Abadia de Westminster

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde março de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Abadia de Westminster
Fachada ocidental da Abadia de Westminster.
Fachada ocidental da Abadia de Westminster.
Local Londres
País Reino Unido
Coordenadas 51° 29′ N 0° 7′ W
Religião Catolicismo Romano de 1050 a 1534 e Anglicanismo de 1534 aos dias atuais.
Diocese Diocese de Londres
Ano de consagração 1065


Início da construção 1045
Fim da construção 1050
Página web Site Oficial
Pix.gif Palácio de Westminster, Abadia de Westminster e Igreja de Santa Margarida *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

SanktEdvardsstol westminster.jpg
Trono de Eduardo, o Confessor no interior da Abadia
País  Reino Unido
Critérios i, ii, iv
Referência 426
Região** Europa
Coordenadas 51º 30' 0″ N, 0º 7' 30″ O
Histórico de inscrição
Inscrição 1987  (11ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
** Região, segundo a classificação pela UNESCO.

A Igreja do Colegiado de São Pedro em Westminster mais conhecida como Abadia de Westminster (em inglês:Westminster Abbey) é uma grande igreja em estilo gótico na Cidade de Westminster, sendo considerada a igreja mais importante de Londres e, algumas vezes, de toda a Inglaterra. É famosa mundialmente por ser o local de coroação do Monarca do Reino Unido. Entre 1546 e 1556 obteve estatuto de Catedral e atualmente é uma Royal Peculiar.

História[editar | editar código-fonte]

O primeiro lugar de culto no local onde hoje se encontra a Abadia de Westminster foi fundado no ano 616 após um pescador do Rio Tamisa ter tido uma visão de São Pedro. Na década de 970, São Dunstan da Cantuária fundou no local uma comunidade de Monges Beneditinos mas só entre os anos de 1045 e 1050 é que foi construída a abadia em pedra pelo Rei Eduardo, o Confessor, que aqui foi enterrado após a sua morte. A abadia foi consagrada em 28 de dezembro de 1065.

O Rei Henrique III modificou a Abadia, adoptando um estilo gótico anglo-francês, mas as obras só terminaram no reinado de Ricardo II. Em 1503, Henrique VII adicionou uma capela dedicada à Abençoada Virgem Maria.

Em 1534, Henrique VIII aprova o Acto de Supremacia pelo qual separa a Igreja de Inglaterra da Igreja Católica e entre 1538 e 1541 levou a cabo a Supressão dos Mosteiros em Inglaterra, Gales e Irlanda, confiscando as suas propriedades. Nessa altura, a Abadia de Westminster era a segunda mais próspera de Inglaterra a seguir à Abadia de Glastonbury, com um rendimento anual entre as £2400,00 e as £2800. Em 1540 deu à Abadia o estatuto de catedral, estabelecendo a diocese de Westminster.

Durante o Reinado da Católica Maria I, a Abadia foi devolvida aos Beneditinos que voltaram a ser expulsos durante o reinado de Isabel I. Esta transformou-a na Colegiada de São Pedro, directamente dependente da Coroa e não do Bispado, sendo assim uma Royal Peculiar.

As duas torres da abadia foram erguidas entre 1722 e 1745 e projetadas por Nicholas Hawksmoor. Até ao século XIX a Abadia era o terceiro estabelecimento de ensino superior em Inglaterra, após Oxford e Cambridge. Nesta Abadia foi concretizada a tradução de parte da Bíblia do Rei James.

Ao longo dos séculos tem tido um papel relevante na história da Inglaterra e do Reino Unido, como palco de inúmeras coroações e casamentos reais. Muitos monarcas britânicos e membros da família real estão sepultados na Abadia.

Lá estão sepultados os corpos do famoso físico inglês Sir Isaac Newton e do escritor e naturalista britânico, autor da Teoria de Seleção Natural, Charles Darwin.

Em 29 de abril de 2011 casou-se na Abadia de Westminster o Príncipe William de Gales com Catherine Middleton.

Coroação do monarca britânico[editar | editar código-fonte]

Os monarcas do Reino Unido têm sido consagrados na Abadia de Westiminster desde a coroação de Haroldo II de Inglaterra, (exceto Eduardo V e Eduardo VIII que não tiveram cerimônia de coroação).

Poucas vezes um monarca foi coroado fora desta abadia, sendo que Henrique III não pode ser consagrado aqui devido a tomada da cidade de Londres pelo rei Luís VIII de França e teve de ser coroado na Catedral de Gloucester.

Tradicionalmente o monarca a ser coroado toma assento no Trono de Eduardo, o Confessor e quem preside a cerimônia é o Arcebispo da Cantuária. O Trono de Eduardo está no interior da abadia desde 1308, porém os reis da Escócia eram coroados na Pedra de Scone.

Túmulos[editar | editar código-fonte]

O rei Henrique III reconstruiu o a abadia em honra de Eduardo, o Confessor cujas relíquias foram guardadas em seu túmulo no interior da abadia. Henrique III também foi sepultado na abadia e posteriormente todos os monarcas da Inglaterra foram sepultados aqui (entretanto, alguns foram sepultados na Capela de São Jorge (Castelo de Windsor) no Castelo de Windsor. O rei Jorge II da Grã-Bretanha foi o último monarca a ser enterrado na abadia em 1760; desde então os monarcas têm sido enterrados na Capela de São Jorge (Castelo de Windsor) no Castelo de Windsor. No total, 17 monarcas estão sepultados nesta necrópole real convertida em mausoléu nacional com mais de 3.000 túmulos de algumas das figuras britânicas mais famosas em todos os âmbitos, de Isaac Newton a Laurence Olivier, passando por Charles Dickens e Charles Darwin.

Além da realeza, algumas personalidades destacadas no meio científico e cultural obtiveram a honra de serem enterradas na abadia, como foi o caso de:

Ensino[editar | editar código-fonte]

A Westminster School e Westminster Abbey Choir School estão ambas sob o controle da Abadia de Westminter. A ligação entre a abadia e a educação remontam à época beneditina, quando o Papa exigiu dos monges que mantivessem uma escola de caridade em 1779.

Os alunos da Westminster School, uma vez que foram autorizados a brincar na abadia deixaram suas marcas de bola no chão, que são visíveis até hoje. Atualmente os alunos da Westminster School utilizam a abadia regularmente para concertos e apresentações.

Sinos[editar | editar código-fonte]

Os sinos no Abadia foram renovados em 1971. O campanário atualmente é composto de 10 sinos confecionados pela Whitechapel Bell Foundry. Os sinos sintonizam as notas F, E, D, C, B, A, G, F #, E e D. Além disso, existem dois sinos de serviço, feitos por Robert Mot em 1585 e 1598, respectivamente.

Transporte[editar | editar código-fonte]

As estações do Metropolitano de Londres mais próximas são a St. James's Park e Westminster.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Abadia de Westminster


Imagem: Palácio de Westminster, Abadia de Westminster e Igreja de Santa Margarida A Abadia de Westminster faz parte do sítio Palácio de Westminster, Abadia de Westminster e Igreja de Santa Margarida, Património Mundial da UNESCO. Welterbe.svg