Vitória do Reino Unido

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Rainha Vitória)
Ir para: navegação, pesquisa
Vitória
Rainha do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda
Imperatriz da Índia
Rainha do Reino Unido
Reinado 20 de junho de 1837
a 22 de janeiro de 1901
Coroação 28 de junho de 1838
Predecessor Guilherme IV
Sucessor Eduardo VII
Imperatriz da Índia
Reinado 1 de maio de 1876
a 22 de janeiro de 1901
Delhi Durbar 1 de janeiro de 1877
Sucessor Eduardo VII
Marido Alberto de Saxe-Coburgo-Gota
Descendência
Vitória, Princesa Real do Reino Unido
Eduardo VII do Reino Unido
Alice do Reino Unido
Alfredo, Duque de Saxe-Coburgo-Gota
Helena do Reino Unido
Luísa do Reino Unido
Artur, Duque de Connaught e Strathearn
Leopoldo, Duque de Albany
Beatriz do Reino Unido
Nome completo
Alexandrina Vitória
Casa Hanôver
Pai Eduardo, Duque de Kent e Strathearn
Mãe Vitória de Saxe-Coburgo-Saalfeld
Nascimento 24 de maio de 1819
Palácio de Kensington, Londres, Reino Unido
Morte 22 de janeiro de 1901 (81 anos)
Osborne House, Ilha de Wight, Reino Unido
Enterro 4 de Fevereiro de 1901
Frogmore, Windsor, Reino Unido
Religião Anglicana

Vitória (Londres, 24 de Maio de 1819East Cowes, 22 de Janeiro de 1901), oriunda da Casa de Hanôver, foi rainha do Reino Unido de 1837 até a morte, sucedendo ao tio, o rei Guilherme IV. A incorporação da Índia ao Império Britânico em 1877 conferiu a Vitória o título de Imperatriz da Índia.

Vitória era filha do príncipe Eduardo, Duque de Kent e Strathearn, o quarto filho do rei Jorge III. Tanto o Duque de Kent como o rei morreram em 1820, fazendo com que Vitória fosse criada sob a supervisão da sua mãe alemã, a princesa Vitória de Saxe-Coburgo-Saalfeld. Herdou o trono aos dezoito anos, depois de os três tios paternos terem morrido sem descendência legítima. O Reino Unido era já uma monarquia constitucional estabelecida, na qual o soberano tinha relativamente poucos poderes políticos directos. Em privado, Vitória tentou influenciar o governo e a nomeação de ministros. Em público tornou-se um ícone nacional e a figura que encarnava o modelo de valores rigorosos e moral pessoal.

Casou-se com o seu primo direito, o príncipe Alberto de Saxe-Coburgo-Gota, em 1840. Os seus nove filhos e vinte e seis dos seus quarenta e dois netos casaram-se com outros membros da realeza e famílias nobres por todo o continente europeu, unindo-as entre si, o que lhe valeu a alcunha de "a avó da Europa". Após a morte de Alberto em 1861, Vitória entrou num período de luto profundo durante o qual evitou aparecer em público. Como resultado do seu isolamento, o republicanismo ganhou força durante algum tempo, mas na segunda metade do seu reinado, a popularidade da rainha voltou a aumentar. Os seus jubileus de ouro e diamante foram muito celebrados pelo público.

O seu reinado de 63 anos e 7 meses foi o mais longo, até à data, da história do Reino Unido e ficou conhecido como a Era Vitoriana. Foi um período de mudança industrial, cultural, política, científica e militar no Reino Unido e ficou marcado pela expansão do Império Britânico. Vitória foi a última monarca da casa de Hanôver. O seu filho e sucessor, o rei Eduardo VII, pertencia à nova casa de Saxe-Coburgo-Gota.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Carlota de Gales.

Em 1817, a princesa Carlota de Gales morreu ao dar à luz um natimorto, causando uma crise de sucessão no Reino Unido.[1] Carlota era a única filha do Príncipe Regente (futuro Jorge IV, filho mais velho de Jorge III, que agia como regente devido à doença do pai) e da esposa renegada, Carolina de Brunsvique.[2] O nascimento fora tido como milagroso visto que alegadamente os pais não tiveram relações sexuais mais de três vezes durante o casamento, daí que o nascimento de um eventual outro filho do príncipe Jorge fosse, no mínimo, improvável.[3]

Assim, a linha directa de sucessão ao trono britânico foi subitamente extinta. Jorge III tinha 12 filhos, mas nenhum neto legítimo que pudesse herdar a coroa. As cinco filhas eram solteiras ou estéreis e nenhum dos filhos era casado, à excepção do segundo, Frederico, Duque de Iorque e Albany, que também não tinha filhos.[4]

Este acontecimento provocou uma "corrida" ao casamento por parte dos príncipes solteiros.[5] O terceiro filho, Guilherme, Duque de Clarence casou com a princesa Adelaide de Saxe-Meiningen. Deste matrimónio resultaram duas filhas, Carlota e Isabel, ambas mortas antes de completarem um ano,[6] e vários abortos espontâneos, o último de gémeos em 1821, depois do qual se tornou óbvio que não teriam mais filhos.[7]

O quarto filho do Jorge III, Eduardo, Duque de Kent e Strathearn casou por sua vez com Vitória de Saxe-Coburgo-Saalfeld, viúva do Duque de Leiningen e mãe de dois filhos, Carlos e Feodora, que era também irmã de Leopoldo de Saxe-Coburgo-Gota, viúvo da princesa Carlota Augusta. Deste casamento nasceu em 1819 uma menina, baptizada Alexandrina Vitória. Depois das sucessivas mortes das primas Clarence, do pai apenas alguns meses depois e já em 1830 de Jorge IV, Vitória tornou-se herdeira presumível do trono britânico.[5]

Nascimento e família[editar | editar código-fonte]

Vitória aos quatro anos de idade.

O pai de Vitória, o príncipe Eduardo, Duque de Kent e Strathearn, casou-se com a mãe dela, a princesa Vitória, no dia 30 de Maio de 1818, no Palácio de Ehrenburg, em Coburgo. Para que não houvesse dúvidas sobre a validade deste casamento, foi realizada uma segunda cerimónia, em Inglaterra, no Palácio de Kew, no dia 11 de Junho do mesmo ano, no mesmo dia em que o irmão mais velho, o príncipe Guilherme, se casou com a princesa Adelaide de Saxe-Meiningen.[5]

O pai da futura rainha já estava bastante endividado antes do casamento, mas depois a sua situação económica começou a agravar-se ainda mais. Como Eduardo discordava das visões políticas do seu irmão, o príncipe-regente, este recusou-se a ajudá-lo e, por isso, os pais de Vitória tiveram de deixar Inglaterra e passaram a viver na Alemanha.[5] Poucas semanas depois, Vitória soube que estava grávida e o duque percebeu imediatamente a importância que tinha o facto de a criança nascer em Inglaterra, por isso, com a ajuda de alguns amigos, conseguiu juntar dinheiro suficiente para a viagem quando a duquesa já estava grávida de sete meses. Chegaram ao seu destino no dia 24 de Abril de 1819 e instalaram-se no Palácio de Kensington.[5] Foi aí que a futura rainha Vitória nasceu, um mês depois, no dia 24 de Maio, às quatro e um quarto da manhã.[8]

Foi baptizada numa cerimónia privada no dia 24 de Julho pelo arcebispo da Cantuária, Charles Manners-Sutton, no salão da cúpula no Palácio de Kensington. Os seus padrinhos foram o czar Alexandre I da Rússia (representado na cerimónia pelo seu tio, o Duque de Iorque), o seu tio, o príncipe-regente, a sua tia, a rainha Carlota de Württemberg (representada pela princesa Augusta) e a avó materna de Vitória, a Duquesa-viúva de Saxe-Coburgo-Saalfeld (representada pela princesa Maria, Duquesa de Gloucester e Edimburgo). Os seus pais quiseram chamá-la Vitória Jorgina Alexandrina Carlota Augusta, mas o irmão mais velho do duque, o príncipe-regente, insistiu que três dos nomes desaparecessem. Então acabou por ser baptizada apenas de Alexandrina Vitória, em honra do czar Alexandre I e da sua mãe.[9]

Vitória estava no quinto lugar de sucessão ao trono, a seguir ao seu pai e aos seus três irmãos mais velhos.[10] O príncipe-regente estava separado da sua esposa e a esposa do Duque de Iorque, a princesa Frederica Carlota da Prússia, tinha cinquenta e dois anos, por isso não havia muitas hipóteses de os filhos mais velhos do rei terem herdeiros. Ambas as filhas nascidas ao Duque de Clarence (em 1819 e 1820) tinham morrido antes dos dois anos de idade. O avô e o pai de Vitória morreram em 1820, com apenas uma semana de diferença e o Duque de Iorque morreu em 1827. Após a morte do rei Jorge IV em 1830, Vitória tornou-se herdeira presumível do seu tio Guilherme IV do Reino Unido. O Acto de Regência de 1830 incluía uma clausula especial que tornava a duquesa de Kent, mãe de Vitória, regente caso Guilherme morresse antes de a princesa atingir a maioridade.[11] O rei Guilherme desconfiava da capacidade da duquesa em ser regente e, em 1836, declarou na sua presença que queria viver até ao 18.º aniversário de Vitória para que fosse evitada uma regência.[12]

Herdeira ao trono[editar | editar código-fonte]

Vitória em 1838.

Mais tarde na sua vida, Vitória descreveria a sua infância como "bastante melancólica".[13] A sua mãe era muito protectora e, por isso, Vitória teve uma educação isolada, longe de outras crianças da sua idade, seguindo o chamado "Sistema Kensington", um conjunto de regras e protocolos elaborados desenvolvido pela duquesa e o seu mordomo ambicioso e dominador, Sir John Conroy, que, segundo alguns rumores, possivelmente falsos, era amante da duquesa.[14] O sistema impedia-a de se encontrar com pessoas que a sua mãe e Conroy considerassem indesejáveis (um grupo que incluía grande parte da família do seu pai), e estava direccionado no sentido de a tornar fraca e dependente deles.[15] A duquesa evitava a corte pois chocava-se com o facto de esta ser frequentada pelos filhos ilegítimos do rei,[16] e talvez para mostrar a moralidade de Vitória insistindo que a sua filha evitasse qualquer forma de indecência sexual.[17] Vitória partilhava o quarto com a sua mãe, estudava com tutores privados seguindo um horário regular e passava as suas horas de lazer a brincar com as suas bonecas e um king charles spaniel chamado Dash.[18] Aprendeu francês, alemão, italiano e latim,[19] mas falava inglês em casa.[20]

Em 1830, a Duquesa de Kent e Conroy levaram Vitória até ao centro de Inglaterra para visitar Malvern Hills, parando em várias aldeias e grandes casas de campo pelo caminho.[21] Em 1832, 1833, 1834 e 1835 foram feitas viagens semelhantes. Para grande irritação do rei Guilherme, Vitória foi recebida com muito entusiasmo em todas as paragens.[22] Guilherme considerou que estas digressões reflectiam uma ambição de realeza e temia que as pessoas começassem a ver Vitória como sua rival em vez de a verem como sua herdeira.[23] Vitória não gostava destas viagens. A ronda constante de aparições públicas deixava-a cansada e doente e tinha pouco tempo para descansar.[24] A princesa acabaria por se opor a elas, argumentando que não agradavam ao rei, mas a sua mãe ignorou as suas queixas por ciumes e forçou a filha a continuar.[25] Enquanto estava em Ramsgate, em Outubro de 1835, Vitória apanhou uma febre grave, mas Conroy ignorou-a, afirmando que as suas queixas não passavam de fingimentos infantis.[26] Enquanto Vitória estava doente, Conroy e a duquesa tentaram fazer com que ela nomeasse Conroy como seu secretário privado, mas a princesa recusou.[27] Enquanto adolescente, Vitória resistiu a muitas tentativas persistentes por parte da sua mãe e Conroy para nomeá-lo para seu funcionário.[28] Quando se tornou rainha, acabou por bani-lo da sua presença, mas Conroy manteve-se na casa da sua mãe.[29]

A Rainha Vitória enquanto jovem.

Em 1836, o irmão da duquesa, Leopoldo, que se tinha tornado rei dos belgas em 1831, começou a fazer planos para casar a sua sobrinha Vitória com o seu sobrinho Alberto de Saxe-Coburgo-Gota.[30] Leopoldo, a mãe de Vitória e o pai de Alberto (o duque Ernesto I de Saxe-Coburgo-Gota) eram irmãos. Leopoldo convenceu a sua irmã a convidar os seus parentes de Coburgo para a visitarem em Maio de 1836, com o objectivo de apresentar Vitória a Alberto.[31] Contudo, Guilherme IV não aprovava nenhum tipo de união de membros da sua família com os Coburgos e teria preferido ver a sua sobrinha casada com o príncipe Alexandre dos Países Baixos, segundo filho do príncipe de Orange.[32] Vitória sabia dos vários planos de casamento e dava a sua opinião sobre a parada de príncipes elegíveis que lhe iam sendo apresentados.[33] Segundo o seu diário, Vitória sempre gostou da companhia de Alberto. No fim da visita, escreveu: "[Alberto] é extremamente bonito, o seu cabelo é da mesma cor do meu, os seus olhos são grandes e azuis e tem um lindo nariz e uma boca muito doce com bons dentes. Mas o charme do seu rosto é a sua expressão, que é muito agradável."[34] Por outro lado, achava Alexandre "muito simples".[35]

Vitória escreveu ao seu tio Leopoldo, que sempre considerou o seu "melhor e mais gentil conselheiro",[36] para lhe agradecer pela "expectativa de grande felicidade para a qual contribuiu na pessoa do querido Alberto (...) ele tem todas as qualidades que seriam desejáveis para me deixar perfeitamente feliz. É tão sensível, tão gentil, e tão bom e amoroso. Além do mais tem o exterior mais agradável e encantador que se pode ter."[37] Contudo, aos dezessete anos, apesar de estar interessada em Alberto, Vitória não estava pronta para se casar. Os dois lados não avançaram com um noivado formal, mas assumiram que a união iria acontecer a seu tempo.[38]

Primeiros anos de reinado[editar | editar código-fonte]

Vitória recebe a notícia da sua ascensão ao trono.

Vitória fez dezoito anos a 24 de maio de 1837, evitado-se assim uma regência. No dia 20 de junho de 1837, Guilherme IV morreu aos 71 anos de idade e Vitória tornou-se rainha do Reino Unido. No seu diário escreveu: "Fui acordada às seis da manhã pela mamã que me disse que o Arcebispo da Cantuária e Lorde Conyngham estavam aqui e queriam ver-me. Saí da cama e fui até à minha salinha-de-espera (vestida só com a minha camisa de dormir), sozinha, e vi-os. Lorde Conyngham informou-me depois que o meu pobre tio, o rei, já não existia, e tinha dado o seu último fôlego doze minutos depois das duas da manhã e, consequentemente, sou rainha."[39] Documentos oficiais do seu primeiro dia de reinado referiram-se a ela como Alexandrina Vitória, mas o primeiro nome foi retirado a pedido da rainha e não voltou a ser usado.[40]

Desde 1714 que o soberano da Grã-Bretanha tinha também partilhado o trono com o reino de Hanôver, na Alemanha, mas como este tinha em vigor uma lei sálica que impedia a sucessão de mulheres ao trono, Vitória não o pôde herdar, passando para o irmão mais novo do seu pai, o seu tio mal-visto, o Duque de Cumberland e Teviotdale, que se tornou no rei Ernesto Augusto I de Hanôver. Foi também ele o seu herdeiro presumível até ela se casar e ter um filho.[41]

Vitória na sua coroação.

Na altura em que sucedeu ao trono, o governo era liderado por um primeiro-ministro liberal, Lorde Melbourne, que se tornou numa forte influência para Vitória que não tinha experiência política e contava com ele para pedir conselhos.[42] Charles Greville achava que o viúvo Melbourne, que nunca tinha tido filhos, "gostava muito dela, como gostaria de uma filha se tivesse tido alguma", e é provável que Vitória também o visse como uma figura paternal.[43] A sua coroação aconteceu no dia 28 de Junho de 1838 e Vitória tornou-se na primeira soberana a residir no Palácio de Buckingham.[44] Herdou as propriedades dos ducados de Lencastre e Cornualha e passou a receber 385.000 libras por ano. Sendo prudente a nível financeiro, conseguiu pagar as dívidas do seu pai.[45]

No inicio do seu reinado, Vitória foi popular,[46] mas a sua reputação sofreu um duro golpe durante uma intriga da corte em 1839 quando a barriga de uma das damas-de-companhia da sua mãe, Lady Flora Hastings, começou a crescer anormalmente, causando rumores de que esta tinha engravidado, fora do casamento, de Sir John Conroy.[47] Vitória acreditou nos rumores.[48] Odiava Conroy e desprezava "aquela odiosa Lady Flora"[49] , uma vez que esta tinha conspirado com Conroy e a Duquesa de Kent no sistema Kensington.[50] A princípio, Lady Flora recusou submeter-se a um exame médico nua, mas em meados de Fevereiro finalmente cedeu e descobriu-se que ela ainda era virgem.[51] Conroy, a família Hastings e os conservadores organizaram uma campanha na imprensa afirmando que a rainha tinha ajudado a espalhar rumores falsos sobre Lady Flora.[52] Quando Lady Flora morreu em Julho, a autópsia revelou que ela tinha um grande tumor no fígado e tinha sido essa a causa do crescimento da barriga.[53] Em aparições públicas, Vitória era assobiada e chamada de "Mrs. Melbourne".[54]

Em 1839, Melbourne demitiu-se quando os radicais e os conservadores (Vitória odiava ambos os partidos) votaram contra uma lei que suspendia a constituição da Jamaica. A lei retirava poder político aos donos de plantações que estavam a resistir à abolição da escravatura.[55] A rainha deu ordens a um conservador, Sir Robert Peel, para formar um novo governo. Nesta altura era normal o primeiro-ministro nomear membros da casa real, que eram normalmente os seus aliados políticos e patrocinadores. Muitas das damas-de-quarto da rainha eram esposas de liberais e Peel esperava conseguir substitui-las por esposas de conservadores. Durante aquela que ficou conhecida como a crise do quarto, Vitória, aconselhada por Melbourne, foi contra a sua substituição. Peel recusou-se a governar com as restrições impostas pela rainha e acabou por se demitir, deixado que Melbourne voltasse ao seu antigo cargo.[56]

Casamento[editar | editar código-fonte]

Vitória por Sir Francis Grant.
Casamento da rainha Vitória com o príncipe Alberto.

Apesar de ser rainha, Vitória tinha de continuar a viver com a sua mãe com quem não se dava bem por causa do sistema Kensington e da sua dependência contínua em Conroy, simplesmente pelo facto de ser solteira.[57] A sua mãe vivia em aposentos afastados no Palácio de Buckingham e Vitória recusava-se a vê-la muitas vezes.[58] Quando a rainha se queixou a Melbourne, dizendo-lhe que a proximidade da mãe lhe tinha causado "tormento durante muitos anos", o primeiro-ministro simpatizou com ela, mas disse que tal podia ser evitado com um casamento, algo a que Vitória chamou de "uma alternativa chocante".[59] Estava interessada na educação que Alberto estava a receber para o preparar para o seu futuro papel como seu marido, mas resistiu a apressar o casamento.[60]

Vitória continuou a elogiar Alberto após a sua segunda visita a Inglaterra em Outubro de 1839. Alberto e Vitória gostavam um do outro e a rainha pediu-o em casamento no dia 15 de Outubro de 1839, apenas cinco dias depois da sua chegada a Windsor.[61] Casaram-se a 10 de Fevereiro de 1840, na Capela Real do Palácio de St. James, em Londres. Vitória estava completamente apaixonada. Passou a primeira noite de casamento de cama com uma dor de cabeça, mas escreveu no seu diário:

"NUNCA, NUNCA passei uma noite assim!!! O MEU QUERIDO, QUERIDO, QUERIDO Alberto (...) o seu grande amor e afecto fizeram-me sentir num paraíso de amor e felicidade que nunca pensei alguma vez sentir! Segurou-me nos seus braços e beijamo-nos uma e outra e outra vez! A sua beleza, a sua doçura e gentileza - como posso agradecer vezes suficientes ter um marido assim! (...) ser chamada por nomes ternurentos, que nunca me chamaram antes - foi uma bênção inacreditável! Oh! Este foi o dia mais feliz da minha vida!"[62]

Alberto tornou-se um conselheiro político importante, bem como o companheiro da rainha, substituindo Lorde Melbourne como a figura dominante e influente na primeira metade da sua vida.[63] A mãe de Vitória foi despejada do palácio e enviada para Ingestre House em Belgrave Square. Após a morte da princesa Augusta em 1840, a mãe de Vitória recebeu as casas de Clarence e Frogmore.[64] Com a ajuda de Alberto, a relação entre mãe e filha começou a melhorar aos poucos.[65]

Durante a primeira gravidez de Vitória em 1840, nos primeiros meses de casamento, Edward Oxford, então com dezoito anos, tentou assassiná-la quando estava numa carruagem com o príncipe Alberto a caminho da casa da mãe. Oxford disparou duas vezes, mas ambas as balas falharam o alvo. Foi julgado por alta traição e considerado culpado, mas foi depois libertado por se considerar que estava louco.[66] Depois do incidente, a popularidade de Vitória aumentou, fazendo com que a crise do quarto fosse esquecida.[67] A sua primeira filha, que também recebeu o nome Vitória, nasceu no dia 21 de Novembro de 1840. A rainha detestava estar grávida,[68] achava que a amamentação era repugnante,[69] e achava que os recém-nascidos eram feios.[70] Mesmo assim ainda viria a ter mais oito filhos com Alberto.

A casa de Vitória era maioritariamente governada por aquela que tinha sido a sua governanta durante a sua infância, a baronesa Louise Lehzen. Lehzen tinha tido uma grande influência em Vitória,[71] e tinha-a apoiado contra o sistema Kensington.[72] Contudo, Alberto achava que Lehzen era incompetente e que o seu desgoverno ameaçava a saúde da sua filha. Após uma zanga entre Vitória e Alberto por causa deste assunto, Lehzen foi reformada e a sua relação próxima com Vitória acabou.[73]

Hemofilia[editar | editar código-fonte]

Um dos filhos de Vitória, o segundo mais novo, Leopoldo, foi o primeiro descendente de Vitória a sofrer de hemofilia B e duas das suas cinco filhas, Alice e Beatriz, descobriram, depois de ter filhos, que eram portadoras do gene defeituoso. Os descendentes reais que sofriam da doença incluíam os seus bisnetos, o czarevich Alexei da Rússia, Afonso, príncipe das Astúrias, e o infante Gonçalo de Espanha.[74] A presença da doença nos descentes da rainha, mas não nos seus antepassado, levou a especulações nos dias de hoje, afirmando que o verdadeiro pai de Vitória não era o Duque de Kent, mas sim um hemofílico.[75] Não existe nenhuma prova documentada sobre a presença de hemofílicos na família da mãe de Vitória e como os homens apenas sofrem a doença, mas não a podem transmitir, essa teoria foi desvalorizada.[76] É mais provável que tenha havido uma mutação espontânea, visto que o pai de Vitória era já bastante velho quando a concebeu e a hemofilia aparece mais frequentemente em crianças nascidas de pais mais velhos.[77] Cerca de 30% dos casos de hemofilia aparecem por mutações espontâneas.[78]

1842-1860[editar | editar código-fonte]

Vitória em 1842.

No dia 29 de Maio de 1842 Vitória estava a andar de carruagem na zona de The Mall, em Londres, quando John Francis lhe apontou uma pistola, mas não disparou. No dia seguinte, Vitória foi pelo mesmo caminho, mas mais depressa e com mais segurança numa tentativa premeditada de provocar Francis a tentar disparar novamente e, assim, ser apanhado em flagrante. Tal como era esperado, Francis disparou, mas foi travado por um polícia vestido à paisana e condenado por alta traição. Em 3 de Julho, dois dias depois da sentença de morte de Francis ser mudada para transporte para uma das colónias inglesas para o resto da vida, outro homem, John William Bean, também apontou uma pistola à rainha, mas esta estava apenas carregada com papel e tabaco.[79] Oxford achou que estas tentativas tinham sido inspiradas pela sua experiência em 1840. Bean foi condenado a dezoito meses de prisão.[80] Em 1849 houve um ataque semelhante, desta fez executado pelo irlandês William Hamilton que disparou uma pistola carregada com pólvora contra a carruagem de Vitória quando esta passava por Constitution Hill, em Londres.[81] Em 1850 a rainha chegou mesmo a ser ferida quando foi atacada por Robert Pate, um antigo oficial do exército, possivelmente louco. Enquanto Vitória estava a andar de carruagem, Pate atingiu-a com a sua bengala, destruindo-lhe o chapéu e deixando-lhe negras na cara. Tanto Hamilton como Pate foram condenados a um transporte de sete anos para as colónias.[82]

O apoio que Melbourne tinha no parlamento enfraqueceu ao longo dos anos do reinado de Vitória e, nas eleições de 1841, os liberais saíram derrotados. Robert Peel tornou-se primeiro-ministro e as damas-de-quarto que estavam associadas a liberais foram substituídas.[83]

Em 1845 a Irlanda sofreu uma praga nas plantações de batata.[84] Nos quatro anos que se seguiram, mais de um milhão de irlandeses morreram e outro milhão emigrou num período que ficou conhecido como "A Grande Fome".[85] Na Irlanda, Vitória passou a ser chamada de "Rainha da Fome".[86] Vitória doou £2,000 para ajudar a aliviar a fome, uma quantia superior a qualquer outra doação feita na época por um só indivíduo,[87] e também apoiou o empréstimo Maynooth a um seminário católico na Irlanda, apesar da oposição por parte dos protestantes.[88] A história de que ela teria dado apenas £5 para ajudar os irlandeses e de que no mesmo dia tinha dado a mesma quantia a um abrigo para cães foi um mito que se gerou no final do século XIX.[89]

A primeira fotografia conhecida da rainha Vitória, tirada em 1844 com a sua filha mais velha.

Em 1846, o governo de Peel enfrentou uma crise que envolvia a revogação das leis dos grãos. Muitos conservadores opuseram-se à revogação, mas Peel e outros conservadores, a maioria dos liberais e a rainha apoiaram-na. Peel demitiu-se em 1846, após a revogação ter passado com maioria absoluta e foi substituído por Lorde John Russell.[90]

A nível internacional, Vitória centrou as suas atenções na melhoria das relações entre a França e o Reino Unido.[91] Visitou e recebeu muitas vezes a família real francesa, os Orleães, alguns dos quais eram parentes dos Coburgos por casamento. Em 1843 e 1845, Vitória e Alberto ficaram no Castelo d'Eu com o rei Luís Filipe I. Vitória foi a primeira monarca briânica a visitar um monarca francês desde o encontro no campo do pano de ouro em 1520.[92] Quando Luís Filipe retribuiu a visita em 1844, tornou-se no primeiro soberano francês a visitar um soberano britânico.[93] Luís Filipe foi deposto pelas revoluções de 1848 e foi para o exílio em Inglaterra.[94] No ponto mais alto da vaga revolucionária no Reino Unido em Abril de 1848, Vitória e a família trocaram Londres pela segurança de Osborne House,[95] uma propriedade privada na Ilha de Wight que a rainha tinha comprado em 1845 e renovado.[96] As manifestações por parte dos cartistas e dos nacionalistas irlandeses não conseguiram encontrar apoio a nível nacional e as perturbações morreram sem grandes problemas.[97] A primeira visita da rainha à Irlanda em 1849 foi um sucesso, mas não teve nenhum impacto duradouro no crescimento do nacionalismo irlandês.[98]

O governo de Russell, apesar de ser liberal, não agradava à rainha.[99] Ofendia-se particularmente com o secretário dos assuntos estrangeiros, Lorde Palmerston, que agia muitas vezes sem consultar o governo, o primeiro-ministro ou a rainha.[100] Vitória queixou-se a Russel de que Palmerston tinha enviado despachos oficiais para líderes estrangeiros sem o seu conhecimento, mas Palmerston ficou com o seu posto e continuou a agir por sua própria iniciativa, apesar das repetidas chamadas de atenção da rainha. Só viria a ser despedido em 1851, quando anunciou que o governo britânico apoiava o golpe de estado do presidente Luís-Napoleão Bonaparte na França sem consultar o primeiro-ministro.[101] No ano seguinte, Bonaparte foi declarado rei Napoleão III, numa altura em que a administração de Russell tinha já sido substituída pelo governo minoritário de curta duração liderado por Lorde Derby.

Em 1853, Vitória deu à luz o seu oitavo filho, Leopoldo, com a ajuda de um novo anestésico, o clorofórmio. Vitória ficou tão impressionada com o alívio que lhe deu da dor do parto que o voltou a usar em 1857, na altura do nascimento da sua última filha, Beatriz, apesar de membros do clero se terem oposto por considerarem que ia contra os ensinamentos da bíblia, assim como membros da classe médica que achavam o medicamento perigoso.[102] Vitória pode ter sofrido de depressão pós-parto depois de muitas das suas gravidezes.[103] Existem cartas escritas por Alberto para Vitória onde este se queixava da sua falta de auto-controlo. Por exemplo, cerca de um mês depois do nascimento de Leopoldo, Alberto queixou-se numa carta sobre a sua "histeria contínua" por causa de "um assunto sem importância".[104]

Vitória em 1860.

No inicio de 1855 o governo de Lorde Aberdeen, que tinha substituído o de Derby, foi criticado devido ao mau uso de tropas britânicas durante a Guerra da Crimeia e caiu. Vitória falou com Derby e Russell no sentido de formar um novo governo, mas nenhum dos dois teve apoio suficiente e Vitória foi forçada a nomear Palmerston como o seu novo primeiro-ministro.[105]

Napoleão III, que desde a Guerra da Crimeia se tinha tornado no maior aliado britânico,[106] visitou Londres em Abril de 1855 e, de 17 a 28 de Agosto do mesmo ano, Vitória e Alberto retribuíram a visita.[107] Napoleão encontrou-se com o casal em Dunquerque e acompanhou-os até Paris. Visitaram a Exposição Universal (uma sucessora da Grande Exposição organizada pelo príncipe Alberto em Londres em 1851) e a sepultura de Napoleão I em Les Invalides (na qual os seus restos mortais só tinham sido restituídos em 1840), e foram os convidados de honra de um baile com mil e duzentos convidados no Palácio de Versailles.[108]

No dia 14 de Janeiro de 1858 um refugiado italiano que vivia na Grã-Bretanha tentou assassinar Napoleão III com uma bomba feita em Inglaterra.[109] Isto causou uma crise diplomática que desestabilizou o governo e fez com que Palmerston se demitisse. Derby regressou a este posto.[110] Vitória e Alberto estiveram presentes na abertura de uma nova base no porto militar francês de Cherbourg no dia 5 de Agosto de 1858, numa tentativa por parte de Napoleão III de assegurar à Grã-Bretanha que as suas preparações militares estavam direccionadas para outro lugar. Quando regressou a Inglaterra, Vitória escreveu a Derby, reprimindo-o pelo fraco estado da marinha real em comparação com a francesa.[111]

Onze dias depois da tentativa de assassinato em França, a filha mais velha de Vitória casou-se com o príncipe Frederico Guilherme da Prússia em Londres. Os dois eram noivos desde 1855, quando a princesa real Vitória tinha apenas catorze anos. O casamento foi atrasado pela rainha e pelo príncipe Alberto até a noiva completar dezessete anos.[112] A rainha e o príncipe Alberto esperavam que a sua filha e genro fossem responsáveis pela liberalização do crescente reino prussiano.[113] Vitória sentiu "o coração doente" por ver a sua filha deixar Inglaterra para passar a viver na Alemanha. "Faz-me arrepiar", escreveu ela à filha numa das suas frequentes cartas, "quando olho para todas as tuas doces, felizes e inocentes irmãs e penso que vou ter de as deixar também - uma à uma."[114] Quase um ano depois, a princesa Vitória deu à luz o primeiro neto da rainha Vitória, o futuro kaiser Guilherme II da Alemanha.

Viuvez de Vitória[editar | editar código-fonte]

Vitória e Alberto em 1861, poucos meses antes da morte do príncipe-consorte.

Em Março de 1861 a mãe de Vitória morreu a seu lado. Quando leu os documentos deixados por ela, ela compreendeu que a sua mãe a tinha amado profundamente;[115] ficou destroçada e culpou Conroy e Lehzen por a terem afastado "maldosamente" da sua mãe.[116] Para distrair a esposa durante este período de sofrimento intenso,[117] Alberto substitui-a em grande parte dos seus deveres, apesar dele próprio estar doente com problemas crónicos no estômago.[118] Em Agosto, Vitória e Alberto visitaram o seu filho, o príncipe Eduardo de Gales, que estava a participar em manobras do exército em Dublin e passaram alguns dias em Killarney. Em Novembro, Alberto ficou a saber de rumores de que Eduardo teria dormido com uma actriz na Irlanda.[119] Horrorizado, Alberto foi até Cambridge, onde o seu filho estava a estudar, e confrontou-o.[120] Em Dezembro, Alberto estava muito mal.[121] William Jenner diagnosticou-o com febre tifóide e o príncipe morreu no dia 14 de Dezembro de 1861. Vitória ficou devastada.[122] Culpou o seu filho pela morte do marido. Disse que Alberto tinha sido "morto por causa daquele assunto horrível".[123] Entrou em luto e usou roupa preta pelo resto da vida. Evitou aparições públicas e raramente foi a Londres nos anos que se seguiram.[124] O seu isolamento fez com que passasse a ser chamada de "viúva de Windsor".[125]

O isolamento auto-imposto por Vitória do público fez com que a sua popularidade diminuísse e encorajou o crescimento do movimento republicano.[126] A rainha tratava dos seus assuntos de governo oficiais, mas escolheu ficar nas suas residências no Castelo de Windsor, Osborne House e a propriedade privada na Escócia, o Castelo de Balmoral, que tinha comprado com Alberto em 1847. Em Março de 1864, um protestante colocou um cartaz nas grades do Palácio de Buckingham que dizia: "esta propriedade está à venda em consequência da falência do negócio do seu antigo ocupante".[127] O seu tio Leopoldo escreveu-lhe para a aconselhar a aparecer em público. A rainha concordou em aparecer nos jardins da sociedade real de horticultura em Kensington e dar um passeio numa carruagem aberta por Londres.[128]

Ao longo da década de 1860 Vitória começou a depender de um criado escocês, John Brown.[129] Começaram a surgir rumores caluniosos de que os dois tinham uma relação e até de que se tinham casado em segredo e os jornais começaram a chamar a rainha de Mrs. Brown.[130] A história da sua relação foi o tema principal do filme Mrs. Brown, de 1997, onde a rainha foi interpretada por Judi Dench. Existe também um quadro de Edwin Landseer que mostra a rainha e Brown e se encontra em exposição na Royal Academy e Vitória publicou um livro, "Leaves from the Journal of Our Life in the Highlands", que fala muito de Brown e no qual a rainha elogiou muito o seu criado.[131]

Palmerston morreu em 1865 e, depois de um breve governo liderado por Russell, Derby voltou ao poder.[132] Em 1866, Vitória esteve presente na abertura do parlamento pela primeira vez desde a morte de Alberto.[133] No ano seguinte apoiou a aprovação da lei de reforma de 1867 que duplicava o número do eleitorado, estendendo o direito de voto a vários trabalhadores urbanos,[134] embora a rainha fosse contra o direito de voto para mulheres.[135] Derby demitiu-se em 1868, para ser substituído por Benjamin Disraeli que encantou a rainha. "Toda a gente gosta de elogios," disse ele, "e quando uma pessoa entra em contacto com a realeza, deve aplicá-los com uma pinça." [136] Cumprimentava-a sempre com a frase "we authors, Ma'am", e elogiava-a.[137] O governo de Disraeli durou apenas alguns meses e, no final do ano, o seu rival liberal, William Ewart Gladstone, foi nomeado primeiro-ministro. Vitória gostava muito menos dele e chegou-se mesmo a queixar que ele falava com ela como se fosse "uma reunião politica em vez de uma mulher." [138]

Em 1870 o sentimento republicano britânico teve um ponto alto, alimentado pelo isolamento de Vitória e pela criação da Terceira República Francesa.[139] Foi realizado um comício republicano em Trafalgar Square onde foi exigida a retirada de Vitória e vários membros radicais do governo discursaram contra ela.[140] Em Agosto e Setembro de 1871, a rainha esteve gravemente doente com um abcesso no braço, que Joseph Lister conseguiu tratar com sucesso graças ao seu novo spray de ácido carbólico anti-séptico.[141] Em finais de Novembro de 1871, no ponto mais alto do movimento republicano, o príncipe de Gales contraiu febre tifóide, a doença que tinha matado o seu pai, e Vitória temeu que o seu filho fosse morrer.[142] À medida que se aproximava o décimo aniversário da morte do seu marido, a saúde de Eduardo parecia não dar sinais de melhoria e a preocupação de Vitória continuou.[143] Para alegria de todos, Eduardo conseguiu sobreviver.[144] Mãe e filho estiveram presentes numa parada pública em Londres e um grande serviço de acção de graças na Catedral de São Paulo no dia 27 de Fevereiro de 1872 e o sentimento republicano começou a esmorecer.[145]

No último dia de Fevereiro de 1872, dois dias depois do serviço de acção de graças, Arthur O'Connor (sobrinho-neto de um deputado irlandês) apontou um pistola sem balas à carruagem aberta de Vitória quando esta estava a atravessar os portões do Palácio de Buckingham. Brown, que estava ao lado da rainha, agarrou-o e o rapaz foi condenado a doze meses de prisão.[146] Graças a este incidente, a popularidade da rainha aumentou ainda mais.[147]

Imperatriz da Índia[editar | editar código-fonte]

Vitória em 1897.

Após a revolta dos sipais, em 1857, a Companhia Britânica das Índias Orientais, que tinha vindo a governar grande parte da Índia, foi dissolvida e a possessões e protectorados britânicos no país foram incorporados formalmente no Império Britânico. A rainha tinha uma visão relativamente balançada sobre o conflito e condenou as atrocidades cometidas por ambos os lados.[148] Escreveu sobre o seu "sentimento de horror e arrependimento pelo resultado desta guerra civil sangrenta",[149] e insistiu, incentivada por Alberto, que devia ser anunciada uma proclamação oficial afirmando que a transferência de poder da companhia para o estado "devia mostrar um sentimento de generosidade, benevolência e tolerância religiosa".[150] Por ordem da rainha uma referência que ameaçava a "diminuição de religiões nativas e costumes" foi substituída por uma passagem que garantia a liberdade religiosa.[150]

Nas eleições de 1874, Disraeli voltou ao poder e o seu governo passou uma lei de regulação de culto público em 1874 que retirava os rituais católicos da liturgia anglicana, algo que Vitória apoiou.[151] A rainha preferia missas curtas e simples e gostava mais da doutrina da igreja presbiteriana escocesa do que inglesa. Também foi este primeiro-ministro que fez passar a lei que deu o título de Imperatriz da Índia a Vitória no dia 1 de Maio de 1876.[152] O novo título foi proclamado no Delhi Durbar no dia 1 de Janeiro de 1877.[153]

Em 14 de Dezembro de 1878, aniversário da morte de Alberto, a segunda filha de Vitória, a princesa Alice, que se tinha casado com o grão-duque Luís IV de Hesse, morreu de difteria em Darmstadt. Vitória achou que a coincidência das datas era "quase incrível e muito misteriosa".[154] Em Maio de 1879, tornou-se bisavó pela primeira vez aquando do nascimento da princesa Feodora de Saxe-Meiningen, filha da sua neta Carlota da Prússia, e completou o seu "pobre e triste 60.º aniversário". Sentia-se "velha" pela "perda da minha querida filha".[155]

Entre Abril de 1877 e Fevereiro de 1878, Vitória ameaçou que ia abdicar do trono cinco vezes quando estava a pressionar Disraeli a condenar a Rússia pelas suas acções na Guerra Russo-Turca, mas as suas ameaças não tiveram qualquer impacto nem acabaram com o Congresso de Berlim.[156] A política estrangeira expansionista de Disraeli, que Vitória apoiava, levou a conflitos como a Guerra Anglo-Zulu e a Segunda Guerra Anglo-Afegã. "Se quisermos manter a nossa posição como uma grande potência", escreveu a rainha, "temos de estar preparados para ataques e guerras, num lugar ou outro, CONTINUAMENTE." [155] Vitória via a expansão do Império Britânico como civilizacional e beneficial, protegendo os povos nativos das potências mais agressivas ou de governantes cruéis: "Não é nosso costume anexar países," disse ela, "a não ser que sejamos obrigados e forçados a fazê-lo." [157] Para desalento de Vitória, Disraeli perdeu as eleições de 1880 e Gladstone voltou ao poder como primeiro-ministro.[158] Quando Disraeli morreu no ano seguinte, Vitória chorou e mandou erguer uma placa na sua sepultura dizendo: "colocada pela sua muito grata soberana e amiga, Vitória R.I." [159]

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Vitória a cavalo com o seu criado John Brown.

No dia 2 de Março de 1882 Roderick Maclean, um poeta reconhecido que teria ficado ofendido por Vitória se ter recusado a receber um dos seus poemas,[160] disparou contra a rainha quando a sua carruagem estava a deixar a estação de comboios de Windsor. Dois estudantes de Eton College bateram-lhe com os seus guarda-chuvas até o poeta ser detido pela polícia.[161] Vitória ficou furiosa quando Maclean foi ilibado por insanidade,[162] mas ficou tão feliz com as demonstrações de lealdade depois do ataque que disse que "valeu a pena ser alvejada só para ver como uma pessoa é amada".[163]

Em 17 de Março de 1883 Vitória caiu alguns degraus em Windsor, o que a deixou presa a uma cadeira-de-rodas até Julho. A rainha nunca recuperou completamente desta queda e sofreu de reumatismo até ao fim da sua vida.[164] John Brown morreu dez dias depois do acidente e, para consternação do seu secretário privado, Sir Henry Ponsonby, a rainha começou a trabalhar numa biografia laudatória do seu fiel criado.[165] Ponsonby e Randall Davidson, decano de Windsor, que tinham visto os primeiros esboços, aconselharam Vitória a não publicar o trabalho, afirmando que iria causar rumores de que os dois tinham tido um caso amoroso.[166] O manuscrito foi destruído.[167] No inicio de 1884 Vitória publicou o livro "More Leaves from a Journal of a Life in the Highlands", uma sequela do seu primeiro livro, que dedicou ao seu "criado pessoal devoto e fiel amigo, John Brown".[168] Um dia depois do primeiro aniversário da morte de Brown, Vitória soube através de um telegrama que o seu filho mais novo, Leopoldo, tinha morrido em Cannes, vitima de um ataque de hemofilia. Vitória lamentou a morte daquele que era "o mais querido dos meus filhos".[169] No mês seguinte, a filha mais nova de Vitória, Beatriz, conheceu e apaixonou-se pelo príncipe Henrique de Battenberg no casamento da sua sobrinha, a princesa Vitória de Hesse e do Reno, com o irmão mais velho de Henrique, Luís de Battenberg. Beatriz e Henrique queriam casar-se, mas a princípio Vitória foi contra a união, uma vez que queria manter Beatriz em casa para lhe fazer companhia. Um ano depois acabou por ser derrotada e Henrique e Beatriz prometeram que continuariam a viver por perto e a fazer-lhe companhia.[170]

Vitória ficou feliz quando Gladstone se demitiu em 1885, depois do seu orçamento ser derrotado.[171] A rainha achava que o seu governo tinha sido "o pior que alguma vez tive", e culpava o antigo primeiro-ministro pela morte do general Gordon em Cartum.[172] Gladstone foi substituído por Lorde Salisbury. No entanto, o governo deste durou apenas alguns meses e Vitória foi obrigada a chamar novamente Gladstone a quem se referia como sendo "meio maluco e, na verdade, não passa de um homenzinho ridiculo de muitas maneiras." [173] Gladstone tentou fazer passar uma lei que dava à Irlanda um governo próprio, mas, para alegria de Vitória, esta foi reprovada.[174] Nas eleições seguintes, o governo de Gladstone perdeu para o de Salisbury e o poder voltou a mudar de mãos.[175]

Jubileu de ouro[editar | editar código-fonte]

Vitória no seu Jubileu de Ouro.

Em 1887 o Império Britânico celebrou o Jubileu de Ouro do reinado de Vitória. A rainha marcou o 50.º aniversário da sua subida ao trono no dia 20 de Junho com um banquete no qual estiveram presentes cinquenta reis e príncipes. No dia seguinte participou numa procissão que, nas palavras de Mark Twain, "se estendia além do limite da visão de ambos os lados" e esteve presente numa missa de acção de graças na Abadia de Westminster.[176] Nesta altura, Vitória era novamente extremamente popular.[177] Dois dias depois, no dia 23 de Junho,[178] contratrou dois indianos muçulmanos para serem seus criados. Um deles, Abdul Karim, foi promovido pouco depois a "Munshi": ensinou à rainha Hindi-Urdu e agiu como seu escrituário.[179] A família e os criados da rainha ficaram horrorizados, acusando Abdul Karim de ser um espião da Liga Patriótica Muçulmana e tentaram colocar a rainha contra hindus.[180] Equerry Frederick Ponsonby (filho de Sir Henry, o secretário da rainha), descobriu que Karim tinha mentido sobre os seus pais e disse a Lorde Elgin, vice-rei da Índia, "o indiano ocupa a mesma posição que ocupava John Brown." [181] Vitória ignorou as queixas, considerando que não passavam de racismo.[182] Abdul Karim ficou com a rainha até à sua morte, sendo depois enviado de volta para a Índia com uma pensão.[183]

A filha mais velha de Vitória tornou-se imperatriz-consorte da Alemanha em 1888, mas ficou viúva menos de três meses depois e o seu neto, Guilherme, tornou-se imperador da Alemanha com o nome Guilherme II. Com o reinado de Guilherme, as esperanças de Vitória e Alberto para a liberalização da Alemanha não foram cumpridas, visto que este acreditava na autocracia. Vitória achava que o seu neto tinha "pouco coração ou Zartgefühl (tacto) e (...) a sua consciência e inteligência foram completamente deformadas." [184]

Gladstone regressou ao poder, com mais de oitenta e dois anos de idade, após as eleições de 1892. Vitória foi contra a decisão deste de nomear o deputado radical Henry Labouchere para o governo e, por isso, Gladstone não o fez.[185] Em 1894, Gladstone reformou-se e, sem consultar o primeiro-ministro de saída, Vitória nomeou Lorde Rosebery como seu substituto.[186] O seu governo foi fraco e no ano seguinte foi substituído por Lorde Salisbury. Salisbury foi o seu último primeiro-ministro e manteve-se em funções até à morte desta.[187]

Jubileu de diamante[editar | editar código-fonte]

No dia 23 de Setembro de 1896, Vitória ultrapassou o seu avô, Jorge III, como o monarca que reinara por mais tempo na história do Reino Unido. A rainha pediu que as celebrações fossem adiadas até 1897 para coicidirem com o seu Jubileu de Diamante,[188] para o qual foi feito um festival do Império Britânico, uma sugestão dada pelo secretário colonial Joseph Chamberlain.[189]

Todos os primeiros-ministros de todas as colónias com governo próprio foram convidados e a procissão do Jubileu de Diamante que percorreu Londres incluiu tropas de todo o império. A parada fez uma pausa para uma missa ao ar-livre de acção de graças que aconteceu junto à Catedral de São Paulo, durante o qual Vitória ficou sentada na sua carruagem aberta. A celebração ficou marcada por grandes demonstrações de afecto à rainha septuagenária.[190]

Vitória visitava o continente muitas vezes para as suas férias. Em 1889, quando estava em Biarritz, na França, tornou-se na primeira rainha reinante do Reino Unido a visitar a Espanha quando atravessou a fronteira para uma breve visita.[191] Em Abril de 1900, a Segunda Guerra dos Bôeres estava a ser tão mal-recebida pelo continente europeu que a sua viagem anual a França foi desaconselhada. Em vez disso, Vitória foi até a Irlanda pela primeira vez desde 1861, em parte para agradecer a contribuição dos regimentos irlandeses na África do Sul.[192] Em Julho, o seu segundo filho, Alfredo, morreu: "Meu Deus! O meu querido e pobre Affie também morreu", escreveu ela no seu diário. "É um ano horrível, não acontece mais nada a não ser tristeza e horrores de uma maneira ou de outra." [193]

Morte e sucessão[editar | editar código-fonte]

Rainha Vitória por Melville.

Seguindo um costume que manteve ao longo de sua viuvez, Vitória passou o Natal de 1900 na Osborne House, na Ilha de Wight. O reumatismo nas suas pernas impedia-a de andar e a sua visão estava muito afectada por cataratas.[194] Ao longo do inicio de Janeiro, sentia-se "fraca e mal",[195] e em meados do mês escreveu no seu diário para dizer que se sentia "sonolenta (...) tonta [e] confusa".[196] Morreu lá, devido à degradação da sua saúde, na terça-feira, dia 22 de Janeiro de 1901, às seis e meia da noite, com 81 anos de idade. No leito da sua morte, ela estava acompanhada de seu filho, o futuro rei Eduardo VII, e seu neto mais velho, o imperador alemão Guilherme II.[197]

Em 1897, Vitória tinha escrito as instruções para o seu funeral, que queria que fosse militar, já que ela era filha de um soldado e chefe do exército,[198] e a cor dominante seria o branco e não o preto.[199] No dia 25 de Janeiro, o rei Eduardo VII, o kaiser Guilherme II e o príncipe Artur, Duque de Connaught, ajudaram a levar o caixão.[200] A rainha estava vestida de branco e com o seu véu de casamento.[201] A seu pedido foram também colocadas várias fotografias e objectos da sua numerosa família e criados no caixão pelo médico e pelas criadas que a vestiram. Uma das camisas de dormir de Alberto foi colocada a seu lado, juntamente com um molde de gesso da sua mão e uma fotografia e madeixa de cabelo de John Brown foram escondidos do lado esquerdo, debaixo de um ramo de flores.[202] Várias jóias foram enterradas com Vitória, incluindo a aliança da mãe de John Brown que este lhe tinha dado em 1883.[198] O seu funeral realizou-se no Sábado, dia 2 de Fevereiro de 1901, na Capela de São Jorge, no Castelo de Windsor e, depois de dois dias de velório, foi enterrada junto de Alberto no Mausoléu de Frogmore, no Grande Parque de Windsor.[203] No momento do enterro, começou a nevar.[204]

Vitória já reinava há 63 anos, sete meses e dois dias, o mais longo reinado de uma monarca britânico até então, tendo ultrapassado o seu avô, Jorge III. A morte de Vitória pôs fim ao poder da Casa de Hanôver no Reino Unido. Como o marido dela pertencia à Casa de Saxe-Coburgo-Gota, seu filho e herdeiro Eduardo VII foi o primeiro monarca britânico desta nova casa.[205]

Legado[editar | editar código-fonte]

Victoria Memorial em Londres.

Segundo seu biógrafo Giles St. Aubyn, Vitória escreveu uma média de 2500 palavras por dia durante sua vida adulta.[206] Desde Julho de 1832 até pouco antes da sua morte, escreveu em diários frequentemente, reunindo um total de 122 volumes.[207] Depois da morte de Vitória, sua filha Beatriz foi nomeada sua executora literária. A filha mais nova da rainha transcreveu e editou os diários a partir da sua ascensão ao trono e queimou os originais no processo.[208] Apesar desta destruição, muitos dos diários ainda existem. Além da cópia editada de Beatriz, Lorde Esher transcreveu dois volumes de 1832 a 1861 antes de Beatriz os destruir.[209] Parte da extensa correspondência de Vitória foi publicada em vários volumes de diferentes autores.[210]

Vitória era fisicamente desproporcional - era corpulenta, deselegante e não tinha mais de metro e meio, mas teve sucesso em projectar uma grande imagem.[211] Foi pouco popular durante os primeiros anos da sua viuvez, mas foi muito amada durante as décadas de 1880 e 1890, quando representou em si a figura do império como uma figura matriarcal benevolente.[212] Só depois dos seus diários e cartas serem revelados ao público é que a sua verdadeira influência política foi conhecida.[213] Biografias da rainha escritas antes deste material ser revelado, tal como a de Lytton Strachey, de 1921, são consideradas ultrapassadas.[214] As muitas biografias publicadas até hoje concluem que Vitória era emocional, obstinada, honesta e frontal.[215]

Ao longo do reinado de Vitória, o estabelecimento gradual de uma monarquia constitucional moderna na Grã-Bretanha continuou. As reformas no sistema de votos aumentou o poder do parlamento, prejudicando nobres e a monarquia.[216] Em 1867, Walter Bagehot escreveu que o monarca apenas mantinha "o direito de ser consultado, o direito de encorajar e o direito de avisar." [217] À medida que a monarquia de Vitória se tornava mais simbólica que política, começou a dar cada vez mais importância à moralidade e aos valores familiares, ao contrário dos escândalos sexuais, financeiros e pessoais que tinham sido associados com os membros anteriores da Casa de Hanôver, que tinham desacreditado a monarquia. O conceito de "monarquia familiar", com o qual as classes médias se podiam identificar, foi fortalecido.[218]

Os laços que Vitória tinha com as famílias reais europeias valeram-lhe a alcunha de "a avó da Europa".[219] Vitória e Alberto tiveram quarenta e dois netos. Os seus descendentes incluem a rainha Isabel II, o príncipe Filipe, o rei Haroldo V da Noruega, o rei Carlos XVI Gustavo da Suécia, a rainha Margarida II da Dinamarca, o rei Juan Carlos de Espanha e sua esposa Sofia.

Cultura popular[editar | editar código-fonte]

A rainha Vitória foi já retratada em vários filmes, livros, revistas e outras publicações. O primeiro filme de sucesso sobre Vitória foi Victoria, the Great, realizado e produzido por Herbert Wilcox, tinha como actriz principal a britânica Anna Neagle. O filme estreou em 1937, ano de coroação do bisneto de Vitória, o rei Jorge VI, e serviu para comemorar o centenário da coroação da rainha em 1837. Teve tanto sucesso que, no ano seguinte, estreou a sua sequela, intitulada Sixty Glorious Years.[220]

Outro filme de grande sucesso sobre a vida de Vitória estreou em 1950, The Mudlark, tinha Irene Dunne como protagonista e era uma versão alternativa aos anos de luto da rainha.[221] Em 1997, Judi Dench e Billy Connolly protagonizaram o filme Mrs. Brown sobre a relação da rainha com o seu criado escocês, John Brown. O filme foi muito aclamado pela critica e valeu uma nomeação para o Óscar de Melhor Actriz a Dench.[222] Em 2001 a BBC estreou uma série de dois episódios intitulada Victoria & Albert, protagonizada por Victoria Hamilton e Jonathan Firth (irmão do actor Colin Firth) que retratava a vida de Vitória desde a sua infância até à morte de Alberto em 1861.[223]

Mais recentemente, em 2009, Emily Blunt e Rupert Friend protagonizaram o filme The Young Victoria, uma versão romantizada da vida do casal real que foi bem recebida pela crítica e recebeu várias nomeações para os Óscares e para os Globos de Ouro, incluindo Melhor Actriz Dramática (nos Globos de Ouro) para Emily Blunt, Melhor Direcção Artística, Maquilhagem e Guarda-roupa, conquistando o Óscar nesta categoria.[224]

O grupo de humor britânico, Monty Python, utilizou a figura da rainha Vitória em vários dos seus sketches, incluindo The Queen Victoria Sketch, no qual a rainha e o seu primeiro-ministro, Lorde Gladstone pregam várias partidas um ao outro numa espécie de filme mudo, Queen Victoria Handicap, uma corrida de cães em que estes são substituídos por rainhas vitórias ou The Queen, onde Michael Palin interpreta uma rainha que fala com sotaque alemão, tem dificuldades em expressar-se em inglês e leva o caixão do marido para todo o lado. A rainha também foi utilizada pelo ator Rowan Atkinson no especial de Natal da série "Blackadder", intitulado "Blackadder's Christmas Carol", transmitido a 23 de Dezembro de 1988. Neste episódio, inspirado no livro "Um Conto de Natal" de Charles Dickens, Vitória, interpretada por Miriam Margolyes, e o príncipe Alberto, interpretado por Jim Broadbent, tentam recompensar Blackadder pelas suas boas ações.[225]

Títulos, estilos e brasões[editar | editar código-fonte]

Estilo real de tratamento de
Vitória do Reino Unido
Estilo real Sua Majestade
Estilo alternativo Sua Majestade Britânica
Estilo imperial e real de tratamento de
Vitória do Reino Unido
Estilo imperial Sua Majestade Imperial
Estilo real Sua Majestade
Estilo alternativo Sua Majestade Britânica

Títulos e estilos[editar | editar código-fonte]

  • 24 de maio de 1819 – 20 de junho de 1837: "Sua Alteza Real, a Princesa Alexandrina Vitória de Kent"
  • 20 de junho de 1837 – 22 de janeiro de 1901: "Sua Majestade, a Rainha"

Ao final de seu reinado, seu título e estilo completo como rainha era: "Vitória, pela Graça de Deus, do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda, Rainha, Defensora da Fé, Imperatriz da Índia".[226]

Brasões[editar | editar código-fonte]

Como princesa, Vitória não tinha nenhum brasão. Como soberana, usava o real brasão de armas do Reino Unido: esquatrelado, I e IV goles, três leões passant guardant or em pala (pela Inglaterra); II or, um leão rampant dentro de um treassure flory-contra-flory goles (pela Escócia); III Azure, uma harpa or com cordas argente (pela Irlanda). Na Escócia, os quarteis I e IV eram ocupados pelo leão escocês, e o quartel II pelos leões ingleses. Os timbres, lemas e suportes também eram diferentes na Escócia.[227]

Descendência[editar | editar código-fonte]

A família de Vitória e Alberto em 1846 por Franz Xaver Winterhalter. Da esquerda para a direita: o príncipe Alfredo e o Príncipe de Gales; a rainha Vitória e o príncipe Alberto; as princesas Alice, Helena e a Princesa Real.
  Nome Nascimento Morte Consorte (datas de nascimento e morte) filhos [228]
Vicky.jpg Vitória do Reino Unido 182021 de Novembro de
1840
19015 de Agosto de
1901
Casada em 1858 (25 de Janeiro),
Frederico III da Alemanha (1831–1888),
com descendência
(Guilherme II da Alemanha, Carlota,
Henrique, Segismundo,
Vitória, Waldemar,
Sofia da Grécia e Margarida)
Prince of Wales00.jpg Eduardo VII 18419 de Novembro de
1841
19106 de Maio de
1910
Casado em 1863 (10 de Março),
Alexandra da Dinamarca (1844–1925);
com descendência
(Alberto Vitor, Jorge V,
Luísa, Vitória Alexandra,
Maud da Noruega e Alexandre João)
Alice do reino unido.jpg Alice do Reino Unido 184325 de Abril de
1843
187814 de Dezembro de
1878
Casada em 1862 (1 de Julho),
Luís IV, Grão-duque de Hesse;
com descendência
(Vitória, Isabel,
Irene, Ernesto,
Frederico, Alexandra Feodorovna e
Maria)
AlfredEdimbourg.jpg Alfredo de Saxe-Coburgo-Gota 18446 de Agosto de
1844
190031 de Julho de
1900
Casado em 1874 (23 de Janeiro),
Maria Alexandrovna da Rússia;
com descendência
(Alfredo, Maria da Romênia,
Vitória, Alexandra e
Beatriz )
HelenaSaxeCobourgGotha.jpg Helena do Reino Unido 184625 de Maio de
1846
19239 de Junho de
1923
Casada em 1866 (5 de Julho),
Cristiano de Schleswig-Holstein;
com descendência
(Cristiano Victor, Alberto,
Helena, Maria Luísa e
Haroldo)
Princess Louise Downey copy.jpg Luísa do Reino Unido 184818 de Março de
1848
19393 de Dezembro de
1939
Casada em 1871 (21 de Março),
John Campbell, 9.° Duque de Argyll;
sem descendência
ArthurDkCnnght.jpg Artur do Reino Unido 18501 de Maio de
1850
194216 de Janeiro de
1942
Casado em 1879 (13 de Março),
Luísa Margarida da Prússia (1860–1917);
com descendência
(Margarida, Artur e Patrícia).
Prince Leopold (edited).jpg Leopoldo do Reino Unido 18537 de Abril de
1853
188428 de Março
1884
Casado em 1882 (27 de Abril),
Helena de Waldeck-Pyrmont;
com descendência
(Alice e Carlos Eduardo).
Princess Beatrice Downey.jpg Beatriz do Reino Unido 185714 de Abril de
1857
1944 26 de Outubro de
1944
Casada em 1885 (23 de Julho),
Henrique de Battenberg;
com descendência
(Alexandre, Vitória da Espanha,
Leopoldo e Maurício).

Ancestrais[editar | editar código-fonte]

Notas e referências

  1. Dulcie M. Ashdown, Victoria and the Coburgs (Londres, U.K.: Robert Hale, 1981), pág. 38.
  2. Hugh Montgomery-Massingberd (editor), Burke's Royal Families of the World, Volume 1: Europe & Latin America (Londres, U.K.: Burke's Peerage Ltd, 1977), pág. 40
  3. Williams, Kate (2008). Becoming Queen Victoria. Nova York: Ballantine Books. ISBN 978-0-345-46195-7. pág. 24
  4. Alison Weir, Britain's Royal Family: A Complete Genealogy (Londres, U.K.: The Bodley Head, 1999), pág. 286.
  5. a b c d e Van Der Kiste, John, Childhood at Court 1819-1914, Sutton Publishing, 1995, pág. 2
  6. Alison Weir, Britain's Royal Family: A Complete Genealogy (Londres, U.K.: The Bodley Head, 1999), pág. 302.
  7. Ziegler, Philip (1971). King William IV. London: Collins. ISBN 0-00-211934-X, pp.126–127
  8. Hibbert, pp. 3–12; Strachey, pp. 1–17; Woodham-Smith, pp. 15–29
  9. Hibbert, pp. 12–13; Woodham-Smith, pp. 34–35
  10. Longford, p. 24
  11. Hibbert, p. 31; St Aubyn, p. 26; Woodham-Smith, p. 81
  12. Hibbert, p. 46; Longford, p. 54; St Aubyn, p. 50; Waller, p. 344; Woodham-Smith, p. 126
  13. Hibbert, p. 19; Marshall, p. 25
  14. Hibbert, p. 27; Longford, pp. 35–38, 118–119; St Aubyn, pp. 21–22; Woodham-Smith, pp. 70–72
  15. Hibbert, pp. 27–28; Waller, pp. 341–342; Woodham-Smith, pp. 63–65
  16. Hibbert, pp. 32–33; Longford, pp. 38–39, 55; Marshall, p. 19
  17. Lacey, Robert (2006) Great Tales from English History, Volume 3, Londres: Little, Brown, and Company, ISBN 0-316-11459-6, pp. 133–136
  18. Waller, pp. 338–341; Woodham-Smith, pp. 68–69, 91
  19. Hibbert, p. 18; Longford, p. 31; Woodham-Smith, pp. 74–75
  20. Longford, p. 31; Woodham-Smith, p. 75
  21. Hibbert, pp. 34–35
  22. Hibbert, pp. 35–39; Woodham-Smith, pp. 88–89, 102
  23. Hibbert, p. 36; Woodham-Smith, pp. 89–90
  24. Hibbert, pp. 35–40; Woodham-Smith, pp. 92, 102
  25. Hibbert, pp. 38–39; Longford, p. 47; Woodham-Smith, pp. 101–102
  26. Hibbert, p. 42; Woodham-Smith, p. 105
  27. Hibbert, p. 42; Longford, pp. 47–48; Marshall, p. 21
  28. Hibbert, pp. 42, 50; Woodham-Smith, p. 135
  29. Marshall, p. 46; St Aubyn, p. 67; Waller, p. 353
  30. Longford, pp. 29, 51; Waller, p. 363; Weintraub, pp. 43–49
  31. Longford, p. 51; Weintraub, pp. 43–49
  32. Longford, pp. 51–52; St Aubyn, p. 43; Weintraub, pp. 43–49; Woodham-Smith, p. 117
  33. Weintraub, pp. 43–49
  34. Weintraub, p. 49 and Marshall, p. 27
  35. Hibbert, p. 99; St Aubyn, p. 43; Weintraub, p. 49 and Woodham-Smith, p. 119
  36. St Aubyn, p. 36 and Woodham-Smith, p. 104
  37. Hibbert, p. 102; Marshall, p. 60; Waller, p. 363; Weintraub, p. 51; Woodham-Smith, p. 122
  38. Waller, pp. 363–364; Weintraub, pp. 53, 58, 64, and 65
  39. St Aubyn, pp. 55–57; Woodham-Smith, p. 138
  40. Woodham-Smith, p. 140
  41. Packard, pp. 14–15
  42. Hibbert, pp. 66–69; St Aubyn, p. 76; Woodham-Smith, pp. 143–147
  43. Greville citado em Hibbert, p. 67; Longford, p. 70 and Woodham-Smith, p. 143–144
  44. St Aubyn, p. 69; Waller, p. 353
  45. Hibbert, p. 58; Longford, pp. 73–74; Woodham-Smith, p. 152
  46. Marshall, p. 42; St Aubyn, pp. 63, 96
  47. Marshall, p. 47; Waller, p. 356; Woodham-Smith, pp. 164–166
  48. Hibbert, pp. 77–78; Longford, p. 97; St Aubyn, p. 97; Waller, p. 357; Woodham-Smith, p. 164
  49. Woodham-Smith, p. 162
  50. St Aubyn, p. 96; Woodham-Smith, pp. 162, 165
  51. Hibbert, p. 79; Longford, p. 98; St Aubyn, p. 99; Woodham-Smith, p. 167
  52. Hibbert, pp. 80–81; Longford, pp. 102–103; St Aubyn, pp. 101–102
  53. Longford, p. 122; Marshall, p. 57; St Aubyn, p. 104; Woodham-Smith, p. 180
  54. Hibbert, p. 83; Longford, pp. 120–121; Marshall, p. 57; St Aubyn, p. 105; Waller, p. 358
  55. St Aubyn, p. 107; Woodham-Smith, p. 169
  56. Hibbert, pp. 94–96; Marshall, pp. 53–57; St Aubyn, pp. 109–112; Waller, pp. 359–361; Woodham-Smith, pp. 170–174
  57. Longford, p. 84; Marshall, p. 52
  58. Longford, p. 72; Waller, p. 353
  59. Woodham-Smith, p. 175
  60. Hibbert, pp. 103–104; Marshall, pp. 60–66; Weintraub, p. 62
  61. Hibbert, pp. 107–110; St Aubyn, pp. 129–132; Weintraub, pp. 77–81; Woodham-Smith, pp. 182–184, 187
  62. Hibbert, p. 123; Longford, p. 143; Woodham-Smith, p. 205
  63. St Aubyn, p. 151
  64. Hibbert, p. 265, Woodham-Smith, p. 256
  65. Marshall, p. 152; St Aubyn, pp. 174–175; Woodham-Smith, p. 412
  66. Hibbert, pp. 421–422; St Aubyn, pp. 160–161
  67. Woodham-Smith, p. 213
  68. Hibbert, pp. 130; Longford, p. 154; Marshall, p. 122; St Aubyn, p. 159; Woodham-Smith, p. 220
  69. Hibbert, p. 149; St Aubyn, p. 169
  70. Hibbert, p. 149; Longford, p. 154; Marshall, p. 123; Waller, p. 377
  71. Woodham-Smith, p. 100
  72. Longford, p. 56; St Aubyn, p. 29
  73. Hibbert, pp. 150–156; Marshall, p. 87; St Aubyn, pp. 171–173; Woodham-Smith, pp. 230–232
  74. Rogaev, Evgeny I. et al. (2009) "Genotype Analysis Identifies the Cause of the 'Royal Disease'", Science, vol. 326, no. 5954, p. 817, doi:10.1126/science.1180660,
  75. Potts and Potts, pp. 55–65, quoted in Hibbert p. 217; Packard, pp. 42–43
  76. Jones, Steve (1996) In the Blood, BBC documentary
  77. McKusick, Victor A. (1965) "The Royal Hemophilia", Scientific American, vol. 213, p. 91; Jones, Steve (1993) The Language of the Genes, Londres: HarperCollins, ISBN 0-00-255020-2, p. 69; Jones, Steve (1996) In The Blood: God, Genes and Destiny, London: HarperCollins, ISBN 0-00-255511-5, p. 270; Rushton, Alan R. (2008) Royal Maladies: Inherited Diseases in the Royal Houses of Europe, Victoria, Colúmbia Britânica: Trafford, ISBN 1-4251-6810-8, pp. 31–32
  78. Hemophilia B (Factor IX), National Hemophilia Foundation.
  79. Hibbert, pp. 422–423; St Aubyn, pp. 162–163
  80. Hibbert, p. 423; St Aubyn, p. 163
  81. Longford, p. 192
  82. St Aubyn, p. 164
  83. Marshall, pp. 95–101; St Aubyn, pp. 153–155; Woodham-Smith, pp. 221–222
  84. Woodham-Smith, p. 281
  85. Longford, p. 359
  86. "Famine Queen row in Irish port", BBC News, 15 de Abril de 2003.
  87. Kinealy, Christine, Private Responses to the Famine, University College Cork
  88. Longford, p. 181
  89. Kenny, Mary (2009) Crown and Shamrock: Love and Hate Between Ireland and the British Monarchy, Dublin: New Island, ISBN 190549498X
  90. St Aubyn, p. 215
  91. St Aubyn, p. 238
  92. Longford, pp. 175, 187; St Aubyn, pp. 238, 241; Woodham-Smith, pp. 242, 250
  93. Woodham-Smith, p. 248
  94. Hibbert, p. 198; Longford, p. 194; St Aubyn, p. 243; Woodham-Smith, pp. 282–284
  95. Hibbert, pp. 201–202; Marshall, p. 139; St Aubyn, pp. 222–223; Woodham-Smith, pp. 287–290
  96. Hibbert, pp. 161–164; Marshall, p. 129; St Aubyn, pp. 186–190; Woodham-Smith, pp. 274–276
  97. Longford, pp. 196–197; St Aubyn, p. 223; Woodham-Smith, pp. 287–290
  98. Longford, p. 191; Woodham-Smith, p. 297
  99. St Aubyn, p. 216
  100. Hibbert, pp. 196–198; St Aubyn, p. 244; Woodham-Smith, pp. 298–307
  101. Hibbert, pp. 204–209; Marshall, pp. 108–109; St Aubyn, pp. 244–254; Woodham-Smith, pp. 298–307
  102. Hibbert, pp. 216–217; St Aubyn, pp. 257–258
  103. Matthew, H. C. G.; Reynolds, K. D. (2004; edição online de Outubro de 2009) "Victoria (1819–1901)", Oxford Dictionary of National Biography, Oxford University Press,
  104. Hibbert, pp. 217–220; Woodham-Smith, pp. 328–331
  105. Hibbert, pp. 227–228; Longford, pp. 245–246; St Aubyn, p. 297; Woodham-Smith, pp. 354–355
  106. Reynolds, K. D. (2004; edição online de Outubro de 2009) "Victoria (1819–1901)", Oxford Dictionary of National Biography, Oxford University Press
  107. Woodham-Smith, pp. 357–360
  108. 1855 visit of Queen Victoria, Château de Versailles
  109. Hibbert, pp. 241–242; Longford, pp. 280–281; St Aubyn, p. 304; Woodham-Smith, p. 391
  110. Hibbert, p. 242; Longford, p. 281; Marshall, p. 117
  111. Napoleon III Receiving Queen Victoria at Cherbourg, 5 de Agosto de 1858, National Maritime Museum
  112. Longford, pp. 259–260; Weintraub, pp. 326 ff.
  113. Longford, p. 263; Weintraub, pp. 326, 330
  114. Hibbert, p. 244
  115. Hibbert, p. 267; Longford, pp. 118, 290; St Aubyn, p. 319; Woodham-Smith, p. 412
  116. Hibbert, p. 267; Marshall, p. 152; Woodham-Smith, p. 412
  117. Hibbert, pp. 265–267; St Aubyn, p. 318; Woodham-Smith, pp. 412–413
  118. Waller, p. 393; Weintraub, p. 401
  119. Hibbert, p. 274; Longford, p. 293; St Aubyn, p. 324; Woodham-Smith, p. 417
  120. Longford, p. 293; Marshall, p. 153; Strachey, p. 214
  121. Hibbert, pp. 276–279; St Aubyn, p. 325; Woodham-Smith, pp. 422–423
  122. Hibbert, pp. 280–292; Marshall, p. 154
  123. Hibbert, p. 299; St Aubyn, p. 346
  124. St Aubyn, p. 343
  125. e.g. Strachey, p. 306
  126. Marshall, pp. 170–172; St Aubyn, p. 385
  127. Hibbert, p. 310; Longford, p. 321; St Aubyn, pp. 343–344; Waller, p. 404
  128. Hibbert, p. 310; Longford, p. 322
  129. Hibbert, pp. 323–324; Marshall, pp. 168–169; St Aubyn, p. 356–362
  130. Hibbert, pp. 321–322; Longford, pp. 327–328; Marshall, p. 170
  131. Hibbert, p. 329; St Aubyn, pp. 361–362
  132. General Election Results 1885-1979. United Kingdom Election Results (www.election.demon.co.uk), Visitado em 2 de Maio de 2011.
  133. Hibbert, pp. 311–312; Longford, p. 347; St Aubyn, p. 369
  134. St Aubyn, pp. 374–375
  135. Marshall, p. 199; Strachey, p. 299
  136. Hibbert, p. 318; Longford, p. 401; St Aubyn, p. 427; Strachey, p. 254
  137. Buckle, George Earle; Monypenny, W. F. (1910–20) The Life of Benjamin Disraeli, Earl of Beaconsfield, vol. 5, p. 49,
  138. Hibbert, p. 320; Strachey, pp. 246–247
  139. Longford, p. 381; St Aubyn, pp. 385–386; Strachey, p. 248
  140. St Aubyn, pp. 385–386; Strachey, pp. 248–250
  141. Longford, p. 385
  142. Hibbert, p. 343
  143. Hibbert, pp. 343–344; Longford, p. 389; Marshall, p. 173
  144. Hibbert, pp. 344–345
  145. Hibbert, p. 345; Longford, pp. 390–391; Marshall, p. 176; St Aubyn, p. 388
  146. Hibbert, pp. 426–427; St Aubyn, pp. 388–389
  147. Hibbert, p. 427; Marshall, p. 176; St Aubyn, p. 389
  148. Hibbert, pp. 249–250; Woodham-Smith, pp. 384–385
  149. Woodham-Smith, p. 386
  150. a b Hibbert, p. 251; Woodham-Smith, p. 386
  151. Hibbert, p. 361; Longford, p. 402; Marshall, pp. 180–184; Waller, p. 423
  152. Hibbert, p. 361; Longford, pp. 405–406; Marshall, p. 184; St Aubyn, p. 434; Waller, p. 426
  153. Waller, p. 427
  154. Longford, p. 425
  155. a b Longford, p. 426
  156. Longford, pp. 412–413
  157. Longford, p. 411
  158. Hibbert, pp. 367–368; Longford, p. 429; Marshall, p. 186; St Aubyn, pp. 442–444; Waller, pp. 428–429
  159. Longford, p. 437
  160. Hibbert, p. 420; St Aubyn, p. 422
  161. Hibbert, p. 420; St Aubyn, p. 421
  162. Hibbert, pp. 420–421; St Aubyn, p. 422; Strachey, p. 278
  163. Hibbert, p. 427; Longford, p. 446; St Aubyn, p. 421
  164. Longford, pp. 451–452
  165. Longford, p. 454; St Aubyn, p. 425; Hibbert, p. 443
  166. Hibbert, pp. 443–444; St Aubyn, pp. 425–426
  167. Hibbert, pp. 443–444; Longford, p. 455
  168. Hibbert, p. 444; St Aubyn, p. 424; Waller, p. 413
  169. Longford, p. 461
  170. Longford, pp. 477–478
  171. Hibbert, p. 373; St Aubyn, p. 458
  172. Waller, p. 433; see also Hibbert, pp. 370–371 and Marshall, pp. 191–193
  173. Hibbert, p. 373; Longford, p. 484
  174. Hibbert, p. 374; Longford, p. 491; Marshall, p. 196; St Aubyn, pp. 460–461
  175. # F. W. S. Craig, British Electoral Facts: 1832-1987
  176. Queen Victoria, Royal Household
  177. Marshall, pp. 210–211; St Aubyn, pp. 491–493
  178. Longford, p. 502
  179. Hibbert, pp. 447–448; Longford, p. 508; St Aubyn, p. 502; Waller, p. 441
  180. Hibbert, pp. 448–449
  181. Hibbert, pp. 449–451
  182. Hibbert, p. 447; Longford, p. 539; St Aubyn, p. 503; Waller, p. 442
  183. Hibbert, p. 454
  184. Hibbert, p. 382
  185. Hibbert, p. 375; Longford, p. 519
  186. Hibbert, p. 376; Longford, p. 530; St Aubyn, p. 515
  187. Hibbert, p. 377
  188. Hibbert, p. 456
  189. Longford, p. 546; St Aubyn, pp. 545–546
  190. Hibbert, pp. 457–458; Marshall, pp. 206–207, 211; St Aubyn, pp. 546–548
  191. Hibbert, p. 436; St Aubyn, p. 508
  192. Hibbert, pp. 437–438; Longford, pp. 554–555; St Aubyn, p. 555
  193. Longford, p. 558
  194. Hibbert, pp. 464–466, 488–489; Strachey, p. 308; Waller, p. 442
  195. Hibbert, p. 492; Longford, p. 559 and St Aubyn, p. 592
  196. Hibbert, p. 492
  197. Longford, p. 561; St Aubyn, p. 598
  198. a b Matthew, H. C. G.; Reynolds, K. D. (2004; online edition October 2009) "Victoria (1819–1901)"
  199. Hibbert, p. 497; Longford, p. 563
  200. St Aubyn, p. 598
  201. Longford, p. 563
  202. Hibbert, p. 498
  203. Vitória do Reino Unido (em inglês) no Find a Grave.
  204. Longford, p. 565; St Aubyn, p. 600
  205. "The Official Website of the British Royal Family - Saxe-Coburg-Gotha", Visitado a 7 de Maio de 2011
  206. Hibbert, p. xv; St Aubyn, p. 340
  207. St Aubyn, p. 30; Woodham-Smith, p. 87
  208. Hibbert, pp. 503–504; St Aubyn, p. 30; Woodham-Smith, pp. 88, 436–437
  209. Hibbert, p. 503
  210. Hibbert, pp. 503–504; St Aubyn, p. 624
  211. Hibbert, pp. 61–62; Longford, pp. 89, 253; St Aubyn, pp. 48, 63–64
  212. Marshall, p. 210; Waller, pp. 419, 434–435, 443
  213. Waller, p. 439
  214. St Aubyn, p. 624
  215. e.g. Hibbert, p. 352; Strachey, p. 304; Woodham-Smith, p. 431
  216. Waller, p. 429
  217. Bagehot, Walter (1867) The English Constitution, London:Chapman and Hall, p. 103
  218. St Aubyn, pp. 602–603; Strachey, pp. 303–304; Waller, pp. 366, 372, 434
  219. Erickson, Carolly (1997) Her Little Majesty: The Life of Queen Victoria, New York: Simon & Schuster, ISBN 0-7432-3657-2
  220. Jerry Vermilye, The Great British Films, pp. 39–41, 1978, Citadel Press, ISBN 080650661X
  221. "The Mudlark", IMDb. Visitado a 2 de Maio de 2011
  222. Mrs. Brown. IMDb. Visitado a 2 de Maio de 2011
  223. "Eras of Elegance - Victoria and Albert (2001)". Visitado a 6 de Maio de 2011
  224. "The Young Victoria", IMDb. Visitado a 2 de Maio de 2011
  225. "Blackadder's Christmas Carol"
  226. Whitaker, Cuthbert (ed.). Whitaker's Almanack. Londres: Stationery Office, 1900. p. 86.
  227. Patterson, Stephen. Royal Insignia. Londres: Merrell Holberton, 1996. ISBN 978-1-85894-025-0
  228. Marlene A. Eilers, Queen Victoria's Descendants (Baltimore, Maryland: Genealogical Publishing Co., 1987), pág. 147.
  229. Queen Victoria > Ancestors. RoyaList. Página visitada em 8 de janeiro de 2014.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Hibbert, Christopher (2000) Queen Victoria: A Personal History, Londres: HarperCollins, ISBN 0-00-638843-4
  • Longford, Elizabeth (1964) Victoria R.I., Londres: Weidenfeld & Nicolson, ISBN 0-297-17001-5
  • Marshall, Dorothy (1972) The Life and Times of Queen Victoria, Londres: Weidenfeld & Nicolson, ISBN 0-297-83166-6 [1992 reprint]
  • Packard, Jerrold M. (1998) Victoria's Daughters, Nova Iorque: St. Martin's Press, ISBN 0-312-24496-7
  • Potts, D. M.; Potts, W. T. W. (1995) Queen Victoria's Gene: Haemophilia and the Royal Family, Stroud: Alan Sutton, ISBN 0-7509-1199-9
  • St Aubyn, Giles (1991) Queen Victoria: A Portrait, Londres: Sinclair-Stevenson, ISBN 1-85619-086-2
  • Strachey, Lytton (1921) Queen Victoria, Londres: Chatto and Windus
  • Waller, Maureen (2006) Sovereign Ladies: The Six Reigning Queens of England, Londres: John Murray, ISBN 0-7195-6628-2
  • Weintraub, Stanley (1997) Albert: Uncrowned King, Londres: John Murray, ISBN 0-7195-5756-9
  • Woodham-Smith, Cecil (1972) Queen Victoria: Her Life and Times 1819–1861, Londres: Hamish Hamilton, ISBN 0-241-02200-2

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Vitória do Reino Unido
Vitória do Reino Unido
Casa de Hanôver
Ramo da Casa de Welf
24 de maio de 1819 – 22 de janeiro de 1901
Precedida por
Guilherme IV
Coat of Arms of the United Kingdom (1837-1952).svg
Rainha do Reino Unido
20 de junho de 1830 – 22 de janeiro de 1901
Sucedida por
Eduardo VII
Título criado Star-of-India-gold-centre.svg
Imperatriz da Índia
1 de maio de 1876 – 22 de janeiro de 1901