Guanabara

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guanabara
Estado da Guanabara

Estado do Brasil

Blank.png
1960 – 1975 Bandeira da cidade do Rio de Janeiro.svg
Flag Brasão
Bandeira Brasão
Hino nacional
Cidade Maravilhosa
Localização de Guanabara
Localização do antigo estado da Guanabara.
Continente América do Sul
Região Sudeste
País Brasil
Capital Rio de Janeiro
Língua oficial Português
Governo República presidencialista
Governador
 • 1960 José Sette Câmara Filho
 • 1960 - 1965 Carlos Lacerda
 • 1965 - 1970 Francisco Negrão de Lima
 • 1970 - 1975 Antônio Chagas Freitas
Vice-governador
 • 1961 - 1964 Elói Dutra (primeiro)
 • 1975 - 1980 Daguimar da Fonseca (último)
História
 • 1960 Fundação
 • 1975 Dissolução
Área
 • 1975 1 356 km2
População
 • 1975 est. 4 858 000 
     Dens. pop. 3 582,6/km²

A Guanabara foi um estado do Brasil de 1960 a 1975, no território do atual município do Rio de Janeiro. Em sua área, esteve localizado o antigo Distrito Federal do país (1891-1960). A palavra guanabara tem sua origem no tupi guaná-pará, que significa seio-mar.

História[editar | editar código-fonte]

Em 1834, o Rio de Janeiro, que em 1763 sucedeu Salvador como capital do Brasil colonial e depois imperial, foi transformada no Município Neutro da Corte, permanecendo como capital do Império do Brasil, enquanto que Niterói passou a ser a capital da província do Rio de Janeiro. Em 1889, após a Proclamação da República do Brasil, a cidade do Rio de Janeiro continuou sendo a capital do Brasil e a província homônima foi transformada em estado. No dia 24 de fevereiro de 1891, mediante a promulgação da primeira constituição republicana do Brasil, o então Município Neutro passou à categoria de Distrito Federal. Com a mudança da capital para Brasília, em 21 de abril de 1960, o município do Rio de Janeiro tornou-se o estado da Guanabara, de acordo com as disposições transitórias da Constituição de 1946 e da Lei Número 3 752, de 14 de abril de 1960 (Lei San Tiago Dantas).[1]

Com o término da Era Vargas e o vislumbrar de uma nova fase política com o presidente Juscelino Kubitschek, iniciada em 1955, patrocinando a ocupação do interior do Brasil, que na prática eliminava o cenário político brasileiro das pressões sócio-políticas das grandes cidades e de setores políticos influentes, a construção de Brasília representava um baque nos interesses em jogo da elite carioca, pois minimizava o seu tranquilo status de centro das decisões políticas do país.

Diante dessa ameaça, com intensa mobilização entre os grupos políticos cariocas, ainda indecisa com os rumos que a cidade tomaria, optou-se pela criação da cidade-estado guanabarina, com o estado do Rio de Janeiro que dá nome a capital, nas vizinhanças do jovem estado. Para alguns estudiosos, entretanto, o principal problema político não foi solucionado: a perda do poder político e econômico que os fluminenses possuíam até a Proclamação da República do Brasil, avizinhando-se um possível esvaziamento da cidade do Rio de Janeiro no mesmo sentido.

A Guanabara foi o único caso no Brasil de uma cidade-estado. Em plebiscito realizado em 21 de abril de 1963, a população decidiu pela existência de apenas um município na unidade federada. O primeiro governador, José Sette Câmara Filho, foi nomeado pelo presidente da República e exerceu o cargo até 5 de dezembro de 1960, quando o passou para o primeiro governador eleito, Carlos Lacerda, que exerceu o cargo por cinco anos.

O Palácio Monroe sediou o Senado quando o Distrito Federal se encontrava no atual município do Rio de Janeiro.

O Governo Lacerda dinamizou mudanças radicais na cidade, ao promover a remoção de favelas para outras regiões (e a consequente criação da Vila Kennedy e da Cidade de Deus), a construção da adutora do Rio Guandu para o abastecimento de água à cidade e uma série de modificações paisagísticas. Dentre as principais obras realizadas na cidade nesse período, destacam-se a abertura do Túnel Rebouças, o alargamento da Praia de Copacabana e a construção da maior parte do Parque Eduardo Gomes.

O Distrito Federal quando se encontrava no atual município do Rio de Janeiro

Nesse período, também foi organizada a Companhia Estadual de Telefones, cuja missão foi a de instalar serviço de telefones automáticos nos afastados subúrbios, como Irajá, Bento Ribeiro, Bangu, Campo Grande e Santa Cruz, na baixada de Jacarepaguá e na Barra da Tijuca, assim como na Ilha do Governador e na Ilha de Paquetá. Anos mais tarde a companhia estadual foi incorporada ao sistema telefônico fluminense, que, através da TELERJ, passou a atender o restante do estado após a fusão.

A pedido de Lacerda, foi efetuada a elaboração do Plano Doxiadis, conjunto de projetos ligados a área urbanística. A Linha Lilás foi a primeira a ser construída, entre as décadas de 1960/1970 e a Linha Verde foi apenas parcialmente construída. Já a Linha Vermelha e a Linha Amarela foram desengavetadas e concretizadas na década de 1990. Todas, baseadas no plano que ainda previa as linhas Azul e Marrom.

Os outros governadores eleitos para exercer a chefia do Poder Executivo da Guanabara foram Francisco Negrão de Lima (de 1965 a 1970) e Antônio de Pádua Chagas Freitas (1970 a 1975), em cujo governo foi construído o emissário submarino de esgotos de Ipanema.

Pela Lei complementar número 20, de 1 de julho de 1974, durante a presidência do general Ernesto Geisel, decidiu-se realizar a fusão dos estados da Guanabara e do Rio de Janeiro, a partir de 15 de março de 1975, mantendo a denominação de estado do Rio de Janeiro, voltando-se à situação territorial de antes da criação do município neutro, com a cidade do Rio de Janeiro também voltando a ser a capital fluminense.

A condição de cidade-estado permitiu que Guanabara, mesmo depois de perder verbas federais com a transferência da Capital Federal para Brasília, desfrutasse de uma elevada receita per capita de dupla arrecadação com os impostos municipais e estaduais, o que lhe possibilitou o financiamento do grande número de obras públicas realizadas durante a década de 1960. Era um estado rico, ao contrário do vizinho estado do Rio de Janeiro, que era pobre, com uma economia que se esvaziava desde 1927 mesmo com a industrialização ocorrendo no eixo Rio-São Paulo.

Os investimentos efetuados foram considerados instrumentos de estímulo à reinserção da Guanabara num novo cenário político e econômico brasileiro. O governo federal tirou da gaveta a antiga ideia de uma ligação entre as cidades do Rio de Janeiro e Niterói por uma ponte, a qual seria um símbolo da fusão. Foi construída, então, a Ponte Presidente Costa e Silva. Outros investimentos federais foram implementados no estado do Rio de Janeiro, como as usinas atômicas de Angra dos Reis, porém, com a fusão, a cidade do Rio de Janeiro ganhou arrecadação estadual e teve sua economia fortemente afetada pela fraca economia do estado do Rio de Janeiro.

Movimentos contrários à fusão[editar | editar código-fonte]

Em 2004, às vésperas do aniversário de trinta anos da fusão, o político Alfredo Sirkis lançou um movimento pela recriação do estado da Guanabara, o Autonomia Carioca, por considerar que a fusão dos dois estados foi prejudicial à cidade do Rio de Janeiro. O movimento propunha a realização de um referendo para decidir o tema. Em seu site na internet, foram recolhidas 2473 assinaturas.

Um dos fatores que prejudicaram o movimento pela desfusão foi o fato de a ideia, nos dias de hoje, ser extremamente impopular entre as camadas menos abastadas da população (o que fez a oposição a este movimento o tachar de elitista), tanto da cidade quanto do estado do Rio, devido aos gastos administrativos e fiscais que seriam criados com a desfusão.

Em 2008, outro movimento, chamado O Rio Decide, lançou uma nova campanha pela desfusão.

Governadores[editar | editar código-fonte]

Vice-governadores[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. _________. Nosso Século. São Paulo: Editora Abril, 1980. 5 vol. Volumes 4 e 5.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]