Maria, Princesa Real e Princesa de Orange

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde janeiro de 2012). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Maria
Princesa Real
Princesa de Orange e Condessa de Nassau
Reinado 14 de março de 1647
a 6 de novembro de 1650
Predecessora Amália de Solms-Braunfels
Sucessora Maria II de Inglaterra
Marido Guilherme II, Príncipe de Orange
Descendência
Guilherme III de Inglaterra
Nome completo
Maria Henriqueta
Casa Stuart (por nascimento)
Orange-Nassau (por casamento)
Pai Carlos I de Inglaterra
Mãe Henriqueta Maria de França
Nascimento 4 de novembro de 1631
Palácio de St. James, Londres, Inglaterra
Morte 24 de dezembro de 1660 (29 anos)
Palácio de Whitehall, Londres, Inglaterra
Enterro Abadia de Westminster, Londres, Inglaterra

Maria (Londres, 4 de novembro de 1631Londres, 24 de dezembro de 1660) foi Princesa Real da Inglaterra e também Princesa de Orange e Condessa de Nassau como esposa de Guilherme II, Príncipe de Orange. Era a filha mais velha do rei Carlos I de Inglaterra e de sua esposa a rainha Henriqueta Maria de França. Seu único filho posteriormente como rei Guilherme III de Inglaterra e Orange & II da Escócia. Maria foi a primeira filha de um monarca inglês a possuir o título de Princesa Real.

Infância e Adolescência[editar | editar código-fonte]

Maria Henriqueta nasceu no Palácio de St. James, em Londres. O seu pai, Carlos I, a designou como Princesa Real em 1642, estabelecendo assim a tradição de que a filha mais velha do soberano britânico ostentasse esse título. O título veio a ser criado quando a rainha consorte Henriqueta Maria da França, filha do rei Henrique IV de França, imitou a forma como a filha mais velha do rei da França era intitulada em estilo francês (Madame Real). Até essa altura, a filha mais velha do monarca inglês e escocês tinha diversos títulos diferentes como Lady ou Princesa (as filhas mais jovens dos reis britânicos não foram consistentemente intituladas no estilo Sua Alteza Real até a ascensão de Jorge I, em 1714).

Casamento[editar | editar código-fonte]

Seu pai quis casar a princesa real com o filho de Filipe IV, rei da Espanha, enquanto seu primo, Karl Ludwig, o eleitor palatino, era também um pretendente para a mão dela. Ambas as propostas foram rejeitadas, pois já ela estava noiva de Guilherme, filho e herdeiro de Frederico-Henrique, príncipe de Orange e das Províncias Unidas, e de Amália de Solms-Braunfels. O casamento ocorreu em 2 de maio de 1641 em Londres, mas não foi consumado por vários anos, devido à pouca idade da noiva. No entanto, em 1642, Maria foi para a República Holandesa com a sua mãe, a rainha Henriqueta e, em 1644, ela começou a tomar o seu lugar na vida pública.

Últimos anos[editar | editar código-fonte]

Maria e Guilherme em 1647 por Gerard van Honthorst.

Em março de 1647, seu marido, Guilherme II, sucedeu seu pai. No entanto, em novembro de 1650, ele morreu de varíola. O único filho do casal, Guilherme (mais tarde, Guilherme III), nasceu poucos dias depois de seu falecimento. A princesa de Orange, viúva, foi obrigada a compartilhar a guarda do seu filho recém-nascido, com a avó Amália, a viúva de Frederico-Henrique, príncipe de Orange. Ela era impopular entre os holandeses, devido à sua simpatia com a sua família, os Stuarts, e devido à opinião pública, que estava zangada devido À sua hospitalidade demonstrada para com os seus irmãos, os exilados Carlos II e o Duque de Iorque (mais tarde, James II & VII); ela estava proibida de receber seus familiares. De 1654 a 1657, a princesa passou a maior parte de seu tempo fora da Holanda.

Em 1657, ela se tornou regente em nome de seu filho para o Principado de Orange, mas as dificuldades da sua posição levaram-na a implorar a ajuda de Luis XIV, o rei francês, que respondeu pela apreensão Orange. A Restauração de Carlos II, na Inglaterra e na Escócia, reforçou bastante a posição da viúva princesa de Orange e do seu filho, na Holanda. Em setembro de 1660, ela retornou à Inglaterra.

Morreu de varíola em Londres, e foi enterrada na Abadia de Westminster. Mais tarde em 1689, o seu filho, Guilherme III, se tornou Rei da Inglaterra, Escócia e Irlanda, além de se tornar Príncipe de Orange.

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.