Jacarepaguá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jacarepaguá
—  Bairro do Brasil  —
Avenida Ayrton Senna, em Jacarepaguá.
Avenida Ayrton Senna, em Jacarepaguá.
Distrito Barra da Tijuca e Jacarepaguá
Município Rio de Janeiro
Criado em 23 de julho de 1981
Área
 - Total 7579,64 ha (75 Km2) (em 2003)
População
 - Total 157,326 (em 2 010)[1]
 - IDH 0,769[2] (em 2000)
Domicílios 60.683 (em 2010)
Limites Itanhangá, Barra da Tijuca, Camorim,
Vargem Grande, Campo Grande,
Senador Camará, Realengo, Taquara,
Curicica, Cidade de Deus, Gardênia Azul,
Anil, Freguesia, Água Santa,
Engenho de Dentro, Lins de Vasconcelos,
Grajaú e Alto da Boa Vista[3] .
Subprefeitura Barra da Tijuca e Jacarepaguá
Fonte: Não disponível
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Jacarepaguá

Jacarepaguá é um bairro de classe média da Zona Oeste do município do Rio de Janeiro, no Brasil. Localiza-se na Baixada de Jacarepaguá, entre o Maciço da Tijuca e a Parque Estadual da Pedra Branca e na beira norte das lagoas de Jacarepaguá e Tijuca. O ponto culminante da cidade, o Pico da Pedra Branca[4] , se localiza no seu limite com o bairro de Vargem Grande.[5] É atualmente o sexto maior bairro da cidade, passando por um forte processo de gentrificação e urbanização.

Topônimo[editar | editar código-fonte]

"Jacarepaguá" é um termo tupi que significa "enseada do lugar dos jacarés", através da junção dos termos îakaré (jacaré), paba (lugar) e kûá (enseada)[6] .

História[editar | editar código-fonte]

Seu povoamento por parte dos indígenas começou há cerca de 800 anos, no século XIII. Com a colonização portuguesa nada mudou até o fim do século XVIII com a divisão do vale em fazendas. No fim do século XIX começa um processo de aterramento de pântanos e re-divisão em chácaras, que ocorreu lentamente e se manteve até os anos 60. O bairro já foi primeiro e segundo maior da cidade, pois importantes áreas do que sempre se entendeu historicamente como a parte principal de Jacarepaguá, com o tempo foram gradualmente se desmembrando e tornando-se bairros próprios. Em 1981 o prefeito Júlio Coutinho separou a parte litorânea com os bairros de Barra da Tijuca e Recreio dos Bandeirantes, fazendo de Jacarepaguá ainda toda a parte do vale atrás das lagoas, sendo o maior bairro da cidade depois de Campo Grande. Doze anos depois, em 1993, o prefeito Cesar Maia separou outros dez núcleos urbanos como bairros próprios: Anil, Curicica, Cidade de Deus, Freguesia de Jacarepaguá, Gardênia Azul, Pechincha, Praça Seca, Tanque e Taquara. Hoje esses bairros junto com Vila Valqueire e o próprio Jacarepaguá, fazem parte da XVI Região Administrativa da cidade.[7]

Estrutura[editar | editar código-fonte]

O bairro ainda é um dos maiores e mais importantes da cidade, com um dos metros quadrados que mais encarecem por ano. Nele estão localizados o Autódromo Nelson Piquet, o Barra Music, o Centro de Convenções do Rio, o Estádio Olímpico de Hóquei, o Hospital Sarah Kubitschek, a HSBC Arena, o Hotel Hilton, o Hotel Ramada o Parque Aquático Maria Lenk, o Velódromo Municipal do Rio, o Parque dos Atletas, o Shopping Metropolitano e Vila Pan-Americana, a Vila Olímpica do Rio de Janeiro.[8]

Vale de Jacarepaguá
Estrada de Jacarepaguá.jpg

História de Jacarepaguá
Área original


Subprefeitura
Região Administrativa (16ª R.A.)
R.A. exclusiva de Cidade de Deus


Bairros Atuais:
Anil
Camorim
Cidade de Deus
Curicica
Freguesia
Gardênia Azul
Jacarepaguá
Pechincha
Praça Seca
Tanque
Taquara

Seu índice de desenvolvimento humano, no ano 2000, era de 0,769, o 104º colocado entre 126 regiões analisadas na cidade do Rio de Janeiro.[9] Sendo considerado baixo, porém esse índice já foi drasticamente defasado em função da rápida transição de bairro rural para bairro nobre que o Jacarepaguá sofreu na última década; ganho melhorias principalmente pelo setor privado.

Faz limite com os bairros de Itanhangá, Barra da Tijuca, Camorim, Vargem Grande, Taquara, Curicica, Cidade de Deus, Gardênia Azul, Anil, e Freguesia de Jacarepaguá; apenas na zona oeste; além de Senador Camará, Bangu, Realengo e Campo Grande separados pelo Parque Estadual da Pedra Branca; e ainda Água Santa, Engenho de Dentro, Lins de Vasconcelos, Grajaú e Alto da Boa Vista na Zona Norte porém de facto são separados pela Floresta da Tijuca.[10]


Principais logradouros[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]