País em desenvolvimento

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Países em desenvolvimento)
Ir para: navegação, pesquisa
Classificações realizadas pelo FMI e ONU:
  Economias avançadas
  Economias emergentes
  Economias subdesenvolvidas
Mapa-múndi indicando o Índice de Desenvolvimento Humano (2013[1] ):
  Muito alto
  Alto
  Médio
  Baixo
  Sem dados

País em desenvolvimento ou país emergente são termos geralmente usados para descrever um país que possui um padrão de vida entre baixo e médio, uma base industrial em desenvolvimento e um Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) variando entre médio e elevado. A classificação de países é difícil, visto que não existe uma única definição internacionalmente reconhecida de país desenvolvido e os níveis de desenvolvimento, econômico e social, podem variar muito dentro do grupo dos países em desenvolvimento, sendo que alguns desses países possuem alto padrão de vida médio.[2]

Algumas organizações internacionais, como o Banco Mundial, usam classificações estritamente numéricas. O Banco Mundial considera todos os países com renda baixa e média como "em desenvolvimento". Na classificação mais recente, as economias foram divididas usando o produto nacional bruto per capita de 2008. Em 2008, os países com PIB per capita abaixo de US$ 11,905 e acima de US$ 900 foram classificados como em desenvolvimento.[3] Outras instituições utilizam definições menos específicas.

Os países com economias mais avançadas do que outras nações em desenvolvimento, mas que ainda não demonstraram sinais plenos de desenvolvimento, são agrupados sob a designação de países recentemente industrializados.[4] [5] [6] [7]

Definição[editar | editar código-fonte]

Kofi Annan, antigo Secretário-Geral das Nações Unidas, definiu um país desenvolvido como segue: "Um país desenvolvido é aquele que permite que todos os cidadãos desfrutem de uma vida livre e saudável em um ambiente seguro."[8] Mas, de acordo com o Divisão Estatística das Nações Unidas,

Não há nenhuma convenção estabelecida para a designação de países ou áreas "desenvolvidas" e/ou "em desenvolvimento" no sistema das Nações Unidas.[9]

E observa que

As designações "desenvolvido" e "em desenvolvimento" são destinadas a conveniência estatística e não necessariamente expressam um juízo sobre o estágio alcançado por um determinado país ou região no processo de desenvolvimento.[10]

A ONU também diz

Na prática comum, Japão na Ásia, Canadá e Estados Unidos na América do Norte, Austrália e Nova Zelândia na Oceania e a maioria dos países europeus são considerados áreas "desenvolvidas". Nas estatísticas do comércio internacional, o União Aduaneira da África Austral também é tratada como uma região desenvolvida e Israel como um país desenvolvido, os países emergentes da antiga Iugoslávia são tratados como países em desenvolvimento e os países da Europa Oriental e da Comunidade de Estados Independentes (código 172) na Europa não estão incluídos nem no grupo das regiões desenvolvidas e nem das em desenvolvimento.[9]

Segundo a classificação do Fundo Monetário Internacional de antes de abril de 2004, todos os países da Europa Oriental (incluindo países da Europa Central que ainda pertencem ao grupo da Europa Oriental nas instituições das Nações Unidas), bem como os países da antiga União Soviética (URSS), da Ásia Central (Cazaquistão, Uzbequistão, Quirguistão, Tadjiquistão e Turquemenistão) e a Mongólia, não foram incluídos em qualquer definição de "desenvolvidos" ou "em desenvolvimento", mas foram referidos como "países em transição", porém são agora amplamente considerados (nos relatórios internacionais) como "países em desenvolvimento". No século XXI, os originais quatro "tigres asiáticos"[11] (que são Hong Kong,[11] [12] Taiwan,[11] [12] Singapura[11] [12] e Coreia do Sul[11] [12] [13] [14] ) são consideradas áreas ou regiões "desenvolvidas", juntamente com Chipre,[12] República Checa,[12] Israel,[12] Malta,[12] Eslováquia[12] e Eslovênia.[12]

Medida e conceito de desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

Não existe um consenso, ao longo do tempo e entre as várias escolas de pensamento econômico, sobre a definição de desenvolvimento de um país.[15] Mas é comum o estabelecimento do grau de desenvolvimento de um país através da comparação de estatísticas como o PIB per capita que é equivocado, expectativa de vida, grau de alfabetização e etc. A ONU desenvolveu o IDH, um índice composto de vários parâmetros, que estabelece um indicador de desenvolvimento humano para os países onde os dados são disponíveis. Os países em desenvolvimento possuem valores baixos para esses indicadores em relação aos valores obtidos pelos países considerados desenvolvidos.

Os termos utilizados em discussões acerca do desenvolvimento dos países são muitos. A ONU adota o termo Least Developed Country (LDC), ou País menos desenvolvido[16] [17] . Em contra partida, o grupo de países desenvolvidos também é chamado de "países mais desenvolvidos economicamente", Primeiro Mundo ou países industrializados.

Existem alguns países que se encontram no limite dessas duas definições, notadamente o grupo conhecido como BRICS (Brasil, Rússia, Índia China e África do Sul). Esses países são industrializados e têm um grande peso econômico no cenário global, porém falham na distribuição equitativa de renda, fazendo com que haja pobreza e problemas estruturais. Em contrapartida, há países menos industrializados e de baixa projeção econômica mundial, mas que conseguem manter um certo nível de bem estar social. Esses países se encontram principalmente no Leste Europeu e no Cone Sul. [carece de fontes?]

Classificação[editar | editar código-fonte]

Com a classificação como países emergentes dos países antes considerados no Segundo Mundo podemos considerar duas tipologias.

Países emergentes economicamente[editar | editar código-fonte]

São países com uma economia muito forte ou forte, muitas vezes comparável com a economia de países do Primeiro Mundo, como é o caso do Brasil que é um país em desenvolvimento e que tem a sexta economia do globo, com um parque industrial complexo, e que tanto exporta maquinaria de ponta, quanto matéria-prima. Celso Furtado defendeu que o Brasil é um caso em que a industrialização se deu em condições de subdesenvolvimento.[18] A exportação de café e algodão de vulto motivou modernização de transportes, melhora das instalações mecânicas, além de industrias complementares que se desenvolveram no país: confecções,materiais de construção, embalagens e outras que na verdade não concorriam com as exportações.

Países emergentes socialmente[editar | editar código-fonte]

São países com uma sociedade comparável com a dos países do Primeiro Mundo, por vezes até melhor, que não têm ainda um impacto económico forte como os países emergentes economicamente[19] , mas que têm uma educação, saúde, saneamento, etc. desenvolvidas.

Equiparados aos países do Primeiro Mundo, estão mais perto deste que os países emergentes economicamente, que ainda têm sérios problemas sociais.

Lista do FMI[editar | editar código-fonte]

A seguir, são considerados os países emergentes e economias em desenvolvimento de acordo com o Fundo Monetário Internacional 's World Economic Outlook Report, abril de 2014. [20]

Países em desenvolvimento não listados pelo FMI[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD): Human Development Report 2014 (em inglês) (24 de julho de 2014). Página visitada em 25 de julho de 2014.
  2. Sullivan, Arthur; Steven M. Sheffrin. Economics: Principles in Action. Upper Saddle River, New Jersey 07458: Pearson Prentice Hall, 2003. 471 p. ISBN 0-13-063085-3
  3. Country Classification. World Bank. Página visitada em July 20, 2009.
  4. Paweł Bożyk. Globalization and the Transformation of Foreign Economic Policy. [S.l.]: Ashgate Publishing, Ltd, 2006. ISBN 0-75-464638-6
  5. Mauro F. Guillén. The Limits of Convergence. [S.l.]: Princeton University Press, 2003. ISBN 0-69-111633-4
  6. Waugh, David. Geography, An Integrated Approach. [S.l.]: Nelson Thornes Ltd., 3rd edition 2000. 563, 576–579, 633, and 640 p. ISBN 0-17-444706-X
  7. Mankiw, N. Gregory. Principles of Economics. [S.l.: s.n.], 4th Edition 2007. ISBN 0-32-422472-9
  8. http://www.unescap.org/unis/press/G_05_00.htm
  9. a b Composition of macro geographical (continental) regions, geographical sub-regions, and selected economic and other groupings (footnote C). Divisão Estatística das Nações Unidas (revisado em 17 de outubro de 2008). Página visitada em 30/12/2008.
  10. http://unstats.un.org/unsd/methods/m49/m49.htm
  11. a b c d e http://www.businesspme.com/uk/articles/economics/78/East-Asian-Tigers-.html
  12. a b c d e f g h i j IMF Advanced Economies List. World Economic Outlook, Database—WEO Groups and Aggregates Information, April 2009.
  13. http://travel.state.gov/travel/cis_pa_tw/cis/cis_1018.html
  14. http://www.ft.com/cms/s/0/98c62f1c-850f-11dd-b148-0000779fd18c.html
  15. UICIFD — How the Concept of Development Got Started, por Ricardo Conteras
  16. ONU — LDCs
  17. ONU — List of Least Developed Countries
  18. FURTADO,Celso- Análise do "Modelo" Brasileiro, Editora Civilização Brasileira, 7ª ed., 1982, Rio de Janeiro
  19. Por exemplo, se Singapura quebrasse, isso seria menos arrasador para a economia global do que se a China quebrasse.
  20. http://www.imf.org/external/pubs/ft/weo/2014/01/pdf/text.pdf
  21. a b c d World Economic Outlook, International Monetary Fund, April 2009, second paragraph, line 9-11.