Chauvinismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Chauvinismo ou chovinismo (do francês chauvinisme) é o termo dado a todo tipo de opinião exacerbada, tendenciosa, ou agressiva em favor de um país, grupo ou ideia. Associados ao chauvinismo frequentemente identificam-se com expressões de rejeição radical a seus contrários, desprezo às minorias, narcisismo, mitomania.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O termo deriva do nome de Nicolas Chauvin, soldado do Primeiro Império Francês[1] , que sob comando de Napoleão Bonaparte demonstrou seu enorme amor por seu país sendo ferido dez vezes em combate, mas sempre retornando aos campos de batalha.

Inicialmente, o vocábulo foi usado para designar pejorativamente o patriotismo exagerado, sendo posteriormente adotado para outros casos.

Análise[editar | editar código-fonte]

O chauvinismo resulta de uma argumentação falsa ou paralógica, uma falácia de tipo etnocêntrico ou idola fori. Em retórica, consubstancia-se em alguns dos argumentos falsos chamados ad hominem que servem para persuadir com sentimentos em vez de razão quem reage mais àqueles que a estes. A prática nasceu fundamentalmente com a crença do romantismo nos "caracteres nacionais" ("Volkgeist", Espírito do Povo, em alemão).

Referências

  1. Columbia Encyclopaedia [1]

Ver também[editar | editar código-fonte]