Hégira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Hégira cosebi
Participantes Maomé e seus seguidores
Localização Península Arábica
Data 622
Mapa mostrando a Hégira e a migração islâmica para Axum, na África.

Hégira (em árabe: هجرة, transl. Hijraʰ, lit. "exílio", "separação") foi a fuga de Maomé de Meca para Medina, que marca o ano inicial do calendário islâmico.

Maomé, natural de Meca, tinha mais de cinquenta anos de idade quando se tornou famoso por seus ensinamentos. Como mensageiro de Deus, ele pregava reformas tanto a religião judaica quanto o cristianismo, além de atacar o paganismo de seu país. Os cidadãos de Meca se tornaram tão hostis que, em 622, Maomé foi obrigado a se refugiar em Medina.[1]

Maomé já vinha prevendo que teria que fugir de Meca para Medina há algum tempo, e vários de seus familiares já haviam se estabelecido lá, como, por exemplo, sua filha [Nota 1] Hadhrat Ruqayyah e seu genro Hadhrat Usman.[2]

Durante a fuga, a 5km de Meca, Maomé e seus seguidores ergueram um templo, a Mesquita de Quba, considerada a primeira mesquita.[3]

A data da Hégira costuma ser incorretamente datada na sexta-feira, dia 16 de julho de 622 (pelo calendário juliano),[4] ou, como o dia começa no pôr-do-Sol, no dia anterior, 15 de julho;[5] [6] esta data é a época do calendário islâmico.[7] [5]

A data da Hégira costuma ser calculada de formas diferentes por diversos autores.

A chegada de Maomé a Yathreb (Medina) ocorreu no dia 12 do antigo mês Rabia, que corresponde a 24 de setembro de 622 pelo calendário juliano, e sua fuga de Meca no dia 1 do mês Rabia.[8] John Bruno Hare calcula da data da fuga de Meca em 20 de setembro de 622.[7]

Notas e referências

Notas

  1. Nem todos autores islâmicos consideram Hadhrat Ruqayyah como filha de Maomé, por interpretarem que Maomé só teve uma filha, Fátima.

Referências

  1. Vincent A. Smith, The Oxford History of India (1923), Ancient India, Chapter I, Prehistoric India; the elements of the population. [em linha]
  2. Site Islameasy.org, The Daughters of the PROPHET MOHAMMAD (Sallallaho Alaihe Wasallam) [em linha]
  3. Wasim Orfali, Introductory Article about Mosques Architectural Development and Acoustics [em linha] (ligação inativa)
  4. http://www.fourmilab.ch/documents/calendar/
  5. a b Astronomy Answers: Modern Calendars [em linha]
  6. James Prinsep e Henry Thoby Prinsep, Essays on Indian antiquities, historic, numismatic, and palæographic, of the late James Prinsep: to which are added his useful tables, illustrative of Indian history, chronology, modern coinages, weights, measures, etc (1858), Eras of Ancient and Modern Times, Indian Chronology, The Mahometan Era, or Era of the Hegira, ra1-p.144 [google books]
  7. a b John Bruno Hare, editor do site www.sacred-texts.com, Islamic Date [em linha]
  8. A New and General Biographical Dictionary: Containing an Historical and Critical Account of the Lives and Writings of the Most Eminent Persons in Every Nation, Particularly the British and Irish, from the Earliest Accounts of Time to the Present Period : Wherein Their Remarkable Actions Or Sufferings, Their Virtues, Parts, and Learning are Accurately Displayed : with a Catalogue of Their Literary Productions, Volume 8 (1762), Mahomet, p.158 [google books]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • BURLOT, Joseph. A Civilização Islâmica.
  • HOURANI, Albert. Uma História dos Povos Árabes.
  • SALAM, Abdus. Islam, civilización y ciência, in: BALTA, P. (comp.) Islam: civilización y sociedades.
  • SOUSA, João Silva de. Religião e Direito no Alcorão.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre o Islamismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.