dos que representam as letras isoladamente. Por exemplo, o checheno, uma língua caucasiana, utiliza alguns dígrafos vocálicos, como аь (/æ/) e ёь (/jø/), além de dígrafos consonantais como гӀ (/ɣ/) ou хь (/ħ/). Nenhum desses sons existe nas línguas eslavas. Similarmente, um trígrafo é um conjunto de três letras que representam um novo som. O checheno possui o trígrafo рхӀ (//).

Diacríticos[editar | editar código-fonte]

Diacríticos ou acentos são pequenos sinais colocados sobre, sob ou através de uma letra para modificar ou adaptar seu som. A língua bashkir utiliza sinais sob as letras similares a cedilhas, como Ҙ e Ҫ, para representar as consoantes fricativas dentais /ð/ e /θ/. A língua cazaque usa o У com um traço transversal (Ұ) para representar a vogal fechada arredondada /ʊ/.

Novas letras[editar | editar código-fonte]

Por fim, outra maneira de incorporar novos sons é incluir letras oriundas de diferentes alfabetos. Esse processo é relativamente pouco comum no alfabeto cirílico, mas exemplos disso são o Ӕ osseto, provavelmente originado da ligadura latina Æ, e o Ҩ da língua abecásia, que representa a consoante labiopalatal aproximante /ɥ/.

Codificação[editar | editar código-fonte]

Unicode[editar | editar código-fonte]

No Unicode 6.0, as letras do cirílico, incluindo alfabetos nacionais e históricos, são representados pelos seguintes blocos[20] :

Outros dois caracteres derivados do cirílico encontram-se em U+1D2B and U+1D78.

Os caracteres entre U+0400 e U+045F são os mesmos definidos pelo ISO 8859-5. Na faixa entre U+0460 e U+0489 situam-se as letras históricas, que não são mais usadas. Entre U+048A e U+052F há letras adicionais para várias línguas escritas com cirílico.

Como regra geral, o Unicode não inclui letras cirílicas acentuadas. Algumas exceções são:

Para indicar vogais longas ou tônicas, é possível combinar marcas diacríticas com as letras (por exemplo, ы́ э́ ю́ я́ ).

Algumas línguas, incluindo o eslavo eclesiástico, ainda não são totalmente suportadas.

Wikcionário
O Wikcionário possui o verbete alfabeto cirílico.

Referências

  1. Na Sérvia e em Montenegro, o alfabeto latino é usado alternada e concomitantemente.
  2. a b Eurodatum. EU official languages and alphabets. Visitado em 12 de Janeiro de 2012.
  3. Columbia Encyclopedia, Sixth Edition. 2001-05, s.v. "Cyril and Methodius, Saints"; Encyclopædia Britannica, Encyclopædia Britannica Incorporated, Warren E. Preece - 1972, p.846, s.v., "Cyril and Methodius, Saints" and "Eastern Orthodoxy, Missions ancient and modern"; Encyclopedia of World Cultures, David H. Levinson, 1991, p.239, s.v., "Social Science"; Eric M. Meyers, The Oxford Encyclopedia of Archaeology in the Near East, p.151, 1997; Lunt, Slavic Review, June, 1964, p. 216; Roman Jakobson, Crucial problems of Cyrillo-Methodian Studies; Leonid Ivan Strakhovsky, A Handbook of Slavic Studies, p.98; V. Bogdanovich, History of the ancient Serbian literature, Belgrade, 1980, p.119
  4. The Columbia Encyclopaedia, Sixth Edition. 2001-05, O.Ed. Saints Cyril and Methodius "Cyril and Methodius, Saints) 869 and 884, respectively, “Greek missionaries, brothers, called Apostles to the Slavs and fathers of Slavonic literature."
  5. Encyclopædia Britannica, Major alphabets of the world, Cyrillic and Glagolitic alphabets, 2008, O.Ed. "The two early Slavic alphabets, the Cyrillic and the Glagolitic, were invented by St. Cyril, or Constantine (c. 827–869), and St. Methodii (c. 825–884). These men from Thessaloniki who became apostles to the southern Slavs, whom they converted to Christianity."
  6. Kazhdan, Alexander P.. In: Alexander P.. The Oxford dictionary of Byzantium. New York: Oxford University Press, 1991. 507 pp. ISBN 0-19-504652-8.
  7. a b Paul Cubberley (1996) "The Slavic Alphabets" and later finalized and spread by disciples Kliment and Naum in Ohrid and Preslav schools of Tsar Boris' Bulgaria. In Daniels and Bright, eds. The World's Writing Systems. Oxford University Press. ISBN 0-19-507993-0.
  8. Florin Curta: Southeastern Europe in the Middle Ages, 500–1250. (Cambridge Medieval Textbooks), Cambridge University Press, 18. September 2006), S. 221–222
  9. Nikolaos Trunte: Πρὸς τὸ σαφέστερον. (Zu Reformen in der glagolitischen Schrift.) In: Marija-Ana Dürrigl u. a. (Hrsg.): Glagoljica i hrvatski glagolizam. Staroslavenski Inst., Zagreb 2004, S. 419–434.
  10. Tsanev, Stefan. Български хроники, том 4 (Bulgarian Chronicles, Volume 4), Sofia, 2009, p.165
  11. "On the relationship of old Church Slavonic to the written language of early Rus'" Horace G. Lunt; Russian Linguistics, Volume 11, Numbers 2-3 / January, 1987
  12. Schenker, Alexander. The Dawn of Slavic. [S.l.]: Yale University Press, 1995. 185–186, 189–190 pp.
  13. Lunt, Horace. Old Church Slavonic Grammar. [S.l.]: Mouton de Gruyter. 3–4 pp.
  14. Wien, Lysaght. Old Church Slavonic (Old Bulgarian)- Middle Greek-Modern English dictionary. [S.l.]: Verlag Bruder Hollinek, 1983.
  15. Benjamin W. Fortson. Indo-European Language and Culture: An Introduction, p. 374
  16. Artigo 68 da Constituição Russa.
  17. Fierman, William. Language Planning and National Development: The Uzbek. [S.l.]: Walter de Gruyter, 1991. 75 pp. ISBN 3110124548.
  18. {{citar web|url=http://www.presstv.ir/detail.aspx?id=53991&sectionid=351020406 |título='Tajikistan to use Persian alphabet'|publicado=PressTV - Iran|língua=inglês|data=2 de Maio de 2008|.
  19. Serbian, Croatian and Bosnian Omniglot. Visitado em 13 de Janeiro de 2012.
  20. Cyrillic - Unicode Character Table