Golpe de Estado na Romênia em 1944

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O Golpe de Estado na Romênia em 1944 ou Golpe do Rei Miguel refere-se ao golpe de Estado liderado pelo rei Miguel da Romênia em 1944 contra a facção romena pró-nazista de Ion Antonescu, após a frente do Eixo no nordeste da Romênia entrar em colapso sob a ofensiva soviética.

O golpe[editar | editar código-fonte]

Rei Miguel em 1947.

Em 23 de agosto de 1944, o rei Miguel juntou-se com políticos pró-aliados da oposição (que incluíam os comunistas) e liderou um golpe bem sucedido com o apoio do exército. Miguel, que era inicialmente considerado como sendo não muito mais do que uma "figura decorativa", foi capaz de depor o ditador Ion Antonescu. O rei ofereceu uma retirada não conflituosa ao embaixador alemão Manfred Freiherr von Killinger, mas os alemães consideraram o golpe "reversível" e tentaram reverter a situação por ataques militares. O Primeiro Exército Romeno, o Segundo Exército Romeno (em formação), os remanescentes do Terceiro Exército Romeno e do Quarto Exército Romeno (um corpo) estavam sob ordens do rei para defender a Romênia contra os ataques alemães. O rei então ofereceu-se para pôr os desgastados exércitos da Romênia ao lado dos Aliados.

Consequências[editar | editar código-fonte]

O golpe acelerou o avanço do Exército Vermelho para a Romênia. [1] Estima-se que o golpe encurtou a guerra por até seis meses.[2]

As complexidades das negociações entre a URSS e o Reino Unido adiaram o reconhecimento formal dos Aliados da mudança de facto de orientação até 12 de setembro. Durante este tempo, as tropas soviéticas começaram a se mover na Romênia, tendo cerca de 140.000 prisioneiros de guerra romenos. [carece de fontes?] Cerca de 130.000 prisioneiros de guerra romenos foram transportados para a União Soviética, onde muitos pereceram em campos de prisioneiros .[1]

O armistício foi assinado três semanas depois, em 12 de setembro de 1944, em termos soviéticos [1] e efetivamente atingiu uma capitulação aos soviéticos.[3]

Em outubro de 1944, Winston Churchill, primeiro-ministro do Reino Unido, propôs um acordo com o líder soviético Josef Stalin sobre como dividir a Europa Oriental em esferas de influência depois da guerra. A União Soviética foi oferecida uma quota de 90% de influência na Romênia.[4]

O Artigo 18 do Acordo de Armistício com a Romênia estipulou que "uma Comissão de Controle Aliada será será estabelecida, o qual realizará até a conclusão da paz e da regulamentação do controle sobre a execução das condições presentes sob a direção geral e mandados do Alto Comando dos Aliados (Soviéticos), agindo em nome das Potências Aliadas. O anexo do artigo 18, especificava que "o governo romeno e seus órgãos devem cumprir todas as instruções da Comissão de Controle dos Aliados decorrentes do Acordo de Armistício". Além disso deixou claro que a Comissão de Controle dos Aliados teria a sua sede em Bucareste. Em conformidade com o artigo 14 do Acordo de Armistício, dois Tribunais Populares Romenos foram criados para julgar os criminosos de guerra suspeitos.[5]

O Exército Romeno finalizou seus combates na guerra ao lado dos soviéticos contra a Alemanha nazista e seus aliados restantes. Eles lutaram na Transilvânia, Hungria e Checoslováquia. Em maio de 1945, o Primeiro e o Quarto Exército Romeno participaram da Ofensiva de Praga. Os romenos sofreram um total de 169,822 vítimas (todas as causas) lutando do lado dos Aliados.[6]

Ion Antonescu foi colocado sob prisão; o novo primeiro-ministro, tenente-general Constantin Sănătescu, deu a custódia de Antonescu para os comunistas romenos que iriam levar o antigo ditador para os soviéticos em 1 de setembro.[7] Ele foi devolvido para a Romênia, onde foi julgado e executado em 1946.

Por suas ações, o rei Miguel foi condecorado com a Ordem da Vitória Soviética por Stalin "pelo ato de coragem de mudança radical na política da Romênia para um rompimento com a Alemanha de Hitler e uma aliança com as Nações Unidas, no momento em que não havia nenhum sinal ainda claro da derrota da Alemanha ", em 1945. Ele também foi premiado com o mais elevado grau (Comandante-Chefe) da Legion of Merit pelo presidente dos EUA, Harry S. Truman, um ano depois.[8] No entanto, ele atuava como pouco mais do que uma figura decorativa sob o regime comunista e foi finalmente obrigado a abdicar e deixar o país em 1947. Miguel permaneceu no exílio até depois da Revolução Romena de 1989 e só foi autorizado a regressar em 1992.[9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia possui o
Portal da Roménia

Referências

  1. a b c Armistice Negotiations and Soviet Occupation Country Studies: Romania US Library of Congress.
  2. Constantiniu, Florin, O istorie sinceră a poporului român ("An Honest History of the Romanian People"), Ed. Univers Enciclopedic, Bucureşti, 1997, ISBN 973-9243-07-X
  3. "Hitler Resorts To 'Puppets' In Romania", The Washington Post, August 25, 1944.
  4. The division of Europe, according to Winston Churchill and Joseph Stalin (1944) CVCE.
  5. The Armistice Agreement with Rumania; September 12, 1944.
  6. Romulus Dima, Contribuţia României la înfrângerea Germaniei fasciste, Bucureşti, 1982 (romeno )
  7. Marshal Ion Antonescu Romanian Armed Forces in the Second World War.
  8. Armata Română în Al Doilea Război Mondial (romeno )
  9. Tomiuc, Eugen. "World War II -- 60 Years After: Former Romanian Monarch Remembers Decision To Switch Sides", Radio Free Europe / Radio Liberty, May 6, 2005.