Eleitorado de Hanôver

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde maio de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Kurfürstentum Hannover
Kurfürstentum Braunschweig-Lüneburg

Eleitorado de Hanôver
Eleitorado de Brunsvique-Luneburgo

Estado do Sacro Império Romano-Germânico
em união pessoal com a Grã Bretanha

Blank.png
1708 – 1814 Flag of the Kingdom of Westphalia.svg
 
Flag of Hanover 1837-1866.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Localização de Hannover
Continente Europa
Região Alemanha
País Alemanha
Capital Hanôver
Governo Monarquia
Eleitor
 • 1708-1727 Jorge I
 • 1727-1760 Jorge II
 • 1760-1814 Jorge III
História
 • 1692 Elevação a eleitorado
 • 1708 Formalmente aprovada
 • 19 de Outubro de 1813 Batalha de Nações
 • 12 de Outobro de 1814 Congresso de Viena

O Eleitorado de Hanôver (em alemão: Kurfürstentum Hannover) ou, mais formalmente, Eleitorado de Brunswick-Lüneburg ou, na sua forma portuguesa, de Brunsvique-Luneburgo[1] (em alemão: Kurfürstentum Braunschweig-Lüneburg) foi o nono eleitorado do Sacro Império Romano-Germânico em 1692, quando o imperador Leopoldo I, nomeou o duque Ernesto Augusto para eleitor do império como recompensa pela ajuda dada na Guerra dos Nove Anos. Houve protestos contra a adição do novo eleitor, e a elevação não se tornou oficial até a aprovação pela Dieta Imperial em 1708.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1714, Jorge Luís tornou-se rei da Grã-Bretanha, no qual Hanôver e a Grã-Bretanha se juntaram em uma união pessoal. A influência dos eleitores de Hanôver também cresceu na Alemanha, na medida em que o eleitorado herdou os antigos territórios suecos de Bremen e Verden em 1719, e como parte da Mediatização Alemã de 1803, os eleitores receberam a Diocese de Osnabrück. Em 1803, o eleitorado foi ocupado pelas tropas francesas e prussianas após a Convenção de Artlenburg, e seguindo os Tratados de Tilsit em 1807, juntamente com os territórios cedidos pela Prússia foi criado o Reino da Vestfália, governado pelo irmão de Napoleão, Jérôme Bonaparte.

No entanto, o governo de Jorge III não reconheceu a anexação francesa, pois estava em guerra com a França durante todo o período, e os ministros de Hanôver continuaram a operar fora de Londres. O governo manteve o seu próprio serviço diplomático, que manteve ligações com países como a Áustria e a Prússia, com os quais o próprio Reino Unido estava tecnicamente em guerra. O exército de Hanôver foi dissolvido, mas muitos dos oficiais e soldados foram para a Inglaterra, onde se formou a Legião alemã do Rei. A legião foi o único exército alemão a lutar continuamente contra os franceses durante todas as guerras napoleônicas.

O controle francês durou até outubro de 1813, quando o território foi recuperado pelas tropas russas dos cossacos, e durante Batalha das Nações em Leipzig no mesmo mês sepultaria definitivamente o Estado-cliente napoleônico, assim como toda a Confederação do Reno, no qual a Casa de Hanôver seria restaurada e retornaria a governar a região e seria elevada do título de príncipe-eleitor do Sacro Império Romano-Germânico, a monarcas de um reino independente, pelo Congresso de Viena em 1814.

Eleitores de Hanôver[editar | editar código-fonte]

Em 1692, o imperador romano-germânico, Leopoldo I, elevou Ernesto Augusto, filho do duque Jorge de Brunsvique-Luneburgo, à posição de Eleitor do império como uma recompensa pela ajuda dada na Guerra dos Nove Anos. Houve protestos contra a adição de um novo eleitor, assim a elevação não se tornou oficial até à aprovação pela Dieta Imperial em 1708, sob o governo do filho de Ernesto Augusto, Jorge Luís. Embora o título tenha sido formalmente Eleitor do Ducado de Brunsvique-Luneburgo e Eleitor do Sacro Império Romano, ele é normalmente designado por Eleitor de Hanôver devido à residência dos eleitores.

O eleitorado foi legalmente obrigado a manter-se unido: ele poderia aumentar o seu território, mas não podia cair sob domínio estrangeiro e nem ser dividido entre os vários herdeiros, e seguia a sucessão pela primogenitura masculina. O território atribuído ao eleitorado incluía os ducados de Brunsvique-Luneburgo, Calenberg, Grubenhagen, e Celle (apesar de que Celle foi governada pelo irmão mais velho de Ernesto Augusto) e os condados de Diepholz e Hoya.

Referências

  1. Fernandes, Ivo Xavier. Topónimos e Gentílicos. Porto: Editora Educação Nacional, Lda., 1941. vol. I.