Ana, Princesa Real e Princesa de Orange

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ana de Orange
Princesa de Orange
Princesa Real da Grã-Bretanha
Princesa de Orange
Período 25 de Março de 1734 - 22 de Outubro de 1751
Predecessor Maria Luísa de Hesse-Cassel
Sucessor Guilhermina da Prússia
Cônjuge Guilherme IV, Príncipe de Orange
Descendência
Carolina de Orange-Nassau
Ana de Orange-Nassau
Guilherme V, Príncipe de Orange
Pai Jorge II da Grã-Bretanha
Mãe Carolina de Ansbach
Nascimento 2 de Novembro de 1709
Hanôver, Alemanha
Morte 12 de janeiro de 1759 (49 anos)
Haia, Países Baixos

Ana, Princesa Real e Princesa de Orange (Hanôver, 2 de novembro de 1709Haia 12 de janeiro de 1759) foi a filha mais velha do futuro rei Jorge II da Grã-Bretanha e de sua consorte, a rainha Carolina. Foi a esposa do príncipe Guilherme IV de Orange, o primeiro stathouder hereditário das Províncias Unidas.

Primeiros Anos[editar | editar código-fonte]

Ana com as suas irmãs Amélia e Carolina em 1721.

A duquesa Ana de Brunswick-Lunenburg nasceu no Palácio de Herrenhausen, em Hanôver, cinco anos antes de o seu avô paterno, o príncipe-eleitor Jorge Luís, ter sucedido ao trono britânico como Jorge I. Foi baptizada pouco depois de nascer no mesmo palácio onde nasceu.[1] Recebeu o nome em homenagem à prima em segundo-grau do seu avô, a rainha Ana da Grã-Bretanha.[2]

Ana aprendeu a falar alemão, francês e inglês,[3] e teve lições de música, canto, cravo e composição de Georg Friedrich Händel. Händel não gostava de ensinar, mas disse que "faria uma excepção apenas para Ana, flor das princesas".[4] Ana foi uma apoiante do compositor toda a sua vida, estando sempre presente nas suas óperas e informada sobre as suas músicas mais recentes.

Em 1720, Ana contraiu e conseguiu sobreviver a um ataque de varíola,[5] e, dois anos depois, a sua mãe ajudou a popularizar a prática da variolização (um tipo de vacinação primitivo contra a varíola), que tinha sido testemunhada por Lady Mary Wortley Montagu e Charles Maitland em Constantinopla. Por ordem de Carolina, seis prisioneiros condenados tiveram a oportunidade de escolher testar a variolização e ser executados: todos sobreviveram, assim como seis crianças órfãs que foram submetidas ao mesmo teste. Convencida da sua importância médica, Carolina também ordenou que os seus filhos Amélia, Carolina e Frederico fossem vacinados contra a varíola da mesma forma.[6] O rosto de Amélia ficou marcado pela doença, o que fez com que a princesa não fosse considerada tão bonita como as irmãs.[7]

Princesa real[editar | editar código-fonte]

A 30 de agosto de 1727, Jorge II concedeu a Ana o título de Princesa Real. O rei Carlos I da Inglaterra tinha criado esse título para sua primogênita Maria (mãe de Guilherme III), em 1642. Entretanto, caiu em desuso até o reinado de Jorge II. A sua tia paterna Sofia Dorotéia de Hanôver, que era casada com o rei da Prússia, teria direito a ele, mas jamais o recebeu.

Casamento[editar | editar código-fonte]

Ana com o marido Guilherme e os seus dois filhos, Carolina e Guilherme.

Um possível contrato de casamento entre Ana e o rei Luís XV da França acabou por não acontecer quando os franceses insistiram que Ana se deveria converter ao catolicismo.[3] A 25 de Março de 1734 (no Novo Calendário), Ana casou-se com o príncipe Guilherme IV de Orange na Capela Real do Palácio de St. James.[8] Guilherme sofria de uma deformidade na coluna, algo que prejudicava o seu aspecto físico, mas Ana disse que se casaria com ele mesmo "se fosse um babuíno".[9] Deixou de usar os seus títulos britânicos em favor do título que obteve com o casamento. A música que foi tocada no seu casamento, "This is the Day" [Chegou o Dia], foi composta por Händel, que se baseou em palavras escolhidas pela própria princesa que se tinha inspirado nos Salmos 45 e 84.[10] Ana e o irmão Frederico acabariam por se zangar por causa da escolha.

Guilherme e Ana viajaram para a Holanda depois de passar a lua-de-mel em Kew. Ana não demorou até sentir saudades de casa e, quando o marido partiu para o campo de batalha em Rhineland, decidiu visitar a Inglaterra, acreditando que estava grávida. Eventualmente, o seu pai e o seu marido obrigaram-na a regressar à Holanda.[11] Em Abril de 1735, tornou-se claro que, afinal, Ana não esperava um filho.[12] Em 1736, conseguiu engravidar, mas a criança, uma menina, nasceu morta.[13]

Regência[editar | editar código-fonte]

Quando o seu marido morreu aos quarenta anos de idade, Ana foi nomeada regente do seu filho de três anos, o príncipe Guilherme V de Orange. Ana era muito trabalhadora, mas arrogante e imperiosa, o que a tornou muito pouco popular.[14] Esta característica iria ajudar Guilherme mais tarde, na sua dura vida. A década de 1750 foi uma de grande tensão e rivalidade comercial entre a Holanda e a Grã-Bretanha, o que ajudou a dificultar a posição de Ana.[15]

Últimos Anos[editar | editar código-fonte]

Ana continuou a ser regente até morrer devido a um edema, em 1759, na cidade da Haia, nos Países Baixos, altura em que foi substituída pela sua sogra, a landegravina Maria Luísa de Hesse-Cassel, e pelo duque Luís Ernesto de Brunsvique-Luneburgo. Quando Maria Luísa morreu, a filha mais velha de Ana, Carolina, foi nomeada regente até 1766, altura em que Guilherme completou dezoito anos de idade.

A cidade Princess Anne, no Marilândia, recebeu o nome em sua honra.

Descendência[editar | editar código-fonte]

  1. Filha natimorta (nascida e morta a 19 de Dezembro de 1736)
  2. Filha natimorta (nascida e morta a 22 de Dezembro de 1739)
  3. Carolina de Orange-Nassau (28 de Fevereiro de 1743 - 6 de Maio de 1787), casada cm o duque Carlos Cristiano de Nassau-Weilburg; com descendência.
  4. Ana de Orange-Nassau (15 de Novembro de 1746 - 29 de Dezembro de 1746), morreu com um mês de idade.
  5. Guilherme V de Orange (8 de Março de 1748 - 9 de Abril de 1806), casado com a princesa Guilhermina da Prússia; com descendência.

Genealogia[editar | editar código-fonte]

Os antepassados de Ana da Grã-Bretanha em três gerações
Ana da Grã-Bretanha Pai:
Jorge II da Grã-Bretanha
Avô paterno:
Jorge I da Grã-Bretanha
Bisavô paterno:
Ernesto Augusto, Eleitor de Hanôver
Bisavó paterna:
Sofia de Hanôver
Avó paterna:
Sofia Doroteia de Brunsvique-Luneburgo
Bisavô paterno:
Jorge Guilherme de Brunsvique-Luneburgo
Bisavó paterna:
Éléonore Desmier d'Olbreuse
Mãe:
Carolina de Ansbach
Avô materno:
João Frederico de Brandemburgo-Ansbach
Bisavô materno:
Alberto II de Brandemburgo-Ansbach
Bisavó materna:
Sofia Margarida de Oettingen-Oettingen
Avó materna:
Leonor Edmunda de Saxe-Eisenach
Bisavô materno:
João Jorge I de Saxe-Eisenach
Bisavó materna:
Joaneta de Sayn-Wittgenstein

Referências

  1. Yvonne's Royalty Home Page: Royal Christenings
  2. Van der Kiste, p. 24
  3. a b Van der Kiste, p. 84
  4. Van der Kiste, p. 85
  5. Van der Kiste, p. 73
  6. Arkell, pp. 133–135; Van der Kiste, p. 83
  7. Van der Kiste, p. 78
  8. Van der Kiste, p. 132
  9. Van der Kiste, p. 131
  10. Van der Kiste, p. 133
  11. Van der Kiste, pp. 135–136
  12. Van der Kiste, p. 136
  13. Van der Kiste, p. 150
  14. Van der Kiste, p. 198
  15. Van der Kiste, p. 209
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Ana, Princesa Real e Princesa de Orange